Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico


Smoke sauna

Grupo de finlandeses usufrui do calor do löyly, o vapor produzido pela água despejada sobre as pedras aquecidas.

Direcção Sauna

Placa a indicar a cabana de sauna num hotel de Saariselka.

– 5

Termómetro marca a temperatura invernal no Feel Centre de Kilopaa.

Avanto

Duas senhoras deixam o avanto (buraco aberto num lago ou rio gelado) depois de mais um mergulho pós-sauna.

Estrutura edifício

Recanto do edifício que abriga a sauna de fumo do Fell Centre de Kilopaa.

De saída

Utilizador da sauna de fumo deixa a cabina com uma das placas usadas como assento.

Pronto-Socorro

Boia a postos para qualquer emergência no avanto.

Convívio na neve

Casal bebe cerveja após um período no interior da sauna.

Fim

Finlandês deixa o edifício balnear do Fell Center de Kilopaa, após uma prolongada sauna.

Dois novos saunistas

Casal prepara-se para entrar no complexo em que se situa a sauna de fumo de Saariselka.

Hora do frio

Frequentadora segura a sua tábua e prepara-se para deixar o grupo.

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. Mas o imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.

Chega o fim de Março e Inari recebe nova edição da Kings Cup, a competição de corridas de renas mais importante da Lapónia. Tínhamos arranjado a viagem de maneira a não perder este evento excêntrico e, com sorte, reservamos alojamento numa das muitas cabanas do Parque Lake & Snow Inari que, estava, como sempre, à pinha.

Tapani é o chefe de família que gere aquele negócio e outros que envolvem passeios e pescarias movidas a snowmobiles ou por barcos, consoante a época do ano. É também o nosso anfitrião e faz questão de nos explicar o privilégio que tivemos em ali conseguir vaga. “A maior parte das nossas cabanas estão reservadas com grande antecedência para o fim de semana da corrida. Aliás, muitas delas estão tomadas nestes dias para os próximos 25 anos e as famílias que as alugam nunca me perdoariam se me esquecesse delas. Para nós é muito bom negócio mas menos simples do que parece.”

Não nos custa a acreditar. Tapani conduz um Audi branco volumoso e vistoso, com mudanças automáticas que nos diz já estarem adaptadas ao gelo e ao degelo. Parece comprovar-se, assim, a prosperidade garantida pela sua empresa. Temos também noção de que a maioria dos participantes e espectadores que lhe alugam cabanas durante a competição são criadores de renas e/ou provêm de uma Finlândia campestre não tão polida e cortês como a de Helsínquia e outras cidades do sul.

Tapani continua a explicar: “Alguns hóspedes chegam com péssimos hábitos. Estacionam os carros e deixam os sistemas de aquecimento e anticongelantes ligados à electricidade toda a noite, em vez de o fazerem só duas ou três horas antes de saírem, como é suposto. O ano passado, por esta altura, tivemos -30º de mínima. Além dos carros, todos conviviam nas saunas ao mesmo tempo e fizeram com que o fusível principal do parque rebentasse. Ficaram a gelar até que a brigada da companhia nos socorreu. Além do custo da energia, tivemos que pagar 500 euros só pela intervenção. Mas o que é que se pode fazer? Aqui ninguém passa sem sauna e as que temos nestas casas até são eléctricas e das piores.”  

Não demorámos a perceber o quanto os finlandeses embirram com os maus sistemas de aquecimento, que secam tanto como esquentam as cabines de madeira e os corpos. São esses os que as cadeias de hotéis mais acessíveis instalam nos quartos dos hóspedes por respeito ao princípio de que uma estada finlandesa sem sauna é inconcebível.

Diz-se na Finlândia que se pode construir uma sauna sem casa mas nunca uma casa sem sauna. Existem cabines de sauna no Parlamento Nacional, as mais profundas do mundo, a 1400m, nas instalações da mina de zinco e prata de Pyhäsalmy e, onde quer que os soldados finlandeses das missões de paz da ONU se desloquem, o que fez com que a Eritreia, por exemplo, também tenha tido as suas.

Entretanto, mudamo-nos de Inari para a zona de Saariselka e juntamo-nos a uma caminhada pré-organizada sobre raquetes de neve acima e abaixo das colinas brancas do Parque Nacional Urho K. Kekkonen. Os 9km revelam cenários recompensadores mas desgastam-nos mais que o esperado. Felizmente temos um almoço leve e revigorante à espera na estância de Kiilopää. E, em seguida, a honra de recuperarmos os corpos castigados numa velha savusauna, ou sauna de fumo. 

Percorremos o Fell Center Kiilopää entre esquiadores de fundo e outros desportistas e amantes da natureza que aproveitam o fim de semana frígido mas solarengo e damos com o edifício pitoresco que alberga os balneários. Atravessamos um túnel e, ao fundo, vemos de novo a paisagem branca, salpicada por alguma vegetação mais resistente. Entramos nos vestiários aquecidos por uma lareira com fogo suave e repletos de roupa invernal e saímos para o exterior já de fato de banho. Depois, agarramos nas tábuas que servem de assento e empurramos a velha porta de madeira fusca que separa o frio atroz do aconchego.

