Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens


Chapéu Lenticular

Cume do Aoraki/Monte Cook acompanhado de uma nuvem lenticular.

Em estilo Caran d’Ache

Monte Cook por detrás da névoa densa sobre o lago Pukaki.

A Caminho

Caminhantes aproximam-se do sopé do Aoraki/Monte Cook.

Gelo pouco gelado

Guia fala sobre o gelo ancestral do glaciar Tasman, que flui a partir das alturas dos Alpes do Sul.

Entre Icebergs

Grupo de visitantes a bordo de um zodiak, no lago formado pelo glaciar Tasman.

Sem Pressas

Casal descansa no sopé de uma encosta gelada dos Alpes do Sul.

Esculturas de Gelo

Icebergs flutuam no lago formado pela frente de ablação do glaciar Tasman.

Passos Certos

Caminhante atravessa uma ponte suspensa sobre o rio Hooker.

Pico Tingido

Monte Cook assume tons bem mais quentes com o fim de mais um dia nos Alpes do Sul.

Um Delta Frígido

Água do degelo desce das alturas dos Alpes do Sul para o caudal azulado do lago Pukaki.

Pequena avalanche

Um fluxo de neve cai de uma falésia rochosa nas imediações do Monte Cook.

Cabana sobre o Abismo

Um abrigo de montanha instalado de forma vertiginosa à beira de uma falésia escarpada dos Alpes do Sul.

Padrões do Frio

Fragmentos de gelo esculpido pela erosão no sopé de uma encosta abrupta abaixo do pico do monte Cook.

Passadeira sobre o Prado

Caminhantes cruzam-se sobre uma passadeira elevada de madeira instalada numa zona alagadiça do trilho para o monte Cook.

Detrás das montanhas

Aoraki/Monte Cook surge detrás de montanhas mais próximas da povoação homónima.

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.

Após várias dezenas de quilómetros numa de tantas planícies bucólicas de Canterbury, a estrada ascende e interna-se no domínio majestoso dos Alpes do Sul. Vemos o turquesa do lago Pukaki desafiar o azul celeste e, na margem oposta, a visão porque v

iajávamos. Uma névoa persistente mancha o cenário com laivos de branco e, por detrás, ao estilo das caixas de lápis de cor Caran d’Ache, impõe-se o grandioso Aoraki/Monte Cook.

O pequeno povoado de Twizel aparece pouco depois e permite-nos reabastecer o carro e as energias. Apreciamos, por momentos, o panorama de uma perspectiva lateral e prosseguimos caminho em direcção ao sopé elevado da cordilheira. Mount Cook, a aldeia homónima e derradeira paragem do percurso confirma-se no extremo de um vasto aluvião pintado de amarelo por um feno curto e ensopado. Acolhe aventureiros há décadas e prova-se uma espécie de primeira conquista para os ciclo-turistas que vemos chegar, extenuados, ao International Youth Hostel local.

Foram muitos os montanheiros prendados com o aconchego dos pequenos chalés ali instalados, momentos preciosos de estímulo para um mesmo desafio: a conquista da grande montanha.

Desde 1882 que o Mount Cook atrai alpinistas. A primeira expedição foi formada pelo reverendo irlandês William Green, o suíço Emil Boss e pelo guia de montanha também helvético Ulrich Kaufman. Bafejado por uma meteorologia misericordiosa, este trio subiu a montanha sem percalços de maior e festejou o feito nas alturas, de regresso à base e por algum tempo mais. Até que rivais e juízes supostamente imparciais os confrontaram com uma cruel realidade: tinham ficado a 50 m do verdadeiro cume da elevação.

Para vários montanheiros kiwis, as notícias da sua humilhação trouxeram alívio. Tom Fyfe, George Graham e Jack Clark ambicionavam há algum tempo aquele triunfo. Oito meses depois, pressionados por boatos da visita de outros alpinistas europeus conceituados, apressaram-se a mudar-se para a base da montanha, venceram o glaciar Hooker, prosseguiram pela vertente norte e atingiram o cume, no dia de Natal de 1884. Nos dias que correm, a sua proeza jaz num segundo plano sombrio da memória.

