Acra, Gana

A Cidade que Nasceu no Berço da Costa do Ouro


Para diante, sempre

Ganês admira a estátua dourada de Kwame Nkrumah, um dos mentores da independência do Gana e o primeiro presidente da nação.

Saído do nada

Prédio excêntrico destacado do cenário urbano de Acra.

Casa dos Segredos

Guarda em frente da casa presidencial Flagstaff House também conhecida como Golden Jubilee House.

Maré cheia de pescadores

Actividade piscatória intensa num litoral do bairro de Jamestown.

Em honra do fundador

Mausoléu de Kwame Nkrumah projectado da vegetação do parque homónimo.

Sorrisos ganeses

Vendedoras no mercado de artesanato de Acra.

Morte súbita

Marco C. Pereira sai de um caixão que emula uma garrafa da cerveja nacional ganesa Star.

Para Trás Nunca

Excursão de alunos na base da estátua de Kwame Nkrumah, um dos fundadores do Gana.

Do desembarque dos navegadores portugueses à independência em 1957, sucederam-se as potências que dominaram a região do Golfo da Guiné. Após o século XIX, Acra, a actual capital do Gana, instalou-se em redor de três fortes coloniais erguidos pela Grã-Bretanha, Holanda e Dinamarca. Nesse tempo, cresceu de mero subúrbio até uma das megalópoles mais pujantes de África.

O trânsito de Acra pode revelar-se coisa séria. Vem à conversa de cada vez que abordamos os planos do dia seguinte e nunca é considerado de ânimo leve. Pois, nessa manhã, já pouco ou nada podíamos fazer para o evitar. Não tínhamo

s acordado nem demasiado cedo nem suficientemente tarde. O calor seco aumentava e exasperava Ben um funcionário do turismo nacional encarregue dos Eventos Especiais que respeitava a nossa vontade mas que se roía pelo ar condicionado a que estava habituado.

Nós, queríamos sentir o verdadeiro Gana. Tirar-lhe a temperatura e sujeitar-nos às suas forças e maleitas. Para os incontáveis vendedores de estrada, nada melhor que as ruas bem engarrafadas de carros, de táxis e, de preferência, de tro-tros (pequenos autocarros) à pinha. Sucediam-se às janelas abertas do jipe cobertos de uma panóplia de aparelhinhos electrónicos de fabrico chinês e de baterias, ou a oferecer raspadinhas e recargas de telemóvel, pastilhas elásticas, rebuçados, frutas e amendoins apresentados apenas por mulheres em fascinantes pirâmides que mantinham equilibradas sobre a cabeça.

Distraídos por esta oferta, pelos grandes outdoors coloridos e divertidos que admirávamos bem acima da Liberation Road, chegámos ao fulcro político da cidade, a Casa Flagstaff, palácio presidencial da nação, também conhecida por Golden Jubilee House e que, à data da inauguração, em 2008, teve um custo a condizer, entre 40 a 140 milhões de dólares, segundo afiançam fontes com interesses opostos. “Não se tiram fotos por aqui, O.k. ? É proibido. Se tirarem a responsabilidade é vossa!”

A Liberation Rd, transforma-se em Independence Avenue. Por conveniência dos sucessivos presidentes, o quartel general da polícia bem como as residências geminadas de centenas dos seus efectivos ocupam todo um quarteirão próximo. Destacam-se das suas pequenas varandas discos de parabólicas que fornecem TV internacional aos oficiais. A fachada dos prédios surge coberta por outdoors de marcas que aproveitam a localização privilegiada. Um deles impinge lares bem mais invejáveis, as “Imperial Homes: 7 Town Homes, Ultimate Luxury”.  

Nos últimos tempos, Acra produziu mercado para produtos do género, isto sem menosprezarmos o facto de a pobreza ainda habitar os seus intermináveis arredores.

 A capital lidera o boom económico do Gana que é nem mais nem menos que o segundo maior produtor de ouro africano atrás apenas da África do Sul. O Gana, por sua vez, tem mantido um dos PIBs mais elevados da África Ocidental e, é desde 2011, uma das economias que mais crescem no mundo.

Aos poucos, aproximamo-nos do litoral do Golfo da Guiné e do Kwame Nkrumah Park, um reduto da cidade dedicado ao homem que conduziu o Gana à independência da Grã-Bretanha, que serviu a nova nação como seu primeiro-ministro e, logo, como presidente. Nkrumah tornou-se respeitado no Gana mas não só, também devido à persistência com que defendeu o Pan-Africanismo e ao seu papel enquanto membro fundador da Organização da Unidade Africana, de que se tornou o terceiro líder.

