Quioto, Japão

Uma Fé Combustível


Preces ao fogo

Sacerdotes xintoísta lança preces inscritas pelos crentes em tiras de madeira ao fogo.

Cortejo

Religiosos dirigem-se para a clareira do templo Fujimi em que se realiza a queimada.

Luminosidade xintoísta

A figura de um sacerdote destacada contra as chamas imponentes que aquecem o ritual xintoísta.

Mais gomagi

Sacerdote traz uma pilha de preces para junto da fogueira.

Comitiva xintoísta

Padres xintoístas carregados de preces.

Gomagis

Fiéis escrevem as suas preces em pedaços de madeira (gomagi).

Lançamento

Mais preces atiradas para a fogueira.

Oferenda Tamagushi

Sacerdote segura um ramo "tamagushi" e lidera a procissão que se dirige para o lugar das grandes queimadas.

Autoridade

Polícia impede um espectador de se aproximar do fogo.

Fotógrafo

Fotógrafo em acção à entrada dos túneis de toris (portais xintoístas) do santuário de Fushimi.

Cerco de Fogo

Sacerdotes levam a cabo a cerimónia entre as chamas crescentes.

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

Aproxima-se a uma e meia da tarde e o templo Fushimi de Quioto ganha vida. Os japoneses são metódicos e gostam pouco de se atrasar mas continuam a chegar pessoas de bicicleta ou das estações de Inari ou Keihan Fushimi Inari, num dia outonal de céu azul e sol que

mal se sente.

Sacerdotes e músicos preparam as vozes e os instrumentos para uma pré-cerimónia que está prestes a ter início. Ao mesmo tempo, numa ala oposta do templo, os crentes mais atrasados apressam-se a escrever os seus desejos e preces em pedaços de madeira sagrada (gomagi) com as assinaturas da família imperial – e à venda por umas centenas de ienes (3 ou 4 euros). Mas o momento que se segue é solene e, até, televisivo.

Por esta altura, as colheitas de arroz terminaram e cabe aos ministros xintoístas agradecer aos deuses a prosperidade que aqueles concederam. Um deles coloca uma meda seca de planta de arroz na vertical sobre o pavimento e queima-a sob o olhar concentrado do público. Esta pequena operação incendiária funciona como uma espécie de entrada simbólica para a queimada a sério porque os fiéis anseiam.

Extinto o fogo em segurança – aparece até um auxiliar com um carrinho-de-mão cheio de água para o garantir – os sacerdotes movem-se para o interior do santuário e, ao som estridente de uma shakuhachi (flauta de bambu nipónica) benzem oferendas de fruta, vegetais, saquê e outras iguarias que colocam sobre um altar já repleto de bandejas. O momento prova-se tão sagrado que é proibido fotografar ou gravar e só um ou outro forasteiro tentam subterfúgios para conseguirem registos sem chamar demasiado a atenção. Segue-se uma espécie de missa a que, de lugares condignos, assistem apenas convidados ilustres. O ritual começa com a participação de jovens sacerdotisas do templo, ou mikos. Estas levam a cabo danças arrastadas (kaguras) que sincronizam com a  percussão de um gongo poderoso e com o tinir contrastante das kagura suzu (instrumentos que agrupam pequenos sinos), que também lhes cabe tocar. Vozes femininas aparentemente distantes e outros instrumentos de sopro conferem à celebração um forte misticismo que os sacerdotes reforçam com os seus próprios movimentos etéreos da coreografia.

Estamos num dos principais santuários nipónicos dedicados a Inari, deus da fertilidade, do arroz, da agricultura, das raposas e da indústria, providencial tanto para o xintoísmo como para o budismo. Várias das raposas mensageiras (kitsunes) espalhadas pelo vasto templo supervisionam e validam a reverência ao seu senhor, protegendo-o e aos súbditos humanos das energias maléficas que os japoneses crêem fluir de nordeste. Se chegam em forma de vento, aquele não é o seu dia.

Sob o olhar do público, os sacerdotes e sacerdotisas de Fushimi formam uma longa fila branca e vermelha e mudam-se para um terreno mais elevado do santuário, onde é suposto continuar o evento.

Percebemos que estamos junto à base da famosa taisha de Inari, o santuário principal do templo, constituído por centenas de toris (portais) cor-de-laranja com bases negras que são oferecidos pelas empresas, fabricantes e mercadores do Japão que assim procuram  reclamar ao deus a sua própria prosperidade. 

A assistência que até então acompanhou os acontecimentos está agora instalada debaixo de uma tenda de lona, atrás dos intérpretes religiosos e musicais ou em redor do átrio rectangular. À volta, impõe-se uma floresta húmida de que ecoam os grasnares e pios dos corvos e outras aves, entusiasmadas por se banquetearem com os insectos afugentados por toda aquela comoção. 

