Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash


Água grande

Grupo de pessoas admira a Garganta do Diabo a partir de uma plataforma do lado brasileiro das cataratas.

Vista de Varandim

Mulher admira o cenário verdejante e escorrido do lado argentino das cataratas de Iguaçu.

Sobre as águas

Visitantes percorrem um passadiço sobre as águas do rio Iguaçu.

Insignificância

Mulher espreita para uma das quedas mais poderosas das cataratas do Iguaçu.

Salto San Martín

Palmeiras impõem-se às cataratas de Iguaçu, com a ilha de San Martin em fundo.

Tucano

Um tucano, uma das aves que habita a selva em redor do rio Iguaçu.

Iguaçu a dentro

Visitantes aglomeram-se no fim de uma passadeira, ao lado de um arco-íris resplandecente.

Rio Iguaçu

Vista aérea do rio Iguaçu e das cataratas do Iguaçu.

Tropical

Palmeiras destacam-se sobre o caudal em queda do rio Iguaçu.

Navegação arrojada

Barco repleto de passageiros desafia uma queda na base na Isla San Martin.

Desafio

Barco com motores poderosos faz uma incursão temerária numa das quedas da ilha San Martin.

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

À chegada a Foz do Iguaçu, ajuizámos mal a situação que depressa rotulámos de nova catástrofe meteorológico-fotográfica. Estávamos no fim de Janeiro, o mês mais quente na região, conhecida por temperaturas máximas que passam facilmente os 40º. Em vez do sol “queima-coco” que era de esperar, a região encontrava-se, havia quatro dias, coberta por um manto de nuvens escuras e pesadas que despejavam bátegas contínuas, acompanhadas de ventos fortes e trovoadas ameaçadoras.

Até que algo mudasse, esses quatro dias chegaram a sete, tempo que aproveitámos para desbravar Foz (como lhe chamam os locais) uma cidade mais fascinante que elegante que não parou de se desenvolver nos 18 anos de construção da Hidroeléctrica Binacional de Itaipu (partilhada pelo Brasil e Paraguai) a maior barragem do mundo até à finalização da chinesa das Três Gargantas.

De 35.000 habitantes, em 1973, Foz passou a albergar 256.000, por volta do ano 2001. Este crescimento pouco sustentado foi também incentivado pelo aproveitamento turístico das Cataratas de Iguaçu. Nem só de brasileiros se fez.

Depois da 2a Guerra Mundial, chegou a acolher Nazis foragidos mas, foi a conjunção das comunidades italiana, alemã, libanesa, ucraniana, argentina e paraguaia, chinesa e japonesa, entre outras secundárias, que dela fizeram uma das cidades mais multiculturais do mundo. É algo reforçado por se localizar na tripla-fronteira Argentino-Brasileira-Paraguaia, numa zona carregada de misticismo e suposto magnetismo extraterrestre que continua a atrair cultos religiosos, seitas de todos os tipos e … OVNI’s, já para não falar de células Sul-Americanas da Al-Qaeda, pelo menos, a confiar nos alertas permanentes dos serviços secretos argentinos e israelitas. 

Como muitas das frentes frias que atingem o interior da América do Sul no Verão, também esta trouxe enxurradas sucessivas e trovoadas ameaçadoras. Deixou o rio Iguaçu quase a transbordar mas acabou por se desvanecer contra o calor e a pressão alta das latitudes inferiores por onde andávamos. O sexto dia amanheceu por fim com um céu polvilhado por novelos brancos e deu-nos o mote aguardado para partirmos de Foz de Iguaçu rumo à “Grande Água” como se habituaram a chamar-lhe os indígenas Tupi-Guarani que há muito habitam a região tri-fonteiriça das cataratas.

Da entrada do Parque Nacional do Iguaçu, seguimos directos à sua área de Naipi. Depois de uma viagem rápida de elevador até ao cimo da torre de observação local, saímos ansiosos para o exterior e damos com o caudal em queda, colossal, brutal, muito mais poderoso do que alguma vez podíamos esperar, a troar de tal maneira que só ele se fazia ouvir.

Quando se confrontou com esta paisagem única, Álvar Núñez Cabeza de Vaca, o explorador obstinado de Jerez de La Fontera terá  exclamado inadvertidamente: “Santa Maria, que belleza!”. Partilhamos do seu entusiasmo. Do topo daquele terraço supremo, apreciamos o leito inflacionado do Iguaçu a despenhar-se sobre enormes rochas cobertas por erva, perdidas na névoa densa provocada pelo impacto da água e os paredões verdejantes opostos em se precipitam inúmeras quedas secundárias, por comparação, insignificantes.