Repetem-se as excursões de miúdos inquietos que os professores agrupam aos pés da sua estátua dourada para logo inaugurarem palestras formadoras. Acima, Nkrumah aponta, determinado, para a frente, diz-se que também em direcção ao parlamento ganês. Foi a forma com que o autor da estátua ilustrou uma das expressões predilectas do político: “Para diante, sempre, para trás, nunca.”

Mas a estátua que se destaca, altiva, em frente ao mausoléu de mármore majestoso que a antecede está longe de contar a história toda. Completa-a uma outra, mais antiga, decapitada, que subsiste numa área aberta e descaracterizada poucos metros após a entrada no parque.

Em 1962, Nkrumah conquistara o Prémio Estaline da Paz. Alinhou-se e ao Gana com a esfera comunista mundial. Em plena Guerra Fria, o mais provável é que a CIA tenha actuado de forma a trazer o Gana para o mundo capitalista com apoio de outros governos incluindo o da Grã-Bretanha e o francês. Como sempre acontece nestes casos, a verdade jaz, difusa, sob um manto de acusações e contra-acusações rebatidas. A outra sua estátua permaneceu em frente ao velho parlamento de Acra.

Factual foi a forma como, em 1966, o rival Emmanuel Kwasi Kokota e a sua National Liberation Front tomaram o poder enquanto Nkrumah levava a cabo uma visita oficial ao Vietname do Norte à China. Nkrumah nunca mais regressou ao Gana. Exilou-se em Conacri, receoso de ser raptado e assassinado. Faleceu em Bucareste, em 1972, com 62 anos, de cancro na próstata.

Durante o golpe que depôs Nkrumah, a estátua foi vandalizada. Até 2009, a sua cabeça esteve desaparecida. Nesse ano, o governo lembrou-se de a reclamar. Uma mulher que a tinha guardado devolveu-a. Por fim, a cabeça foi colocada sobre um pedestal, junto à restante estátua.

Apontamos à Black Star Square, a praça que Nkrumah mandou construir para honrar a visita da rainha Elisabeth II alguns anos após a Grã-Bretanha ter liberado o Gana. Encontramo-la tão deserta como se mantém em quase todo o ano, ainda que mais colorida. Dezenas de toldos brancos ou com as cores da bandeira do Gana precedem o grande arco da independência em que os representantes dos países convidados acompanham as celebrações nacionais. Apuramos que está a ser preparado um encontro de fé de uma das várias super-igrejas evangélicas activas no país. Detemo-nos, assim, uns instantes a admirar o monumento ao soldado desconhecido e fazemo-nos a outra zona de Acra em tudo distinta.

Atravessamos Victoriaborg e damos com outro bairro formado por casario entre o antigo e o abarracado e, de novo, com forte azáfama comercial. Percorremo-lo até chegarmos a um farol sobranceiro listado de vermelho e branco que nos confirma que estamos em Jamestown. Acossam-nos, ali, alguns candidatos a guias.

Por mais anos que passem desde o fim do período colonial, Acra não tem como se livrar dos traços urbanísticos das potencias que disputaram a região séculos a fio. A cidade de hoje acolhe dois milhões e duzentos mil habitantes. Dispõe-se em redor de um forte britânico, de um dinamarquês (Christianborg) e de outro holandês (Fort Usher) e integrou as comunidades que viviam nas imediações. Jamestown desenvolveu-se em função do James Fort britânico – hoje usado como prisão. A sua população ribeirinha depende quase na íntegra da pesca que, nem de longe nem de perto, lhe garante conforto de vida quanto mais prosperidade.

Na base do farol, dezenas de taxistas preparam as suas relíquias automóveis para as próximas viagens. Um homem e uma mulher jogam um dos Ludos de cartão populares não só no Gana mas também nos vizinhos Togo e Benin. Este ludo, em particular, surge ilustrado com quatro figuras importantes do país entre cantores, políticos e jogadores de futebol; outros contam com personagens de fama planetária. Por essa altura, o guia que conquistara o direito de nos acompanhar forçava já o seu papel e o pagamento que, no fim do percurso, haveria de reclamar. “É ela que está a ganhar!” afiança-nos, confiante de que a missão lhe começava a correr bem. “Já tinham visto este jogo? Toda a gente joga isto por cá. Muitas vezes traz a foto do vosso Cristiano Ronaldo.” Subimos ao topo do farol. As suas explicações desdobram-se, ansiosas, num âmbito bem mais abrangente de temas.  

Damos a volta ao varandim e a Acra mais próxima revela-se-nos. Jamestown surge em óbvio destaque, o seu areal vasto e repleto de barcos de pesca e redes para diante, um campo de futebol pelado e demasiado desviado do padrão rectangular para acreditarmos que teria medidas oficiais. Um casario gasto e cinzentão que se prolonga a toda a volta do Fort James. Regressamos ao solo.

