Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30


Cocquete

Funcionária do Napier Art Deco Trust em roupas a condizer com o mood da cidade.

Guia Mob

Guia da cidade vestido ao estilo dos anos 30 conta curiosidades históricas de Napier a visitantes.

Vintage NZ Car Club

Matrícula de um de vários carros clássicos que reforçam a atmosfera "Art Deco" de Napier.

Grupo dos 30

Figurantes alinham-se junto aos calhambeques em que chegaram ao porto de Napier.

Condução Clássica

Birdie a bordo de um dos calhambeques de Napier.

Twin City Stompers

Banda de jazz Twin City Stompers toca e confraterniza com os passageiros de um cruzeiro no porto de Napier.

Cheerio

Passageiros e tripulação de um cruzeiro apreciam os figurantes de Napier ali presentes para deles se despedirem.

Acesso à mecânica

Figurante abre o capot de um dos calhambeques estacionados no porto de Napier, para que os passageiros de ferries possam admirar o motor.

Escritório

Fachada de edifício temática em Napier.

Manequim conveniente

John "Birdie" Cocking, o embaixador de Napier, posa numa loja temática da cidade.

In Habit

Fachadas Art Deco numa rua com o Oceano Pacífico em fundo.

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos thirties. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.

Bertie não tem mãos a medir. Devora uma fatia de bolo de chocolate e solta um “Let’s Go!” entusiasta que nos faz levantar de imediato. Caminhamos até ao seu carro e constatamos como, do nada, volta a atrair a atenção dos transeuntes com o chap&

eacute;u panamá, o fato preto e amarelo listado, os sapatos bicolores spectator e as poses e expressões charleston e swing  que aprimora com recurso a uma bengala ornamental. Terminada nova sessão fotográfica, senta-se ao volante do coupé vintage verde-amarelo, arranca, e saúda quem ficou trás com buzinadelas exuberantes. Cada vez nos custava mais a acreditar que estávamos perante um ex-contabilista, uma impressão semelhante à que John Cocking, o homem por detrás da personagem, conserva de si.

Agora com 66 anos, este brit inconformado começou a trabalhar aos 16. Aos 22, tinha conquistado o diploma de CPA (Certified Public Accountant) e preparava-se para fazer fortuna quando percebeu que não tinha interesse naquele projecto. A sua vida deu voltas e mais voltas e acabou por o levar à longínqua Nova Zelândia e a Napier, uma cidade também ela peculiar.

A 3 de Fevereiro de 1931, um tremor de terra com magnitude de 7.8 arrasou Napier. A catástrofe obrigou as autoridades a reverem o código urbanístico da cidade, desadequados ao risco sísmico da zona. As ruas foram alargadas e os novos edifícios erguidos, por norma, apenas com dois andares.

Até à época, o Art Deco fora o estilo de construção popular mas a recuperação coincidiu com a Grande Depressão quando, depois do fenómeno Empire State Building, pouco ou nenhum  desenvolvimento citadino significativo era realizado.  Os arquitectos responsáveis aproveitaram o vazio e projectaram Napier com influências simplificadas das linhas de Frank Lloyd Wright e dos edifícios das missões espanholas. O resultado revelou-se único.  

Durante as décadas de 60 a 80, alguns dos edifícios Art Deco foram substituídos por outros contemporâneos mas a maior parte permaneceu intacto o tempo suficiente para se destacar. A partir de 1990, o centro foi restaurado e protegido e, em 2007, a UNESCO nomeou-o Património Mundial, o primeiro lugar cultural da Nova Zelândia a conquistar o estatuto. Como valor acrescentado, desde então, só uma outra cidade à face da Terra, Miami Beach – que foi erguida num estilo Art Deco Streamline Moderne – rivaliza com Napier.

A meio da década de 80, alguns residentes fundaram o Art Deco Trust de Napier. Um mero folheto por eles criado conseguiu que mil e tal pessoas participassem num passeio guiado pelas ruas do centro e as autoridades regionais fizeram questão de se juntar ao esforço. Aos poucos, muitos mais milhares de fãs obcecados da arquitectura começaram a querer descobrir a cidade.

Graças às iniciativas do trust, Napier lucra, hoje, 1.14 milhões de euros com os seus edifícios mas continua a tentar aumentar o espectro de admiradores. John “Bertie” Cocking tornou-se no seu principal trunfo. 

Já a habitar na Nova Zelândia, Cocking estava mais farto que nunca da contabilidade e desabava com David Dale – um amigo – que devia haver alguma coisa em que fosse perfeito e que o pudesse salvar. Ao que Dale respondeu “bom, eu acho que darias um óptimo Manoel” (empregado barcelonense da série britânica “Fawlty Towers”).

John Cocking seguiu o conselho. Estudou o papel e começou a representá-lo em restaurantes neozelandeses. Pouco depois, a proprietária de um restaurante de Auckland contratou-o a tempo inteiro e Cocking deixou de vez os balanços. Entretanto, criou e adaptou novos papéis. Foi com um deles, Bertie, que, em 1995, propôs a Napier os seus serviços de actor, sugerindo que se tornasse numa espécie de delegação de turismo andante. A ideia agradou de imediato ao city councilor que sentiu que a personagem incorporava a alma histórica da cidade. Sem mais hesitações, o edil nomeou Bertie embaixador de Napier e atribuiu a Cocking um salário condigno.