O ritual prossegue junto a três bases verdejantes de fogueiras, cobertas de ramas de cedros e em que foram colocados gomagis, folhas de chá, sal e saquê sagrados. Um sacerdote benze-as e, logo em seguida, outros incendeiam-nas. Três colunas de fumo acinzentado sobem para o céu. Pouco depois, dissipam-se.  As primeiras chamas emergem do sufoco da lenha e ganham dimensão. Um coro alinhado de sacerdotes passa a entoar um mantra que irá acompanhar grande parte da cerimónia. Com as chamas cada vez mais altas, os religiosos inauguram a fastidiosa queima de gomagis que lançam solenemente sobre o fogo como uma espécie de micados-preces condenados a carvão.

Ao fim de 45 minutos de combustão, as miko assumem mais uma vez a cerimónia com nova dança graciosa chamada miko-mari. Depois, voltam a dar lugar à interpretação do mantra que a antecedeu.

Todos os anos, são várias centenas de milhares as preces inscritas pelos fiéis e a queima pode durar mais de 4 horas, até ao pôr-do-sol. Quando termina, os religiosos e a maior parte da multidão debandam. O grande pátio e as chamas remanescentes ficam entregues aos curiosos e aos bombeiros. Mulheres acorrem às mesas em que continuam dispostos os pratos com sal sagrado e folhas verdes de chá. Entre diálogos curtos e de ocasião, disputam, ali, recordações santas da cerimónia que guardam em pequenos sacos de plástico.

Enquanto isso, um batalhão disperso de soldados do fogo partilha o que resta das fogueiras com os fiéis e atiram ramos perdidos no solo de seixos pelo puro prazer de os ver sumir nas labaredas. De quando em quando, um ou outro lembra-se das suas funções e impede os populares de se chegarem demasiado ao fogo para recolherem as cinzas que crêem trazer boa sorte aos lares.

Por fim, as autoridades decidem que está na hora de evacuar os crentes mais resistentes. Com os habituais salamaleques verbais nipónicos comunicam-lhes que têm que abandonar o recinto. Mas um idoso armado com um chapéu de chuva decide brincar com o polícia que o aborda e permanece. O agente fica baralhado. Está a lidar com um ancião e, no Japão, o respeito pelos mais velhos é supremo. Olha para trás, para os colegas, como que a pedir socorro mas nenhum o acode. Por fim, segura o braço do resistente que se diverte por momentos com a situação mas acaba por ceder.

O Ohitaki é um dos rituais mais antigos do xintoísmo e, como constatámos por esta e outras manifestações, tem agregado um poder rejuvenescedor de ligação à Natureza. Conscientes de que as boas colheitas dependem da boa vontade dos deuses, as pessoas mostram o seu agradecimento com ofertas do arroz recém-colhido e orações sentidas. E, como tanto os deuses como os humanos compartilham a Natureza, a sua relação assenta na reciprocidade de que os deuses precisam de atenção como os humanos necessitam de ajuda. A cerimónia contribui, assim, para que as pessoas reconheçam a felicidade na sua humildade e dependência. E para que mantenham a chama da fé acesa.

Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Guwahati, India

A Cidade que Venera o Desejo e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Nara, Japão

Budismo Hiperbólico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.

Takayama, Japão

Entre o Passado Nipónico e a Modernidade Japonesa

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.

Quioto, Japão

Um Japão Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.

Lhasa, Tibete

O Mosteiro da Sagrada Discussão

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.

Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir de Koya San, pode ser ainda mais fácil.

Um
Arquitectura & Design

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Aurora fria II
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Folia Divina
Cerimónias e Festividades

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

Dourado sobre azul
Cidades
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Parada e Pompa
Cultura

São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré mas, Siga a Marinha.

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Viajar é conhecer
Em Viagem
Volta ao Mundo - Parte 1

Viajar Traz Sabedoria. Saiba como dar a Volta ao Mundo.

A Terra gira sobre si própria todos os dias. Nesta série de artigos, encontra esclarecimentos e conselhos indispensáveis a quem faz questão de a circundar pelo menos uma vez na vida.
Indígena Coroado
Étnico

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Ao fim da tarde
História
Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
À boleia do mar
Ilhas
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Frígida pequenez
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Natureza
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Meandros do Matukituki
Parques Naturais
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Bastião Ryukyu
Património Mundial Unesco

Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.

Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Aulas de surf
Praia

Waikiki, Havai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbour e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.

Cortejo Ortodoxo
Religião
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
A todo o vapor
Sobre carris

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul

Trólei Azul
Sociedade

Oslo, Noruega

Uma Capital Sobrecapitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.