Basílica Santo Sepúlcro, Jerusalém, Israel

O Templo Supremo das Velhas Igrejas Cristãs


Momento Incenso
Sacerdote ortodoxo espalha incenso à entrada da Edícula.
Prostração
Crente etíope prostra-se sobra a Pedra da Unção, à entrada da rotunda em que se situa a Edicula do Santo Sepulcro.
Incensários
Incensários pendem da abóboda da Basílica do Santo Sepulcro.
O Altar da Crucificação
Fiéis em frente ao Altar da Crucificação da basílica do Santo Sepulcro.
Deslumbre
Trio de crentes chegados da Etiópia deslumbrado com a magnificência da Basílica do Santo Sepulcro.
Abóboda Deus Todo-Poderoso
A pintura de abóboda do Cristo Todo-Poderoso.
Trono de José de Arimateia
Fiéis etíopes prostram-se sobre o trono de José de Arimateia, o senador que removeu o corpo de Cristo da cruz e o sepultou.
À Porta da Edícula
Sacerdote ortodoxo à entrada da Edícula.
Sacerdotes coptas
Religiosos coptas sentados num recanto da ala copta da Basílica do Santo Sepulcro.
Átrio da Edícula
Sacerdote ortodoxo à entrada da Edícula.
Basílica do Santo Sepulcro
A fachada milenar da Basílica do Santo Sepulcro.
Canto das Cruzes
Cruzes arrumadas no espaço exterior copta da basílica.
Beijo Copta
Sacerdote copta saúda uma criança filha de um outro crente copta.
Incensários
Incensários pendem da abóboda da Basílica do Santo Sepulcro.
Unção
Gravura descreve o momento entre o término da crucificação e a sepultura de Jesus Cristo.
Incensários II
Incensários, purificadores dourados da fé cristã.
Outro recanto sagrado
Cristãos etíopes entram na sala de José de Arimateia.
Chamas de Fé
Fiel do leste da Europa acende velas junto à edícula do Santo Sepulcro.
Foi mandada construir pelo imperador Constantino, no lugar da Crucificação e Ressurreição de Jesus e de um antigo templo de Vénus. Na génese, uma obra Bizantina, a Basílica do Santo Sepúlcro é, hoje, partilhada e disputada por várias denominações cristãs como o grande edifício unificador do Cristianismo.

Estão identificados em inglês e em hebraico os gradeamentos móveis usados para limitar o acesso dos visitantes ao interior da Edícula.

É assim conhecida a capela sagrada e dourada que contém o túmulo de Jesus e a Capela do Anjo, câmara em que se crê existir um fragmento da laje que o selava e que o Evangelho de Mateus descreve ter sido removida por um anjo descido dos céus, aquando da visita de Maria Madalena.

Segundo Mateus, a acção do anjo provocou um grande sismo. A visão do anjo de Deus e o abalo terão deixado os vigilantes do túmulo aterrorizados, como moribundos.

O anjo tranquilizou Maria Madalena e as Marias que a acompanhavam e moveu-as a constatarem a Ressurreição de Jesus Cristo, de maneira que a pudessem testemunhar aos discípulos.

Rica como é, a narrativa de Mateus deu azo a interpretações distintas. Ainda hoje, é apontado um equívoco frequente: o facto de que, demasiados cristãos ensinam e aprendem que foi a acção do anjo – leia-se a remoção da laje – que viabilizou a Ressurreição.

O Âmago Religioso da Edícula do Santo Sepulcro

Seja qual for a versão em que acreditem, são fiéis cristãos, os que vemos agrupados na rotunda envolvente da Edícula, sob a supervisão do Cristo Todo-Poderoso, pintado na abóboda acima.

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, Abóboda Deus Todo-Poderoso

A pintura de abóboda do Cristo Todo-Poderoso.

Ao contrário do que acontece nas ruas e ruelas do Bairro Cristão e outros bairros em redor, os soldados das Forças de Defesa de Israel não acompanham os gradeamentos. Estão ausentes da Edícula e da basílica em geral.

Em vez, sacerdotes ortodoxos de batinas dos mais variados tons e padrões abanam incensários de maneira a espalharem fumos e aromas purificadores sobre os crentes.

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, sacerdote com insensário

Sacerdote ortodoxo espalha incenso à entrada da Edícula.

Outros, auxiliares de batinas negras, controlam o número de pessoas dentro e fora da pequena capela e validam a entrada de novos grupos.

Para boa parte dos visitantes, a passagem pela Edícula prova-se um momento arrebatador, único em toda a sua dimensão histórica e, sobretudo religiosa. Outras secções da grande basílica, causam os seus próprios arrepios e lágrimas de fé.

Da Crucificação à Ressurreição: o Itinerário Bíblico da Basílica do Santo Sepulcro

É o caso da Pedra de Unção à entrada em que vemos uma crente etíope prostrada por tanto tempo que, às tantas, receamos que estivesse desmaiada.

De uma outra, de visual eslavo, ucraniana ou russa, que chorava de forma compulsiva em frente ao Altar da Crucificação.

