PN Canaima, Venezuela

O Rio Que Cai do Céu


O grande Salto Angel

Salto Angel ou Kerepakupai, a queda d'água mais longa do mundo, com quase 1km.

Nos céus de Canaima

Avioneta levanta voo do aeródromo de Porlamar, origem de voos frequentes para Canaima.

Aquém da corrente

Curiara com passageiros passa em frente ao salto Uricao, um dos que alimenta a lagoa Canaima.

Expedição

Curiaras sobem o rio Carrao lado a lado, a caminho do Salto Angel.

Calma aparente

Água imóvel do rio Carrao, imediatamente antes de cair para a lagoa Canaima.

Lagoa turva

Curiara ancorada na lagoa Canaima, com água avermelhada devido à concentração de um composto químico natural.

Irmão Índios

Crianças indígenas junto a uma pequena curiara, numa margem do rio Carrao.

Meio caminho para o Salto Angel

Guia Pancho a bordo de uma canoa junto ao desfiladeiro de Ahonda.

Carrao Rosado

Curiaras usadas pelos indígenas para conduzirem visitantes ao Salto Angel, ancoradas na margem do rio Carrao.

Tepuy Venezuelano

Nuvens aglomeradas no topo de um tepuy (meseta rochosa) junto ao rio Carrao.

Atracagem

Guia Pancho prende uma curiara à margem.

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra

O pequeno Cessna parece ter tido melhores dias mas só ficamos realmente apreensivos quando constatamos o volume e o peso provável do único homem aos comandos. Saturado da sua rotina aérea, o piloto recebe-nos com indiferença. Passa-nos um briefing minim

al e descola de imediato para o céu sobre a floresta tropical de Canaima.

A atmosfera revela-se nublada, ventosa, repleta de poços de ar e faz o avião saltar a toda a hora. Mas nem a turbulência nem o historial de acidentes aéreos naquela área afectam o repouso del comandante que se afunda num enorme jornal venezuelano e vai retocando a manche com os joelhos.

O voo é curto. Tão depressa como subimos, regressamos ao solo seduzidos pelas vistas privilegiadas daquele estranho domínio sul-americano. Aterramos nas imediações da lagoa Canaima onde nos são concedidas duas horas livres.

Apesar do ambiente luxuriante que a envolve, ao olho mais urbano, a Laguna de Canaima pode ser confundida com o reservatório vasto de uma qualquer ETAR remota. As suas águas repousam ali dos caprichos do rio que nela se precipita com violência em saltos com nomes excêntricos: o Hacha, o Golondrina e o Ucaima.

Durante quilómetros a fio, o Carrao serpenteia entre os vários tepuis (mesetas), rasga a selva e arrasta terra e húmus que conferem ao caudal um visual ocre. Quando esta água é empurrada para os limites do meandro amplo que se segue, o composto de ácidos fúlvicos e húmicos adensa-se e reage. O resultado é uma espuma suspeita e uma gradiente de tons que vai do negro nas partes mais profundas a um vermelho-amarelado junto às margens. O cenário prova-se, de facto, químico. Tão químico, quanto natural. Não fossem as correntes submersas traiçoeiras provocadas pelas quedas de água, a lagoa poderia ser considerada segura, quase termal. 

As duas horas escoam-se. Regressamos ao acampamento base e juntamo-nos a um grupo multinacional que aguarda instruções dos guias para zarpar Carrao acima.

Mas, nesse dia, o tráfico aéreo de acesso ao Parque Nacional Canaima havia-se complicado e alguns viajantes estão atrasados. Os guias têm o tempo contado com precisão. Sabem que correm o risco de ser apanhados no rio depois do pôr-do-sol o que obrigaria a que o grupo passasse a noite na selva das margens. É sob a pressão dessa desventura que conduzem as operações.

O campo base fica no extremo oeste da lagoa Canaima e as curiaras que nos esperam estão atracadas no porto Ucaima, a montante dos vários saltos do Carrao que nunca conseguiriam vencer. Cumprimos a caminhada em redor da lagoa quase em corrida, segundo o ritmo dos líderes nativos que se mostram cada vez mais preocupados. A determinada altura, reparamos em como o frenesim que tomou conta da comitiva contrasta com a paz ilusória do rio, ali, a apenas algumas dezenas metros do abismo. 

