Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico


Um cenário imponente

Casario de Cilaos, no sopé do Piton des Neiges e de outros picos afiados da caldeira.

Casal Dijoux

Casal de moradores da caldeira (cirque) Cilaos durante um passeio pelo centro histórico da povoação.

Sem pressas

Habitantes conversam no exterior da casa local de PMVs (jogos de sorte e de azar).

Sentido único

Um dos autocarros modernos e cor-de-rosa que servem Cilaos e as redondezas ocupa por completo um dos túneis que leva à caldeira.

No quase cimo da Reunião

O casario longínquo de Cilaos, perdido na vastidão verdejante da caldeira homónima.

Arquitectura Bourbon

Criança brinca no jardim de uma das peculiares vivendas históricas de Cilaos.

Vila a que não falta o pão

Pequena padeira algo subsumida por detrás do balcão que lhe serve de posto de trabalho.

Mundo de aventuras

Um grupo de praticantes de canyoning prepara-se para descer uma queda d' àgua vertiginosa.

Sem pressas II

Amigos convivem na rua principal de Cilaos.

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Por alguma razão a estrada de acesso a Cilaos é única. Aproveitou a secção excepcional em que as vertentes quase verticais do coração da ilha dão um pouco de si e, mesmo assim, só chegou ao seu interior com um esforço dantesco de engenharia que teve início em 1927 e 32 árduos quilómetros depois, terminou em 1937. Antes da estrada, o acesso de e para a povoação, cravado na aresta da montanha era vertiginoso e de tal forma apertado que chegava a impossibilitar o cruzamento de caminhantes em sentidos distintos. Os aldeãos que avançavam para as cidades da costa com carros de bois atafulhados de bens tinham que esperar em zonas estratégicas ou para elas recuar para assim permitir o fluxo das pessoas. Como seria de esperar, as derrocadas e quedas mortais aconteciam com demasiada frequência.

Tomamos a ainda aventurosa RN5 à saída de Saint Louis, na costa sul da Reunião.  O percurso sinuoso do rio Bras de Cilaos serpenteia e estreita à medida que  nos aproximamos da sua nascente elevada. Estamos na época seca. Há um bom tempo que não chove a sério por estes lados. O leito amplo e pedregoso que contemplamos um precipício abaixo do asfalto prova o quão avassalador e assustador às vezes se torna o caudal, se alimentado pelos dilúvios que todos os anos encharcam a ilha. No seu âmago, o Cirque de Cilaos pode ser tão verdejante quanto extremo. De 7 para 8 de Janeiro de 1966, o ciclone tropical Denise varreu parte do oceano Índico, incluindo a Reunião. Nesse período de 24 horas, a pluviosidade contou-se em 1825 mm, um recorde mundial absoluto.

Continuamos a subir. Sentimos, cada vez mais próximos, os gigantescos paredões cobertos de vegetação, a espaços, percorridos por véus de noiva gentis que quebram a homogeneidade do verde. Por altura do Îlet Peter Both detém-nos um autocarro cor-de-rosa mais lento que não tarda a fazer-se ao túnel local. Temos a sensação que só por milagre se poderia enfiar naquela passagem subterrânea exígua. O que é facto é que, mesmo entupindo-a na totalidade, o transporte sai para o outro lado da vertente, connosco na cola. Encosta numa paragem desviada do trecho principal e recolhe um grupo de jovens que discute e ouve música a altos berros.

Pouco depois de o ultrapassarmos, avistamos os cumes afiados do Piton Papangue e do Piton des Calumets. Vencidos mais alguns esses, temos o Mare Séche à nossa esquerda, logo, damos com entrada da esquiva comunidade de Cilaos.

A tarde aproxima-se do fim. Os paredões íngremes que se impõem a toda a volta e só admitem o sol quando o astro anda por volta do zénite, precipitam a sombra e a escuridão.

Dessa feita, até tínhamos preparado a pernoita. Após algumas voltas ao quarteirão, encontramos a Casa Celina em que havíamos reservado um quarto. “Bon soir Monsieur, Madame, soyez bienvenus!” é tudo o que compreendemos sem esforço da jovem senhora que nos espera e recebe com simpatia mas um sotaque francês aparentemente nativo que depressa nos faz desesperar. Persistimos e lá desbravamos o briefing exaustivo que nos tinha que transmitir.

Instalamo-nos, abrimos as janelas da varanda. Apreciamos a vista que o lusco-fusco nesse momento azulava. Temos pela frente o casario de Cilaos, feito quase só de vivendas coloridas e, a delimitar a rua principal, de alguns edifícios com um máximo de dois andares, no computo geral, com visuais pouco ou nada históricos, ou demasiado pitorescos ou fotogénicos.

