Terceira, Açores

Terceira: e os Açores continuam Ímpares


Verde sem fim

O minifúndio impressionante da Terceira visto de um miradouro da Serra do Cume,

A Banda do Império

Banda anima uma das cerimónias religiosas do Divino do Espírito Santo, em frente ao Império da Caridade de Praia da Vitória.

Rostos e gatos

Fachada decorada com rostos, à entrada da Marina de Angra do Heroísmo.

Toureio insólito

Pseudo-toureiros provocam um touro durante a tourada à corda de Biscoitos, na costa norte da Terceira.

Privilegiado gado Terceirense I

Um dos retalhos "encurralados" que se podem avistar do topo da Serra do Cume até ao horizonte.

Lares heróicos

Casario de Angra do Heroísmo, visto de uma encosta do Monte Brasil.

Uma venda à moda antiga

Emanuel Almeida, funcionário da Quinta do Martelo, ao balcão da loja antiga no piso térreo do restaurante “A Venda do Ti Manel da Quinta”

Todos contra um

Touro confronta uma multidão de participantes na tourada à corda de Biscoitos.

A Banda do Império II

Músicos da banda animam a cerimónia do Divino do Espírito Santo.

Verde sem fim II

O impressionante minifúndio da Terceira, como visto do cimo da Serra do Cume.

Fonte de luz e de cor

Fundo de uma fonte arquitectónica entre a Igreja da Misericórdia e a marina de Angra de Heroísmo.

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. Estes são apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da Terceira especial não têm conta.

A pitoresca Quinta dos Figos dista apenas quinze minutos das mundialmente famosa Lajes, lugar do aeroporto em que tínhamos acabado de aterrar e da famosa base norte-americana. Mesmo assim, instalamo-nos no quarto em modo de toca-e-foge. Saímos à pressa para espreitar as ruas de Praia da Vitória e damos de caras com um de tantos Impérios coloridos que abençoam e enfeitam a Terceira. O cubo exuberante destaca-se do casario branco com telhas cor-de-tijolo predominante. Como uma espécie de diva arquitectónica, exibe as suas fachadas repletas de arabescos cristãos, arcos, ogivas, colunas, degraus, um frontão arredondado que o identifica. Invade o conjunto um verdadeiro festival de cores: azul, amarelo, verde, vermelho e branco. Por si só, a estrutura deixaria qualquer admirador estupefacto mas, como se não bastasse, aquele Império da Caridade concentrava sérias festividades. Logo ao lado, uma banda filarmónica local toca temas pomposos de fanfarra. Um fogueteiro despacha os seus projécteis um atrás dos outros para mais próximo de Deus. Com as sucessivas explosões arrítmicas, ensurdece-nos e aos crentes da terra, todos enfiados nos melhores trajes domingueiros. Alguns entram e saem do Império com tabuleiros de comida abençoada, outros, seguram lanças e estandartes do Divino. Fazemo-nos de turistas inocentes e auscultamos o coração da cerimónia. No interior, sobre um altar branco erguido em socalcos e decorado com grinaldas a condizer, repousam diversas coroas rendilhadas e reluzentes. Por pouco tempo. Com a banda já fora do palanque de cimento e a percorrer a estrada por diante, diversos participantes do ritual fazem-se à escadaria munidos dessas mesmas coroas antes sobre as bandejas. Outros, carregam lanças. Nós, perseguimo-los determinados em registar o momento. A banda segue-nos a todos.

Já tínhamos acompanhado uma Festa do Divino Espírito Santo. A primeira e, até então, única vez, em Pirenópolis, no interior brasileiro de Goiás. Ali, Manuel Amâncio da Luz, um padre português híper-motivado, transformou a crença numa incrível expressão cultural que a fé e o entusiasmo do povo, ainda hoje preservam. Em Praia da Vitória, constatámos como tudo se passava no principal reduto português do Divino Espírito Santo. Até que o Imperador e os seus “súbditos” se sumiram ao som da charanga e nos deixaram entregues ao nosso destino. Um fotógrafo da imprensa local vê-nos indecisos e aborda-nos. Decorridos alguns minutos de conversa técnica, o colega realça a nossa sorte. “É que vocês não estão a ver bem. Não só apanharam o Divino aqui hoje como, daqui a pouco, vão poder assistir à tourada à corda. Mais ilha Terceira que isto é difícil.”

Mesmo se representavam uma viagem do sagrado para o profano, eram coordenadas que não estávamos dispostos a ignorar. De Praia da Vitória, prosseguimos pela costa norte da ilha, com paragens aqui e ali para espreitar piscinas marinhas e outras particularidades do litoral acidentado.

A meio da tarde, em redor dos Biscoitos, damos com a turba instalada. Centenas de carros estão estacionados num domínio de lava coberta de vegetação que separa a estrada e a beira-mar. Encontramos um recanto ainda longínquo para o nosso carro de onde descemos rumo à povoação. A meio caminho encontramos os primeiros foliões entregues a comes e bebes ora piqueniqueiros, ora ao balcão de roulottes e carrinhas afins, alimentadas por geradores e que serviam aos clientes entusiasmados de tudo um pouco, de especialidades açorianas aos mais óbvios pregos, bifanas, farturas e churros.