Chegados os visitantes em falta, embarcamos em três curiaras (canoas resistentes de construção indígena) movidas por motores poderosos. A navegação contra corrente começa tranquila mas as águas depressa se agitam. Na iminência dos rápidos Moroco, os guias caem num impasse que preocupa os passageiros. Até que uma ordem de Carlos – o responsável máximo da jornada – nos leva de volta à ação.    

Determinados e destemidos, os homens do leme puxam pelos motores e fazem as embarcações sulcar e galgar os rápidos. A viagem assemelha-se a uma montanha russa fluvial. Tanto subimos as vagas furiosas do Carrao como descemos no rio e as vemos invadir parcialmente as embarcações. A banda sonora da aventura também é intermitente. Quando os motores soltam a sua força, ouvimos o rugido grave dos pistons. E sempre que o caudal avassalador os condiciona, impõe-se o bradar agudo da água. De quando em quando, ouvem-se ainda gritos de pânico.

Após uma derradeira aceleração, vencemos os rápidos Moroco e Mayupa e entramos num trecho pacificado do Carrao. O resto da viagem até ao Canyon de Ahonda já é feito no escuro.

Assim que desembarcamos no acampamento intermediário, dois companheiros de viagem bascos põem-nos a par dos acontecimentos: “Rapazes, estes gajos são doidos! Como estava a ficar de noite, em vez de sairmos dos barcos e voltarmos a entrar mais à frente, meteram-nos naqueles rápidos furiosos! Lemos num guia que já aconteceram ali várias tragédias e que, na época das chuvas, isso está completamente proibido pelo governo.”  

Continuamos a debater a aventura durante o jantar que é cozinhado à pressa pelos anfitriões. A seguir, Carlos embala-nos com as suas teorias geopolíticas e conspirações dos E.U.A. para dominar a Colômbia e a Venezuela. Mais cedo do que esperamos, os guias e os forasteiros cedem ao cansaço e adormecem, lado a lado, nas redes que lhes estão reservadas. Antes disso, passamos os olhos pelo passado épico de Canaima.

Esta região era há muito conhecida pelos seus indígenas pémon e – defendem alguns historiadores – por Fernando de Berrío, um explorador e governador castelhano que a teria descoberto provavelmente no século XVII. Dois séculos mais tarde, a lenda de um suposto rio de ouro perdido e os artigos e mapas do capitão da armada venezuelana Felix Cardona Puig suscitaram o interesse de um aviador norte-americano intrépido.

Jimmy Angel e a esposa Marie Angel mudaram-se para aqueles confins da América do Sul e associaram-se ioneta voar sobre o tdoresa Amu ilha lhe passou um pedaço de papel ermos uma outra avioneta voar sobre o ta Cardona, a Gustavo “Cabuya” Heny, e a um jardineiro de nome Miguel Angel Delgado que era especialista no manuseamento de cordas e machetes. Juntos, formaram uma equipa de exploração que protagonizou diversas aproximações ao Auyantepui de que se precipitava a Kerepakupai Vená, uma queda de água que, com 979 m, se provaria a mais alta à face da Terra.

Durante quinze dias, Jimmy Angel assistiu os esforços dos colegas no solo. Sobrevoou a área no seu adorado avião Flamingo e largou mantimentos e equipamento atados a pequenos paraquedas. O aviador tinha já antes circundado o topo da grande meseta (tem cerca de 700 km 2 de superfície). Nessas ocasiões, não encontrou o rio de ouro lendário mas achou uma área plana que lhe parecia propícia a uma aterragem. Em 9 de Outubro de 1937, o grupo de aventureiros concretizou o mais desvairado dos seus planos.

De início, o contacto com o solo pareceu suave a Jimmy Angel e a Heny mas as rodas afundaram-se na lama e provocaram uma travagem abrupta que provocou a quebra da tubagem de combustível e atolou toda a parte frontal do avião.

Uma nebulosidade persistente impediu que os dois homens fossem resgatados mas, com a ajuda dos companheiros no acampamento base, conseguiram sobreviver a um árduo regresso por terra a Kamarata, uma povoação indígena da Gran Sabana. O avião foi declarado monumento nacional pelo governo da Venezuela, em 1964. Seis anos depois, seria removido pela força aérea daquele país e colocado no Museu de Aviação de Maracay.