Todos os astros do universo pareciam ter-se instalado no firmamento que uma rara ausência de nuvens exibia resplandecente. Saímos para compras rápidas de víveres. No regresso, jantamos à luz das estrelas. Sondamos as silhuetas do topo da velha cratera em que nos tínhamos metido, apostados em detectar o seu auge e o auge terrestre do oceano Índico, projectado das profundezas de uma das suas mais exuberantes ilhas.

Com uma altitude de 3069 m mas situado no mapa pouco acima do Trópico de Capricórnio, o Piton des Neiges atrai quantidades industriais de chuva. Não se lhe conhecem, há muito, nevões visíveis quanto mais neves eternas. Tratam-se de fenómenos meteorológicos de tal forma raros na zona que se crê que o nome tenha prevalecido do último digno de registo, apreciado com espanto em 1735.

Habituados à vida numa Natureza descomunal, os habitantes da Reunião e grande parte dos visitantes deste improvável limite sul da União Europeia são ávidos randonneurs, caminhantes em formas físicas quase perfeitas que desafiam sempre que podem. Os mais extremos chegam a fazê-lo de formas surreais, como acontece, todos os anos, durante o Grand Raid Réunion, igualmente conhecido por Diagonal dos Loucos tal é a dureza dos seus mais de 160km com quase 10 mil metros de desnível positivo e um tempo limite de término de 66 horas.

Os moradores pioneiros do Cirque de Cilaos também chegaram numa correria insana. Fugiam ilha acima pela liberdade, alguns até mesmo pela vida.

Nessa altura, a Reunião mantinha ainda o seu nome francês original de Île Bourbon, atribuído pelos primeiros colonos gauleses em honra da família real de então. Por volta de 1715, a exportação de café, em breve assistida por uma forte intensificação da escravatura, concedeu à ilha um estímulo económico determinante. Os colonos franceses traziam os escravos da costa oriental africana mais próxima (incluindo Zanzibar e Moçambique) mas também de Madagáscar. Os proprietários chamavam-lhes marrons ou noirs marrons. Como era apanágio dessa era, tratavam-nos de forma sub-humana e despertavam em muitos servos revoltados, a urgência da evasão. Segundo reza a história, terão sido estes escravos, ou apenas um deles a baptizar Cilaos. Uma das teorias defende que o nome do lugar proveio da palavra malgaxe Tsilaosa que tem como significado “onde se está em segurança”. Uma tese concorrente vai mais longe. Diz que o cirque ganhou o seu nome de um único escravo malgaxe chamado Tsilaos que nele se teria refugiado por algum tempo.

O novo dia amanhece. Deixamos a Casa Celina preparados para explorar o quanto antes a povoação e o interior da caldeira. Começamos por percorrer a fascinante D242 que, se estende, até ao seu limite sudoeste, com um traçado próprio de montanha-russa. Passamos por detrás da Église Notre-Dame-des-Neiges de Cilaos, percorremos o ziguezagueado inaugural da rota – de longe, o seu mais curioso e extremo. Descemos em direcção ao leito do rio Bras de Cilaos, junto à Source Tête de Lion. Volvidos alguns quilómetros, detemo-nos para apreciar o casario agora longínquo de Cilaos.

Prosseguimos aos esses. Quase 15km depois, damos entrada numa povoação rural disseminada pelo relevo que lhe permitiu o assentamento. Parece-nos algo ressequida e incaracterística o que, naquele domínio em redor luxuriante, nos surpreende. Mesmo assim, reconhecemos-lhe um encanto de retiro derradeiro que as paragens de autocarro modernas e deselegantes não chegam a anular e que protagoniza a história tornada comum de Cilaos. Tínhamos chegado a Îlet-à-Cordes.

Uns dias antes, na casa de campo de um casal de jovens anfitriões franceses, nos arredores de Saint Pierre, Guillaume, adepto incondicional de uma vida simples – como difundia uma sua t-shirt – tinha-nos aconselhado: “eu, se fosse a vocês não ficava em Cilaos. Prefiro Îlet-à-Cordes, é muito mais genuíno.” Não tardámos a sentir que até poderia ter razão mas que, seguirmos a sua fobia pelas máculas da modernidade –  que o fazia, por exemplo, rejeitar Wifi em casa – iria comprometer os nossos planos de trabalho.