Quanto mais para baixo na estrada, mais as suas bermas se revelavam repletas de gente e os lugares com melhor vista eram disputados. Conseguimos enfiar-nos num espaço recém-abandonado e, por fim, apreciamos o fulcro de toda a atenção. Em redor de uma pequena enseada envolta de rochedos de lava, num ervado acima e na rua que o separava do casario, um touro hesitava entre contemplar a loucura em redor ou investir sobre os pseudo-toureiros que o acirravam entre a multidão. Aos poucos, conseguimos estimar as áreas a salvo de eventuais marradas, que acontecem em abundância, como os feridos e, de quando em quando, até mortos, apesar de na tourada a corda, o touro ter os seus movimentos limitados pela acção dos “pastores” que lhe dão mais ou menos folga consoante a iminência de determinados danos. Um foguete anuncia a remoção do touro e nova pausa nas hostilidades. Mudamo-nos de uma zona ainda alta da encosta para o cimo de um terraço com vista panorâmica e privilegiada sobre a rua em que a maior parte da tourada decorre. O terraço é partilhado por famílias, com predomínio de mulheres e crianças. Algumas famílias são emigrantes nos E.U.A. e no Canadá. Mesmo de olho nas nossas câmaras, divertimo-nos a escutar como insinuam os prodígios das suas vidas do outro lado do Atlântico a outras que ficaram na origem. “Ah!! Mas a nossa casa de lá não têm nada a ver com as de cá. É muitíssimo maior. Havia de lá ir! Ganha-se mais e, por isso, podemos construir sem preocupações.” Essa mesma açoriana canadiana que não se continha de tanto orgulho na volta que a sua vida levou, não tardou a interpelar-nos: “vocês são retratistas? Queria muito tirar umas fotos cá, com a minha família. Se vocês quiserem passar uns dias em Cambridge, Ontário, também podem fazer uns bons retratos. Lá é tudo muito bonito.”
Os foguetes e os touros sucederam-se nessa estranha tarde tauromáquica. Até que a tarde e a folia confluíram para um suave fim.

Pouco depois da alvorada, subimos ao miradouro do Facho e apreciamos o casario de Praia da Vitória, terra natal de Vitorino Nemésio. De lá, tomamos a velha estrada calçada que conduz ao cimo dos 545 metros da Serra do Cume, uma crista verdejante que se ergue a oriente da ilha, ventosa quanto ventosa podia ser e que revelava um cenário sem igual. Lá em baixo, a vastidão a sul e a oeste revela-se num incrível padrão geométrico verde-amarelo de fertilidade e trabalho. Inúmeros minifúndios demarcados por muros de basalto estendem-se até perder de vista, salpicados por pequenos armazéns agrícolas, currais e por vacas à solta. Excepção feita para o vendaval das alturas, o dia permanecia à altura da vista, com céu quase limpo e solarengo a condizer. Conscientes da imprevisibilidade da meteorologia açoriana e da abundância e exuberância histórica e arquitectónica de Angra do Heroísmo, decidimos apontar o quanto antes às suas paragens.

Angra foi a primeira das povoações açorianas a ser promovida a cidade, em 1534. Pouco depois, o Papa Paulo III escolheu-a para assento da diocese de Angra, com autoridade sobre todo o arquipélago.

Por essa altura, já o seu porto tinha um papel decisivo no comércio com o Oriente, razão porque o trânsito e ancoragem de caravelas e galões se intensificou, contribuiu para a prosperidade da cidade, com destaque para a edificação ostentosa das igrejas, conventos e fortificações militares que a tornaram única. Admiramo-los e ao impressionante panorama do casario angrense da base do obelisco amarelo que se projecta do Alto da Memória, dedicado a Pedro IV, o rei triunfante das Guerras Liberais portuguesas. Tal como receávamos, nuvens escuras aproximavam-se de norte pelo que aceleramos a entrada na cidade, Ladeira de São Francisco abaixo até darmos com a respeitosa Praça Velha, o âmago secular e alma da cidade.

Ao longo dos tempos, Angra teve o condão de acolher os aflitos, refugiados ou exilados de convulsões e afins a ter lugar no continente. Após ter sido derrotado pelo exército espanhol Habsburgo na batalha de Alcântara, António Prior do Crato resolveu prolongar o seu auto-proclamado reinado opositor do de Filipe I de Espanha, a partir da Terceira. Não só o fez de 1580 a 1583 como reuniu em seu redor uma forte resistência popular e de outros aventureiros europeus avessos à cada vez mais sufocante expansão hispânica. Os espanhóis viram-se obrigados a combatê-lo e assim se alastrou a Guerra da Sucessão aos Açores. Em 1667, junto ao término da Guerra da Restauração, Afonso VI foi exilado em Angra do Heroísmo por Pedro II, seu irmão mais novo, que o declarou inapto para governar. Em 1809, Almeida Garret e a sua família refugiaram-se em Angra da segunda invasão francesa. Garret só regressou ao continente em 1818. Durante as Guerras Liberais, Pedro, Imperador do Brasil e a filha a favor de quem abdicou do trono português estabeleceram o quartel-general das forças Liberais na Terceira e reprimiram um ataque do filho mais novo de Pedro, Miguel e das suas forças Miguelistas na batalha de Praia da Vitória. Foi, aliás, a resistência dos Liberais e este triunfo que inspirou o apelido “do Heroísmo” de Angra. Após ser capturado por Mouzinho de Albuquerque, Gungunhanha, o “Leão de Gaza” morreu em Angra onze anos depois de lá ser exilado. Estes são apenas alguns exemplos, muitos mais ficam por enumerar.