O hotel Hermitage instalou-se em Mount Cook no mesmo ano. Passamos junto às suas instalações renovadas na manhã seguinte à nossa chegada e constatamos como os hóspedes nipónicos – mas não só – se fotografam, entusiasmados, junto a uma estátua negra que contempla a montanha. Depressa comprovamos tratar-se da homenagem a Edmund Hillary, o neozelandês apicultor que ofuscou a fama dos três compatriotas e de todos os alpinistas do mundo, ao ascender com o sherpa nepalês Tenzing Norgay, ao seu tecto.

Desde cedo Hillary se sentiu atraído pela descoberta e pela concretização de façanhas. Na escola secundária já sonhava com os Alpes do Sul.  Começou a praticar aquela que viria a ser a sua grande aptidão a meio da década de 30 e conquistou o primeiro cume, o Monte Ollivier (1933 m), em 1939.

A determinada altura, juntou-se à Royal New Zealand Air Force e serviu na 2ª Guerra Mundial como navegador. Esta missão inesperada salvou-o de uma produção de mel estival de que já estava meio farto e que era cada vez menos rentável. Deu-lhe acesso a um mundo real, de que tinha construído um vasto imaginário com a leitura de inúmeros livros de aventuras.

Uma vez regressado a casa e recuperado de um acidente militar nas ilhas Salomão, voltou a ceder ao chamamento da montanha.

Conquistou o Monte Cook com tal facilidade que repetiu a ascensão, no ano seguinte, como uma espécie de treino para os desafios bem mais exigentes que estava prestes a enfrentar. 

Em 1951, integrado em expedições de reconhecimento, iniciou a sua relação montanhista com os Himalaias. Dois anos depois, juntou-se a uma expedição britânica de mais 400 pessoas (incluindo 360 carregadores e 20 guias sherpas) liderada por John Hunt. Segundo instruções deste, Hillary fez equipa com o sherpa Tenzing, um dos poucos que, contra a superstição predominante na etnia, ambicionava os mesmos sucessos que os escaladores ocidentais. Entre diversos percalços, Hillary e Tenzing acabaram por receber ordem de Hunt para avançarem para o cume. Alcançaram-no com enorme  esforço, às 11 da manhã de 29 de Março de 1953.

No regresso à base, Hillary comunicou ao companheiro George Lowe, a primeira pessoa que viu: “Well George, we knocked the bastard off”.

Passados três meses, recebera várias homenagens e condecorações entre as quais as de Knight Commander of the Order of the British Empire.

Enquanto percorremos a Nova Zelândia, vemo-lo, todos os dias, com o seu ar rude e simples, nas costas das notas de 5 dólares. Edmund Hillary foi durante muitos anos, o único kiwi vivo a merecer essa distinção. Insistiu para que montanha a acompanhar o seu perfil fosse o Aoraki/Mount Cook e não o Evereste, em honra à paixão que sempre teve pelos Alpes do Sul. Os neozelandeses e a gente do hotel Hermitage retribuíram-lhe com um Centro Alpino e Museu a ele dedicado, o mesmo em que nos sentamos em frente a um ecrã, tão deliciados como dezenas de outros visitantes, a rever a sua vida preenchida, antes de partirmos para o trilho que conduz à base da elevação que o inspirou, numa tarde solarenga mas fria e ventosa.

Apesar daquela atenção patriota, Edmund Percival Hillary continuou a escalar montanhas dos Himalaias, 10 no total. Não se ficou por aí. Chegou ao Polo Sul, parte de uma expedição Trans-Antárctica da Commonwealth.

Em 1977, não foi vítima do desastre aéreo do voo TWA 266 porque se atrasou. Voltou a fintar o destino dois anos depois, quando um amigo íntimo, Peter Mulgrew, o substituiu a bordo do Air New Zealand 901 que se despenhou contra o Monte Erebus, na Antárctida, vitimando as 257 pessoas a bordo.

