Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem


Eden Polinésio

A vista do cume do monte Teurafaatiu.

Canoagem a Sério

Nativo treina numa canoa.

Mini-Porto

Barcos de pesca levantados sobre o mar ao largo de Maupiti.

Abrigo de veludo

Família repousa num veleiro ancorado ao largo de Maupiti.

Moda Mehari

Moradores num Citroen Mehari.

Vaiea

Casario de Vaiea, a principal povoação.

Litoral tropical

Coqueiros projectam-se do litoral suave de Maupiti.

No Meio do Pacífico

Um mar azul de atol para lá de uma encosta tropical de Maupiti.

Atracação elevada

Embarcação tradicional atracada sobre as águas imóveis em redor de Maupiti.

Plage Tereia

Península repleta de coqueiros junto à praia Tereia.

Pontão sobre coral

Passadiço estreito leva ao meio de um vasto recife de coral no interior do atol de Maupiti.

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.

Desde que pisamos a pista do aeroporto instalado no Motu Tuanai,  que nos sentimos aconchegados pela simplicidade. Os propulsores do avião ainda giram mas já temos as malas nas mãos e um nativo despachado apresenta-se ao serviço e assegura-se que o seguimos. O cais do aeroporto está logo ao lado e apesar do ar de tupperware envelhecido da lancha, o motor não desilude. Zarpamos para a lagoa turquesa do interior e, enquanto o vento nos massaja, aproximamo-nos do âmago verdejante de Maupiti. Uma igreja protestante verde e vermelha de visual austero destaca-se primeiro contra a encosta íngreme. Mais à frente, vislumbramos o resto do casario térreo e Vaiea, a principal povoação da ilha, fica completa.

Desembarcamos em equilibrismo através de uma tábua longa, demasiado inclinada. Já sobre o molhe elevado, damos com os fundos de algumas fares incluindo o da Chez Manu, a pensão mais barata que tínhamos conseguido encontrar neste domínio longínquo mas exasperante do Comptoir Français du Pacifique.

Chegam-nos do pátio vibrações de música caribenha a que se sucede um dos vários hinos de Bob Marley daqueles que, com a erva mais indicada, continuam a purificar as almas de Jah das vastas latitudes tropicais. Manu surge do nada. Barra-nos o caminho a dançar, dá-nos as boas-vindas com um abraço alcoolizado e convida-nos para a comemoração. “Venham à mamã! Não sei se sabiam mas hoje é dia da Mãe. Metam as coisas no quarto e bebam um copo.”

A festa parece ter passado de prazo. Dois ou três compinchas dormitam em cadeiras desdobráveis. Só uma amiga se mantém desperta e partilha as coreografias trôpegas da anfitriã. A tarde vai no fim, instalamo-nos na divisão recôndita da casa, ligamos a ventoinha cansada e entregamo-nos a um sono de estufa.

Algumas horas depois, a fome desperta-nos. Saímos para a rua com o crepúsculo a ceder à noite e não encontramos vestígios da celebração. Nem sombra de um restaurante.

O som de um gerador e uma luz difusa chamam-nos a atenção. E a visão de alguns ilhéus a sair armados de baguetes sugerem que ali nos podemos abastecer para o dia seguinte mas não demoramos a  descartar a lista pouco ambiciosa de desejos. Perguntamos por iogurte, bebidas ou frutas frescas mas além do calor, da humidade e do taro – vegetal comum do Pacífico do Sul –  só o que chega de além-mar enlatado ou, no mínimo, repleto de conservantes se preserva por aqueles lados.

“Meus amigos, já é uma sorte termos conseguido ligar as arcas há pouco. Vão ter que escolher do que vêem cá fora”. Acabamos por nos render aos caprichos eléctricos do lugar e às evidências. O novo dia havia de trazer melhores notícias.

Quem viaja por estas criações insulares da Polinésia Francesa acaba por perceber que não pode partir sem conquistar os panoramas dos seus cumes.

À primeira vista, os 380 metros do Monte Teurafaatiu parecem tarefa fácil mas começamos a ascensão mais tarde do que é suposto e acabamos a destilar sob o sol atroz, demasiadas vezes equivocados em trilhos escorregadios que se somem entre a vegetação cerrada e as rochas. Durante grande parte da ascensão, um paredão enorme de pedra limita-nos a contemplação mas, a determinada altura, chegamos a uma plataforma natural e damos com o cenário totalmente aberto que procurávamos. 