A relevância política, religiosa e militar entra-nos pelos olhos adentro quando admiramos a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, mais ainda, a azulona da Misericórdia e, do lado oposto da baía, as muralhas imponentes do Forte de Monte Brasil, erguida durante o reinado de Filipe I de Espanha, de aí em diante palco de sucessivos eventos cruciais da história portuguesa. Hoje, quartel-general do Regimento de Guarnição nº 1.

Percorremos o paredão que mantém a marina a salvo da fúria do Atlântico e voltamos à bênção da igreja. Logo, espreitamos a Prainha onde alguns camones se deliciam com a água tranquila enquanto um cinquentão angrense ginastica determinado em manter a sua impressionante forma. Mas não passa muito tempo até nos depararmos com novos combates. Vivíamos uma época de eleições. Provávamos uns bolinhos típicos da ilha quando João Pinho de Almeida e outros dignitários embonecados do CDS invadem a pastelaria Athanásio e nos impingem e a outros clientes folhetos e canetas do partido quase sem carga. Entretanto, deixamos Angra para espreitarmos a Quinta do Martelo, uma antiga propriedade repleta de edifícios rurais e utensílios de trabalho que ilustram sem mácula os seus velhos tempos e os distintos ciclos de produção porque passou: a laranja, o vinho e a nêspera. Batemos à porta do restaurante “A Venda do Ti Manel da Quinta”, durante algum tempo em vão. Por fim, aparece Emanuel. O empregado esguio e afável da quinta revela-nos a mercearia antiga do piso térreo. Instala-nos na sala do superior que agora serve de restaurante. À mesa mas de olho no pormenor, constatamos como o mentor Gilberto Vieira preservou e recuperou tudo, dos puxadores das portas à loiça, de acordo com os tempos em que a quinta operava. O ambiente do lugar, do mais pitoresco que temos visto em muitas viagens e a refeição tradicional servida pelo não menos genuíno Emanuel deixam-nos maravilhados com a Quinta do Martelo. Um pouco mais ainda com a peculiar ilha Terceira.

 

Azores Airlines

www.azoresairlines.pt

SATA

sata.pt

VisitAzores

visitazores.com

Peneda-Gerês, Portugal

Do "Pequeno Tibete Português" às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo ao vale do Vez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de “tibetanas”.  Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras minhotas.
Castro Laboreiro, Portugal  

No Cimo Raiano-Serrano de Portugal

Chegamos à eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Flores, Açores

Os Confins Inverosímeis de Portugal (e da Europa)

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.

São Miguel, Açores

O Grande Éden Micaelense

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada. 

Pico, Açores

Com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. O Pico é a sua montanha aguçada mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.

Santa Maria, Açores

Ilha-Mãe dos Açores há só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.

Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e a experiência que não se deve arriscar subir à pressa.
Nana Kwame V
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Febre vegetal
Cidades

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Acolhimento de Satoko
Cultura

Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Até há pouco, os estúdios nipónicos produziam 60% de todas as séries de animação. “Higurashi no Naku Koro ni” teve enorme sucesso. Em Ogimashi, damos com um grupo de kigurumis das suas personagens.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Viajar é conhecer
Em Viagem
Volta ao Mundo - Parte 1

Viajar Traz Sabedoria. Saiba como dar a Volta ao Mundo.

A Terra gira sobre si própria todos os dias. Nesta série de artigos, encontra esclarecimentos e conselhos indispensáveis a quem faz questão de a circundar pelo menos uma vez na vida.
Convívio masai
Étnico

Masai Mara, Quénia

Um Povo Entregue à Bicharada

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Wilkommen in Africa
História
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Tambores e tatoos
Ilhas

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Natureza
Guilin, China

O Portal Para o Reino Chinês de Pedra

A imensidão de colinas de calcário afiadas em redor é de tal forma majestosa que as autoridades de Pequim a imprimem no verso das notas de 20 yuans. Quem a explora, passa quase sempre por Guilin. E mesmo se esta cidade da província de Guangxi destoa da natureza exuberante em redor, também lhe achámos os seus encantos.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Caminhada sob brasas
Parques Naturais

Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.

Himalaias urbanos
Património Mundial Unesco
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Insólito Balnear
Praia

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Religião
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Aos repelões
Sociedade

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

Um
Vida Quotidiana

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Cabo da Cruz colónia focas, cabo cross focas
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.