Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens


Chapéu Lenticular

Cume do Aoraki/Monte Cook acompanhado de uma nuvem lenticular.

Em estilo Caran d’Ache

Monte Cook por detrás da névoa densa sobre o lago Pukaki.

A Caminho

Caminhantes aproximam-se do sopé do Aoraki/Monte Cook.

Gelo pouco gelado

Guia fala sobre o gelo ancestral do glaciar Tasman, que flui a partir das alturas dos Alpes do Sul.

Entre Icebergs

Grupo de visitantes a bordo de um zodiak, no lago formado pelo glaciar Tasman.

Sem Pressas

Casal descansa no sopé de uma encosta gelada dos Alpes do Sul.

Esculturas de Gelo

Icebergs flutuam no lago formado pela frente de ablação do glaciar Tasman.

Passos Certos

Caminhante atravessa uma ponte suspensa sobre o rio Hooker.

Pico Tingido

Monte Cook assume tons bem mais quentes com o fim de mais um dia nos Alpes do Sul.

Um Delta Frígido

Água do degelo desce das alturas dos Alpes do Sul para o caudal azulado do lago Pukaki.

Pequena avalanche

Um fluxo de neve cai de uma falésia rochosa nas imediações do Monte Cook.

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.

Após várias dezenas de quilómetros numa de tantas planícies bucólicas de Canterbury, a estrada ascende e interna-se no domínio majestoso dos Alpes do Sul. Vemos o turquesa do lago Pukaki desafiar o azul celeste e, na margem oposta, a visão porque v

iajávamos. Uma névoa persistente mancha o cenário com laivos de branco e, por detrás, ao estilo das caixas de lápis de cor Caran d’Ache, impõe-se o grandioso Aoraki/Monte Cook.

O pequeno povoado de Twizel aparece pouco depois e permite-nos reabastecer o carro e as energias. Apreciamos, por momentos, o panorama de uma perspectiva lateral e prosseguimos caminho em direcção ao sopé elevado da cordilheira. Mount Cook, a aldeia homónima e derradeira paragem do percurso confirma-se no extremo de um vasto aluvião pintado de amarelo por um feno curto e ensopado. Acolhe aventureiros há décadas e prova-se uma espécie de primeira conquista para os ciclo-turistas que vemos chegar, extenuados, ao International Youth Hostel local.

Foram muitos os montanheiros prendados com o aconchego dos pequenos chalés ali instalados, momentos preciosos de estímulo para um mesmo desafio: a conquista da grande montanha.

Desde 1882 que o Mount Cook atrai alpinistas. A primeira expedição foi formada pelo reverendo irlandês William Green, o suíço Emil Boss e pelo guia de montanha também helvético Ulrich Kaufman. Bafejado por uma meteorologia misericordiosa, este trio subiu a montanha sem percalços de maior e festejou o feito nas alturas, de regresso à base e por algum tempo mais. Até que rivais e juízes supostamente imparciais os confrontaram com uma cruel realidade: tinham ficado a 50 m do verdadeiro cume da elevação.

Para vários montanheiros kiwis, as notícias da sua humilhação trouxeram alívio. Tom Fyfe, George Graham e Jack Clark ambicionavam há algum tempo aquele triunfo. Oito meses depois, pressionados por boatos da visita de outros alpinistas europeus conceituados, apressaram-se a mudar-se para a base da montanha, venceram o glaciar Hooker, prosseguiram pela vertente norte e atingiram o cume, no dia de Natal de 1884. Nos dias que correm, a sua proeza jaz num segundo plano sombrio da memória.

O hotel Hermitage instalou-se em Mount Cook no mesmo ano. Passamos junto às suas instalações renovadas na manhã seguinte à nossa chegada e constatamos como os hóspedes nipónicos – mas não só – se fotografam, entusiasmados, junto a uma estátua negra que contempla a montanha. Depressa comprovamos tratar-se da homenagem a Edmund Hillary, o neozelandês apicultor que ofuscou a fama dos três compatriotas e de todos os alpinistas do mundo, ao ascender com o sherpa nepalês Tenzing Norgay, ao seu tecto.

Desde cedo Hillary se sentiu atraído pela descoberta e pela concretização de façanhas. Na escola secundária já sonhava com os Alpes do Sul.  Começou a praticar aquela que viria a ser a sua grande aptidão a meio da década de 30 e conquistou o primeiro cume, o Monte Ollivier (1933 m), em 1939.

A determinada altura, juntou-se à Royal New Zealand Air Force e serviu na 2ª Guerra Mundial como navegador. Esta missão inesperada salvou-o de uma produção de mel estival de que já estava meio farto e que era cada vez menos rentável. Deu-lhe acesso a um mundo real, de que tinha construído um vasto imaginário com a leitura de inúmeros livros de aventuras.

Uma vez regressado a casa e recuperado de um acidente militar nas ilhas Salomão, voltou a ceder ao chamamento da montanha.

Conquistou o Monte Cook com tal facilidade que repetiu a ascensão, no ano seguinte, como uma espécie de treino para os desafios bem mais exigentes que estava prestes a enfrentar. 

Em 1951, integrado em expedições de reconhecimento, iniciou a sua relação montanhista com os Himalaias. Dois anos depois, juntou-se a uma expedição britânica de mais 400 pessoas (incluindo 360 carregadores e 20 guias sherpas) liderada por John Hunt. Segundo instruções deste, Hillary fez equipa com o sherpa Tenzing, um dos poucos que, contra a superstição predominante na etnia, ambicionava os mesmos sucessos que os escaladores ocidentais. Entre diversos percalços, Hillary e Tenzing acabaram por receber ordem de Hunt para avançarem para o cume. Alcançaram-no com enorme  esforço, às 11 da manhã de 29 de Março de 1953.