Sabe-se que o fascínio do também conquistador foi efémero. Álvar Núñez liderava um pequeno exército que partira da ilha de Santa Catarina, ao largo da costa brasileira, em socorro da povoação hoje paraguaia de Nuestra Señora de Asunción, então cercada por indígenas beligerantes. Cabeza de Vaca depressa percebeu que teria que transpor o desfiladeiro traiçoeiro que acolhe o Iguaçu com toda a parafernália militar que transportava. E é mais que provável que as palavras iniciais de apreço tenham dado a lugar aos piores palavrões de que se lembrou.

A facilidade de exploração é hoje, a partir da margem brasileira do rio, absoluta, até algo exagerada. De regresso ao solo, estruturas e plataformas complementares permitem-nos aproximações inesperadas à extremidade aberta da enorme Garganta do Diabo e à base dos penhascos verdejantes do lado argentino, com vista privilegiada para a vizinha Ilha San Martin. São acessos sempre concorridos a verdadeiros duches naturais e que, em dias especialmente ventosos, garantem retornos encharcados.

Do espaço Naipi avançamos para a Trilha das Cataratas, um caminho sombrio que sobe ao longo da encosta luxuriante e vai desvendando retalhos do leito profundo, por entre a vegetação ou a partir de miradouros que lhe são conquistados.

Uma vez esgotadas as hipóteses de exploração terrestre e fluvial das cataratas do lado brasileiro, sobrava-nos a variante aérea que não tardamos a experimentar a bordo de um helicóptero panorâmico.

O voo confirma-se curto mas intenso. Permite-nos desvendar imensidão da selva brasileira e argentina. Acompanha o serpentear do rio Iguaçu e o seu espraiar, na zona que envolve as quedas, facilmente identificadas como a única superfície clara numa área verdejante interminável em redor. Na sequência, sobrevoarmos ainda as cataratas a baixa altitude ao longo da falha geológica comprida e profunda que as origina e à precipitação da água lamacenta que passa de tons acastanhados, a um branco intenso de que ascendem enormes colunas de névoa. A jusante das cataratas, essa falha, até então algo indefinida, revela as dimensões e características impressionantes que justificam o nome Garganta do Diabo.

Na zona do Baixo Iguaçu, a Argentina dista apenas umas poucas dezenas de metros do Brasil mas, para deslocações convencionais, fora do parque, a passagem de um país para o outro, obriga a um percurso de 23km a partir de Foz do Iguaçu. Este trajecto atravessa a Ponte Presidente Tancredo  Neves – pintada com as cores das bandeiras argentina e brasileira – e, depois das complexas logísticas fronteiriças, entra na província de Misiones pela Ruta 12, por onde avança até ao km5.

As cataratas estão divididas desigualmente entre o Brasil e a Argentina. Os últimos detêm a maior parte do caudal do rio Iguaçu mas, em contrapartida, o Parque Nacional do Iguaçu é maior que o argentino. Ambos albergam uma vida selvagem riquíssima, incluindo a zona das cataratas onde os animais mais fáceis de avistar são os coatis. Em bandos, estes não têm qualquer problema em invadir as áreas de apoio e edifícios em busca de comida que se habituaram a exigir aos turistas. Os restantes animais, principalmente mamíferos, são, por norma, furtivos, como é suposto, num ambiente que como o de todas as selvas a sério, é denso e escuro. O Parque Nacional Iguaçu esconde espécies perigosas como pumas e jaguares. Sempre que duvidar da sua presença, lembre-se que, em 1997, uma onça (assim lhe chamam os brasileiros) matou o filho de um guarda-parque brasileiro.

Do Lado Argentino

Logo à entrada do Parque Nacional del Iguazú percebemos uma abordagem ecológica bem mais respeitadora que a brasileira. A estratégia (preferimos acreditar na intencionalidade) foi alterar o menos possível. Damos com edifícios de recepção de madeira insignificantes. Percorremos uma longa “avenida” ladeada por erva alta de que se ramificam, para o meio da selva, os três principais percursos existentes: os Paseos Inferiores (1.5 km), os Paseos Superiores (1.2 km) e a Garganta – agora na sua versão hispânica – del Diabo.

