PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário


Lenha

Era Susi junta lenha a uma fogueira acabada de acender.

Café quente

Jukka Nordman serve café acabado de ferver.

Perfil Husky

Um dos mais de 200 cães de dog sled de Era Susi.

Cão e Lobo

Jukka Nordman e um dos seus huskies.

Pausa gelada

Cães aguardam o recomeço da marcha durante um trecho de dog sled.

Fogo e Gelo

Pormenor da fogueira acesa por Era Susi próximo do rio Oulankajokki.

Descanso Forçado

Era Susi prende os seus cães para uma pausa na caminhada pelo Parque Nacional Oulanka.

Abrigo do Árctico

Refúgio ecológico estrategicamente colocado em pleno Parque Nacional Oulanka.

A bebida Predilecta

Um pacote de Jukha Mokka. O café estimula milhões de finlandeses a reagir à falta de luz e de Sol.

Mais Lenha

Era Susi traz mais lenha para junto da fogueira.

Crespúsculo sub-árctico

Pôr-do-sol sobre o Parque Nacional Oulanka.

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

O pequeno-almoço robusto e bem quente de papa de aveia deixa-nos aconchegados para novo dia boreal. Uma viagem sobre estradas semi-nevadas em redor de Kuusamo leva-nos ao Centro de Visitantes do Parque Nacional Oulanka. O normal, por estas paragens, no início do Inverno, é sermos recebidos por gente com trajes sintéticos sofisticados que os protegem da frigidez que se apodera dos cenários. Também surgem equipados com a mais recente tecnologia de telecomunicações, nem sempre de produção nacional, para mal das finanças e auto-estima finlandesas. Quando nos deparamos com Era-Susi, a excepção salta de tal maneira à vista que nos chega a inquietar.

Vemos pela frente um espécime humano de baixa estatura, algo raro para a população suomi. Longas barbas castanho-claras ligeiramente grisalhas pendem-lhe da face rosada de que se destacam olhos de um azul profundo. As barbas fundem-se com uma gola e colarinho quase da mesma cor e roçam numa camisola de pele integral que faz conjunto com calças já gastas e luvas amarelo-torradas. A vestimenta vem toda na mesma matéria-prima de origem animal e confecção artesanal. Remete para uma espécie de estilo Crocodile Dundee do árctico. Percebemos que o modelo a usa há muito tempo. Que nela se sente confortável e integrado na Natureza que nos rodeia.

“Olá, eu sou o Jukka Nordman, mais conhecido por Wolf, sejam bem-vindos. Estive a ver como evoluía o tempo e… começou a nevar a sério tarde demais. Só vai chegar para um passeio a pé mas puxados pelos cães. E, por falar neles, estes são o Miska e a Funny, os vossos motores. Como podem ver, estão desejosos de correr. Vamos embora?“

Wolf passa-nos dois arneses para as mãos. Colocamo-los e o dono atrela-nos aos seus huskies. Miska é um líder alasquense, Funny é siberiana. À vontade no cenário florestado e polvilhado de branco mas destacados das habituais equipas de oito ou dez outros cães, a dupla arranca tresloucada caminho fora. O percurso começa por se revelar plano ou a subir o que nos ajuda a controlar o seu ímpeto mas as primeiras descidas não tardam. Nas mais íngremes, perdemos a tracção. Somos forçados a correr e a patinar para evitarmos quedas eminentes e trechos a reboque mas espojados no chão gélido.

Avançamos desta forma trôpega por alguns quilómetros ao longo do rio Oulanka que, por sua vez, serpenteia pelo parque nacional a que deu nome. Vencida uma distância considerável, Wolf rejubila por termos todos os membros intactos e constata a desadequação das botas que usávamos. Aproveita e dita uma pausa já merecida para descanso e reaquecimento. Instalamo-nos numa clareira humilde, cercados de faias enregeladas e a pouca distância do caudal fluvial azulado. Ali, sob a vigilância ansiosa de vários gaios da Sibéria, apressa-se a trazer cavacos de lenha de uma cabana próxima e prepara uma fogueira piramidal que acende em três tempos. Instantes depois, já tem uma cafeteira chamuscada ao lume. Despeja parte de um saco de Paulig Juhla Mokka que abre com uma faca até então enfiada num coldre pendurado das calças.

“Café está bem para vocês?”, pergunta-nos. “Cá na Finlândia bebemos em quantidades industriais. Sabem como é. Há pouca luz, metade do ano faz frio a sério, nós próprios não somos lá muito expansivos. Com o café lá vamos mantendo o ânimo mais elevado.”

O fumegar vaporoso da cafeteira indicia um ponto de quase ebulição. Wolf dá-nos canecas com visual e textura orgânica, serve-nos a bebida escura e espessa, passa-nos o açúcar e sandes de salmão. Também nos prenda com salsichas que espetamos em varas para as assarmos no fogo, um dos rituais de convívio ao ar livre incontornáveis da Lapónia.

A partir dos ramos mais próximos, os gaios ganham confiança e aventuram-se em raides calculados sobre pedaços de pão oferecidos ou extraviados. Susi também recompensa os três canídeos pelo seu empenho.

