Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso a “A Praia”


Mini-snorkeling

Rapazinho asiático diverte-se equipado com equipamento de snorkeling nas águas pouco profundas ao largo de Phi-Phi Leh.

Maya Bay

Primeira lancha da manhã a chegar à baía de Maya, na ilha de Phi Phi Leh.

Nongsok

Visitante asiática das ilhas Phi Phi segue na proa de um long-tail boat, durante um tour de snorkeling.

Rota de Evacuação

Sinal instalado após o tsunami de 2004 indica a rota de fuga em caso de novo tsunami.

Long-tail boats

Antiga frota de long-tail boats, quatro anos antes do tsunami de Dezembro de 2004 a ter destruído.

A caminho de Don

Passageiros no convés de um dos ferries que assegura a ligação entre Krabi e Phi Phi Don.

Maya Bay II

Lanchas atracadas na Maya Bay, a grande atracção das ilhas Phi Phi após a fama gerada por "A Praia" e o tsunami de 2004 que destruiu os long-tailboats que antes ali levavam visitantes.

Maya Bay III

Ajudante puxa a corda da âncora de uma lancha acabada de chegar à Maya bay.

Pelos Ares

Grupo de visitantes entretêm-se a soltar um pequeno balão de ar quente sobre o arquipélago das Phi Phi. 

Benção budista

Tiras de tecido colorido abençoam um barco de pesca tailandês.

De um lado ao outro

Banhistas percorrem um trilho que atravessa a Maya Bay, sinalizado como rota de fuga em caso de tsunami.

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.

Os nossos nomes são Marco e Sara. Que mais precisam de saber? Coisas sobre a nossa família ou de onde somos? Nada disso interessa. Não após cruzarmos o oceano e nos termos libertado, à procura de algo mais belo, algo mais excitante e sim, admitimos, eventualmente mais perigoso.

A adaptação da apresentação irreverente do americano Richard (Leonardo di Caprio) assentava-nos na perfeição enquanto, tal como ele, percorríamos a rua mochileira mais famosa de Banguecoque – a Khao San –  meio à deriva e acossados por agentes dos mais diversos negócios, à procura de sítio para nos alojarmos. Esfomeados e de rastos após a longa viagem do extremo ocidental da Europa para o sudeste asiático, faltava-nos a paciência para o doloroso processo de escolher quarto. Ficámos no primeiro que espreitámos, numa guest-house com poucas ou nenhuma diferença face àquela em que Richard se instalou, onde logo conheceu o lunático e malfadado Daffy (Robert Carlisle) que lhe entregou o objecto fulcral do enredo, o mapa da ilha secreta.

Deixámos as mochilas e mais alguma tralha. Descemos a escadaria da pensão oriental para almoçar já muito fora de horas. Com a tarde a terminar, regressamos à azáfama da Khao San Road, em que centenas de jovens viajantes regressavam de tours de dia, acabavam de chegar de partes distintas da Tailândia ou países vizinhos, bebiam as últimas cervejas Chang e Singh ou faziam as derradeiras compras de produtos contrafeitos antes de voltarem a casa.

Umas horas depois, a atmosfera tornar-se-ia bem mais intensa. Os bares aumentaram o volume da música, o consumo do álcool intensificou-se e os farangs (assim chamam os tailandeses aos estrangeiros) de alma perdida cediam aos seus instintos mais básicos incluindo ao incontornável desejo que os fazia sondar o sexo oposto ocidental e tailandês mais apetecível e acessível. Nós, dormimos mais com o jet lag que um com o outro enquanto dezenas de jovens prostitutas e ladyboys proactivos assumiam a sua posição de ataque na rua e atmosfera do lugar se continuou a degradar.

Como para os restantes viajantes, a Khao San foi, para nós, um mero ponto de partida. Não era a primeira vez que de lá saíamos em direcção ao sul tailandês. Em ambas, gastámos menos que os 4.000 baths (menos de 100€) que Richard e o casal francês despenderam a chegar ao litoral de Ko Phangan, de onde os três nadaram o derradeiro quilómetro e pouco até à ilha que o mapa partilhado pelo americano os convencera a descobrir, isto porque nenhum barqueiro os queria levar a uma ilha parte do Parque Nacional Koh Phi Phi.