A luz entra à nossa frente. Revela-nos a cabine enegrecida mas ampla, preenchida por uma névoa densa que abriga dezenas de finlandeses em animada cavaqueira sobre uma mezzanine recolhida.

Confrontados com a lotação esgotada, hesitamos no piso térreo. Mas, após a estranheza inicial pela visita dos forasteiros, o grupo aperta-se e incita-nos a subir. Só uma mulher se atreve a esboçar frases curtas em inglês. Como tal, não forçamos diálogos que se poderiam tornar incomodativos. O facto de apurarem de onde somos suscita comentários e expressões que nos limitamos a observar com curiosidade, ou não fosse o dialecto finlandês um dos mais impenetráveis da Europa.

A novidade depressa passa e os locais voltam ao seu convívio natural que aquecem com piadas frequentes e com as enormes colheradas de água que mandam para cima da tonelada de pedras negras em brasa para renovarem o löyly, como chamam ao vapor de sauna que os massaja, estimula e aprimora.

Segundo a sabedoria finlandesa é trinta minutos após sair de uma sauna que o corpo humano se revela mais belo. Decidimos ficar cerca de uma hora com vários intervalos.

Aguentamos um primeiro período longo até que uma outra matriarca insiste que façamos as coisas como deve ser e nos convoca para o devido arrefecimento: “Come on, come on ! River water !”. Seguimo-la e a uma caravana de banhistas confiantes que percorre um passadiço de tábuas até às imediações do rio Kiilopuro, todo congelado e coberto de neve como o cenário em redor, excepto no avanto uma pequena área que os funcionários do parque preservam aberta com ajuda da corrente. Mais tarde, divertimo-nos ao descobrir que existe na Finlândia a Avantouinti uma Associação que promove estes banhos revigorantes e que lhe cabe a ela e também a outras entidades – casos da Finnish Sauna Society e da Finnish Skiing Association (Suomen Latu) manter os buracos nos rios e lagos funcionais.

Observamos as primeiras senhoras cinquentonas mergulharem sem receios na água a 0 graus a que se juntam de imediato os maridos. Os seus banhos duram menos de 20 segundos o que não nos deixa sequer tempo para hesitações. Chega a nossa vez e temos que cumprir com a dignidade do visitante. Descemos as escadas e entramos sem pensarmos. O calor do corpo é de imediato anulado pela temperatura quase negativa e sentimos o rio a picar-nos como se fosse feito de agulhas. Damos mais um mergulho para confirmar que ainda estamos vivos e corremos para a salvação das toalhas. Depois, regressamos ao interior da sauna, onde recomeçamos o processo.  

Tanto dentro como fora da cabine, os finlandeses bebem cervejas frias que os refrescam de forma menos brusca que o rio. Nas culturas finlandesa e letã é inclusive aceitável que se deite alguma cerveja na água a lançar sobre as pedras incandescentes para libertar o aroma dos grãos fermentados. Mas esse hábito divide a população e, uma vez que estão presentes dezenas de utilizadores, o grupo segue o procedimento normal e limita-se a emborcar lata atrás de lata.

Como asseguram por aqueles lados, se é algo que uma sauna acompanhada de uma cerveja gelada não soluciona então o mais certo é não ter cura. 

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

Kemi, Finlândia

Não é Nenhum "Barco do Amor". Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Ilha Hailuoto, Finlândia

À pesca do verdadeiro peixe fresco

Abrigados de pressões sociais indesejadas, os ilhéus de Hailuoto sabem sustentar-se. Sob o mar gelado de Bótnia capturam ingredientes preciosos para os restaurantes de Oulu, na Finlândia continental.

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Durante muito tempo discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera o orgulho e autonomia. A 6 de Fevereiro, esta etnia indígena comemora a sua nacionalidade.

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Voo marinho
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Silhuetas Islâmicas
Cidades

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Acolhimento de Satoko
Cultura

Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Até há pouco, os estúdios nipónicos produziam 60% de todas as séries de animação. “Higurashi no Naku Koro ni” teve enorme sucesso. Em Ogimashi, damos com um grupo de kigurumis das suas personagens.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Erika Mae
Em Viagem

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Tatooine na Terra
Étnico

Sudeste da Tunísia

A Base Terráquea da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.

 

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Um rasto na madrugada
História
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Pedaço de Maldivas
Ilhas

Maldivas

De Atol em Atol

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Um Apocalipse Televisionado
Natureza

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Embaixada
Património Mundial Unesco

Nikko, Japão

O Derradeiro Cortejo do Grande Xógum

Em 1600, Ieyasu Tokugawa inaugurou um xogunato que uniu o Japão por 250 anos. Em sua homenagem, Nikko re-encena, todos os anos, a transladação medieval do general para o mausoléu faustoso de Toshogu.

Acima de tudo e de todos
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Aulas de surf
Praia

Waikiki, Havai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbour e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.

Preces ao fogo
Religião

Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Encarregado da iluminação
Sociedade

Barragem Itaipu, Brasil

A Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Acima de tudo
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.