Costa Caribenha, Venezuela

No Caribe, Sê Caribenho


Festa semi-travesti

Venezuelanos usam adereços e máscaras e divertem-se a bordo do barco que liga a Ilha Margarita à de Coche.

Pressa Caribenha

Tripulante de um barco percorre o pontão que conduz à Ilha de Cubágua.

Sem saída

Tabuleta indica o fim de um trilho repleto de cactos na ilha de Cubágua.

Iguana

Uma das muitas iguanas que habitam a ilha El Faro, parte do PN Mochima.

Encosta Áspera

Declive da ilha El Faro repleto de cactos baixos.

Mortal

Rapaz de um povoado piscatório da ilha Margarita dá um salto mortal a partir da proa de um barco.

Rumba Total

Mais festa a bordo de um barco que ruma à ilha Coche, ao largo da ilha Margarita.

Estranho Recife

Snorkelers exploram o mar das Caraíbas em redor de um barco que se incendiou.

Ilha aviária

Uma ilha rochedo do PN Mochima ocupada por aves marinhas.

Tarde balnear

Moradores da costa caribenha da Venezuela descontraem numa praia tropical da ilha Arapo.

Sem pé

Uma rapariga de uma aldeia piscatória descontrai dentro de uma boia.

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.

Estamos em contagem decrescente para o fim de semana mas centenas de habitantes da Ilha Margarita fazem questão de o aproveitar até ao último segundo. Subimos os derradeiros metros da rampa que dá acesso ao miradouro Juan Griego em passo de quase corrida e, no topo, dentro da fortificação, uma multidão em alegre convívio ocupa toda a extensão das muralhas, virada para o Mar das Caraíbas em que o sol está prestes a assentar.

Dois vendedores de gelados concorrentes carregam caixas de esferovite e apregoam o seu produto, o que adornam com o soar de pequenas campainhas, despertadores do desejo das crianças que por ali infernizam a vida dos pais.

A assistência em êxtase acompanha e regista o desvanecer do astro. Passam alguns minutos de contemplação adicional e a paz civil submete-se a uma cerimónia político-militar. Aparecem dois soldados que, de acordo com a coreografia pré-encenada, fazem descer a enorme bandeira venezuelana amarela-azul-vermelha que esvoaça, altiva, contra o céu quase limpo. Esticam-na, dobram-na a preceito e levam o símbolo da pátria bolivariana nos braços, carregado com mil cuidados, como se de um recém-nascido se tratasse.

Escurece em três tempos. A manhã seguinte é de trabalho e muitas famílias debandam. Mas certos clãs de jovens permanecem e bailam ritmos tropicalientes que brotam dos seus pequenos telemóveis.

A comitiva internacional de que fazemos parte, admira-os com fascínio e alguma inquietude. Recebemos, no entanto, ordem de partida e deixamos os nativos entregues à sua festa.

Umas horas depois de nova alvorada, seguimos instruções e esperamos, com o pequeno-almoço já tomado, pelo transporte que nos há-de levar a uma doca próxima e, dali, à Playa de la Punta, uma enseada tranquila da Isla de Coche, algumas milhas ao largo.

Um anfitrião humorista a bordo dá as boas-vindas aos passageiros em castelhano hiper-rápido e, logo, com a embarcação já em movimento, num inglês com forte sotaque ianque.

Pouco depois, o bar abre e o DJ tripulante atrás do balcão passa os primeiros temas caribenhos a altos berros. É assim inaugurada uma rumba que se haveria de arrastar e repetir.

A viagem para a ilha secundária é longa. Sentados nos bancos do convés, os passageiros furtam-se ao protagonismo de inaugurar a pista de dança, cada vez mais óbvia e reclamante. Mas, além, do anfitrião e do DJ, há um MC a bordo que os recruta, por vezes agrupados por países, para os mais distintos exercícios e passatempos sem fronteiras. São-lhes atados balões cheios e de diversas cores aos tornozelos. Com um sinal do animador e ao ritmo da música, os participantes forçados pulam e saltam que nem loucos para rebentar os dos adversários e se manterem “vivos”. Carlos, o MC, constata a rapidez com que aquela alegria infantil toma conta da lancha, reforçada pelos efeitos do rum sob as mais distintas receitas. Lança, então, outros desafios que potenciam o fenómeno e planeia prosseguir com a sua função a 100% mesmo depois do desembarque na Playa de la Punta.

A comitiva deleita-se com o mar quente e suave e aproveita para descomprimir do stress do dia-a-dia e do cansaço dos jogos no convés. Mas o MC volta ao ataque e chama-os para novas actividades, agora aquáticas. Alguns dos veraneantes do velho mundo torcem o nariz mas, perante a adesão crescente, acabam por se render. Até que chega a hora do almoço e a refeição num restaurante popular na proximidade da praia resgata o grupo daquele animador tentacular, não necessariamente das bebidas alcoólicas que lhe continuam a facilitar a missão.

