Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells


Mural Espacial

Mural com motivos extraterrestres pintado na estação de serviço de Wycliffe Wells.

ET’s

Criaturas extraterrestres representadas à entrada da povoação.

Trópico Capricórnio

Marco do trópico de Capricórnio à beira da longa Stuart Highway, em pleno Território do Norte australiano.

Devil’s Marbles

O equilíbrio improvável dos Devil's Marbles, que alguns crentes na faceta exotérica de Wycliffe Wells acreditam serem obra extraterrestre.

Aborígene

Mulher aborígene nas redondezas de Wycliffe Wells.

Contacto

Viajante nipónica fotografa as figuras extraterrestres de Wycliffe Wells.

Estrada para lado nenhum

Estrada secundária que ramifica da Stuart Highway tingida de vermelho pela poeira sempre presente do Outback australiano.

Stuart Highway

Depósito de água em Tennant Creek, à beira da Stuart Highway.

Curiosidade por terráqueos

Figurinhas extraterrestres curiosas espreitam os terrestres em abastecimento.

Outback inundável

Aviso possibilidade de inundação súbita nas imediações dos Devils' Marbles.

Outback Servo

Estacão de serviço de um outro mundo junto ao famoso pub Daly Waters.

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliff Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.

A altura da vegetação aumenta à medida que a latitude decresce. Ao mesmo tempo, as nuvens brancas que salpicam o céu azulão assumem formas particulares e anunciam a experiência mais esotérica da longa Stuart Highway. Situada a quatrocentos quil&oacu

te;metros para norte de Alice Springs, a povoação seguinte não passa de um ponto ínfimo perdido na vastidão do mapa australiano mas, fazendo fé em vários testemunhos, parece ter conquistado um lugar de destaque no Universo.

Luzes no firmamento, discos rotativos com cúpulas azuis e seres prateados deles teletransportados para a superfície, ali, vermelha da Terra, tudo parece ser comum em Wycliffe Wells.

Lew Farkas, gerente da estação de serviço e do parque de caravanas local durante vinte e cinco anos, não só decorou as suas instalações com estátuas e motivos de outros mundos como assegura “ … eu próprio já tive uma meia dúzia de avistamentos, só este ano”. E, para que não fiquem quaisquer dúvidas, remata: “o dono anterior avisou-me logo quando me passou isto … com ele, e com vários aborígenes de cá, é exactamente a mesma coisa”.

As posições mantêm-se extremadas. Os analistas mais incrédulos afiançam que tudo se deve, na verdade, ao alto consumo de álcool do Território do Norte e à necessidade que os locais têm de acrescentar emoções àquelas que são consideradas as vidas mais monótonas do país. Do lado oposto e sem complexos, os residentes rejubilam com as frequentes visitas de ovnilogistas conceituados, participam em convenções e descrevem experiências aos media especializados internacionais.

A Tom, o guia que conhecemos em Alice Springs faz confusão, acima de tudo, o tamanho do restaurante. “Eu começo a pensar que eles ali alimentam os extraterrestres às escondidas, é a única explicação que me ocorre.” “Para que raio têm uma sala de refeições tão grande e com tantas mesas e cadeiras se nunca lá estão mais de cinco ou seis pessoas ?…”

Dez quilómetros para diante, duas viajantes inglesas aparecem paradas à beira da estrada. Apesar de terem acabado de passar mais uma estação de serviço, o seu pequeno Twingo imobilizou-se por falta de combustível. Quando voltam, à boleia, a Wycliffe Wells, um amigo de Lew Farkas, não resiste a comentar: “Estão a ver!?” Aqui, nunca é preciso ir muito longe para ver extraterrestres.”

Os alegados avistamentos de OVNI’s são comuns na zona desde os dias já distantes da 2a Guerra Mundial quando Wycliffe Wells acolheu uma horta e mercado de vegetais que servia a longa Rota do Gado. Nessa altura, os empregados para ali recrutados mantiveram registos num livro sobre os objectos não identificados que encontravam. Esse livro foi mantido durante vários anos sobre o balcão principal do estabelecimento para que todos os clientes e visitantes pudessem examinar. E acabou por ser roubado o que não favoreceu a credibilidade das suas narrativas.

Contamo-nos entre os mais cépticos. Custa-nos acreditar que seres hiper-dotados de outros planetas viajassem até à Terra para investigarem as actividades dos humanos e escolhessem como amostra a vida insignificante em redor de uma pequena estação de serviço e café perdidos no meio do outback australiano. Parece-nos que mais facilmente os atraíssem as grandes cidades do mundo onde a civilização terráquea é mais exuberante e sintomática que em qualquer outra parte.

Mesmo assim, há que considerar o número de avistamentos anunciados a partir de Wycliffe Wells. Um número de tal forma impressionante que os seguidores da ovnilogia avaliaram a povoação como o quinto maior hotspot do mundo e ali se encontram com regularidade para estudar e debater o fenómeno.

