Ilha do Pico, Açores

Com o Atlântico aos Pés


Pico Rosa

Nuvem cogumelo rosada pelo ocaso envolve o cume do Pico

Atalho ocre

Habitante do Pico empurra um bebé ao longo de uma das canadas (caminhos de pedra) que atravessam as vinhas da Madalena.

Descensão

Mónica mota desce o trecho íngreme do Piquinho à grande cratera da montanha do Pico.

No cimo de Portugal

Guia açoriano e montanheiro no cimo do Piquinho, por detrás de uma névoa persistente.

Mais uma conquista

Mónica Mota, guia montanhista agora residente no Pico repousa na grande cratera, com o Piquinho aparentemente fumegante por trás.

Água, terra e fogo

Caminhante sobe o trilho a caminho para o cume da montanha enquanto nuvens se sucedem sobre as terras mais baixas e férteis da ilha do Pico.

Vinhas de Lava

O lusco-fusco prestes a instalar-se sobre o Pico e  Madalena; os muros das vinhas com as nuvens ainda rosadas pelo pôr-do-sol.

Ao vento

Visitantes do Pico exploram o moínho do Frade, no Lajido da Criação Velha, Madalena.

Uvas vulcânicas

Videira e uvas suportadas pela solidez de basalto de um muro.

Terra vs Mar

Vista do Atlântico e da ilha vizinha do Faial a partir da grande cratera do vulcão Pico.

Pico fértil

Litoral sudeste do Pico, com a terra cultivada muitas dezenas de metro acima do nível do mar. 

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.

Ascensão Nocturna ao Pico

Pouco passa das três da manhã quando Mónica Mota, da Épico nos dá o sinal de partida para o tecto de Portugal e da Ilha do Pico. Daí em diante, durante mais de três horas, guiados pela experiência da guia e à luz dos frontais, serpenteámos encosta acima. Subimos ora firmes ora a escorregarmos na gravilha de lava que, aqui e ali, cobria o trilho.

De mochilas mais pesadas do que desejávamos às costas, os passos depressa se começaram a tornar dolorosos. Disfarçámos o desconforto e o muito esforço que faltava a falarmos de tudo o que nos lembrávamos. Só conhecíamos a Mónica desde há uns passos. Temas de conversa, como, fôlego e forças, nunca nos faltaram.

O trilho ideal é assinalado por marcadores numerados. São 45 até ao topo. De início, temos a sensação que se sucedem num ápice. Aos poucos, a sua contagem parece quantificar de igual modo o grau de inquietação pelo que subsiste até pormos os olhos no derradeiro. “Os primeiros estão mais separados.” afiança-nos Mónica no seu tom dócil e tranquilizante.

Sem queremos parecer demasiado tradicionalistas, devemos confessar que não esperávamos uma tal guia. Já tínhamos ascendido a outras montanhas mais altas mas, subir ao Pico de noite, dolorosamente acima dos 2300 metros, por onde passam tempestades inclementes parecia-nos missão de um militar.

Apesar da sua face branca abonecada e rosada, da aparência frágil, Mónica revelou-se mais que resistente que qualquer comando.

A Aurora Encharcada no Grande Cimo da Ilha do Pico

Chegamos à entrada da grande cratera. Um vento desvairado renova uma névoa densa e atira-nos com uma chuva gélida e cortante. É sob este massacre meteorológico que vencemos os derradeiros metros ao cume supremo do Piquinho. Após o que nos instalámos à espera da alvorada.

O sol nasceu. Mas brotou por detrás de um manto denso de nuvens que pouco ou nada se coloriram. Mantivemo-nos o mais abrigados possível das rajadas atrás de umas rochas e sobre uma fumarola que nos aliviava de um crescente torpor.

Esperámos. Sem condições para fotografar, desesperámos e decidimos descer de volta à grande cratera. Abrigámo-nos da intempérie numa cova de lava a que os guias chamaram de hotel. Trocámos alguma roupa, bebemos bebidas quentes e recuperámos energias para o regresso.