A relação do Art Deco Trust local com Bertie evoluiu para uma forte dependência e, apesar de hoje Cocking já não ser pago (provavelmente porque beneficia de outras formas de rendimento mais proveitosas) é o seu alter-ego quem introduz, mobiliza, anima e promove as excentricidades Art Deco de Napier.

Ao longo do ano, anfitriões trajados segundo a moda daquela época conduzem passeios guiados pelos pontos chave da arquitectura e passado da cidade. Figurantes, músicos, cantores e outros actores reencenam-no nos seus bares, praças e jardins. Pequenos empresários aproveitaram a embalagem e abriram lojas especializadas em vestuário, mobiliário, música, pintura e fotografia da altura. Também eles vestem roupa a condizer e dão a sua contribuição. Enquanto exploramos as ruas e edifícios mais emblemáticos da cidade,  cruzamo-nos ainda com condutores ao volante de  carros vintage que recebem subsídios para circularem por Napier.

O apogeu deste espectáculo já orgânico é o Geon Art Deco Weekend. Realizado num fim de semana de Fevereiro, o festival concentra mais de 200 eventos, centenas de calhambeques dos anos 20 e 30, acrobacias aéreas, concertos de jazz, bailes,  piqueniques etc. Gera uma verdadeira febre Great Gatsby porque se deixam contagiar convivas dos quatro cantos do mundo. São milhares de femmes fatales sob chapéus cloche, peles felpudas e vestidos charmosos que fumam por grandes boquilhas, e outras tantas encarnações festivas de Jay, a personagem ofuscante do romance de F. Scott Fitzgerald.

Muitos deles exibem visuais e comportamentos fidedignos mas John Cocking não faz mais nada na vida. Bertie e o seu ocasional par feminino depressa reclamam as luzes da ribalta.

Seguimo-lo à boleia num Austin Seven grená conduzido por uma senhora enfiada num vison chique e, de quando em quando, voltamos a ouvir as buzinadelas inconfundíveis do embaixador. Atrás de nós, sete outros carros históricos completam o cortejo, todos guiados por figuras imaculadas dos anos 30.

No fim de um percurso sinuoso, a comitiva estaciona alinhada de frente para um grande cruzeiro atracado no porto de Napier. Seguem-se momentos de espera e diálogo. Tripulantes de distintas nacionalidades e etnias desembarcam e começam a inspecionar os carros e a interpelar os proprietários. Aos poucos, centenas de passageiros chegam de autocarro do centro de Napier, enriquecem o convívio e tiram fotos incontáveis de si próprios junto aos calhambeques e aos seus proprietários. Os leigos em mecânica fazem perguntas e comentários triviais sobre os anos de fabrico e a estética. Mas outros são entendidos na matéria. Questionam o posicionamento das válvulas, cilindros e pistons e os donos abrem-lhes as capotas sem cerimónias, incentivando inspecções minuciosas. Seguimos e fotografamos aquela curiosa Feira Automóvel com interesse redobrado e, a espaços, conversamos com alguns dos participantes.

Barry Price é um dos mais recatados mas assume as suas posições sem rodeios: “Eu moro a 60 km de distância e o dinheiro que me pagam mal chega para o combustível que este menino desbarata … mas já não tenho idade para me chatear com essas coisas. Venho porque gosto e nos divertimos”.

Entretanto, os Twin City Stompers instalam-se contra um contentor e dão mais sentido às suas palavras. Munidos de um trombone, um contrabaixo, um bandolim e de um megafone que amplifica e encaixota a voz do vocalista, os músicos tocam “When you’e Smilin”, “All of Me” e outros temas famosos da época da reconstrução de Napier enquanto os passageiros regressam ao cruzeiro e preenchem as suas varandas. São trocados acenos prolongados. E, à medida que o grande barco se afasta da doca em direcção à Austrália de hoje, deixa Napier entregue ao passado glamoroso que os seus anfitriões continuam a renovar.

Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Bay of Islands, Nova Zelândia

O Âmago Civilizacional da Nova Zelândia

Waitangi é o lugar chave da Independência e da já longa coexistência dos nativos maori com os colonos britânicos. Na Bay of Islands em redor, celebra-se a beleza idílico-marinha dos antípodas neozelandeses mas também a complexa e fascinante nação kiwi.
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Espectáculos

A Terra em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
Praia soleada
Arquitectura & Design

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Aventura
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Tempo de MassKara
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
A ver a vida passar
Cidades
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Seydisfjordur
Cultura

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

A Toy Train story
Em Viagem
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Cowboys basotho
Étnico

Malealea, Lesoto

O Reino Africano dos Céus

O Lesoto é o único estado independente situado na íntegra acima dos mil metros. Também é um dos países no fundo do ranking mundial de desenvolvimento humano. O seu povo altivo resiste à modernidade e a todas as adversidades no cimo da Terra grandioso mas inóspito que lhe calhou.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Nana Kwame V
História
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Cabana de Brando
Ilhas

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Natureza
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Caminhada sob brasas
Parques Naturais

Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.

Cidade dourada
Património Mundial Unesco

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Aulas de surf
Praia

Waikiki, Havai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbour e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.

Bruxinha de chaleira
Religião

Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Travessia ao ocaso
Sociedade

Lago Taungthaman, Myanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein carece de cuidados especiais.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Perigo: correntes
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.