Dali, num primeiro plano, dois ou três picos secundários aguçados reforçam a sensação de altivez. Para baixo, o restante atol de Maupiti e o casario encolhido das duas aldeias disputam-nos o olhar. Mais ao longe, insinua-se ainda uma deslumbrante rede coralífera de tons de azul e um mar arenoso e tranquilo contido por cinco motus ligados como muralhas que o oceano continua por derrubar. Só o silvar da brisa e o rugir de um motor de barco ou de moto-serra longínquos quebram o silêncio. São os únicos sinais de vida a quebrar uma das letargias mais exuberantes e recompensadoras que tínhamos até então testemunhado. 

No entanto, Pierce Brosnan ou qualquer outro dos hóspedes frequentes famosos e endinheirados podem a qualquer momento descer dos seus jactos privados para a vizinha Bora Bora e desencadear nova maré mediática.

A apenas algumas milhas, Maupiti é um mundo à parte tão humilde quanto ignorado. De regresso a terreno plano, alugamos bicicletas e enquanto pedalamos em redor da ilha, confirmamos o seu retiro forçado. Queremos comprar selos e postais mas os correios abrem apenas duas vezes por semana e apenas das 2 da tarde às 4 e meia. De cada vez que algum dos seus 1300 habitantes precisa de um hospital ou até de um centro médico digno desse nome, tem que apanhar um voo para Papeete, a capital da grande Taiti. Já se perderam vidas nesse transfer inconveniente, mas também nasceram bebés pelo caminho.

No sentido inverso, os poucos popaa (peles-brancas) curiosos que desembarcam na ilha dão que fazer a uma outra família e trazem algum dinheiro abençoado. De resto, sobra a pesca e o cultivo do noni o fruto de uma árvore homónima (Morinda citrifolia) da família do café e com propriedades de que a medicina convencional suspeita mas que, tanto a tradição cultural polinésia como a medicina alternativa de vários países, se habituou a louvar.

Por estranho que pareça, é impossível não chamar paraíso a Maupiti mas estes Édens ultramarinos são quase comuns na infindável Polinésia Francesa e os investimentos dos colonos metropolitanos não chegam a todo o lado. Por norma, os nativos queixam-se quando lhes faltam as oportunidades ou o socorro mas para compensar, têm todo este recreio divinal quase só para si.

Estamos ainda a dar a volta ao coração geológico de Maupiti quando passamos pela baía Atipiti e prosseguimos para a praia Tereia. Já nos tinham explicado que poderíamos aproveitar para atravessar a lagoa a pé até ao solo firme do motu Auira. Sempre que possível mantemos os olhos no fundo, em busca das raias que nos podem picar e envenenar mas a profundidade aumenta em certas zonas e obriga-nos caminhar de braços no ar, para protegermos as mochilas e as máquinas fotográficas. É nesses estranhos preparos que vemos aproximarem-se a grande velocidade quatro canoas coloridas movidas por remadores polinésios determinados. A caravana passa a um ou dois metros de nós mas, ignora-nos. Os remadores prosseguem a sua navegação competitiva em redor do núcleo do atol mais preocupados em obter a forma ideal para as competições inter-ilhas que se realizam em breve. Maupiti faz parte do arquipélago das Sociedade mas vive uma vida à parte.

Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design

Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.

Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e a experiência que não se deve arriscar subir à pressa.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades

Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.

Cidades
Guilin, China

O Portal Para o Reino Chinês de Pedra

A imensidão de colinas de calcário afiadas em redor é de tal forma majestosa que as autoridades de Pequim a imprimem no verso das notas de 20 yuans. Quem a explora, passa quase sempre por Guilin. E mesmo se esta cidade da província de Guangxi destoa da natureza exuberante em redor, também lhe achámos os seus encantos.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Sombra de sucesso
Cultura

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Platipus = ornitorrincos
Em Viagem

Atherton Tablelands, Austrália

A Milhas do Natal (parte II)

A 25 Dezembro, exploramos o interior elevado, bucólico mas tropical do norte de Queensland. Ignoramos o paradeiro da maioria dos habitantes e estranhamos a absoluta ausência da quadra natalícia.

Febre vegetal
Étnico

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
The Rock
História

São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

40 anos passados sobre o fim da sua pena, o ex-presídio de Alcatraz recebe mais visitas que nunca.Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos

Passagem
Ilhas

Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Aurora fria II
Natureza
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Fuga de Seljalandsfoss
Parques Naturais

Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d’água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.

Visitantes
Património Mundial Unesco
Masada, Israel

O Último Baluarte Judaico

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Masada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Cap 110
Praia

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.

Debate ao molho
Religião

Lhasa, Tibete

O Mosteiro da Sagrada Discussão

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Sociedade
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Abastecimento
Vida Selvagem

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.