Hillary manteve até muito tarde a paixão pela descoberta e pela aventura e só as acções beneméritas e ambientais no Nepal e outras partes do Mundo competiam com essa faceta. Mas a sorte não poderia sorrir-lhe para sempre. Em, 1988, com 88 anos, sucumbiu a um ataque cardíaco.

O Aoraki/Mount Cook da sua juventude resiste no topo de uma presumível eternidade mas também tem os seus contratempos. Em 1991, entre 12 a 14 milhões de metros cúbicos de rocha e gelo caíram do pico norte, reduzindo-o em cerca de 10 metros.

Deixamos o conforto do hotel Hermitage e metemo-nos no trilho que serpenteia ao longo do leito pedregoso do rio Hooker e o cruza sobre uma ponte suspensa. O vale é amarelo-esverdeado, repleto de uma vegetação suculenta que vários rebanhos devoram. À medida que avançamos sobre o feno ou sobre os seixos, aproximamo-nos do  cume nevado resplandecente que espreita entre o v escuro formado por duas encostas já à sombra. Quarenta minutos depois, estamos bem mais junto do sopé e o ângulo de visão é distinto. Desvenda-nos uma nuvem lenticular excêntrica que persiste sobre o cume como que a registar os tons com que o crepúsculo vai colorindo a montanha. Sentamo-nos sobre pedras polidas pela erosão glaciar e fazemos o mesmo. Até que a noite se fecha e o frio se torna impossível de suportar.

Segundo a lenda maori, foi o frio que criou aquela mesma montanha. Aoraki era um jovem rapaz filho de Rakinui, o pai Céu. Numa sua viagem em redor da Mãe Terra, a sua canoa encalhou e num recife e virou-se. Aoraki e os irmãos treparam para o topo e evitaram afundar-se. Mas o vento do sul gelou-os e transformou-os em pedra. A canoa tornou-se na Ilha do Sul da Nova Zelândia, Aoraki, no mais alto no cume homónimo e os irmãos nos restantes Alpes do Sul. Durante, séculos os colonos europeus ouviram-nos pronunciar a palavra Aorangi – a versão Ngai Tahu dos maoris da região – e interpretaram-na como querendo dizer fura-nuvens quando os indígenas se referiam, na realidade, a uma pessoa. A noção desviada popularizou-se mas, apesar do equívoco, a reivindicação dos nativos teve eco e Aoraki, equiparou-se na nomenclatura oficial neozelandesa a Mount Cook. Este último, por sua vez, foi dado à montanha por um tal de capitão John Lort Stokes – oficial que serviu a bordo do HMS Beagle – que assim decidiu honrar o mais famoso dos navegadores britânicos. 

Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.

Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Fogo-de-artifício branco
Aventura

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Bebé entre reis
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.
Assento do sono
Cidades

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cultura
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Em Viagem
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Moradora de Dali, Yunnan, China
Étnico
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Memorial USS Arizona
História

Pearl Harbour, Havai

O Dia em que o Japão foi Longe Demais

A 7 de Dezembro de 1941, a Marinha Imperial Japonesa atacou a base militar de Pearl Harbour. Partes do Havai parecem colónias nipónicas mas os E.U.A nunca esquecerão a afronta.

Castelo de Shuri em Naha, Okinawa, Japão
Ilhas
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Recta Final
Inverno Branco

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Campo de géiseres
Natureza

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Contemplação
Parques Naturais

El Chalten, Argentina

Um Apelo de Granito

Duas montanhas de pedra geraram uma disputa fronteiriça entre a Argentina e o Chile.Mas estes países não são os únicos pretendentes.Há muito que os cerros Fitz Roy e Torre atraem alpinistas obstinados

Um matrimónio espacial
Património Mundial UNESCO

Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua. 

Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Tambores e tatoos
Praias

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Detalhe do templo de Kamakhya, em Guwahati, Assam, Índia
Religião
Guwahati, India

A Cidade que Venera o Desejo e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

No coração amarelo de San Cristóbal
Sociedade

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.