Viti Levu, Fiji

Velhos Passatempos de Fiji: Canibalismo e Cabelo


Capacete capilar

O cabelo exuberante de Rockodage Bello, dona de uma espécie de antiquário de Pacific Harbour.

Pronto a comer

Rapazes de um matagali da beira do rio Navua ralam coco fresco.

Sobre a Proa

William, um guia nativo, conduz uma pequena expedição pelo rio Navua, em direcção às terras altas de Namosi.

Samu Sakelago

Rapaz fijiano exibe dotes artesãos.

Dança Sentada

Mulheres levam a cabo uma dança tradicional numa aldeia fijiana à beira do rio Navua.

Poder capilar

Imagem histórica de guerreiros fijianos com as grandes cabeleiras tradicionais deste arquipélago melanésio.

Selva tropical de Namosi

Vegetação cerrada do sopé das Namosi Highlands.

Trio Fijiano

Mosese S. Jnr, Herry Danford e Samu Sakelago posam na sua aldeia.

Parede de Vegetação

Cenário verdejante de uma vertente na margem do rio Navua.

Guerreiros Cabeludos

Foto histórica mostra guerreiros fijianos com fartas cabeleiras.

Coreografia de boas-vindas

Jovem protagoniza uma dança, após a cerimónia kava de recepção dos convidados do clã.

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.

Bula, a expressão nacional fijiana significa simultaneamente “olá” e “bem-vindo” e é normalmente proferida com um sorriso nos lábios.

Em Fiji, todo o contacto começa por ela e passa a amizade pela kava, uma espécie de soro obtido das raízes da planta homónima. Não demorámos muito a experimentá-la. Chegados à foz do Navua, juntamo-nos a um grupo prestes a subir o rio até às enigmáticas Namosi Highlands. A primeira parte da expedição contempla uma visita a um matagali (aldeia típica), e, como manda a tradição, inclui uma cerimónia de recepção com partilha desta bebida.

Do lado da aldeia, é o chefe Tui quem conduz o protocolo. Em representação dos estrangeiros, está um líder de conveniência escolhido pelo guia local, com a concordância do resto da comitiva. Os dois ficam sentados frente a frente, ladeados pelos outros elementos da sua representação. 

Dá-se, então, uma troca interminável de palavras entre Tui e o guia William – seu filho e herdeiro do cargo – de que se  destacam, pela repetição, inúmeros naka, diminutivos do obrigado fijiano, que, na íntegra, se pronúncia vinaka.

Terminado o diálogo, o chefe Tui espreme as raízes de kava para uma tanoa – um grande recipiente esculpido em madeira. A bebida, alcoólica e amarga, é finalmente servida aos participantes e gera reacções distintas que vão da repulsa à indiferença.

Habituados ao desconforto dos forasteiros, os anfitriões dão início a exibições de danças tradicionais meke, primeiro masculinas e guerreiras, depois, graciosas, femininas.  

Após o almoço, o carismático William retoma a palavra e, descreve o passado longínquo da sua aldeia e a arrepiante vida tribal das Namosi Highlands. 

É sem razões contemporâneas para receio que regressamos ao Navua, com o plano de vencer o caudal para chegar às terras altas da cordilheira. Banal nas imediações do oceano, o rio depressa muda de aparência. E, quando menos se espera, surge ladeado por “florestas” impenetráveis de glória da manhã, bambu e de vegetação rival que criam cenários sombrios. O nevoeiro adensa-se a partir das margens e retoca o ambiente para as novas narrativas arrepiantes de William. Este, aproveita a envolvência enigmática e relembra que o canibalismo fez parte de Viti Levu e de grande parte da melanésia durante mais de 2500 anos e que a mais sofisticada forma de vingança para uma tribo de Fiji – o supra-sumo do insulto às rivais – era, até há menos de um século, naquelas mesmas margens, comer os inimigos. Poupa a comitiva aos pormenores realmente macabros.

A garganta que acolhe o rio aperta à medida que avançamos para o interior e passamos por longas quedas de água que se precipitam das falésias. Ao mesmo tempo, a floresta adensa-se e agrava o ambiente semi-assustador que pareceu ideal ao realizador de “Anaconda 2: The Black Orchid”, para ali rodar mais um filme de fugir da famosa saga réptil.

Sobrevivemos à expedição. Assim que regressamos a Navua, metemo-nos no carro, guiamos até Pacific Harbour e espreitamos o mercado local, um reduto comercial peculiar, estagnado por aparente falta de facturação e aquém do requinte plástico dos resorts em redor. Ali, encontramos o exemplo perfeito de outro hobby histórico fijiano: o cabelo. 

Rockodage Bello passa o espanador pela sua loja de antiguidades quando lhe perguntamos se a podemos fotografar. De dentro do vestido azul às flores, a senhora parece inchar de vaidade e implora apenas por alguns segundos para se arranjar. Através de uma porta entreaberta, vemo-la a escovar o cabelo farto vezes sem conta perante um espelho antigo. E, quando pensamos que o embelezamento está terminado, Rockodage traz-nos uma cadeira e relembra, com graça inata, que ninguém está com pressa. Passam-se mais dois minutos até que, por fim, lá ajeita uma pequena pluméria atrás da orelha e se apresenta, radiante, para a fotografia. 

O peso do seu simbolismo desvaneceu-se com o tempo, mas o cabelo chegou a desempenhar um papel fulcral na sociedade fijiana. O tamanho das cabeleiras marcava a masculinidade do portador mas também a hierarquia social das aldeias. Era sabido que o cabelo de um homem comum não podia ser maior que o do chefe e a cabeleira das mulheres teria que se manter inferior à dos seus maridos. Tendo em conta estas convenções, alguns indígenas passavam horas em cabeleireiros locais tratando dos seus enormes capacetes capilares (às vezes com 30 cm) que tingiam com as suas cores e padrões preferidos.

A moda desvaneceu-se. Hoje, apesar de se encontrarem ainda enormes bolas capilares, exemplares tão volumosos como o de Rokodage tornaram-se raros. Os que subsistem, cumprem, na perfeição, a sua função de impressionar.

Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.

Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.

Viti Levu, Fiji

Uma Partilha Improvável

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Navala, Fiji

O urbanismo tribal de fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.

Minhocas
Arquitectura & Design

Tbilissi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.

Aventura
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Cerimónias e Festividades
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Memória cruel
Cidades

Hiroxima, Japão

Uma Cidade Rendida à Paz

Em 6-8-1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Cavalgada em tons de Dourado
Cultura

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Deserto (Pouco) Branco
Em Viagem
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Étnico
Grande Zimbabué

Grande Zimbabué, Pequena Dança Bira

A aldeia KwaNemamwa está situada junto ao lugar mais emblemático do Zimbabwé, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova nação. É ali que vários habitantes de etnia Karanga exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas de Great Zimbabwé.
Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Muito que escolher
História

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Voo marinho
Ilhas
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Crepúsculo exuberante
Natureza
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Uma Busca solitária
Parques Naturais

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Rampa
Património Mundial Unesco

Badaling, China

Uma Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da maior estrutura criada pelo homem, recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Promessa?
Praia
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
1º Apuro Matrimonial
Religião

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Autoridade bubalina
Sociedade

Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem a maior manada bubalina e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.