Para o fim da tarde, no regresso, nenhum dos passageiros está em condições de oferecer resistência. A música toca cada vez mais alto. O MC impõe outros desafios. Desta feita, a equipa de imprensa venezuelana que acompanha a comitiva assume as honras. E chega a vez de Rogel, em particular.

Com ajuda de um outro tripulante, o mestre de cerimónias coloca uma peruca ruiva sobre a cabeça desta sua última cobaia. E balões bem cheios por dentro de um biquíni que lhe veste, a condizer com um saiote curto. Carlos anuncia então ao microfone: “Senhoras e senhores, vinda da Colômbia, a exuberante Shakira”.

Incitado pelo público, e ao som de um dos êxitos da cantora, o jovem bamboleia-se e exibe uma sensualidade tomada de empréstimo para riso descontrolado dos convidados da viagem e colegas que não tardam a invadir o “palco” para abusar da improvável vedeta.

Seguem-se outros números do género. Parte dos presentes a bordo, perde a voz de tanto gritar e gargalhar. Salva-os então, o fim da tarde e o regresso ao porto de que tinha zarpado aquela epopeia náutica de diversão.

Entra em cena um novo dia. A rumba é interrompida por um périplo madrugador em que nos são mostrados o Castelo de San Carlos, a Igreja de Buen Viaje, o Valle del Espiritu Santo e restantes pontos panorâmicos e históricos relevantes da ilha. À imagem da de Coche, Margarita foi visitada por Cristóvão Colombo na sua segunda incursão pelas Américas. Tornou-se no único estado insular da Venezuela e um dos territórios pioneiros a declarar a independência da Coroa Espanhola, em 1810. Consta que o descobridor comparou aquelas paragens com uma pequena Veneza. Mas, à época, os indígenas não eram amigáveis como os de agora ou proporcionaram ao séquito do genovês a farra que nos estava a ser imposta.

Mudamo-nos para a costa caribenha continental e instalamo-nos em Puerto de la Cruz, de onde está programado partimos para perscrutar o Parque Nacional Mochima e o seu litoral selvagem mas acolhedor.

Duas pequenas lanchas partem das traseiras marítimas do hotel. Os passageiros preenchem na totalidade os rebordos almofadados das embarcações. Ao centro, como era já de suspeitar, vão grandes geleiras com cervejas sem fim subsumidas num frio efémero e desenquadrado. A marca, Polar, condiz na perfeição com o que é pretendido da bebida e alguns dos venezuelanos mais nacionalistas a bordo torcem o nariz quando lhes são passadas latas intrusivas: “Brahma?? Muito inconveniente terem trazido isto!” exclama um deles com ironia.  

Contornamos ilhéus colonizados por corvos-marinhos, pelicanos e outras aves náuticas, acompanhados por cardumes de golfinhos saltitantes. Desembarcamos na ilha El Faro que exploramos por entre cactos verdejantes e em comunhão com enormes iguanas. Por fim, desembarcamos numa baía luxuriante da ilha Arapo. Ali,  integramo-nos numa versão balnear bem mais tranquila de celebração da vida.

Centenas de famílias e grupos de venezuelanos partilham o areal exíguo e a água quase imóvel e quente do Mar das Caraíbas. Muitos, trouxeram as suas bandas sonoras particulares para a praia. Enquanto conversam e piquenicam em volta das inevitáveis neveras coloridas ou semi-submersos numa água tão verde como a selva tropical em redor, um zunido latino-americano embala a comunidade de banhistas. Nós, os envergonhados europeus, limitamo-nos a seguir o seu exemplo e recuperamos para a rumba a sério que receamos ainda estar para vir.

De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.

PN Canaima, Venezuela

O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra

PN Henri Pittier, Venezuela

Entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Bar sobre o grande estuário
Cidades

Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam. 

Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

O projeccionista
Cultura

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Espera sem fim
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós-voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo desregula-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
As Cores da Ilha Elefante
Étnico

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Marcha Patriota
História

Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado à ilha que os encantou. Passados quase 500 anos, Taiwan prospera, algures entre a independência e a integração na grande China.

Litoral Gentil
Ilhas

Ilhabela, Brasil

Depois do Horror, a Beleza

90% de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ihabela.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Fuga de Seljalandsfoss
Natureza

Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d’água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Anéis de Fogo
Parques Naturais
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Príncipe da Selva
Património Mundial Unesco
Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Insólito Balnear
Praia

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Via Conflituosa
Religião

Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem o caminho de Cristo para a cruz, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Dança dos cabelos
Sociedade
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.