Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos


Resistência

Soldados da IDF removem um judeu ultra-ortodoxo.

Reforços Judeus

Rabi e séquito dirigem-se ao núcleo dos manifestantes ultra-ortodoxos.

Escrituras

Haredim lê passagens a partir de uma mini-Tora.

Protesto pouco ortodoxo

Judeus haredim reunidos em frente ao cemitério em que foram encontrados os jazigos.

Conferência em baixo tom

Judeus ortodoxos haredim revêm estratégias de protesto.

Posto de controle

Soldado das IDF à conversa junto a uma das barreiras erguidas para conter a manifestação.

Curiosidade

Fotógrafo judeu mostra aos protestantes uma das imagens que acabou de fazer.

Debate Circunscrito

Judeus ortodoxos trocam impressões junto a uma vedação colocada pela polícia de Telavive.

Fé na Razão

Líder judeu inspira-se na leitura compenetrada da Tora

Expulsão da Manifestação

Polícia de Telavive carrega um protestante demasiado agressivo.

Protestos a Rigor

Protestantes judeus conversam durante a manifestação.

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus radicais pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação

Uma qualquer tempestade de areia longínqua enche de pó a atmosfera sobre o litoral centro de Israel e a marginal que acompanha as praias mediterrânicas de Telavive não foge à regra. É algo que pouco preocupa os inúmeros atletas que vemos a percorrê-la mas, logo ao lado, os vendedores da feira da ladra a leste da rua Yekef não largam os espanadores, determinados em manter uma aparência minimamente digna das suas relíquias e antiguidades. Por comparação, a azáfama destes é absolutamente mundana para outros conterrâneos, envolvidos em reivindicações e batalhas superiores.

Deixamos o bazar e avançamos em direcção ao casario que ocupa a encosta da velha Jaffa mas nunca chegamos a completar o trajecto. Capta-nos a atenção uma mancha negra formada por um batalhão de judeus ultra-ortodoxos encerrados por barreiras metálicas azuis e controlados por elementos da polícia local, trajados com uniformes de aparência militar e também por soldados das IDF – Forças de Defesa de Israel.

Ouvimos clamores espontâneos e desgarrados, intercalados por outros colectivos que um ou outro haredim com perfil de líder faz questão de lançar. Aproximamo-nos, curiosos, e não demoramos a obter de um polícia a explicação superficial de tão estranho alarido. Em 1993, durante escavações de uma obra, foram descobertos vestígios arqueológicos num cemitério do bairro de Andromeda Hill. A comunidade ultra-ortodoxa judaica convenceu-se de que ali se encontravam jazigos ancestrais sagrados e montou uma operação de protesto contra a profanação das sepulturas, imperdoável aos olhos do judaísmo que professa a existência da vida depois da morte.

O assunto depressa cruzou mares e chegou ao julgamento dos poderosos judeus americanos. Como consequência, o Congresso Rabínico Central determinou que se organizassem sucessivas manifestações.

Várias tiveram lugar em frente da casa de Manhattan do magnata do imobiliário Aby Rosen, entretanto acusado de, em equipa com o sócio Michael Fuchs perpetrar a heresia para poder continuar com a construção do “Eden”, um hotel de luxo com valor estimado de 480 milhões de euros.

Dois outros protestos, em particular, destacaram-se pela dimensão impressionante que atingiram. Um concentrou 10.000 judeus ortodoxos junto à sede da RFR (a empresa dos investidores) no número 390 da Park Avenue. O outro teve lugar em Washington e reuniu cerca de 7000 participantes. Mais ou menos ao mesmo tempo, em Jerusalém e Beit Shemesh foram reunidas forças contestatárias que viajavam frequentemente de autocarro para Telavive. Vimo-las entrar em acção nas imediações do cemitério de 3000 anos.

Primeiro na expectativa, alguns haredim juntam-se em pequenos grupos. Dedicam-se a conspirar entre si e partilham expressões de aparente regozijo que nos sugerem terem chegado ao plano ideal para vencerem os desafiadores. Outros, concentram-se nas páginas de Toras portáteis e ensaiam leituras de orações que estão certos provarem a legitimidade das suas convicções.

Percebemos como vibram com a leitura. E como convocam os crentes próximos para lhes mostrarem, orgulhosos, as virtudes dos trechos religiosos mais comoventes. 

Os chapéus pretos – borsalinos, fedoras, shtreimels, kolpiks, trilbys – e algumas kipás protegem-nos do sol que rompe a névoa dominante mas não escondem as peots (canudos que caem das têmporas) que, a cada movimento, ondulam e afagam as barbas fartas.

Notamos um óbvio predomínio de rekels (fatos negros) mas também alguns kaftans (fatos negros com listas douradas e azuis) que confirmam a presença de comunidades distintas do judaísmo, caso da Yerushalmi Haredim.

Algum tempo depois, chega ao local o Rabi Yitzhak Tuvia Weiss – líder da seita anti-sionista Eda Haredit – curiosamente de carro, apesar de toda a área estar vedada ao trânsito.

Acompanhado de um séquito fiel, este Rabi junta-se de imediato à multidão ultra-ortodoxa e inaugura um período de oração comunal. Em seguida, recupera os protestos que conduz sem cerimónias.