O guia conduz-nos pela povoação, ao longo de um litoral piscatório com aroma a condizer. Nesta praia ampla nada condizente com um cenário tropical invejável, centenas de pescadores e varinas em trajes com padrões garridos da África Ocidental encarregam-se da faina do dia. Ainda percorremos as ruas interiores do bairro que preservam testemunhos encantadores sem bem que algo decadentes dos tempos em que os britânicos controlavam a Costa do Ouro: a velha estação de correios, o mercado abrigado num edifício de ferro-forjado verde-amarelo.

De Jamestown, viajamos, em vão, até ao castelo de Osu (antigo Christianborg). Havia recentemente sido capturado pelo exército ganês para suas instalações militares. Passamos pela rua homónima, essa, aberta ao público e cosmopolita, pejada de restaurantes, de lojas de roupa e de artesanato em que visitantes de todas as partes procuravam as melhores compras pelo menor número de Cedis – moeda ganesa – possível.

Anos antes de viajarmos para o Gana, tínhamos admirado um documentário sobre os incríveis fazedores de caixões de Acra. Nunca mais nos esquecemos do tema e resolvemos investigar se a sua actividade se mantinha tão viva como então. Frank, um outro motorista da autoridade de turismo nacional, acha piada ao repto e conduz-nos.

Saímos para os arredores litorâneos de Acra. Damos com a primeira oficina, atrás de paredes destruídas e de algum entulho. “Agora já são muitas menos, informa-nos Frank. O governo decretou o alargamento desta estrada e correu com grande das oficinas de caixões que aqui se concentravam. Sobram algumas mas não tem comparação com as que existiam antes.” Investigamos o atelier e o trabalho dos carpinteiros. Identificamos, num ápice, caixões excêntricos em forma de máquina de filmar, de martelo, de besouro e de outros animais, o que quer que os falecidos ou as suas famílias tenham desejado e encomendado a tempo do derradeiro suspiro.

Um dos jovens carpinteiros interrompe os vaivéns da sua plaina. Dá-nos as boas-vindas e mostra-nos todo um catálogo plastificado, longe dele sugerir que iríamos necessitar dos seus produtos nos próximos tempos.

Ainda visitamos uma oficina concorrente mais próxima de Acra. Recebe-nos Eric, também ele ocupado a terminar um grande peixe fúnebre encomendado à última hora. “Este está a dar-me bastante trabalho. É em madeira de lei. Dependendo das posses das pessoas, podemos fazer os caixões nesta madeira ou em madeira mais fraca. Quando nos encomendam do estrangeiro faço-os sempre em madeira de lei. Se recebo muitas encomendas de fora? Sim, sim, graças a Deus, recebo. Eu vou a algumas feiras. Tenho até clientes que revendem os meus caixões nos seus países”.

Subimos ao primeiro andar de uma estrutura feita de tábuas desprovida de parapeitos ou outra protecção contra eventuais quedas. Fazia de montra e acomodava vários outros caixões exóticos. Um tinha a forma de um velho telemóvel Nokia, outro de garrafa de Star – a mais famosa cerveja nacional – outro ainda de um avião da Ghana International Airlines. Pedimos ajuda a Frank e fotografamo-nos dentro da urna da cerveja Star. Estávamos prestes a partir. Queríamos levar do Gana apenas boas-recordações.

Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.

Elmina, Gana 

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

São Nicolau, Cabo Verde

Sodade, Sodade

A voz de Cesária Verde cristalizou o sentimento dos caboverdeanos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau percebe porque lhe chamam, para sempre e com orgulho, "nha terra".
Filhos da Mãe-Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Aventura
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Dragão Humano
Cerimónias e Festividades

São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Moon Festival californiano.

A galope
Cidades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Ilha menor
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Cultura
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

As Cores da Ilha Elefante
Em Viagem

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Étnico
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pequena súbdita
História

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Coragem
Ilhas

Pentecostes, Vanuatu

Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Desembarque Tardio
Natureza

Arquipélago Bacuit, Filipinas

A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Mokoros
Parques Naturais

Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.

Uma Cidade Perdida e Achada
Património Mundial Unesco

Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.

Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Pura Vida em risco
Praia

Montezuma, Costa Rica

Um Recanto Abnegado da Costa Rica

A partir dos anos 80, Montezuma acolheu uma comunidade cosmopolita de artistas, ecologistas, pós-hippies, de adeptos da natureza e do famoso deleite costariquenho. Os nativos chamam-lhe Montefuma.

Cidade dourada
Religião

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Erika Mae
Sociedade

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.