PN Canaima, Venezuela

O Rio Que Cai do Céu


O grande Salto Angel

Salto Angel ou Kerepakupai, a queda d'água mais longa do mundo, com quase 1km.

Nos céus de Canaima

Avioneta levanta voo do aeródromo de Porlamar, origem de voos frequentes para Canaima.

Aquém da corrente

Curiara com passageiros passa em frente ao salto Uricao, um dos que alimenta a lagoa Canaima.

Expedição

Curiaras sobem o rio Carrao lado a lado, a caminho do Salto Angel.

Calma aparente

Água imóvel do rio Carrao, imediatamente antes de cair para a lagoa Canaima.

Lagoa turva

Curiara ancorada na lagoa Canaima, com água avermelhada devido à concentração de um composto químico natural.

Irmão Índios

Crianças indígenas junto a uma pequena curiara, numa margem do rio Carrao.

Meio caminho para o Salto Angel

Guia Pancho a bordo de uma canoa junto ao desfiladeiro de Ahonda.

Carrao Rosado

Curiaras usadas pelos indígenas para conduzirem visitantes ao Salto Angel, ancoradas na margem do rio Carrao.

Tepuy Venezuelano

Nuvens aglomeradas no topo de um tepuy (meseta rochosa) junto ao rio Carrao.

Atracagem

Guia Pancho prende uma curiara à margem.

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra

O pequeno Cessna parece ter tido melhores dias mas só ficamos realmente apreensivos quando constatamos o volume e o peso provável do único homem aos comandos. Saturado da sua rotina aérea, o piloto recebe-nos com indiferença. Passa-nos um briefing minim

al e descola de imediato para o céu sobre a floresta tropical de Canaima.

A atmosfera revela-se nublada, ventosa, repleta de poços de ar e faz o avião saltar a toda a hora. Mas nem a turbulência nem o historial de acidentes aéreos naquela área afectam o repouso del comandante que se afunda num enorme jornal venezuelano e vai retocando a manche com os joelhos.

O voo é curto. Tão depressa como subimos, regressamos ao solo seduzidos pelas vistas privilegiadas daquele estranho domínio sul-americano. Aterramos nas imediações da lagoa Canaima onde nos são concedidas duas horas livres.

Apesar do ambiente luxuriante que a envolve, ao olho mais urbano, a Laguna de Canaima pode ser confundida com o reservatório vasto de uma qualquer ETAR remota. As suas águas repousam ali dos caprichos do rio que nela se precipita com violência em saltos com nomes excêntricos: o Hacha, o Golondrina e o Ucaima.

Durante quilómetros a fio, o Carrao serpenteia entre os vários tepuis (mesetas), rasga a selva e arrasta terra e húmus que conferem ao caudal um visual ocre. Quando esta água é empurrada para os limites do meandro amplo que se segue, o composto de ácidos fúlvicos e húmicos adensa-se e reage. O resultado é uma espuma suspeita e uma gradiente de tons que vai do negro nas partes mais profundas a um vermelho-amarelado junto às margens. O cenário prova-se, de facto, químico. Tão químico, quanto natural. Não fossem as correntes submersas traiçoeiras provocadas pelas quedas de água, a lagoa poderia ser considerada segura, quase termal. 

As duas horas escoam-se. Regressamos ao acampamento base e juntamo-nos a um grupo multinacional que aguarda instruções dos guias para zarpar Carrao acima.

Mas, nesse dia, o tráfico aéreo de acesso ao Parque Nacional Canaima havia-se complicado e alguns viajantes estão atrasados. Os guias têm o tempo contado com precisão. Sabem que correm o risco de ser apanhados no rio depois do pôr-do-sol o que obrigaria a que o grupo passasse a noite na selva das margens. É sob a pressão dessa desventura que conduzem as operações.

O campo base fica no extremo oeste da lagoa Canaima e as curiaras que nos esperam estão atracadas no porto Ucaima, a montante dos vários saltos do Carrao que nunca conseguiriam vencer. Cumprimos a caminhada em redor da lagoa quase em corrida, segundo o ritmo dos líderes nativos que se mostram cada vez mais preocupados. A determinada altura, reparamos em como o frenesim que tomou conta da comitiva contrasta com a paz ilusória do rio, ali, a apenas algumas dezenas metros do abismo. 

