Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30


Cocquete

Funcionária do Napier Art Deco Trust em roupas a condizer com o mood da cidade.

Guia Mob

Guia da cidade vestido ao estilo dos anos 30 conta curiosidades históricas de Napier a visitantes.

Vintage NZ Car Club

Matrícula de um de vários carros clássicos que reforçam a atmosfera "Art Deco" de Napier.

Grupo dos 30

Figurantes alinham-se junto aos calhambeques em que chegaram ao porto de Napier.

Condução Clássica

Birdie a bordo de um dos calhambeques de Napier.

Twin City Stompers

Banda de jazz Twin City Stompers toca e confraterniza com os passageiros de um cruzeiro no porto de Napier.

Cheerio

Passageiros e tripulação de um cruzeiro apreciam os figurantes de Napier ali presentes para deles se despedirem.

Acesso à mecânica

Figurante abre o capot de um dos calhambeques estacionados no porto de Napier, para que os passageiros de ferries possam admirar o motor.

Escritório

Fachada de edifício temática em Napier.

Manequim conveniente

John "Birdie" Cocking, o embaixador de Napier, posa numa loja temática da cidade.

In Habit

Fachadas Art Deco numa rua com o Oceano Pacífico em fundo.

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos thirties. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.

Bertie não tem mãos a medir. Devora uma fatia de bolo de chocolate e solta um “Let’s Go!” entusiasta que nos faz levantar de imediato. Caminhamos até ao seu carro e constatamos como, do nada, volta a atrair a atenção dos transeuntes com o chap&

eacute;u panamá, o fato preto e amarelo listado, os sapatos bicolores spectator e as poses e expressões charleston e swing  que aprimora com recurso a uma bengala ornamental. Terminada nova sessão fotográfica, senta-se ao volante do coupé vintage verde-amarelo, arranca, e saúda quem ficou trás com buzinadelas exuberantes. Cada vez nos custava mais a acreditar que estávamos perante um ex-contabilista, uma impressão semelhante à que John Cocking, o homem por detrás da personagem, conserva de si.

Agora com 66 anos, este brit inconformado começou a trabalhar aos 16. Aos 22, tinha conquistado o diploma de CPA (Certified Public Accountant) e preparava-se para fazer fortuna quando percebeu que não tinha interesse naquele projecto. A sua vida deu voltas e mais voltas e acabou por o levar à longínqua Nova Zelândia e a Napier, uma cidade também ela peculiar.

A 3 de Fevereiro de 1931, um tremor de terra com magnitude de 7.8 arrasou Napier. A catástrofe obrigou as autoridades a reverem o código urbanístico da cidade, desadequados ao risco sísmico da zona. As ruas foram alargadas e os novos edifícios erguidos, por norma, apenas com dois andares.

Até à época, o Art Deco fora o estilo de construção popular mas a recuperação coincidiu com a Grande Depressão quando, depois do fenómeno Empire State Building, pouco ou nenhum  desenvolvimento citadino significativo era realizado.  Os arquitectos responsáveis aproveitaram o vazio e projectaram Napier com influências simplificadas das linhas de Frank Lloyd Wright e dos edifícios das missões espanholas. O resultado revelou-se único.  

Durante as décadas de 60 a 80, alguns dos edifícios Art Deco foram substituídos por outros contemporâneos mas a maior parte permaneceu intacto o tempo suficiente para se destacar. A partir de 1990, o centro foi restaurado e protegido e, em 2007, a UNESCO nomeou-o Património Mundial, o primeiro lugar cultural da Nova Zelândia a conquistar o estatuto. Como valor acrescentado, desde então, só uma outra cidade à face da Terra, Miami Beach – que foi erguida num estilo Art Deco Streamline Moderne – rivaliza com Napier.

A meio da década de 80, alguns residentes fundaram o Art Deco Trust de Napier. Um mero folheto por eles criado conseguiu que mil e tal pessoas participassem num passeio guiado pelas ruas do centro e as autoridades regionais fizeram questão de se juntar ao esforço. Aos poucos, muitos mais milhares de fãs obcecados da arquitectura começaram a querer descobrir a cidade.

Graças às iniciativas do trust, Napier lucra, hoje, 1.14 milhões de euros com os seus edifícios mas continua a tentar aumentar o espectro de admiradores. John “Bertie” Cocking tornou-se no seu principal trunfo. 

Já a habitar na Nova Zelândia, Cocking estava mais farto que nunca da contabilidade e desabava com David Dale – um amigo – que devia haver alguma coisa em que fosse perfeito e que o pudesse salvar. Ao que Dale respondeu “bom, eu acho que darias um óptimo Manoel” (empregado barcelonense da série britânica “Fawlty Towers”).

John Cocking seguiu o conselho. Estudou o papel e começou a representá-lo em restaurantes neozelandeses. Pouco depois, a proprietária de um restaurante de Auckland contratou-o a tempo inteiro e Cocking deixou de vez os balanços. Entretanto, criou e adaptou novos papéis. Foi com um deles, Bertie, que, em 1995, propôs a Napier os seus serviços de actor, sugerindo que se tornasse numa espécie de delegação de turismo andante. A ideia agradou de imediato ao city councilor que sentiu que a personagem incorporava a alma histórica da cidade. Sem mais hesitações, o edil nomeou Bertie embaixador de Napier e atribuiu a Cocking um salário condigno.

