Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico


Àgua doce, lágrimas salgadas

Família hindu faz-se fotografar com a queda d'àgua de Chamarel em fundo.

Degraus de fé

Crentes hindus sobem ao templo hindu Sibra Subramany de Quatre Bornes, também conhecido por Kovil Montagne.

À pesca de emoções

Pai e filha contemplam o ilhéu de Coin de Mire, ao largo do Cap Malheureux, na extremidade norte da ilha Maurícia.

Terra molhada

Visitantes apreciam os tons da Terre des Sept Couleurs, em Chamarel, então humedecidas por alguma chuva.

O Lugar do 2º desembarque

A Montagne du Lion projectada do Grand Port, uma baía verdejante em que os holandeses desembarcaram pela primeira vez, depois de já os portugueses o terem feito.

Cristianismo em dia hindu

Moradores e visitantes de Mahébourg  nas imediações da igreja de Notre Dame des Anges, num dia de feriado nacional hindu Maha Shivaratri. 

Conversa pela conversa

Donas de banca de praia convivem enquanto aguardam por novos clientes, nas imediações do Cap Malheureux.

Uma geologia exuberante

Pescadores na foz conjunta dos rios Tamarin e Rempart com a montagne   du Rempart à distância.

Num retiro garrido

Fiel hindu contempla o casario de Quatre Bornes a partir da varanda do templo Sibra Subramany (Kovil Montagne).

O chá de Bois-Cheri

Sunassee Goranah descreve o funcionamento da fábrica de chá de Bois-Cheri, no coração mais fresco e chuvoso da Maurícia.

Fim de semana balnear

Pai e filhos banham-se no mar tranquilo de Trou d'Eau Douce.

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    

Já estávamos habituados a contemplar canaviais sem fim enquanto percorríamos a ilha de lés a lés. Foi ali, entre Poste de Flacq e a vastidão do oceano que reparámos, pela primeira vez, na profusão de montes de pedra vulcânica que deles se projectavam, com as bases sumidas no verde da vegetação.

“Isto são algumas ruínas cerimoniais?” perguntamos a Jean-François do fundo da mais doce ignorância e inocência. “O quê, aquilo?” questiona-nos de volta o nativo, algo incrédulo e a esboçar um sorriso sarcástico. “Não. Aquilo são as pedras que os nossos ancestrais tiveram que remover do campo para que a cana-de-açúcar pudesse ser plantada. Acabaram assim amontoadas.”

Descemos um pouco mais naquela Côte Sauvage da região de Flacq, por estradinhas interiores campestres e de vilarejos que, entre templos hindus, pequenas mercearias disputadas por saris de todas as cores, açougues e domicílios também garridos e repletos de vida, nos obrigavam a interromper a marcha vezes sem conta. Estávamos no leste da Maurícia. Qualquer visitante mais confuso com a geografia do mundo podia ser levado a pensar que dera à costa num litoral luxuriante de Karnataka ou Tamil Nadu.

Passámos Palmar e chegámos à baía de Trou d’Eau Douce, uma vila pitoresca mas bipolar que separa o domínio aquém recife coralífero dos grandes resorts do bem mais genuíno para sul. Ali, pescadores mantêm-se de cana em riste apenas com a cabeça de fora de água, lado a lado com as lanchas e catamarãs que transportam turistas nas travessias para Île aux Cerfs, um dos refúgios balneares turquesa predilectos daquelas paragens.

Sucedem-se uma série de povoações ribeirinhas encaixadas entre o Índico e as plantações de cana no sopé da Lion Mountain que se projecta sobre a emblemática enseada Grand Port.

Em 1598, os holandeses desembarcaram naquele exacto lugar e baptizaram a ilha de Mauritius, em honra do seu Prince Maurice van Nassau. O que não invalida que tenham sido os incontornáveis navegadores portugueses os primeiros a nela aportar quando ainda se mantinha inabitada. Diogo Fernandes Pereira fê-lo noventa e um anos antes dos holandeses. Chamou ao lugar Ilha de Cirne mas nem ele nem a Coroa – mais preocupada com o comércio das especiarias – lhe dedicaram muita atenção.

Os holandeses, esses, fixaram-se. Ainda assim, as suas tentativas de colonização só duraram setenta anos, até 1710, tempo suficiente para serem acusados do extermínio do “dodo” a grande ave incapaz de voar que proliferava na região antes da chegada dos navegadores europeus. O gaguejante Dogson de “Alice no País das Maravilhas”.

Cruzamos o Grand Port. É já numa espécie de forno tropical que chegamos a Mahébourg. Por essa altura, não seria propriamente necessário, mas a grande catedral Notre Dame des Anges, confirma-nos quem foram os colonos seguintes. Frequentam-na e ao mercado contíguo uma minoria de habitantes cristãos do sul da ilha, com o dia livre por ser feriado nacional, dedicado ao deus hindu Xiva.

Cinco anos depois de os holandeses terem partido de vez, chegaram os franceses que já controlavam a vizinha ilha Bourbon, hoje Reunião. Pouco depois, chamaram-na de Île de France e inauguraram um cultivo prolífico da cana-de-açúcar que ditaria para sempre o sucesso comercial da colónia, com base numa nova base naval mandada erguer pelo recém-chegado governador Mahé de La Bourdonnais, Port Louis, a capital de hoje da nação.  

A Maurícia foi feita destas curiosas sequências e fusões. Por estranho que pareça, ultrapassado o período colonial, a nação rendeu-se a um delicioso marasmo multiétnico.