Chegados os visitantes em falta, embarcamos em três curiaras (canoas resistentes de construção indígena) movidas por motores poderosos. A navegação contra corrente começa tranquila mas as águas depressa se agitam. Na iminência dos rápidos Moroco, os guias caem num impasse que preocupa os passageiros. Até que uma ordem de Carlos – o responsável máximo da jornada – nos leva de volta à ação.    

Determinados e destemidos, os homens do leme puxam pelos motores e fazem as embarcações sulcar e galgar os rápidos. A viagem assemelha-se a uma montanha russa fluvial. Tanto subimos as vagas furiosas do Carrao como descemos no rio e as vemos invadir parcialmente as embarcações. A banda sonora da aventura também é intermitente. Quando os motores soltam a sua força, ouvimos o rugido grave dos pistons. E sempre que o caudal avassalador os condiciona, impõe-se o bradar agudo da água. De quando em quando, ouvem-se ainda gritos de pânico.

Após uma derradeira aceleração, vencemos os rápidos Moroco e Mayupa e entramos num trecho pacificado do Carrao. O resto da viagem até ao Canyon de Ahonda já é feito no escuro.

Assim que desembarcamos no acampamento intermediário, dois companheiros de viagem bascos põem-nos a par dos acontecimentos: “Rapazes, estes gajos são doidos! Como estava a ficar de noite, em vez de sairmos dos barcos e voltarmos a entrar mais à frente, meteram-nos naqueles rápidos furiosos! Lemos num guia que já aconteceram ali várias tragédias e que, na época das chuvas, isso está completamente proibido pelo governo.”  

Continuamos a debater a aventura durante o jantar que é cozinhado à pressa pelos anfitriões. A seguir, Carlos embala-nos com as suas teorias geopolíticas e conspirações dos E.U.A. para dominar a Colômbia e a Venezuela. Mais cedo do que esperamos, os guias e os forasteiros cedem ao cansaço e adormecem, lado a lado, nas redes que lhes estão reservadas. Antes disso, passamos os olhos pelo passado épico de Canaima.

Esta região era há muito conhecida pelos seus indígenas pémon e – defendem alguns historiadores – por Fernando de Berrío, um explorador e governador castelhano que a teria descoberto provavelmente no século XVII. Dois séculos mais tarde, a lenda de um suposto rio de ouro perdido e os artigos e mapas do capitão da armada venezuelana Felix Cardona Puig suscitaram o interesse de um aviador norte-americano intrépido.

Jimmy Angel e a esposa Marie Angel mudaram-se para aqueles confins da América do Sul e associaram-se ioneta voar sobre o tdoresa Amu ilha lhe passou um pedaço de papel ermos uma outra avioneta voar sobre o ta Cardona, a Gustavo “Cabuya” Heny, e a um jardineiro de nome Miguel Angel Delgado que era especialista no manuseamento de cordas e machetes. Juntos, formaram uma equipa de exploração que protagonizou diversas aproximações ao Auyantepui de que se precipitava a Kerepakupai Vená, uma queda de água que, com 979 m, se provaria a mais alta à face da Terra.

Durante quinze dias, Jimmy Angel assistiu os esforços dos colegas no solo. Sobrevoou a área no seu adorado avião Flamingo e largou mantimentos e equipamento atados a pequenos paraquedas. O aviador tinha já antes circundado o topo da grande meseta (tem cerca de 700 km 2 de superfície). Nessas ocasiões, não encontrou o rio de ouro lendário mas achou uma área plana que lhe parecia propícia a uma aterragem. Em 9 de Outubro de 1937, o grupo de aventureiros concretizou o mais desvairado dos seus planos.

De início, o contacto com o solo pareceu suave a Jimmy Angel e a Heny mas as rodas afundaram-se na lama e provocaram uma travagem abrupta que provocou a quebra da tubagem de combustível e atolou toda a parte frontal do avião.

Uma nebulosidade persistente impediu que os dois homens fossem resgatados mas, com a ajuda dos companheiros no acampamento base, conseguiram sobreviver a um árduo regresso por terra a Kamarata, uma povoação indígena da Gran Sabana. O avião foi declarado monumento nacional pelo governo da Venezuela, em 1964. Seis anos depois, seria removido pela força aérea daquele país e colocado no Museu de Aviação de Maracay.

De então para cá, a vastidão selvagem de Canaima continuou a seduzir o mundo e a sua queda de água prodigiosa atrai hordas de curiosos. Faltava-nos pouco para também a vislumbrarmos.