Quando saíamos da toca, as nuvens davam lugar a um sol radioso. Tínhamos sido os únicos a subir de noite e demorámo-nos no cume. Por aquela hora, com o sol já bem acima do horizonte, chegavam as primeiras pessoas que tinham partido ao amanhecer. Renato, um guia que está prestes a cumprir as suas duas mil subidas ao Piquinho, confraternizou por momentos com Mónica e incitou-nos a lá regressarmos.

Regresso Doloroso ao Piquinho

De novo naquele topo excêntrico de Portugal, o grande astro aquecia-nos e às vistas. Concedeu-nos, por fim, o deslumbre que tínhamos feito por merecer: a toda a volta, os retalhos verdes das terras mais baixas da ilha do Pico e o azul-escuro do Atlântico a nossos pés; do lado de lá do canal, a silhueta familiar do Faial, os cenários sobrevoados e ensombrados por umas poucas nuvens velozes que, ainda assim, se tinham deixado tresmalhar.

Como é habitual nestas lides montanheiras, o retorno ao sopé da encosta provou-se tão castigador como a ascensão. Só que o breu dera lugar a paisagens comoventes. Outras nuvens, estas rasteiras, também jogavam às sombras com a lava negra-prata envolvente e com os prados ondulantes a que ansiávamos voltar.

Entretidos com aquele festim dos sentidos e com as incontáveis paragens para contemplarmos e fotografarmos, perdemo-nos no tempo. Estávamos prestes a entrar na Casa da Montanha que marcava o término da aventura quando Mónica nos chamou à realidade.

“Sabem que horas são?” perguntou-nos. “São outra vez três; três… da tarde. Vocês bateram todos os recordes, nunca me tinha demorado tanto lá em cima”. Não fazíamos a mínima ideia. O que sabíamos era que a jornada que ali completávamos se confirmava inolvidável. Sentiríamos para sempre orgulho em a termos terminado e em podermos testemunhar a beleza e a imponência da montanha do Pico.

As Origens e Profundezas Geológias da Ilha do Pico

Ao pé das restantes ilhas dos Açores, a ilha do Pico é recém-nascida. A “data” da sua formação suscitou um aceso debate assente numa amplitude temporal que vai desde há 250.000 anos até ao milhão e meio ou dois milhões de anos.

O tema apaixona de igual maneira alguns jovens do Núcleo Picoense da associação “Os Montanheiros” que estudam a Gruta das Torres, o maior tubo lávico até agora descoberto nos Açores, com mais de 5 km de extensão. Já tínhamos conquistado o tecto de todo o Portugal.

Pareceu-nos justo descermos às suas profundezas. Embrenhámo-nos na gruta e seguimos os passos do guia Luís Freitas e de colegas que, de lanternas em riste, nos mostraram as distintas formações deixadas pelo arrefecimento da lava corrente, com nomes provindos de onde o fenómeno ainda abunda, o Havaii. Admirámos as marcas da lava ‘a ‘a e pahoehoe e uma série de outros caprichos geológicos milenares.

O Vinho que Brota da Lava

De volta à superfície, dedicámo-nos ao mais improvável produto do vulcanismo da ilha do Pico: as vinhas que os prodigiosos picoenses lá fizeram proliferar.

Os primeiros colonos instalaram-se na ilha do Pico na segunda metade do século XV, crê-se que depois de terem deixado manadas de gado ainda na primeira metade. Provinham, em grande parte, do norte de Portugal e chegaram via ilha Terceira e Graciosa, ilhas em que se tinham antes fixado.

Numa primeira fase, proliferar na ilha do Pico pareceu-lhes uma missão complicada. Com o tempo, o cultivo de trigo provou-se viável. O reforço da produção de pastel-dos-tintureiros e de outras plantas usadas na produção de tintas e corantes então exportadas para a Flandres facilitou o assentamento. Primeiro nas Lajes, logo, em São Roque.