Caminhamos numa rua assolada pelo calor repelido pelo asfalto e pelo trânsito infernal quando, azar dos azares, um de nós sofre um dano irreparável num chinelo. Entramos num supermercado para encontrar um par substituto. Ao pagarmos, é tal a quantidade de bebidas alcoólicas registadas pelos caixas que as festas privadas que iriam animar pouco poderiam ter de sagradas.

Do extremo sudeste da Maurícia, espreitamos a Blue Bay onde o azul do Índico regressa ao seu mais vivo. Dali, cortamos para o interior elevado de Bois-Chéri, a zona mais fria e chuvosa da ilha, também a sua primeira plantação de chá, introduzida em escala considerável, em 1892, como seria de esperar, já não pelos franceses.

Chove cada vez mais forte à medida que serpenteamos entre os campos atapetados pela planta. Ainda assim, dezenas de trabalhadores sob vestes de plástico laboram por entre as intermináveis sebes. Já demasiado ensopados, damos meia volta e apontamos para a fábrica que recebe e processa o fruto, ou melhor, as folhas, do seu trabalho.

Recebe-nos Sunassee Goranah, um responsável feito guia da empresa. Apresenta-se elegante mas sóbrio, numa camisa branca que contrasta com o castanho escuro da sua pele e o negro intenso do cabelo e do bigode farto. Percorremos, com ele, cada sector da produção – dos secadores das folhas, às embalagens – para espanto das empregadas fardadas que já não contavam com visitantes aquela hora tardia. À despedida, Sunassee voltou a gabar as qualidades do chá verde e do da sua produção em particular. Quando nos passou alguns pacotes para as mãos, acrescentou de forma muito seca para que não restassem dúvidas: “se o querem beber com todas as propriedades, não lhe acrescentem leite. Isso é que estraga tudo!”

Mudámo-nos para o restaurante da fazenda. Almoçámos e deleitámo-nos com uma prova exaustiva dos melhores rótulos Bois-Chéri, num alpendre com vista para um lago sumido na névoa.

Os franceses nunca valorizaram o chá. Ao contrário dos próximos donos e senhores da ilha.

Por volta de 1810, os britânicos tinham-se fartado dos ataques dos corsários franceses aos seus navios no Índico, decidiram assumir a cobiça pela colónia dos rivais e dela apoderar-se. Como não fazia sentido deterem um território denominado Île de France, rebaptizaram-na de Maurícia. No entanto, permitiram à maior parte dos colonos franceses manterem as suas propriedades, o uso do francês e do código civil e penal francês. A fusão cultural não se ficaria por aí.

Até 1835, os proprietários das plantações tinham recorrido ao trabalho de escravos trazidos de África e de Madagáscar. Com a abolição da escravatura, a maior parte destes proprietários usou as verbas que receberam como compensação para contratar trabalhadores vindos do subcontinente.

Entre 1834 e 1921, cerca de meio milhão de indianos desembarcou no Aapravasi Gate de Port Louis, hoje Património Mundial da UNESCO pelo seu significado histórico.

Nem sempre tratados com a dignidade que mereciam, os recém-chegados adaptaram-se aos modos e dialecto franceses que vigoravam mas indianizaram a ilha o mais que puderam. Reforçaram os exércitos britânicos tanto na Iª como na IIª Guerra Mundial.

Duas décadas depois, os Ventos de Mudança sopraram na Grã- Bretanha e, em 1968, a Maurícia conquistou a independência.

À medida que avançamos para oeste, continuamos a cruzar-nos com descendentes das famílias de proprietários de plantações e dos seus trabalhadores indianos. Assim se passou no miradouro sobre o desfiladeiro grandioso de River Gorges, na queda d’água e no arco-íris geológico da Terre de 7 Couleurs de Chamarel, em redor da cratera verdejante de Troux-aux-cerfs ou nas alturas do Kovil Montagne, um templo repleto de deuses e figuras hindus empoleirado a meia-encosta sobre o casario sem fim de Quatre Bornes.

Mais tarde, jantamos com Sandrine Petit e Jean-Marie Delort, ambos funcionários de um dos hotéis mais populares do oeste da ilha. O tema do que identifica hoje os mauricianos anima-os. Após alguma ponderação, Sandrine atreve-se a teorizar: “agora está a passar na TV um anúncio da nossa cerveja Phoenix que faz um apanhado de tudo mas, se tivesse que escolher um único trejeito, eu diria que é o Aiô. Nós dizemos aiô por tudo e por nada, seja bom ou seja mau. Uma vez, estava no metro em Paris com amigos de cá e disse aiô mais alto. De imediato, quatro ou cinco pessoas ficaram especadas a olhar para mim. Nesse preciso momento, tivemos a certeza de que só podiam ser mauricianos!”

Era demasiado indisfarçável para que nos deixasse dúvidas o enorme orgulho com que Sandrine encerrou a sua história.

Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Aventura
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
South African Geographic
Cidades
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Gentlemen Club & Steakhouse
Cultura

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Promo Polynesian Blue
Em Viagem
Viajar Não Custa

Compre Voos Antes de os Preços Descolarem

Conseguir um bilhete de avião a baixo preço tornou-se quase uma ciência. Fique a par dos princípios porque se rege o mercado das tarifas aéreas e evite o desconforto financeiro de comprar em má hora.
Indígena Coroado
Étnico

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Litoral Gentil
História

Ilhabela, Brasil

Depois do Horror, a Beleza

90% de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ihabela.

A inevitável pesca
Ilhas

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

À boleia do mar
Natureza
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Mini-dinossauro
Parques Naturais
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Património Mundial Unesco
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Leme Manual
Praia

Ilhabela, Brasil

A Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das 10 melhores praias do Brasil.

Preces ao fogo
Religião

Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Torre Fushimi Yagura
Sociedade

Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Brincadeira ao ocaso
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.