Partimos do Canyon de Ahonda pouco depois do nascer do novo dia. Cumprimos mais duas horas de curiara já não no Carrao mas para montante de um seu afluente, o Churún que flui ao longo doutro grande desfiladeiro, o Devil’s Canyon. Desembarcamos no campo Ratoncito e tomamos o trilho de selva que conduz a um ponto de observação privilegiado do salto.

Quando lá chegamos, a visibilidade é quase total e concede-nos a merecida recompensa. Sentamo-nos sobre um bloco elevado de rochas e ficamos semi-hipnotizados a contemplar o rio Kerepakupai a lançar-se no abismo e a dançar consoante o vento que, próximo do solo, chega a suspender a água cada vez mais dispersa. Divertimo-nos a comentar que nem Jimmy Angel tinha tido aquela vista mas, quando detectamos duas avionetas a voar sobre o topo do penhasco vem-nos à mente a epopeia do norte-americano que morreu, em 1956, depois de se despenhar no Panamá. Louvamos o seu pioneirismo tresloucado, algo que nem todos os venezuelanos optaram por fazer.

Sempre inflamado pelo bolivarianismo totalitário e respectivo anti-americanismo, em 2009, o falecido ex-presidente Hugo Chávez aproveitou um programa de TV para banir o apelido do aviador alegando que milhares de índios Pemon tinham visto as quedas de água antes dele. Decretou então, que a maravilha natural se passaria a chamar apenas Cheru-Meru, algo que teve que corrigir quando a sua filha lhe passou uma nota que dizia que aquele era o nome de uma cascata vizinha e que a palavra certa era Kerepakupai. Após persistentes momentos de prática, Chavez proclamou à Venezuela que tinha dominado a pronunciação do termo indígena correcto. E aproveitou para acusar os E.U.A. de terem violado o espaço aéreo da sua nação com um avião não pilotado: “São os yankees. Ordenei que os abatessem. Não podemos permitir isto”. Jimmy Angel já está a salvo.

Gran Sabana, Venezuela

Um Verdadeiro Parque Jurássico

Apenas a solitária estrada EN-10 se aventura pelo extremo sul selvagem da Venezuela. A partir dela, desvendamos cenários de outro mundo, como o da savana repleta de dinossauros da saga de Spielberg.

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Quedas d'água

Admiráveis Caudais Verticais

Dos quase 1000 metros de altura do Salto dançante de Angel à potência fulminante de Iguaçu ou Victoria após chuvas torrenciais, abatem-se sobre a Terra catadupas de todos os tipos.

Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d'água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.

Monte Roraima, Venezuela

Uma Ilha no Tempo

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.

Mérida, Venezuela

Nos Confins Andinos da Venezuela

Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.

Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução desde 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida chegou à sua estação terminal. Foi levada a cabo nas montanhas andinas por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.

Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As quedas d'água que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua raínha

PN Henri Pittier, Venezuela

Entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou

Costa Caribenha, Venezuela

No Caribe, Sê Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.

Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro de Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Cocquete
Cerimónias e Festividades

Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos thirties. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.

Rumo ao vale
Cidades
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Ilha menor
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Entusiasmo Vermelho
Cultura

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Lento fim do dia
Em Viagem

Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.

Étnico
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
História
Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Praia soleada
Ilhas

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

De volta ao porto
Natureza

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Trio das alturas
Parques Naturais

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Vítima do Destino
Património Mundial Unesco

Ilha da Páscoa, Chile

Sob o Olhar dos Moais

Rapa Nui foi descoberta pelos europeus no dia de Páscoa de 1722. Mas, se o nome cristão da ilha faz todo o sentido, a civilização que a colonizou de estátuas observadoras permanece envolta em mistério

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Pura Vida em risco
Praia

Montezuma, Costa Rica

Um Recanto Abnegado da Costa Rica

A partir dos anos 80, Montezuma acolheu uma comunidade cosmopolita de artistas, ecologistas, pós-hippies, de adeptos da natureza e do famoso deleite costariquenho. Os nativos chamam-lhe Montefuma.

Passagem
Religião

Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.

White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Febre vegetal
Sociedade

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.

Um
Vida Quotidiana

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Manada de búfalos asiáticos numa zona lamaçenta do Maguri Beel, Assam
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.