À altura, muitos dos terratenentes açorianos residentes na Horta que já produziam vinhos no Faial e noutras ilhas, tornaram-se proprietários de parcelas consideráveis da ilha do Pico.

Os Cultivos Pioneiros dos Eclesiásticos

Crê-se que foi um franciscano conhecido por Frei Pedro Gigante quem lá cravou as primeiras vinhas da casta Verdelho, com origem mediterrânea mas, naquele caso, quase de certeza trazidas da Madeira. No fim do século XVI, a ilha do Pico produzia vinho em quantidade e considerado melhor do que o das restantes ilhas.

De tal maneira que, uns anos depois, vários proprietários alastraram a sua produção na zona ocidental, em redor da maior cidade da ilha, Madalena, a povoação mais próxima do Faial em que aportámos oriundos da Horta.

As vinhas do ocidente da ilha do Pico tomaram quase toda a área do Lajido de Santa Luzia e da Criação Velha, esta, uma área próxima de Madalena antes dedicada à pecuária.

Os seus microfúndios (2 por 6 metros) delimitados e protegidos do vento e da névoa marinha por incontáveis muros de pedras basálticas repetem-se encosta abaixo, até quase à beira do Atlântico.

No interior destas pequenas estufas vulcânicas a que os produtores chamaram “currais” despontam há séculos os bacelos e as cepas da felicidade.

O cultivo do verdelho maturou dois séculos a fio e a produção atingiu as 30.000 pipas anuais. O vinho licoroso branco seco local tornou-se a maior fonte de rendimento da ilha do Pico e do Faial. Garantiu a prosperidade de várias famílias que ergueram grandes solares e neles se instalaram para supervisionar a produção e a exportação.

O vinho da ilha do Pico chegou ao Norte da Europa, ao Brasil, às Índias Ocidentais, à Terra Nova e aos Estados Unidos. Entre os seus mais poderosos apreciadores contavam-se os Papas e os Czares da Rússia.

Moinho com Vista para a Criação Velha

Subimos a um dos moinhos que os ilhéus ergueram para mecanizar a moagem do milho e do trigo. Do seu alpendre vermelho, admiramos a vastidão da Criação Velha, então bem mais cinzenta que verde. Percorrem-na canadas (caminhos) paralelas.

Uma senhora que empurra um carrinho de bebé, caminha pela longa canada de chão ocre que vem da beira-mar e passa pela base do moinho.

Também espreitamos a pequena loja instalada aquém do velho engenho do moinho e ficamos à fala com Paula – que tomava conta do negócio – e do filho Diniz. De tudo o que tinha à venda, atraíram-nos de imediato os sacos de uvas. A vindima terminara fazia um mês. Seriam das poucas uvas da ilha do Pico que teríamos a sorte de provar.

Mas, bastaram dois ou três bagos para percebermos que não eram propriamente verdelho. Sabiam-nos a morangueiro. O mesmo morangueiro abundante na região que nos é familiar de Lafões.

“São mesmo as últimas. As últimas deste ano e, deste tipo, que alguma vez teremos. O meu pai está prestes a trocar as nossas vinhas. O governo regional paga para mudarmos para castas de qualidade. Vamos aproveitar.”

O Oídio, o Míldio e outros Sérios Reveses Vinícolas

Nos tempos idos de glória e proveito vinícola, os produtores da ilha do Pico passaram por momentos problemáticos e não tiveram quem os amparasse. Corria 1852. Uma praga de oídio devastou as vinhas e a produção. Para evitar morrer à fome, o povo cultivou milho, batata e inhame.

Terras férteis e ervadas nunca faltaram. Testemunhámo-lo quando subimos das Lajes do Pico para as terras altas que explorámos até ao Miradouro do Cabeço do Geraldo e para leste, entre pastos sem fim, à boa maneira açoriana, salpicados por distintos tipos de vacas.