A relação do Art Deco Trust local com Bertie evoluiu para uma forte dependência e, apesar de hoje Cocking já não ser pago (provavelmente porque beneficia de outras formas de rendimento mais proveitosas) é o seu alter-ego quem introduz, mobiliza, anima e promove as excentricidades Art Deco de Napier.

Ao longo do ano, anfitriões trajados segundo a moda daquela época conduzem passeios guiados pelos pontos chave da arquitectura e passado da cidade. Figurantes, músicos, cantores e outros actores reencenam-no nos seus bares, praças e jardins. Pequenos empresários aproveitaram a embalagem e abriram lojas especializadas em vestuário, mobiliário, música, pintura e fotografia da altura. Também eles vestem roupa a condizer e dão a sua contribuição. Enquanto exploramos as ruas e edifícios mais emblemáticos da cidade,  cruzamo-nos ainda com condutores ao volante de  carros vintage que recebem subsídios para circularem por Napier.

O apogeu deste espectáculo já orgânico é o Geon Art Deco Weekend. Realizado num fim de semana de Fevereiro, o festival concentra mais de 200 eventos, centenas de calhambeques dos anos 20 e 30, acrobacias aéreas, concertos de jazz, bailes,  piqueniques etc. Gera uma verdadeira febre Great Gatsby porque se deixam contagiar convivas dos quatro cantos do mundo. São milhares de femmes fatales sob chapéus cloche, peles felpudas e vestidos charmosos que fumam por grandes boquilhas, e outras tantas encarnações festivas de Jay, a personagem ofuscante do romance de F. Scott Fitzgerald.

Muitos deles exibem visuais e comportamentos fidedignos mas John Cocking não faz mais nada na vida. Bertie e o seu ocasional par feminino depressa reclamam as luzes da ribalta.

Seguimo-lo à boleia num Austin Seven grená conduzido por uma senhora enfiada num vison chique e, de quando em quando, voltamos a ouvir as buzinadelas inconfundíveis do embaixador. Atrás de nós, sete outros carros históricos completam o cortejo, todos guiados por figuras imaculadas dos anos 30.

No fim de um percurso sinuoso, a comitiva estaciona alinhada de frente para um grande cruzeiro atracado no porto de Napier. Seguem-se momentos de espera e diálogo. Tripulantes de distintas nacionalidades e etnias desembarcam e começam a inspecionar os carros e a interpelar os proprietários. Aos poucos, centenas de passageiros chegam de autocarro do centro de Napier, enriquecem o convívio e tiram fotos incontáveis de si próprios junto aos calhambeques e aos seus proprietários. Os leigos em mecânica fazem perguntas e comentários triviais sobre os anos de fabrico e a estética. Mas outros são entendidos na matéria. Questionam o posicionamento das válvulas, cilindros e pistons e os donos abrem-lhes as capotas sem cerimónias, incentivando inspecções minuciosas. Seguimos e fotografamos aquela curiosa Feira Automóvel com interesse redobrado e, a espaços, conversamos com alguns dos participantes.

Barry Price é um dos mais recatados mas assume as suas posições sem rodeios: “Eu moro a 60 km de distância e o dinheiro que me pagam mal chega para o combustível que este menino desbarata … mas já não tenho idade para me chatear com essas coisas. Venho porque gosto e nos divertimos”.

Entretanto, os Twin City Stompers instalam-se contra um contentor e dão mais sentido às suas palavras. Munidos de um trombone, um contrabaixo, um bandolim e de um megafone que amplifica e encaixota a voz do vocalista, os músicos tocam “When you’e Smilin”, “All of Me” e outros temas famosos da época da reconstrução de Napier enquanto os passageiros regressam ao cruzeiro e preenchem as suas varandas. São trocados acenos prolongados. E, à medida que o grande barco se afasta da doca em direcção à Austrália de hoje, deixa Napier entregue ao passado glamoroso que os seus anfitriões continuam a renovar.

Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Bay of Islands, Nova Zelândia

O Âmago Civilizacional da Nova Zelândia

Waitangi é o lugar chave da Independência e da já longa coexistência dos nativos maori com os colonos britânicos. Na Bay of Islands em redor, celebra-se a beleza idílico-marinha dos antípodas neozelandeses mas também a complexa e fascinante nação kiwi.
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Espectáculos

A Terra em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Preces ao fogo
Cerimónias e Festividades

Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

Comunismo Imperial
Cidades

Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Sapphire
Cultura

Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Em Viagem
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Pequena súbdita
Étnico

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
As Cores da Ilha Elefante
História

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Passerelle secular
Ilhas

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Natureza
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Antes da chuva
Parques Naturais

Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.

Travessia ao ocaso
Património Mundial Unesco

Lago Taungthaman, Myanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein carece de cuidados especiais.

De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Magníficos Dias Atlânticos
Praia

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.

Folia Divina
Religião

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Autoridade bubalina
Sociedade

Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem a maior manada bubalina e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Cabo da Cruz colónia focas, cabo cross focas
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.