São mais de duzentos e cinquenta os cães que Jukka Nordman e a sua parceira Mirja Pyysiainen criam em três bases distintas, com o covil principal no Parque Oulanka, a apenas dois quilómetros da fronteira com a Rússia. Por ano, só de Novembro a Abril, o casal leva mais de 5000 visitantes a passear nos seus trenós.

Wolf diz-nos que sabem os nomes de todos os cães e que os conseguem reconhecer pelos seus visuais e pelos uivos. “Mas, na realidade, o seu carácter tem mais importância que os nomes. “É o que determina onde os colocamos nas equipas que puxam os trenós.” Continuamos a falar dos cães, por largo tempo, polvilhados por flocos de neve flutuantes que entretanto haviam começado a cair.

Falamos-lhe de experiências nossas de dog sledding em Ushuaia e em diferentes partes do Alasca e os olhos do criador-tratador brilham ainda mais. “Mas esses são os meus grandes rivais!” Encontro-os quando participamos nas maiores provas internacionais. Já ouviram falar na Iditarod, certo? “ Já tínhamos ouvido e de que maneira.

“Pois eu participo com os meus melhores cães. Mas são competições duríssimas. E, no Alasca, cruzam os huskies e outras raças com lobos. Em Ushuaia, a última moda é cruzarem-nas com dingos australianos. Dão origem a cães incríveis, os mais rápidos de todos! “

À imagem dos flocos de neve cada vez mais abundantes, a conversa flui e deriva. Confessamos-lhe que nos fascina há muito um animal  da tundra em particular, o glutão. Wolf compreende a nossa admiração e professa-nos a sua. “É um animal realmente incrível. Se os conhecem sabem por certo que podem matar dezenas de renas só numa noite. Arrancam-lhes os olhos e mordem-lhes os tendões de Aquiles até ficarem muito feridas. Depois, perseguem-nas o tempo que for necessário e acabam por comer as que conseguem. Os criadores de renas odeiam-nos. E não há lobo ou urso que os consiga derrotar”.

Voltamos a falar da Iditarod e Wolf confessa-nos ainda que se considera um privilegiado. Já viajou por 25 países. “Gosto muito da Rússia. Ao contrário de muitos finlandeses que preferem cultivar o ressentimento pela perda de parte da Carélia no fim da 2a Guerra Mundial, tenho até muita admiração por eles. “A Rússia tem as suas particularidades burocráticas, chamemos-lhe assim. Eu vejo-as como uma boa maneira de o país se proteger dos ricos e ambiciosos. São Petersburgo é uma cidade cultural incrível. Moscovo é mais uma espécie de grande aldeia. Têm que lá ir o quanto antes.”

Não demorou muito. No ano seguinte fizemos uma longa viagem pelo lado de lá da fronteira e descobrimos ambas as cidades e a maior parte da Carélia agora russa, infelizmente não a zona remota do parque Panajarvi que se prolonga para lá dos limites orientais do Oulanka.

Também regressámos à Finlândia, em pleno Inverno. Em Rokua – nos arredores de Oulu – como por todo país, a neve era já muito mais abundante. Voltámos andar de dog sled. Não tardámos a perceber que até ali, a centenas de quilómetros do quartel-general de Oulanka, os cães que nos puxavam eram do grande Era Susi.

Kemi, Finlândia

Não é Nenhum "Barco do Amor". Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Ilha Hailuoto, Finlândia

À pesca do verdadeiro peixe fresco

Abrigados de pressões sociais indesejadas, os ilhéus de Hailuoto sabem sustentar-se. Sob o mar gelado de Bótnia capturam ingredientes preciosos para os restaurantes de Oulu, na Finlândia continental.

Inari, Finlândia

A Assembleia Babel da Nação Sami

A nação sami é afectada pela ingerência das leis de 4 países, pelas suas fronteiras e pela multiplicidade de sub-etnias e dialectos. Mesmo assim, no parlamento de Inari, lá se vai conseguindo governar

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. Mas o imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

A pequena-grande Senglea
Arquitectura & Design

Senglea, Malta

A Cidade com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.

Aventura
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Radical 24h por dia
Cidades

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Tédio terreno
Cultura
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Em Viagem
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
De partida
Étnico

Wala, Vanuatu

Cruzeiro à Vista, a Feira Assenta Arraiais

Em grande parte de Vanuatu, os dias de “bons selvagens” da população ficaram para trás. Em tempos incompreendido e negligenciado, o dinheiro ganhou valor. E quando os grandes navios com turistas chegam ao largo de Malekuka, os nativos concentram-se em Wala e em facturar.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pequena súbdita
História

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Litoral de Upolu
Ilhas

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Budismo majestoso
Natureza
Circuito Anapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca das Anapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

O Apogeu da América do Norte
Parques Naturais

Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Património Mundial Unesco

Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.

Acima de tudo e de todos
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Caribe profundo
Praia

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Planície sagrada
Religião

Bagan, Myanmar

A Planície das Compensações Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.

White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

À sombra da árvore
Sociedade

PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"

O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.