São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré mas, Siga a Marinha.


Parada e Pompa

Oficial lidera parada militar da cerimónia de abertura do Dia da Marinha, em frente à Praça Senatskaya.

Moda Maruja

Visitante a bordo do paquete "Dimitrograd" trajada com roupa de óbvia inspiração naval.

À Tona do Neva

Oficiais das forças navais em formação sobre um submarino emerso no rio Neva, saúdam a multidão na margem.

Amor ribeirinho

Casal beija-se num momento de paixão junto ao paquete "Dimitrograd", repleto de visitantes curiosos.

Um desfile elegante

Jovens marinheiros marcham durante uma curta parada militar de abertura do dia russo da marinha.

Ao Ataque !

Crianças em êxtase a bordo do paquete "Dimitrograd", uma das embarcações expostas à população de San Petersburg, no dia da marinha.

Cortesia Naval

Marinheiro do paquete "Dimitrograd" auxilia uma visitante a deixar a embarcação.

Paciência Russa

Público aguarda numa fila para entrar a bordo de um dos submarinos presentes e visitáveis, no rio Neva.

Diversão às riscas

Jovens marujos já semi-embriagados convivem no jardim de Admiralteyski, a escola naval de São Petersburgo.

Vista do Convés II

Dois jovens oficiais observam visitantes subirem a bordo do seu paquete "Dimitograd", enquanto duas amigas conversam no exterior da embarcação.

Marinheiros de água doce

Dois jovens marinheiros comemoram o dia da Marinha, encharcados e embriagados, dentro de uma fonte do jardim Admiralteyski.

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.

É Domingo. Cento e oitenta quilómetros e quatro horas após a saída de Novgorod, reentramos em São Petersburgo. Por volta das 9 da manhã, a cidade revela-se bem mais tranquila do que antes a havíamos conhecido. Deixamos a bagagem num quarto pr&eacut

e;-alugado e saímos feitos mortos-vivos para o metro e para as margens mais majestosas da grande Peter. Quando subimos da estação de Admiralteyskaya, reparamos finalmente no dia que fazia, de céu limpo e um calor que, apesar de húmido, também nos parecia t&o

acute;rrido.

Caminhamos pelos jardins Aleksandrowski até à praça Senatskaya. Ali, deparamo-nos com uma realidade à parte.

Dezenas de barcos e submarinos à tona surgiam entre as pontes Blagoveshchenski, Dvortsovi e Troitsky, no meio do Neva ou co

ntra os paredões que o delimitam. Uma multidão colorida preenchia as margens elevadas também distribuídas por filas intermináveis estendidas ao longo das embarcações.

Ao mesmo tempo, tinha início a cerimónia de abertura da efeméride, mesmo em frente à estátua altiva do Cavaleiro de Bronze que presta homenagem a Pedro, o Grande, o fundador da cidade e da marinha russa. É atribuída a Peter Alekseyvich Romanov – o nome original do magno czar – a máxima de que “Um Regente que só tem um exército tem uma mão, mas aquele que tem uma marinha, tem duas.” Séculos depois da sua morte, nenhum dos oficiais presentes na cerimónia ou dos marinheiros em formação sobre o submarino “Sankt Petersburg” emerso no meio do Neva se atreveria a discordar.

Aproximamo-nos da parada mas pouco conseguimos vislumbrar por entre a assistência madrugadora. Assim, mesmo sem convite para  o evento ou candidatura prévia que fosse, munimo-nos das carteiras de profissão, colocamos ao pescoço as câmaras com as lentes maiores que carregávamos e insinuamo-nos ao espaço interno reservado a políticos influentes, sacerdotes ortodoxos, altas patentes e jornalistas. A assessora que nos atende acha estranho os cartões escritos apenas em alfabeto romano, em vez do quase totalista cirílico mas, após identificar “Press” a vermelho, acaba por nos dar passagem.

É já do interior privativo de Senatskaya que acompanhamos as paradas imponentes, os discursos, as palavras de ordem para a TV. Nem Putin nem Medvedev estão presentes. Em vez deles, outros dignitários abaixo na hierarquia lideram o protocolo. Mais tarde, a assessora volta a  abordar-nos em russo. Não propriamente pelas palavras, percebemos que nos convoca para a entrevista de um almirante aos meios de comunicação. Limitamo-nos a fotografar o cerco estabelecido pelos colegas da casa.

Finda a cerimónia, a multidão debanda. Uma barca mexicana de três mastros de nome “Cuauhtemoc” atrai gente sem fim. Há música latina a bordo e tanto os tripulantes como um figurante do rei azteca de Tenochtitlan exibem um exotismo e acolhimento sedutores.

Atravessamos a ponte Blagoveshchenski para a outra margem. Também ali se formaram filas ao longo de outras embarcações, abençoadas pela presença altiva da catedral Andrejewski. Subimos a bordo do paquete de guerra “Dimitrograd”. Sobre o convés, acompanhamos as tropelias de dezenas de crianças em êxtase com as baterias de canhões, mas também de aspirantes russas a modelos que fazem incessantes boquinhas e atiram as cabeças para trás determinadas em que as câmaras nas mãos das amigas captem a sua imaculada sensualidade.

Estamos sobre os 60º Norte. O dia de Verão não dá sinal de ter fim. Regressamos aos jardins de Admiralteyski esperançados em ainda assistirmos a um outro atractivo oficioso da celebração.

