Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural


Bom conselho Budista

Placa num dos muitos templos de Chiang Mai professa um princípio elementar de vida.

Coreografia de kinarees

Dançarinas levam a cabo movimentos tradicionais de um figura mitológica reverenciada pelas nações budistas.

Guarda-relíquias de Buda

Estupa budista projectada do solo sagrado de um dos mais de 300 templos budistas de Chiang Mai.

Um Repouso dourado

Buda repousa sobre a sua eloquência de ouro, num dos muitos templos budistas de Chiang Mai.

Wat Chedi Luang II

Uma das fachadas da ruína do velho templo de Chedi Luang, no coração de Chiang Mai.

Parceiros de parada

Dois participantes de uma das paradas a ter lugar em Chiang Mai, durante as celebrações da ancestralidade Lanna da cidade e região em redor.

Fé contra a parede

Artefacto budista arrumado contra a parede de um templo, semi-dourado, como é usual nesta religião asiática.

Mestre & aprendiz

Monge budista regressa ao interior de um mosteiro sob o olhar de um pequeno Buda dourado.

Budismo Renovado

Templo recente do complexo de Wat Chedi Luang, a ruína de um outro templo secular de Chiang Mai.

Mulherzita Thai

Menina participa numa dança tradicional em trajes também eles típicos e cercada quase só por adultas.

Wat Chedi Luang II

Elefantes ocupam o recanto de um dos templos mais antigos e centrais de Chiang Mai, erguido em 1391 e muito destruído por chuvas torrenciais e por um terramoto de 1595.

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.

Por alturas de Phitsanulok, o comboio balança num trecho menos suave da linha mas Adèle não se deixa intimidar. Diz à filha para se segurar, mete a cabeça de fora da janela e faz mais uma das suas muitas fotos ferroviárias do já longo trajecto.

“Está de férias ou em trabalho?” perguntamos-lhe quando já não conseguimos mais suster a curiosidade. “Bom, é um misto das duas coisas. Para dizer a verdade, desta vez, com a miúda, está a parecer-me muito mais trabalho.” responde-nos num francês meio suspirado meio arrastado devido a um cansaço que já se havia tornado óbvio. Adèle, regressa ao assento comprido que partilha com a pequena Niquita, pega num livro de pinturas e num conjunto de lápis de cor e tenta abstrair a miudita de uma pequena birra iminente.

Que mulher de armas, aquela, acabamos por concluir, em conversa, após apurarmos também que, além de em viagem, estava ao serviço da revista Paris-Match num qualquer projecto editorial de que por lá se haviam lembrado.

Entretanto anoitece. Uma hora depois, Niquita já boceja e coça os olhos. O maquinista não parece melhor. Após sairmos de um longo túnel, faz o comboio deter-se, voltar a marcha e travar bruscamente para desespero de todos os passageiros.

Por essa noite, Adèle desiste de ensinar a filha a escrever. Passa a contar-lhe uma história de adormecer, com direito a representação das personagens e tudo. Niquita rende-se ao calor e à exaustão. A mãe francesa aconchega-a o melhor possível sobre o banco da carruagem. Depois ficamos os três à conversa mas não duramos muito mais.

Só acordamos de manhã, na estação terminal de Chiang Mai. O comboio já se havia detido e o desembarque de Adèle estava complicado. Ajudamo-la primeiro a descer com o carrinho de bebé e a sua grande bolsa militar verde tropa bem mais pesada do que pensávamos. Depois, regressamos ao interior e recuperamos o que nos faltava. Caminhamos juntos na plataforma quando um polícia nos faz deter e a todos os transeuntes. Assim que começou a ser tocado o hino tailandês pelos altifalantes da estação, percebemos que, tal e qual acontecera antes da partida de Banguecoque, éramos mais uma vez vítimas das cerimónias de bandeira solenes e bi-diárias da Terra dos Mil Sorrisos.

Ao contrário do que nos lembrávamos da carruagem e de mais a sul no mapa tailandês, fazia frio por este norte e a meros 300 metros de altitude. 

Despedimo-nos de Adèle e de Niquita e metemo-nos num tuk-tuk a caminho de uma guest house com o nome da cidade. A dona e anfitriã não perde tempo a promover a sua figura de progenitora emprestada dos hóspedes suficientemente mais novos que ela. “Sentem-se e descansem. A Mama honey trata de vocês como se estivessem em casa dos papás!”. Serve-nos um pequeno-almoço digno de farangs – como tratam os tailandeses os forasteiros – que nisto de os satisfazer, a Tailândia sempre esteve à frente da maior parte das nações.

Durante toda a estada, a velhota engraçada, despachada e danada para o negócio haveria de nos prendar com bebidas e outras gentilezas. E, mal percebia que já as tínhamos encetado, informava-nos do preço com um sorriso traquina nos lábios. “São 35 baths, crianças! Eu assento aqui, não se preocupem!”

Percebemos que é Domingo. Para variar, vencemos a sonolência própria de qualquer cansaço de barriga cheia. Aproveitamos o ânimo e saímos à descoberta de Chiang Mai. Caminhamos pelo centro histórico sem grande preocupação com a orientação. Contemplamos e visitamos os templos budistas mais importantes da capital tailandesa do norte, o Wat Chiang Man – o mais antigo – o Wat Phra Singh, o Wat Chedi Luang, o Wat Phan Tao, o Wat Jet Yot e por aí fora. Wats não faltavam por aqueles lados. São mais de 300 em Chiang Mai, quase tantos como os que existem em Banguecoque, uma megalópole muitas vezes maior. Destes 300, 120 estão dentro dos limites restritos da municipalidade, vários dos principais, dentro do domínio histórico quadrangular, protegido por fossos e, em parte, ainda por muralhas. Os wats são a herança mais óbvia do passado conturbado da cidade e da região circundante, incorporada, ao longo dos séculos, em reinos e impérios Tai, Lanna Tai, birmaneses e de novo Tai.