Da primeira vez, sem o seu mapa ou outra forma de nos metermos em sarilhos, continuámos para o litoral privilegiado de Krabi, onde nos rendemos à beleza indolente da praia de Ray Lay, apenas acessível de barco devido aos penhascos verticais de calcário que a envolvem.

De Krabi, mudámo-nos para as ilhas Phi Phi, na altura, as mais ansiadas paragens tailandesas. À chegada, uma enorme frota de long-tail boats coloridos ocupava quase toda o areal de Phi Phi Don, a ilha-mãe do arquipélago. Para diante do cais da aldeia muçulmana de Ban Ton Sai, uma floresta densa de coqueiros preenchia as suas terras planas e chegava a invadir as encostas dos extremos mais elevados de Don. Esta floresta abrigava e dava sombra a um sem número de guest-houses, bares, restaurantes, casas de massagem e centros de mergulho entre outros incontáveis negócios. Juntámo-nos a veraneantes de todas as partes e abrigámo-nos num albergue local abafado e humilde.

Estávamos em 2000. Nesse mesmo ano, estreou por quase todo o planeta “A Praia”, um filme realizado por Danny Boyle a partir do romance com o mesmo nome de Alex Garland, escritor, viajante compulsivo, introspectivo e sempre inconformado com o que viajar representava e devia representar, com o que estava bem e mal na maneira de viajar dos ocidentais. “Os turistas iam de férias enquanto os viajantes faziam outra coisa. Viajavam.” era uma das suas perspectivas preferidas sobre o tema. Não tardámos a constatar que as Phi Phi permaneciam ocupadas por um misto de ambos mas que, passadas décadas desde que os ocidentais pioneiros as visitaram, os primeiros predominavam.

Admirador de Garland, Boyle aproveitou o sucesso de “Trainspotting” (“Sem Limites”) e de “A Life Less Ordinary” (“Vidas Diferentes”). Mudou-se para a Tailândia no início de 1999 após recrutar um Leonardo di Caprio adolescente e em plena ascensão consumado o protagonismo mais que melodramático,  meloso, de “Titanic”. Boyle filmou o enredo pouco alterado do livro nalguns dos cenários tailandeses de sonho. Um deles ficava a menos de dois quilómetros da guest house em que nos alojámos. Em 2000, era só uma das incontáveis praias escondidas pelos ainda mais abundantes cachos de rochedos verdejantes projectados do fundo do Mar de Andamão.

“A Praia” correu mundo. Pode ter dividido os cinéfilos mas deixou um trilho cultural indelével para os novos mochileiros do milénio. No ano seguinte, como era de esperar, a ilha-filha de Phi Phi Leh e, em particular, a Maya Bay em que têm lugar as cenas mais invejáveis e abomináveis do filme começou a conquistar popularidade com ajuda do oportunismo das pequenas agências de Krabi e das ilhas Phi Phi e dos proprietários de embarcações que a começaram a destacar nos seus cartazes e folhetos de tours.

Em “A Praia” a Maya Bay foi o cenário da carnificina provocada pelo tubarão que vitimou os irmãos suecos encarregues da pesca. Mas, os forasteiros que continuavam a afluir a Phi Phi Don, esses, não esqueciam sobretudo o convívio quase imaculado da comunidade no seu éden oculto, outros, a cena erótica nocturna entre Richard e Françoise nas águas a que a agitação do plâncton dera um misterioso brilho azul.

Sem surpresa, o paraíso começou a receber hordas diárias de visitantes. As filmagens já tinham deixado alterações na paisagem que irritaram parte da população nativa e os ambientalistas. Apesar da polémica, as invasões quotidianas prosseguiram por três anos, período em que fizeram lucrar os donos dos pitorescos mas ensurdecedores long-tail boats. Até que, na manhã de 24 de Dezembro de 2004, um simples capricho geológico provou que os paraísos, tal como nos habituámos a apreciar, ficam onde a Terra quiser.