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, prostração

Crente etíope prostra-se sobra a Pedra da Unção, à entrada da rotunda em que se situa a Edicula do Santo Sepulcro.

E, na capela de José de Arimateia, de duas outras fiéis, envoltas em túnicas alvas.

Beijavam o trono do homem que São Marcos descreveu como um membro do Sinédrio de Jerusalém, um político abastado e correcto crente e apoiante de Jesus, o senador que obteve de Pilatos a permissão para remover o corpo de Cristo, perfurado pelo centurião Longinus, da cruz.

Terá sido José de Arimateia que o sepultou.

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, prostração trono José de Arimateia

Fiéis etíopes prostram-se sobre o trono de José de Arimateia, o senador que removeu o corpo de Cristo da cruz e o sepultou.

Quanto mais exploramos os seus recantos ora áureos e resplandecentes, ora lúgubres, mais nos confrontamos com a riqueza e a dinâmica étnica e cultural da Basílica do Santo Sepulcro, sintomática da amplitude geográfica que o Cristianismo depressa conquistou.

A Génese Bizantina (Imperador Romano Constantino) da Basílica do Santo Sepulcro

No ano de 325, doze anos depois do Édito de Milão (de Tolerância face aos cristãos) decretado por Constantino, Helena, a mãe do imperador viajou para Jerusalém acompanhada de dois outros emissários, numa demanda pelos lugares e itens relacionados com os derradeiros dias de Cristo.

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, velas

Fiel do leste da Europa acende velas junto à edícula do Santo Sepulcro.

Nos arredores de Jerusalém, Helena de Constantinopla encontrou o Calvário – o rochedo que havia sustido as cruzes – e o túmulo que recebeu o corpo de Jesus Cristo.

As narrativas cristãs afiançam que identificou ainda as cruzes usadas para crucificar os ladrões e aquela em que Jesus Cristo pereceu, conhecida como a Verdadeira Cruz.

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, altar da crucificação

Fiéis em frente ao Altar da Crucificação da basílica do Santo Sepulcro.

Pouco depois, influenciado pela mãe, Constantino I – o primeiro imperador romano cristão – fez estender a sua fé. Decretou a construção de um templo cristão condigno no lugar de um outro de Vénus, antes encomendado pelo imperador Adriano.

À época, havia que decidir que tipo de edifício seria erguido. E carecia de sentido o emprego das linhas dos templos dos deuses romanos.

A solução encontrada pelos arquitectos foi recuperar e a adaptar a estrutura, na origem helénica, dos edifícios em que os romanos levavam a cabo interacções comerciais, administrativas e judiciais.

Santo Sepulcro Basílica, Jerusalém, igrejas cristãs,

A fachada milenar da Basílica do Santo Sepulcro.

Os romanos continuaram a tratar esses edifícios como basílicas. À imagem de tantos outros, gregos e romanos, tanto o termo como o tipo de estrutura acompanharam a proliferação mundial do Cristianismo.

A basílica do Santo Sepulcro de Constantino ficou pronta em 335 d.C.. Conteve tanto a rocha do Monte Calvário da Crucificação como o túmulo da Ressurreição.

A basílica do Santo Sepulcro destacou-se num lugar chamado da Caveira (Gólgota), à data, nos arredores de Jerusalém, a leste das muralhas da cidade, a norte e a oeste de uma pedreira.

A Viagem Atribulada da Basílica do Santo Sepulcro no Tempo

Continuamos entregues ao misticismo secular da basílica, há já muito, lugar das três últimas estações da Via Crucis de Jerusalém.

Uma única porta dá acesso ao templo. Nos confins opostos desta entrada, com passagem pela pedra onfalo – o umbigo cristão do Mundo – damos com uma saída para as “traseiras” do Patriarcado Copto e da Cisterna de Santa Elena.

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, fiéis etiopes

Trio de crentes chegados da Etiópia deslumbrado com a magnificência da Basílica do Santo Sepulcro.

Lá encontramos dois sacerdotes coptas à sombra de um recanto, na esquina de uma pequena escadaria, sob um carrilhão diminuto de sinos.

Vemo-los beijarem crianças de famílias coptas que por ali passam para os saudarem e obterem a sua bênção.

A presença permanente e dedicada desta última subdivisão cristã intensifica em nós, a curiosidade sobre como seria partilhada a basílica entre as distintas denominações.

A Basílica do Santo Sepulcro actual surge junto ao recanto noroeste da cidade muralhada de Jerusalém. Vítima da violência da história, está longe de ser a original.

No ano 614, os guerreiros do Império Sassânida pilharam Jerusalém. Levaram com eles quase todos os tesouros da basílica. Como se não bastasse, um incêndio por eles provocado causou sérios danos no edifício.

Vinte e quatro anos depois, os Muçulmanos tomaram a antiga região romana da Palestina, Jerusalém incluída. Os califas começaram por permitir a presença destoante da basílica mas, em 1009, Alaqueme Biamir Alá determinou a destruição de todas as igrejas da cidade. Da do Santo Sepulcro, pouco sobrou.

A decisão deste califa fatimida fez o Papado constatar a vulnerabilidade do património Cristão de Jerusalém às mãos dos Muçulmanos. Reforçou a urgência da Primeira Cruzada (1099), que culminou com o cerco e a conquista cristã de Jerusalém.