À medida que o sol sobe, o dia aquece e uma multidão preenche as velhas artérias urbanas sob o pretexto de celebrar a riqueza cultural e espiritual da sua ancestralidade.

Entramos numa rua pedestre e damos com uma verdadeira feira atafulhada de artesanato, quitandas de roupa e de comida. Percorriam-na tailandeses e visitantes estrangeiros. Pelo que entretanto percebemos, também dela faziam parte muitos expatriados. Chiang Mai é das cidades da Tailândia em que os estrangeiros mais gostam de se instalar. Há oferta abundante de empregos como professores de línguas, guias ou empregados de bar. O custo de vida é muito inferior ao de Banguecoque e não existem engarrafamentos nem a poluição infernal da capital. Alguns farangs faziam inclusivamente já parte de exibições culturais e étnicas, cantares, danças e exemplificações de outras artes e ofícios que também animavam o mercado.

É levada a cabo uma parada cultural que percorre outras ruas. Dão-lhe cor veados dançantes a que certos espectadores fazem morder grandes colares. Mulheres e meninas trajadas de vermelho e branco sincronizam coreografias suaves enquanto outras jovens em fatos garridos se movem, velozes, para melhor representarem as kinarees, figuras mitológicas que as distintas nações budistas e hindus foram adaptando à sua cultura

Na Tailândia, são meio-humanos, meio aves com asas de cisne,  amantes exemplares e símbolos eternos de prazer, de beleza e de sucesso. Percebemos, assim, porque as dançarinas os encarnavam com tanto afinco e alegria.

Ao fim da tarde, quase todos os participantes e espectadores estavam já derreados. Nem de propósito, no meio de uma praça junto a um retalho da muralha, há uma espécie de clínica de massagens tailandesas ao ar livre instalada sob grandes chapéus de sol. Não param de chegar novos pacientes. Aproveitamos e mimamos os corpos com o requinte sensorial daquela terapia milenar. Pela enésima vez desde a primeira que visitámos a Tailândia.

Sem surpresa, o sono que tínhamos conseguido rebater de manhã, voltou a seduzir-nos. Durante certas sequências mais suavizantes, não conseguimos resistir aos seus encantos, para gáudio das senhoras que delas se encarregavam. “Tenho boas mãos, não tenho?” pergunta-nos uma delas, orgulhosa, quando voltamos à consciência. Confirmamos sem hesitação, até porque era essa a verdade mas suspeitamos que, com o cansaço que tínhamos em cima, as do Incrível Hulk teriam tido o mesmo efeito.

De novo na vertical, reactivámos o modo explorador e embrenhamo-nos no mercado nocturno. Ao invés do que se passara em Banguecoque, resistimos a compras de impulso entre as incontáveis criações e imitações que os tailandeses aperfeiçoaram com maus materiais e custo a condizer.

A Mama Honey parecia esperar-nos na guest house mas, dessa feita, não nos conseguiu impingir nada. O plano era nem sequer tocarmos nas camas e sairmos o mais depressa possível para jantar.

Depois de um repasto tailandês de rua, aí sim, voltámos ao quarto determinados em repor as energias que, ao contrário das de Chiang Mai, já iam quase a zero. Ficámos mais uns dias a explorar a cidade e vários dos seus restantes templos. Em seguida, viajámos até à Tripla Fronteira que atravessámos para o Laos.

Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso a "A Praia"

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.

Chiang Kong - Luang Prabang, Laos

Por Esse Mekong Abaixo

Os custos mais baixos e a beleza dos cenários são as principais razões para fazer esta viagem. Seja como for, a descida pelo rio "mãe de todas as águas" pode ser tão pitoresca como incómoda.

Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.

Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e a experiência que não se deve arriscar subir à pressa.
Verificação da correspondência
Cerimónias e Festividades

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Saint-Pierre
Cidades
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Cultura
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Tóquio
Em Viagem
Couchsurfing (Parte 1)

Mi Casa, Su Casa

Em 2003, uma nova comunidade online globalizou um antigo cenário de hospitalidade, convívio e de interesses. Hoje, o Couchsurfing acolhe milhões de viajantes, mas não deve ser praticado de ânimo leve.
Espantoso
Étnico

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Cap 110
História

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.

Passagem
Ilhas

Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.

Recta Final
Inverno Branco

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Enseada escondida
Natureza

Busuanga, Filipinas

Uma Armada Pouco Secreta

Na 2a Guerra Mundial, uma frota nipónica falhou em ocultar-se ao largo de Busuanga e foi afundada pelos aviões norte-americanos. Hoje, os seus destroços subaquáticos atraem milhares de mergulhadores.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Madeira Excêntrica
Parques Naturais

Sitka, Alasca

Memórias de Uma América que Já foi Russa

134 anos após o início da colonização, o czar Alexandre II teve que vender parte do actual 49º estado dos EUA. Em Sitka, encontramos heranças desses colonos e dos nativos que os combateram.

Passerelle secular
Património Mundial Unesco

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Mme Moline popinée
Praia

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

1001 Noites Russas
Religião
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Fim da Viagem
Sociedade

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.