Decorridos 20 anos, Isabel, uma outra variedade mais resistente às pragas substituiu a verdelha mas a filoxera que grassava por toda a Europa destruiu as novas videiras. Milhares de produtores emigraram para o Brasil e para a América do Norte. Os que ficaram, conseguiram controlar a filoxera.

Apostaram em manter as videiras Isabel e, em certas bolsas ideais para a vinicultura, a verdelha que gerava o melhor vinho. Mesmo assim, a produção tardava em recuperar do rombo das pragas.

Neste contexto, no fim do século XVIII, baleeiros americanos marcaram presença nas águas ao largo. Introduziram a caça à baleia. Essa nova actividade económica manteve-se a indústria primordial da Ilha do Pico até 1970. Por essa altura, entrou em acção o Plano de Reconversão Vitivinícola dos Açores.

Foram cultivadas na ilha do Pico novas castas, uvas ideais para vinhos de mesa. E foram recuperadas as vinhas com castas mais nobres: Verdelho dos Açores, Arinto e o Terrantez do Pico. Pouco tempo depois, os vinhos da ilha do Pico voltaram ao estrelato.

Em 2004, a UNESCO classificou a Paisagem Protegida dos Vinhos da ilha do Pico como Património Mundial. Esta distinção contribuiu para realçar o exotismo geológico e cultural da ilha. Hoje, a Ilha do Pico destaca-se bem alto sobre o Atlântico do Norte. À imagem do que tem acontecido aos Açores em geral, a sua fama tem-se propagado pelo mundo.

 

 

Artigo criado com o apoio das seguintes entidades:

VisitAzores

visitazores.com

Épico

epico.pt

Azores Airlines

www.azoresairlines.pt/pt-pt

SATA

sata.pt

Aldeia da Fonte

aldeiadafonte.com

Peneda-Gerês, Portugal

Do "Pequeno Tibete Português" às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo ao vale do Vez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de “tibetanas”.  Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras minhotas.
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Castro Laboreiro, Portugal  

No Cimo Raiano-Serrano de Portugal

Chegamos à eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Ilha Terceira, Açores

Terceira: e os Açores continuam Ímpares

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. Estes são apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da Terceira especial não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Confins Inverosímeis de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
São Miguel, Açores

O Grande Éden Micaelense

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Ilha-Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.

Big Island, Havai

À Procura de Rios de Lava

São 5 os vulcões que fazem a Big Island aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.

Monte Mauna Kea, Havai

Um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra

Gentlemen Club & Steakhouse
Arquitectura & Design

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Luzes aussies da Ribalta
Cidades

Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Cultura
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Espera sem fim
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós-voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Étnico
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Entrada para a Cidade das Areias de Dunhuang, China
História
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
Um cenário imponente
Ilhas

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Maori haka, Waitangi Treaty Grounds, Nova Zelândia
Natureza
Bay of Islands, Nova Zelândia

O Âmago Civilizacional da Nova Zelândia

Waitangi é o lugar chave da Independência e da já longa coexistência dos nativos maori com os colonos britânicos. Na Bay of Islands em redor, celebra-se a beleza idílico-marinha dos antípodas neozelandeses mas também a complexa e fascinante nação kiwi.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

A Gran Sabana
Parques Naturais

Gran Sabana, Venezuela

Um Verdadeiro Parque Jurássico

Apenas a solitária estrada EN-10 se aventura pelo extremo sul selvagem da Venezuela. A partir dela, desvendamos cenários de outro mundo, como o da savana repleta de dinossauros da saga de Spielberg.

Cansaço em tons de verde
Património Mundial UNESCO

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Mini-snorkeling
Praias

Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso a “A Praia”

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.

Resistência
Religião

Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus radicais pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
No coração amarelo de San Cristóbal
Sociedade

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.