Chegados à frente do enorme colégio naval, repousamos num banco ainda vago, próximos de outros ocupados por bandos de jovens marinheiros, semi-fardados em camisolas de alças às riscas e em pleno convívio ébrio em redor de uma viola.

Aproximamo-nos uma ou duas vezes de máquinas fotográficas em riste e conseguimos, de imediato, a sua atenção e poses e caretas divertidas. Não insistimos em demasia para não os aborrecermos logo no primeiro contacto. Voltamos a sentar-nos e reparamos que mais fotógrafos os observam de outras posições.

Entretanto, junta-se a nós um grupo de repórteres televisivos visivelmente inquietos. “De onde é que vocês são? Já se passou alguma coisa? Nós achamos que não se vai passar nada. O pior já aconteceu lá atrás na Praça do Palácio, sabem? Um activista desfraldou uma bandeira gay no meio dos militares e foi espancado por estes animais. Tenham cuidado com eles, são muito, muito perigosos.”

Já antes tínhamos ouvido confissões deste tipo. Alexey Kravchenko, amigo e anfitrião da cidade, afiançara-nos que para muitos russos, dias militares como este e o 2º de Agosto (dedicado às Forças Aerotransportadas) eram como dias da família e de evitar sair à rua.

“Sabem.. quando tinha 14 anos fui pontapeado bem a sério por um deles. O normal, é eles causarem violência gratuita e racista um pouco por todo o país. Para mim, o ideal é ficar por casa.”

Mesmo intimidados, não desistimos. Por essa altura, alguns marinheiros estão completamente embriagados e a polícia que os controlara durante o início da tarde já se havia ausentado. Os marujos aproveitam a benesse e fazem-se à fonte em frente. Primeiro um, trôpego e cambaleante, mas deliciado pela anestesia do álcool e por liderar a iniciativa.

O pioneiro reclama uma bandeira russa. Quando lha passam, mete-se debaixo dos repuxos e abana-a de um lado para o outro com vigor inesperado. Então, mais marinheiros se juntam ao camarada. Agrupados e abraçados num exibicionismo etílico gritam a palavra de ordem  “Sloba, sloba, sloba!” (Glória, Glória, Glória).

Os fotógrafos presentes registam o momento e simples pessoas chegam-se à beira da fonte para se fotografarem com esta cena já emblemática da cidade por detrás.

Quando saem da água, alguns marinheiros vencem a timidez e metem conversa connosco com bafos compreensíveis de brandy e de vodka. Um é fã de fotografia. Outro tinha estado em Lisboa e admirava muito a cidade. Outro ainda é fanático do Zenit. Faz questão de nos citar os vários jogadores portugueses ou vindos de Portugal que alinhavam pela equipa. Quase todos arrastam as escassas palavras inglesas que intercalam com trechos involuntários em russo.

Ao contrário do que estávamos avisados, são afáveis e até melosos mas um deles, a quem o álcool despertara a agressividade, perturba a relação cordial que até aí mantínhamos. “De onde são vocês? Espero bem que não sejam USAs! São ingleses?”

Estimávamos que ao dizermos a verdade, estaríamos livres de chatices e, como tal, respondemos com o cuidado de pronunciar o nome da nossa pátria em versão russa: “Partugália, Partugália” ripostamos para o sossegar. Mesmo assim, o rufia naval não desiste. “NATO? Fazem parte da NATO? Não queremos NATOs por cá!” E tu? És skinhead?“ Somos salvos das questões mais periclitantes quando os colegas mais amigáveis o chamam à razão.

Sasha, um fotógrafo com origem russa mas sediado em Nova Iorque assistira ao que se tinha passado e acaba por nos confessar: ”ah.. vocês são portugueses. Já estava a prever que fossem latinos. É incrível como eu, que mesmo com mau sotaque, falo russo, não consigo ter, deles, a confiança que vocês já conquistaram. Ainda por cima vocês não falam russo e eles pouco ou nada falam inglês. Acho que é a vossa abordagem latina. Vocês falam com eles sempre a sorrir… nem eu nem a maior parte de nós, com sangue eslavo, temos muito jeito para nos relacionarmos assim. Os russos não estão habituados a ser bem tratados.”

Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.

Uplistsikhe e Gori, Geórgia

Do Berço da Geórgia à Infância de Estaline

À descoberta do Cáucaso, exploramos Uplistsikhe, uma cidade troglodita antecessora da Geórgia. E a apenas 10km, em Gori, damos com o lugar da infância conturbada de Joseb Jughashvili, que se tornaria o mais famoso e tirano dos líderes soviéticos.

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

Suzdal, Rússia

1000 Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.

Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag cruel. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de "Crime e Castigo"

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design

Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.

Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades

Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.

White Pass & Yukon Train
Cidades

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Indígena Coroado
Cultura

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Erika Mae
Em Viagem

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Aldeia luxuriante
Étnico

Navala, Fiji

O urbanismo tribal de fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Todos a bordo
História

Viti Levu, Fiji

Uma Partilha Improvável

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.

MAL(E)divas
Ilhas
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
Frígida pequenez
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Budismo majestoso
Natureza
Circuito Anapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca das Anapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Água grande
Parques Naturais

Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

Património Mundial Unesco
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Gang de 4
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Insólito Balnear
Praia

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Folia Divina
Religião

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Cabana de Brando
Sociedade

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Acima de tudo
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.