”Amaldiçoamos a saúde, a família e o sustento de todos aqueles que participaram na dessacralização destas sepulturas.” grita um haredim já consciente da presença de jornalistas estrangeiros. “Todos aqueles envolvidos na danificação deste cemitério e solo pagarão com as suas vidas – e estas maldições já se provaram reais no passado”.

Depois da oração e das intimidações, os manifestantes tentam deixar as barreiras que os limitam e forçar o cordão policial para se dirigirem ao local do crime. Quando os agentes os barram, entram em confronto físico e têm lugar algumas detenções. Não satisfeitos, atiram pedras, garrafas e outros objectos aos polícias, por essa altura, já apoiados por forças especiais e até por um helicóptero.

Um fotógrafo judeu que antes tinha confraternizado com os haredim regista os acontecimentos de forma ávida. Mas, quando os manifestantes são conduzidos de volta ao interior da vedação, retoma o convívio e, a pedido dos crentes, mostra-lhes as fotos mais impactantes da agitação. Logo após, aborda-nos para tentar perceber de onde vimos e para que órgão trabalhamos, preocupado com o aspecto profissional do material fotográfico que usamos e com a possível quebra da sua, até então, incontestada exclusividade.

Num ápice, os protestantes recuperam energias.  Retomam a carga verbal em coro e chamam aos polícias e militares das IDF “criminosos” e “nazis”. A alguns elementos de ascendência etíope destas forças são ainda dedicados insultos racistas específicos.

As autoridades recebem ordens para mover a manifestação para um parque público nas imediações e a medida reacende o conflito. Segue-se uma instrução superior de desmobilização total dos haredim.

Estes voltam a responder. Incendeiam caixotes do lixo e atiram mais pedras. Dois fotógrafos que tinham entretanto chegado são atingidos e um deles sangra abundantemente da cabeça. O motim agrava-se mas os agentes policiais e militares israelitas estão habituados a lidar com problemas bem piores. cumprem as ordens, em três tempos.

Resta aos haredim o queixume. Erla Yekter, um dos organizadores lamenta-se: “Estas pessoas vieram aqui para rezar e protestar. Se há violência, é só da parte da polícia, não dos protestantes.” E reforça as suas razões: ”as pessoas pagaram pelos jazigos e agora vão construir por cima deles e vender a terra que eles compraram”.

Meses depois, a Autoridade Israelita de Antiguidades anunciou o fim das escavações mas não só. Chegara à conclusão de que as sepulturas do controverso cemitério nada tinham que ver com os ancestrais judaicos. Tinham sido datadas da era Bizantina e Persa e, nos jazigos, entre as ossadas humanas, encontravam-se um jarro com um feto datado de 1800 a 2000 a.C. e ossos de porcos domesticados, oferendas que eram comuns entre as populações pagãs que ocupavam o actual território de Israel.

Estas conclusões não convenceram os haredim que continuaram a convocar protestos. Mais recentemente, as ossadas foram transferidas para a posse de um representante do Ministério dos Serviços Religiosos. A seita Atra Kadisha – outra organização responsável pela contestação – continuou a insistir que se tratavam de judeus porque os mortos tinham sido enterrados de acordo com o costume judaico, de costas e com as cabeças a apontar para Jerusalém. Ofereceu-se ainda para lhes organizar um funeral condigno. 

Mar Morto, Israel

À Tona d'água, nas profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha. 

São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.

Tsfat, Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Old Jaffa, Israel

Onde Assenta a Cidade que Nunca Pára

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.

Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem o caminho de Cristo para a cruz, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.

Gentlemen Club & Steakhouse
Arquitectura & Design

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Folia Divina
Cerimónias e Festividades

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

Repuxo Merlion
Cidades

Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Danças
Cultura
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
As forças ocupantes
Étnico

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
O derradeiro submarino
História
Suomenlinna, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
Banco improvisado
Ilhas
Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Lento fim do dia
Natureza

Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Cores Argentinas
Parques Naturais

Perito Moreno, Argentina

O Glaciar Que Não se Rende

O aquecimento é supostamente global mas não chega a todo o lado. Na Patagónia, alguns rios de gelo resistem.De tempos a tempos, o avanço do Perito Moreno provoca derrocadas que fazem parar a Argentina

A Guardiã do Ditador
Património Mundial Unesco

Uplistsikhe e Gori, Geórgia

Do Berço da Geórgia à Infância de Estaline

À descoberta do Cáucaso, exploramos Uplistsikhe, uma cidade troglodita antecessora da Geórgia. E a apenas 10km, em Gori, damos com o lugar da infância conturbada de Joseb Jughashvili, que se tornaria o mais famoso e tirano dos líderes soviéticos.

Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Hotel à moda Tayrona
Praia

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Num equilíbrio fluvial
Religião

Chiang Kong - Luang Prabang, Laos

Por Esse Mekong Abaixo

Os custos mais baixos e a beleza dos cenários são as principais razões para fazer esta viagem. Seja como for, a descida pelo rio "mãe de todas as águas" pode ser tão pitoresca como incómoda.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Orgulho
Sociedade

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Glaciar Meares
Vida Selvagem

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.