Avançamos nestes percursos por uma combinação de trilhos minimais aqui e ali reforçados por passarelas de ferro suspensas. Os Paseos Inferiores prendam-nos com uma vista privilegiada para as quedas Duas Irmãs, Pequeña, Ramirez, Bossetti, Bernabé Méndez, Mbiguá e Adao y Eva, a partir das suas bases. Já no circuito superior, passamos por detrás destas cataratas secundárias num ambiente severo de selva ainda mais cerrada sobrevoada por tucanos e que sugere a iminência dos grandes felinos sarapintados ou negros – conforme dite o seu melanismo – que patrulham estas paragens. Deixamos para o fim a incursão ao limiar mortal da Garganta del Diablo.

Para lá chegar, apanhamos um pequeno comboio pitoresco até Puerto Canoas. Dali, percorremos a passarela com 2200m que atravessa parte considerável do leito do rio Iguaçu, no lado exterior de uma das extremidades da ferradura. Percebemos como, graças à força centrífuga a que o caudal é submetido, esta secção vasta e marginal do leito escapa ao precipício mais amplo e alimenta as restantes quedas argentinas.

A caminhada faz-se acima da água, num cenário retirado de calma ilusória, enriquecido por pequenas ilhotas cobertas de vegetação que compartimentam ainda mais o rio.

Para diante, como se tudo o resto fosse um mero ritual de iniciação, a passarela desemboca numa nova plataforma de observação e o troar torna-se mais ensurdecedor que em qualquer outra zona das cataratas.

Alguns passos adicionais e confrontamo-nos com o vazio. Desvendamos então como o Iguaçu se despenha no abismo rei (cerca de 150 metros de altura e 700 de largura) com tal violência que o impacto provoca uma nuvem permanente com cerca de 30 m de altura em que esvoaçam incontáveis andorinhões destemidos, em viagens estonteantes de e para os seus ninhos escondidos nas profundezas das falésias.

Mais contidos na velocidade, alguns barcos sobem o desfiladeiro.  Também desaparecem temporariamente na bruma para mostrar a Garganta del Diablo aos passageiros da forma o mais arrojada possível, mesmo assim, bem aquém das empreitadas inconscientes levadas a cabo na primeira metade do século XX.

Nos primeiros tempos turísticos das cataratas de Iguaçu, à falta de passarelas e plataformas, era frequente os visitantes destemidos alugarem um barco a remos e um remador. Este, levava-os ao limite das quedas e, a remar como um louco contra a corrente, ali imobilizava a embarcação. Enquanto isso, os passageiros divertiam-se a passar de um lado para o outro do barco, a tirar fotos, trocar impressões e tudo o que aquele momento de absoluta descontracção os inspirasse a fazer.

Mas qualquer abuso da sorte tem os seus limites e o inevitável acabou por acontecer. Em 1938, a força do caudal venceu o remador de serviço. O barco que manobrava despenhou-se com sete alemães a bordo. Ninguém sobreviveu. Estes desafios dementes à morte foram, de imediato, proibidos e a exclusividade do salto devolvida à grande água do Iguaçu.

Passo da Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.

Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.

Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Quedas d'água

Admiráveis Caudais Verticais

Dos quase 1000 metros de altura do Salto dançante de Angel à potência fulminante de Iguaçu ou Victoria após chuvas torrenciais, abatem-se sobre a Terra catadupas de todos os tipos.

Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d'água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.

PN Canaima, Venezuela

O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra

Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As quedas d'água que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua raínha

Misiones, Argentina

Missões Impossíveis

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus

Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Radical 24h por dia
Aventura

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Tribal
Cerimónias e Festividades

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Luzes aussies da Ribalta
Cidades

Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Mar-de-Parra
Cultura

Mendoza, Argentina

A Eno-Província Argentina

Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, Mendoza está no centro da maior região vinícola da América Latina.

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Em Viagem
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Muito que escolher
Étnico

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
1001 Noites Russas
História
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
Magníficos Dias Atlânticos
Ilhas

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Picos florestados
Natureza

Huang Shan, China

A Montanha dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Esqui
Parques Naturais

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Cortejo garrido
Património Mundial Unesco

Suzdal, Rússia

1000 Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.

Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Fila Vietnamita
Praia

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Via Conflituosa
Religião

Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem o caminho de Cristo para a cruz, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Coreografia pré-matrimonial
Sociedade

Old Jaffa, Israel

Onde Assenta a Cidade que Nunca Pára

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Cabo da Cruz colónia focas, cabo cross focas
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.