Em Março de 2011, era suposto o parque de caravanas da povoação receber a primeira conferência anual sobre óvnis, um encontro programado para durar três dias de Março, que incluiria observação do céu a partir de Devils Marbles e, à boa maneira ozzy, seria encerrado com um churrasco.

Além de organizar o evento, o incontornável Lew Farkas preparou-se para dissertar sobre as suas experiências bem como as de outros residentes, dos campistas, visitantes e viajantes. Entre os ilustres convidados, contavam-se Rex Gilroy, um dos ovnilogistas mais influentes da Austrália e o fundador da criptozoologia daquele país,  Kevin Robb que afiança ter avistado centenas de óvnis e ter recebido informação sobre como vivemos num mundo multidimensional. E ainda Peter Khoury, autor de “DNA PCR Hair Sample”, e testemunha de duas experiências de abdução por óvnis: uma primeira em 1988 que diz ter-lhe deixado uma marca na cabeça no lugar em que os extraterrestres lhe inseriram uma agulha e uma outra na perna direita de onde lhe retiraram uma amostra. Peter Khoury garante ter presenciado, em 1992, a uma outra abdução que envolveu duas mulheres extraterrestres, segundo as suas palavras, uma loura e outra asiática. Este foi o primeiro acontecimento deste tipo em que foram conseguidas evidências biológicas.

Todos os contactos e planos estavam feitos mas fenómenos mais próprios do nosso planeta em geral do que daquela região interior do Território do Norte, ditaram o cancelamento do evento. Uma enorme depressão tropical invadiu Wycliffe Wells sem misericórdia e inundou a área de tal maneira que a água no parque das caravanas passava a altura dos joelhos.

Lew Farkas não teve outro remédio senão devolver os 130 dólares australianos pagos pelo público para assistir aos 3 dias (50 AUD para um só dia) e esperar que as águas baixassem para pensar em recuperar a ansiada conferência.

Até à sua realização, pouco mais resta aos residentes de Wycliffe Wells que conformarem-se com a normalidade alienígena do lugar o que já não é nada pouco. Peças artesanais de papel e online que promovem a povoação começam por afirmar que a localidade é conhecida pela actividade regular dos óvnis. Mas, logo em seguida, o tom do marketing torna-se mais determinado. Garante-se que os avistamentos são tão comuns, que se um visitante ficar acordado toda a noite será considerado azarado se não tiver visto nada, em vez de sortudo por ter presenciado algum fenómeno.

Vínhamos de uma longa viagem que começara em Alice Springs e só terminaria quase 1500 km depois, em Darwin. Extenuados pelo calor atroz do outback e pela monotonia da condução, nunca chegámos a ficar despertos para lá das onze da noite e, como tal, não nos revemos em nenhum dos adjectivos. Mas nada nos garante que não fomos raptados por extraterrestres, levados para um qualquer planeta distante e trazidos de volta antes do nascer do dia.

Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua. 

Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital de estado mais a sul da grande ilha foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.

Alice Springs a Darwin, Austrália

A Caminho do Top End

Do Red Centre ao Top End tropical, a Stuart Hwy percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, a grande ilha muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Grande Ilha. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Wall like an Egyptian
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Fogo-de-artifício branco
Aventura

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Dia no ksar
Cerimónias e Festividades

Tataouine, Tunísia

Os Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. A Tunísia presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.

Nacionalismo Colorido
Cidades

Cartagena de Índias, Colômbia

Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Intersecção
Cultura

Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo “Country”

Os GI's partiram com o fim da 2a Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz Hungduan.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Em Viagem
Chefchouen a Merzouga, Marrocos

Marrocos de Cima a Baixo

Das ruelas anis de Chefchaouen às primeiras dunas do Saara revelam-se, em Marrocos, os contrastes bem marcados das primeiras terras africanas, como sempre encarou a Ibéria este vasto reino magrebino.
Entusiasmo Vermelho
Étnico

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
O Pequeno Tibete Português
História
Peneda-Gerês, Portugal

Do “Pequeno Tibete Português” às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo ao vale do Vez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de “tibetanas”.  Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras minhotas.
Verde sem fim
Ilhas
Terceira, Açores

Terceira: e os Açores continuam Ímpares

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. Estes são apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da Terceira especial não têm conta.
Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

De volta ao porto
Natureza

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Caminhada Solitária
Parques Naturais

Mérida, Venezuela

Nos Confins Andinos da Venezuela

Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.

No sopé do grande Aratat
Património Mundial Unesco

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

Gang de 4
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Desembarque Tardio
Praia

Arquipélago Bacuit, Filipinas

A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.

Promessa?
Religião
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Sociedade
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.