Singapura

A Capital Asiática da Comida


Basmati Bismi

Distribuidor de arroz basmati da marca Bismi junto à caixa da sua camioneta.

Vermelho X-Plosivo

A malagueta é um dos ingredientes incontornáveis de muitos dos pratos singapurense.

Hora do troco

Mulheres de etnia malaia fazem compras num mercado de víveres do Tekka Mall de Singapura.

Tarefa para homens

Singapurenses de etnia Tamil compram vegetais numa banca de rua de Little India.

Noite animada

Rua da Chinatown de Singapura animada e repleta de gente a saborear especialidades da pequena nação.

Outros sabores

Cozinheiro austríaco vende salsichas Wiener nas ruas da Chinatown de Singapura, até à data da fotografia, com enorme sucesso.

Decoração e signos

Não está provada a relação astrológica mas uma balança jaz junto a um aquário numa banca do mercado de víveres do Tekka Mall.

Pratada de sabor

Pormenor de um dos pratos tradicionais servidos nos Hawker Centres de Singapura.

Tian Yuan

Dona de uma banca de um Hawker Centre apetrechada de ingredientes e com um menu bilingue afixado.

Jelly fruta

Pormenor de uma sobremesa tão colorida como simples que combina pudim com gelatina.

Arquitectura com sabor a durião

Um pormenor do Esplanades - Theatre on the Bay, o edifício cultural mais emblemático de Singapura, inspirado no fruto nacional, o durião.

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Os hawker centres são uma espécie de instituição singapurense. Nós sentíamo-nos oficialmente desesperados perante a abundância de stands interiores geminados em diversas filas e com as suas especialidades e menus dispostos de forma similar.

A fome apertava mas limitávamo-nos a dar mais voltas àquela zona aromática do Teka Mall. Com isso, só alimentávamos a enorme indecisão, tornada ainda mais ridícula pelos acenares e apelos simultâneos dos empregados de balcão dos estabelecimentos mais próximos: “Venham cá, experimentem as minhas especialidades! Vão adorar!” ou “É da minha comida que andam à procura, tenho a certeza absoluta!” Singapura é das nações mais ordeiras à face da Terra, que não subsistam dúvidas mas estes lojistas tinham que fazer pela vida e a visão de dois forasteiros a tentar decidir-se era mais forte que os mais descomplexados.

Acabámos por ceder ao chamamento de um deles, de etnia malaia. Aproximámo-nos da sua montra e desatámos um rol de perguntas sobre no que consistia ou continha isto ou aquilo. Esclarecidos, acabámos por pedir um nasi goreng (arroz frito com pedacinhos de carne e vegetais) e uma grande mee soto (uma sopa de noodles rica e bastante picante). Quando a comida estava pronta, a senhora serviu-nos sem grandes sorrisos na mesa em que nos tínhamos acomodado. Demorámos uma eternidade a partilhar os dois pratos, muito por culpa da potência da sopa para que não estávamos preparados. Em seguida, ainda experimentámos uma taça de chendol e celebrámos ao constatar o quanto se assemelhava às sobremesas halo halo que tínhamos devorado vezes sem conta nas Filipinas, feitas de leite de coco, farinha de arroz, gelatina, açúcar de palma e, como acontecia com o chendol que tínhamos pela frente, frequentemente reforçado com feijão vermelho.

Mais que satisfeitos, ocorreu-nos que aquela sim, era uma verdadeira praça de alimentação. Não que Singapura não as tivesse também em grande quantidade dentro dos seus incontáveis centros comerciais em pouco ou nada diferentes dos que temos por cá. Já uma área coberta, enorme como aquela, com centenas de mini-restaurantes lado e lado, agrupados por grupos étnicos, para evitar ao máximo rixas e confusões, a servir de tudo um pouco, isso não estávamos habituados a ver.

Hawker centres como o Teka e outras dezenas espalhados pela ilha não servem só para refeições de hora de almoço durante a semana. Até mesmo quando os singapurenses jantam fora em grupo, os preferem aos restaurantes convencionais. Aproveitam, assim, a sua conveniência, os preços muito mais baixos e a diversidade de oferta sem fim que tanto nos deixara baralhados.

Singapura sempre foi um porto fulcral da Ásia servido por uma população em grande parte proveniente de outras paragens. Ao longo dos tempos, as culinárias dos nativos malaios e a do maior grupo étnico da ilha, o chinês, misturaram-se entre si e com as dos grupos étnicos indianos – com destaque para o Tamil -, a Peranakan de descendentes de chineses há muito instalados em Penang, Malaca, na Indonésia e na própria Singapura.

O tempero étnico não se ficou por aí. A fusão genética dos portugueses que dominaram durante dois séculos o mercado das especiarias e continuaram a habitar Malaca e Singapura com os nativos, ingleses, holandeses, chineses e indianos deu origem ao grupo kristang. A sua culinária, goza, também ela, de grande prestígio.

Como era de esperar, além de um sem número de ingredientes e pratos provindos de todos aqueles lugares bem como suas variantes, surgiram ainda, na ilha, muitas outras receitas hoje consideradas híbridas ou multiculturais.