De então para cá, a vastidão selvagem de Canaima continuou a seduzir o mundo e a sua queda de água prodigiosa atrai hordas de curiosos. Faltava-nos pouco para também a vislumbrarmos.

Partimos do Canyon de Ahonda pouco depois do nascer do novo dia. Cumprimos mais duas horas de curiara já não no Carrao mas para montante de um seu afluente, o Churún que flui ao longo doutro grande desfiladeiro, o Devil’s Canyon. Desembarcamos no campo Ratoncito e tomamos o trilho de selva que conduz a um ponto de observação privilegiado do salto.

Quando lá chegamos, a visibilidade é quase total e concede-nos a merecida recompensa. Sentamo-nos sobre um bloco elevado de rochas e ficamos semi-hipnotizados a contemplar o rio Kerepakupai a lançar-se no abismo e a dançar consoante o vento que, próximo do solo, chega a suspender a água cada vez mais dispersa. Divertimo-nos a comentar que nem Jimmy Angel tinha tido aquela vista mas, quando detectamos duas avionetas a voar sobre o topo do penhasco vem-nos à mente a epopeia do norte-americano que morreu, em 1956, depois de se despenhar no Panamá. Louvamos o seu pioneirismo tresloucado, algo que nem todos os venezuelanos optaram por fazer.

Sempre inflamado pelo bolivarianismo totalitário e respectivo anti-americanismo, em 2009, o falecido ex-presidente Hugo Chávez aproveitou um programa de TV para banir o apelido do aviador alegando que milhares de índios Pemon tinham visto as quedas de água antes dele. Decretou então, que a maravilha natural se passaria a chamar apenas Cheru-Meru, algo que teve que corrigir quando a sua filha lhe passou uma nota que dizia que aquele era o nome de uma cascata vizinha e que a palavra certa era Kerepakupai. Após persistentes momentos de prática, Chavez proclamou à Venezuela que tinha dominado a pronunciação do termo indígena correcto. E aproveitou para acusar os E.U.A. de terem violado o espaço aéreo da sua nação com um avião não pilotado: “São os yankees. Ordenei que os abatessem. Não podemos permitir isto”. Jimmy Angel já está a salvo.

Gran Sabana, Venezuela

Um Verdadeiro Parque Jurássico

Apenas a solitária estrada EN-10 se aventura pelo extremo sul selvagem da Venezuela. A partir dela, desvendamos cenários de outro mundo, como o da savana repleta de dinossauros da saga de Spielberg.

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Quedas d'água

Admiráveis Caudais Verticais

Dos quase 1000 metros de altura do Salto dançante de Angel à potência fulminante de Iguaçu ou Victoria após chuvas torrenciais, abatem-se sobre a Terra catadupas de todos os tipos.

Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d'água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.

Monte Roraima, Venezuela

Uma Ilha no Tempo

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.

Mérida, Venezuela

Nos Confins Andinos da Venezuela

Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.

Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução desde 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida chegou à sua estação terminal. Foi levada a cabo nas montanhas andinas por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.

Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As quedas d'água que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua raínha

PN Henri Pittier, Venezuela

Entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou

Costa Caribenha, Venezuela

No Caribe, Sê Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.

Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
Nippo-Selfie
Cidades

Takayama, Japão

Entre o Passado Nipónico e a Modernidade Japonesa

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Celebração Nahuatl
Cultura

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Budismo majestoso
Em Viagem
Circuito Anapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca das Anapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Fila Vietnamita
Étnico

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Sob um céu mais que dourado
História

Goiás Velho, Brasil

Uma Sequela Da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.

Brigada incrédula
Ilhas

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Recta Final
Inverno Branco

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Vista de Selkirk
Natureza

Ilha Robinson Crusoe, Chile

Na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Torres del Paine I
Parques Naturais

PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz. 

Património Mundial Unesco
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Baie d'Oro
Praia

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Um matrimónio espacial
Religião

Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua. 

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Chegada à festa
Sociedade

Perth, Austrália

Em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Abastecimento
Vida Selvagem

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.