Com as suas vinhas, plantações de lentilhas, colmeias e outras produções biológicas exploradas por quase 431 moradores, Îlet-à-Cordes foi uma das primeiras povoações da Caldeira de Cilaos em que se refugiaram os escravos. Os marrons acediam à sua espécie de flanco de montanha com recurso a cordas que, uma vez instalados, removiam para que não deixassem rasto da sua presença, apesar de, ao invés, dali conseguirem avistar o mar e grande parte da costa sul da ilha.

Ainda assim, em 1751, o mais famoso dos caçadores de escravos da Réunião, Mussard, conseguiu aceder ao esconderijo. Lá encontrou dois campos de marrons, abateu três deles e confiscou um lote de armas e de utensílios.

Antes de nos dedicarmos a Cilaos, voltamos a passar por detrás da igreja da povoação e continuamos para estrada “irmã” da D242, a D241.

Achamos aqueles lados que conduziam ao extremo oposto de Bras Sec bem menos apelativos que o caminho para Îlet-à-Cord. Com excepção, claro está, para o início de um dos trilhos que conduzia ao cume do Piton des Neiges, uma ascensão de seis horas que a maior parte dos caminhantes inauguravam por volta da meia-noite, apontados a chegar ao topo a tempo do nascer mágico do sol.

Já tínhamos tido a nossa dose uns dias antes com a subida interminável de Le Maido ao Grand Bénard, dois outros cimos cruciais sobre as arestas dos Cirques. Estávamos prestes a entregar-nos à cansativa descoberta do Piton de la Fornaise, o vulcão activo da ilha. Sem tempo para tudo, vimo-nos obrigados a rejeitar de vez a conquista do Piton des Neiges e a regressar ao acolhimento de Cilaos.

Com a maior parte dos caminhantes a recuperar em suas casas dos trilhos extenuantes, a povoação entregava-se à paz de um novo crepúsculo. Nós, rendemo-nos à fama do doce vinho local.

Pegámos de estaca numa esplanada do centro e, antes que o estabelecimento encerrasse, pedimos dois copos e uma chamuça para cada um. “Só duas?” questionou a dona do bar como se o desejo não fizesse sentido. “Olhem que estas são das melhores chamuças da Reunião. Não querem antes um conjuntinho de cada recheio? “Pouco ou nada nos esforçámos por recusar a oferta. Em vez, deliciámo-nos com o petisco e recarregámos energias para sairmos à descoberta da povoação. À imagem do que acontece na restante ilha, partilham-na, hoje, habitantes das mais distintas etnias: franceses, africanos, indianos, malgaxes, árabes e chineses, entre outros. Enquanto percorríamos a rua principal e fazíamos novas compras na padaria e no supermercado local, algumas das combinações étnicas surreais que encontrávamos nas faces e cabelos dos residentes deixavam-nos abismados: grandes trunfas encaracoladas e alouradas combinavam com peles café com leite e olhos de um azul profundo ou verde-água. Outras, figuras marcadamente indianas, surpreendiam-nos com olhos amendoados, ausência de pálpebras e um ininteligível crioulo francófono, consequência da combinação genética com imigrados chineses. À imagem do que acontecia no resto da ilha, de igual forma na remota Cilaos a ilha fazia jus ao último dos baptismos. Também ali se provava uma exótica Reunião.

Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.

Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.

Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.

Fort-de-France, Martinica

Liberdade, Bipolaridade e Tropicalidade

Na capital da Martinica confirma-se uma fascinante extensão caribenha do território francês. Ali, as relações entre os colonos e os nativos descendentes de escravos ainda suscitam pequenas revoluções.
Sem corrimão
Arquitectura & Design

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e a experiência que não se deve arriscar subir à pressa.
Via Crucis
Cerimónias e Festividades

Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.

Febre vegetal
Cidades

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Gentlemen Club & Steakhouse
Cultura

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Via caribenha
Em Viagem
Overseas Highway, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Étnico
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Amarelo a dobrar
História
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
The Rock
Ilhas

São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

40 anos passados sobre o fim da sua pena, o ex-presídio de Alcatraz recebe mais visitas que nunca.Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Campo de géiseres
Natureza

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

À boleia do mar
Parques Naturais
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Abastecimento
Património Mundial Unesco

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Praia soleada
Praia

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

A Crucificação em Helsínquia
Religião

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Mini-snorkeling
Sociedade

Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso a “A Praia”

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Recanto histórico
Vida Selvagem

Tasmânia, Austrália

À Descoberta de Tassie

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito mais rude que aussie de ser e mantém-se envolta em mistério no seu recanto meridional dos antípodas.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.