Bastaria passarmos do mundo localizado mas delicioso e revigorante dos Hawker centres para o do prestígio internacional para constatarmos a popularidade da gastronomia singapurense.

Em 2011, a CNN resolveu levar a cabo uma eleição online das “50 Comidas Mais Deliciosas do Mundo”. Quatro das mais votadas foram pratos idolatrados em Singapura: Arroz de Frango de Hainan, o Chili de Caranguejo, Laksa (sopa de noodles Perakanan) e os Roti Prata, habitualmente servidos com caril de carne ou vegetais e que podem ser cozinhados com queijo, cebola, banana, feijão, chocolate, cogumelos, ovos ou outros.

Ingredientes como estes são conseguidos em distintos mercados convenientemente contíguos aos hawker centres. Existem os de carne, de peixe, de vegetais etc etc, em que vários donos de restaurantes mantêm outros negócios e em que todos se abastecem.

Depois daquela refeição e de outras em lugares similares, quase nunca resistimos a deambularmos pelos seus corredores confusos, entre donas de casa embrulhadas em saris, sob hijabs ou em vestidos ocidentais e modernos, atendidas por talhantes, peixeiros e outros comerciantes entregues de corpo e alma aos ofícios. Grande parte das suas compras são dedicadas a refeições caseiras já quase seculares por vezes partilhadas por grupos de diferentes religiões, neste caso, com atenção às restrições de cada um: o porco no caso dos muçulmanos, vaca para os hindus, pratos preferencialmente de aves ou vegetarianos se ambos estiverem sentados à mesa.

Noutro dia qualquer, passeávamos pelo bairro de Little Índia quando demos com a estranha cena de dezenas de singapurenses indianos numa esplanada quase todos de lassis na mão a assistirem ao que parecia um clássico de Bollywood. Curiosos, sentámo-nos, pedimos duas e ficámos a acompanhar os derradeiros momentos da barulhenta longa-metragem. No fim, demos connosco a tagarelar com um sikh de postura altiva e discurso contagiante. Falámos-lhe do fenómeno das lassis e acabámos por nos envolver num longo debate a três que meteu o sistema político singapurense e a verdadeira importância das etnias indianas no país. Mas também passou obviamente pela comida. 

“Vocês são o quê, já agora? Católicos, protestantes? Não são nada? Ah, OK, pronto, são desses free thinkers sem deus ou deuses, já percebi. Bom, de qualquer maneira, têm que entender que aqui em Singapura, as coisas já funcionam assim há muito tempo”, procurou elucidar-nos Singh, cada vez mais entusiasmado pelo interesse que demonstrávamos e pela profundidade que a conversa assumia. “Nós coexistimos com as nossas etnias e religiões mas a rivalidade entre os grupos étnicos mantém-se. Uma das formas de evitarmos que a nossa identidade se suma na dos outros ou, pior, simplesmente na ocidental é respeitarmos as tradições. Aquelas lassis e a gastronomia em geral têm um papel incontornável em Singapura. Basta ter algum dinheiro para uma família de cá atravessar a ilha toda para chegar a um restaurante com comida de que gostem muito, seja a que hora for. Aliás, até é frequente singapurenses emigrados regressarem mais cedo do que pensavam do estrangeiro só por sentirem falta dos seus pratos favoritos.” 

A dissertação continuou. Deixou-nos convencidos e mais atentos ao assunto. Nos últimos dias de visita, quando explorávamos a zona da Marina Bay, na foz do rio Singapura, não pudemos deixar de reparar que até a arquitectura da Esplanade Theatres on The Bay, o principal centro de artes do país, é declaradamente inspirada no durião, o mal-cheiroso fruto nacional que as autoridades tiveram que proibir na rede de transportes públicos.

Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.

Sentosa, Singapura

O Recreio de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.

Lenha à Pressa
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades

Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.

Gang de 4
Cidades
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Tempo de surf
Cultura

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Espera sem fim
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós-voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo desregula-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Maksim
Étnico

Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Durante muito tempo discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera o orgulho e autonomia. A 6 de Fevereiro, esta etnia indígena comemora a sua nacionalidade.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Budismo XXL
História
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Vela ao vento
Ilhas

Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias diversificaram-se, tal como os povos que o disputaram.

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

À boleia do mar
Natureza
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Brincadeira ao ocaso
Parques Naturais
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Picos florestados
Património Mundial Unesco

Huang Shan, China

A Montanha dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Pura Vida em risco
Praia

Montezuma, Costa Rica

Um Recanto Abnegado da Costa Rica

A partir dos anos 80, Montezuma acolheu uma comunidade cosmopolita de artistas, ecologistas, pós-hippies, de adeptos da natureza e do famoso deleite costariquenho. Os nativos chamam-lhe Montefuma.

A Crucificação em Helsínquia
Religião

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Viagem no Tempo
Sociedade

Samoa Ocidental

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para Oeste da Linha Internacional de Data.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.