Um sismo com magnitude superior a 9.0 agitou o fundo do oceano Indico durante mais de oito minutos. Gerou um tsunami que causou destruição disseminada em distintas regiões da Ásia e, em particular, arrasou o istmo de Phi Phi Don, uns meros metros acima do nível do mar e onde tinham acabado de despertar a maioria dos turistas, viajantes, trabalhadores e moradores. As ondas e o fluxo marinho massivo que se seguiu provocaram milhares de vítimas. Devastaram quase por completo a floresta densa de coqueiros e grande parte dos edifícios. Destruíram ainda a frota de long-tailboats que, além de ser imagem de marca da ilha, há muito transportava os farangs mais poupados nas suas pequenas excursões de snorkeling e outros passeios. 

Cercada por penhascos excepto numa pequena entrada, a Maya Bay pouco ou nada sofreu. O guia Lonely Planet informou que as ondas mais fortes que entraram a limparam apenas da vegetação não nativa acrescentada em 1999 pela equipa de filmagem. Ao invés, a Maya Bay beneficiou durante algum tempo da indisponibilidade turística daquelas paragens da Tailândia. Viu-se, de novo, quase secreta.

Na longa-metragem, a comunidade de “A Praia” termina quando outros mochileiros a quem Richard havia dado uma cópia do mapa chegam à ilha e despertam a ira do dono tailandês da plantação local de marijuana. Este já avisara o grupo original que só os admitiria a eles e convence a carismática líder Sal (Tilda Swinton) a abater o culpado. Confrontada com a falta de escrúpulos de Sal e com a probabilidade de o mesmo lhes poder acontecer, a comunidade abandona a ilha secreta do ecrã.

Por volta de 2006, já se passava o inverso com a ilha real. Malgrado os muitos anos volvidos, quando regressámos às ilhas Phi Phi, a desolação provocada pelo tsunami ainda era bem visível. Algum entulho e um ou outro estaleiro evidenciavam a reconstrução. A floresta de coqueiros e a frota de long-tail boats já não existiam. No caso das embarcações, tinham sido substituídas por dezenas de lanchas modernas muito menos ruidosas mas sem o encanto tradicional das antecessoras. Foi a bordo de uma delas que voltámos à Maya Bay. Encontrámo-la repleta destas lanchas, a transbordar de visitantes dos quatro cantos do mundo e de sinais que indicavam as rotas de evacuação em caso de tsunami.

Em “A Praia” já de volta a Banguecoque, Richard assume “E eu? Ainda acredito no paraíso. Mas agora, pelo menos, sei que não é um lugar que se possa procurar porque não é onde se vá. É como nos sentimos num determinado momento da nossa vida quando fazemos parte de alguma coisa. E quando encontramos esse momento… dura para sempre.” Também nós regressámos à capital tailandesa e à Khao San e nos vimos entre aqueles que Alex Garland e o alter-ego Richard definiam como “os cancros, os parasitas que comiam o mundo todo” os viajantes sem interesse pelas outras gentes e lugares do planeta que apenas desejavam reproduzir os mesmos comportamentos redutores e decadentes que tinham à porta de casa.

Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.

Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.

Lenha à Pressa
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Pleno Dog Mushing
Aventura

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

Dia no ksar
Cerimónias e Festividades

Tataouine, Tunísia

Os Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. A Tunísia presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.

Uma espécie de portal
Cidades

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Tribal
Cultura

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Um "pequeno" Himalaia
Em Viagem
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Tempo de surf
Étnico

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Marcha Patriota
História

Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado à ilha que os encantou. Passados quase 500 anos, Taiwan prospera, algures entre a independência e a integração na grande China.

Entre andorinhas
Ilhas

Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24s de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Picos florestados
Natureza

Huang Shan, China

A Montanha dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
A Guardiã do Ditador
Património Mundial Unesco

Uplistsikhe e Gori, Geórgia

Do Berço da Geórgia à Infância de Estaline

À descoberta do Cáucaso, exploramos Uplistsikhe, uma cidade troglodita antecessora da Geórgia. E a apenas 10km, em Gori, damos com o lugar da infância conturbada de Joseb Jughashvili, que se tornaria o mais famoso e tirano dos líderes soviéticos.

Acima de tudo e de todos
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Perigo: correntes
Praia
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Amarelo a dobrar
Religião
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Autoridade bubalina
Sociedade

Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem a maior manada bubalina e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.

Um
Vida Quotidiana

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Campo de géiseres
Vida Selvagem

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.