No regresso à base, Hillary comunicou ao companheiro George Lowe, a primeira pessoa que viu: “Well George, we knocked the bastard off”.

Passados três meses, recebera várias homenagens e condecorações entre as quais as de Knight Commander of the Order of the British Empire.

Enquanto percorremos a Nova Zelândia, vemo-lo, todos os dias, com o seu ar rude e simples, nas costas das notas de 5 dólares. Edmund Hillary foi durante muitos anos, o único kiwi vivo a merecer essa distinção. Insistiu para que montanha a acompanhar o seu perfil fosse o Aoraki/Mount Cook e não o Evereste, em honra à paixão que sempre teve pelos Alpes do Sul. Os neozelandeses e a gente do hotel Hermitage retribuíram-lhe com um Centro Alpino e Museu a ele dedicado, o mesmo em que nos sentamos em frente a um ecrã, tão deliciados como dezenas de outros visitantes, a rever a sua vida preenchida, antes de partirmos para o trilho que conduz à base da elevação que o inspirou, numa tarde solarenga mas fria e ventosa.

Apesar daquela atenção patriota, Edmund Percival Hillary continuou a escalar montanhas dos Himalaias, 10 no total. Não se ficou por aí. Chegou ao Polo Sul, parte de uma expedição Trans-Antárctica da Commonwealth.

Em 1977, não foi vítima do desastre aéreo do voo TWA 266 porque se atrasou. Voltou a fintar o destino dois anos depois, quando um amigo íntimo, Peter Mulgrew, o substituiu a bordo do Air New Zealand 901 que se despenhou contra o Monte Erebus, na Antárctida, vitimando as 257 pessoas a bordo.

Hillary manteve até muito tarde a paixão pela descoberta e pela aventura e só as acções beneméritas e ambientais no Nepal e outras partes do Mundo competiam com essa faceta. Mas a sorte não poderia sorrir-lhe para sempre. Em, 1988, com 88 anos, sucumbiu a um ataque cardíaco.

O Aoraki/Mount Cook da sua juventude resiste no topo de uma presumível eternidade mas também tem os seus contratempos. Em 1991, entre 12 a 14 milhões de metros cúbicos de rocha e gelo caíram do pico norte, reduzindo-o em cerca de 10 metros.

Deixamos o conforto do hotel Hermitage e metemo-nos no trilho que serpenteia ao longo do leito pedregoso do rio Hooker e o cruza sobre uma ponte suspensa. O vale é amarelo-esverdeado, repleto de uma vegetação suculenta que vários rebanhos devoram. À medida que avançamos sobre o feno ou sobre os seixos, aproximamo-nos do  cume nevado resplandecente que espreita entre o v escuro formado por duas encostas já à sombra. Quarenta minutos depois, estamos bem mais junto do sopé e o ângulo de visão é distinto. Desvenda-nos uma nuvem lenticular excêntrica que persiste sobre o cume como que a registar os tons com que o crepúsculo vai colorindo a montanha. Sentamo-nos sobre pedras polidas pela erosão glaciar e fazemos o mesmo. Até que a noite se fecha e o frio se torna impossível de suportar.

Segundo a lenda maori, foi o frio que criou aquela mesma montanha. Aoraki era um jovem rapaz filho de Rakinui, o pai Céu. Numa sua viagem em redor da Mãe Terra, a sua canoa encalhou e num recife e virou-se. Aoraki e os irmãos treparam para o topo e evitaram afundar-se. Mas o vento do sul gelou-os e transformou-os em pedra. A canoa tornou-se na Ilha do Sul da Nova Zelândia, Aoraki, no mais alto no cume homónimo e os irmãos nos restantes Alpes do Sul. Durante, séculos os colonos europeus ouviram-nos pronunciar a palavra Aorangi – a versão Ngai Tahu dos maoris da região – e interpretaram-na como querendo dizer fura-nuvens quando os indígenas se referiam, na realidade, a uma pessoa. A noção desviada popularizou-se mas, apesar do equívoco, a reivindicação dos nativos teve eco e Aoraki, equiparou-se na nomenclatura oficial neozelandesa a Mount Cook. Este último, por sua vez, foi dado à montanha por um tal de capitão John Lort Stokes – oficial que serviu a bordo do HMS Beagle – que assim decidiu honrar o mais famoso dos navegadores britânicos. 

Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.

Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

Danças na Catedral
Cidades

Antigua, Guatemala

Guatemala à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.

Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Seydisfjordur
Cultura

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Em Viagem
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Transbordo
Étnico

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Tsumago em hora de ponta
História

Magome-Tsumago, Japão

O Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o shogun Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é frequentemente invadido por uma turba ansiosa por evasão.

Doca gelada
Ilhas

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Lagoa das Sete Cidades, um dos cenários majestosos da ilha de São Miguel, Açores
Natureza
São Miguel, Açores

O Grande Éden Micaelense

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Patrulha réptil
Parques Naturais
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Praia Islandesa
Património Mundial UNESCO

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Pescador manobra barco junto à Praia de Bonete, Ilhabela, Brasil
Praias
Ilhabela, Brasil

A Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das 10 melhores praias do Brasil.
Glamour vs Fé
Religião
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Febre vegetal
Sociedade

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.

Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Campo de géiseres
Vida Selvagem

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.