Ao tomarem a Cidade Santa, os cruzados depararam-se com a igreja tal como nós a encontrámos, excepção feita para alguns danos subsequentes, provocados por incêndios posteriores e pelo sismo de 1927.

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, a porta da edícula

Sacerdote ortodoxo à entrada da Edícula.

Os Cruzados e os seus complexos e atribulados estados resistiram às reconquistas muçulmanas o que puderam.

No início do século XVI, os Otomanos tomaram Jerusalém. Preservaram o controlo da cidade até serem derrotados na 1ª Guerra Mundial.

As Divisões e Disputas das Várias Igrejas Custodiantes da Basílica

Pois, em 1757 e 1852, Osmã III e Abdul Mejide, sultões otomanos respectivos aos anos, emitiram documentos sobre como deveria ser dividida a propriedade e a responsabilidade dos distintos lugares de Israel e Palestina, tal como hoje, reclamados por Judeus, Cristãos e Muçulmanos.

Em 1929, com Jerusalém já sob Mandato Britânico, L.G.A. Cust, um mero funcionário público inglês, elaborou o documento Status Quo que prevalece.

De acordo com este Status Quo, os principais custodiantes da basílica mantêm-se as igrejas Grega Ortodoxa, Arménia Apostólica e a Católica, sendo que a primeira detém a maior parte do templo.

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, cruzes

Cruzes arrumadas no espaço exterior copta da basílica.

Durante o século XIX, de maneira a contornar a sua marginalização, foram atribuídos às igrejas Copta Ortodoxa, à Etíope Ortodoxa e à Síria Ortodoxa santuários menores e outras estruturas em redor do edifício principal, caso do espaço exterior em que convivemos com os sacerdotes coptas.

A basílica está dividida, ao centímetro, de acordo com as suas custódias. Regem cada um dos espaços e patrimónios uma miríade de regras intrincadas.

E, no entanto, nenhuma das poderosas igrejas custodiantes gere a entrada principal. Por responsabilidade ancestral do sultão Saladino que, em 1187, confiou as chaves à família Joudeh Al Goudia e fez com que, não tarda, um milénio depois, continuem na posse muçulmana.

Todos os “problemas” fossem esse.

Malgrado a imagem santificada e santificante dos sacerdotes que gerem o templo, de tempos a tempos, entregam-se a desvarios de discussão e até de pancadaria.

Os Conflitos Físicos Gerados pela Guarda da Basílica

Em Novembro de 2008, a Internet revelou ao mundo vídeos de uma espécie de combate de boxe em batinas entre monges arménios e gregos. Sabe-se ainda que uma porção ínfima do telhado da basílica suscita uma contenda acirrante entre os coptas e os etíopes.

De tal maneira, que, pelo menos um sacerdote copta – provavelmente um dos que encontrámos – se mantém sentado a reclamar esse tal lugar.

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, sacerdotes coptas

Religiosos coptas sentados num recanto da ala copta da Basílica do Santo Sepulcro.

Surgiram narrativas de que, a determinada altura da história, um destes monges moveu a cadeira em que se sentava alguns centímetros para conseguir sombra.

Tal movimento foi visto pela igreja rival como usurpador e suscitou nova pancadaria. Onze religiosos foram parar ao hospital. São apenas alguns exemplos.

Perante este Status Quo, qualquer obra ou renovação do templo é quase impossível o que tem causado uma inevitável decadência da basílica.

Santo Sepulcro, Jerusalém, Incensários

Incensários pendem da abóboda da Basílica do Santo Sepulcro.

Já para não falar do caso da famosa Escada Imóvel.

Esta escada foi colocada, em 1757, por um pedreiro que efectuava um trabalho e dela se terá esquecido. Nesse mesmo ano, a divisão otomana da basílica entrou em vigor e, de acordo com o decreto real, “tudo deveria ficar como estava”.

Ao longo dos séculos, a escada foi usada para os mais distintos fins.

Mesmo assim, no conturbado ano 2021 que vivemos, continua onde o Status Quo a determinou.

Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo de Israel. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Mar Morto, Israel

À Tona d'água, nas Profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha.
São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.
Tsfat (Safed), Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Nacionalismo Colorido
Cidades
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Ilha do Norte, Nova Zelândia, Maori, Tempo de surf
Cultura
Ilha do Norte, Nova Zelândia

Viagem pelo Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Em Viagem
Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.
MAL(E)divas
Étnico
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Gran Canária, ilha, Canárias, Espanha, La Tejeda
História
Gran Canária, Canárias

Gran (diosas) Canária (s)

É apenas a terceira maior ilha do arquipélago. Impressionou tanto os navegadores e colonos europeus que estes se habituaram a tratá-la como a suprema.
Graciosa, Açores, Monte da Ajuda
Ilhas
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Natureza
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Parques Naturais
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Cobá, viagem às Ruínas Maias, Pac Chen, Maias de agora
Património Mundial UNESCO
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, Catarata
Praias
Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma

Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Religião
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Sociedade
Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
EN FR PT ES