Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva


Colosso Ferroviário

Composição do Kuranda atravessa um dos viadutos amplos que viabilizaram o percurso entre Cairns e Kuranda.

Kuranda train

O Kuranda train avança por um traçado sinuoso ao longo da selva do Parque Nacional Barron Falls.

Derradeiro apito

Chefe de estação anuncia a partida do Kuranda train.

Tropical

Passageiro em traje tropical fotografa a composição do Kuranda train acabada de chegar à plataforma de Freshwater.

Visitantes Orientais

Passageiros orientais em predomínio numa das carruagens do Kuranda Train.

Varandim

Kuranda train detém-se acima das quedas d'água de Barron para que os passageiros apreciem o cenário.

Maternidade aussie

Mãe vendedora em Kuranda com o seu filho.

Locomotiva garrida

Locomotiva do Kuranda train em Kuranda.

Visitantes Orientais II

Passageiros orientais em predomínio numa das carruagens do Kuranda Train.

Reposicionamento

Funcionário da estação de Kuranda ajusta uma placa de sinalização.

Bem-vindo a Kuranda

Passageiros deixam a estação de Kuranda e dirigem-se para o centro da pequena povoação.

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

A composição aproxima-se da plataforma de Freshwater e a funcionária tem dificuldade em conter os passageiros curiosos, ávidos de fotografarem a grande locomotiva colorida que se aproxima e demasiado próximos da extremidade proibida da linha.  

Estamos nos arredores de Cairns, no norte luxuriante do leste da Austrália. O comboio chega do centro da cidade com algum atraso e o maquinista sabe que tem que recuperar tempo perdido. Conta com a colaboração do chefe de estação para apressar os procedimentos: “All aboard” grita este do fundo dos pulmões. Volta a inspirar e sopra o apito com igual vigor ferroviário.

Já estamos instalados nos assentos vermelhos quando sentimos a carruagem oscilar. O Kuranda Train avança primeiro entre a floresta húmida limítrofe e os areais ervados do Mar de Coral. Depois, galga as alturas da cordilheira de Macalister e entra na selva cerrada do Parque Nacional Barron Falls onde serpenteia ao longo de desfiladeiros imponentes. O fluir gracioso das carruagens, arejadas e confortáveis e a imponência dos cenários pouco dizem das agruras na origem daquele caminho de ferro. E, no entanto, passou pouco mais de um século desde o esboçar tresloucado do projecto.

Estávamos em 1881 e o norte de Queensland vivia mais uma de tantas épocas prolongadas de monção. Uma comunidade numerosa de mineiros de estanho nas margens do Wild River, próximo de Herberton, sofria já vários meses de racionamento e de fome porque a estrada de terra resgatada ao mato se tinha transformado num longo atoleiro e não permitia a chegada de mantimentos de Port Douglas. Esta provação suscitou uma forte contestação entre os colonos daquela área remota e o intensificar da exigência de um caminho de ferro que os ligasse ao litoral.

Passou o período de aflição, como o calor e as chuvas predominantes. Vindos os meses mais frios e secos da Austrália, os políticos do sul afluíram ao Top End para fazer as suas campanhas eleitorais. Todos prometiam construir a desejada linha. Em Março de 1882, o Ministro do Trabalho e das Minas decidiu materializar as promessas e encarregou Christie Palmerston, um bushman e pioneiro experiente, de achar a melhor rota entre a costa e o Planalto de Atherton.

Com o apoio estatal garantido, as cidades rivais de Cairns e Port Douglas lutaram pelo direito de acolher o terminal costeiro e de desenvolver a linha. Nesse tempo, Palmerston investigava já as diversas hipóteses para o itinerário e dava sistematicamente com um trilho antes marcado por um tal de inspector Douglas.

No fim do seu percurso, Douglas mandou um telegrama ao secretário colonial que resumia a situação: “… Viagem temível. Nenhuma hipótese de estrada. Vinte dias sem rações e a subsistir quase só de raízes. Dezanove dias de chuva contínua.”

Dois anos depois, os relatórios das investigações de Christie Palmerston estavam submetidos e avaliados. Foi escolhida a rota da garganta do Barron Valley. A população de Port Douglas explodiu de indignação. Ao mesmo tempo, a de Cairns celebrou tanto quanto pôde.

Mas este seria apenas o início de uma grande epopeia sobre carris.

A bordo, entretemo-nos a percorrer as carruagens e constatamos uma espécie de babel em movimento animada por visitantes dos quatro cantos do mundo mas com predominância de aussies e de asiáticos.

A composição imobiliza-se e é concedido aos passageiros o privilégio de observar as imponentes Barron Falls e outras quedas de água mais insignificantes como as Stoney Creek, a apenas alguns metros do comboio. À medida que nos aproximamos do destino final, uma locução multilingue dá informações curiosas sobre a construção atribulada da linha.

Nada disto faz parte do texto mas, em Março de 2010, o Kuranda Train descarrilou por causa de uma derrocada. Cinco dos 250 passageiros ficaram feridos e a operação foi suspensa para reavaliação de riscos até 7 de Maio, um contratempo insignificante se comparado com os sofridos durante a obra original.

A determinada altura da construção, estavam envolvidos no projecto 1500 homens, na maioria, irlandeses e italianos, distribuídos por aquartelamentos instalados junto a cada túnel – 15 escavados à mão –  e a cada uma das 37 pontes.

Com o tempo, germinaram povoações de campanha fornecidas por pequenas mercearias e lojas de roupa, equipamento e dinamite. Kamerunga, no sopé do desfiladeiro, chegou a ter 5 hotéis.

Em Junho de 1891, foi inaugurado o serviço do caminho de ferro aos passageiros. Cairns prosperou enquanto Port Douglas se tornou num retiro habitacional tranquilo. Esta discrepância continua a ser bem notória.

Quase uma hora e meia depois, o Kuranda Train faz-se à estação final, Kuranda. A vila de pouco mais de 1000 pessoas continua a integrar a “nação” indígena Tjapukai e acolhe o Tjapukai Indigenous Dance Theatre. Na prática, são os colonos quem mais a ocupam.

Durante a construção da linha, os aborígenes, insatisfeitos pela invasão e destruição das suas terras, responderam atacando, com lanças, os bois e colonos trespassantes dos seus territórios.

Isto levou a que o líder John Atherton enviasse tropas nativas rivais a perpetrar a vingança, algo que resultou no infame massacre de Speewah.

Como consequência extra, os clãs Tjapukai responsáveis pelos ataques iniciais dos colonos foram segregados e enviados para uma missão de nome Mona-Mona onde não puderam mais caçar, pescar ou sequer movimentar-se com liberdade.

No virar do século, o número daqueles aborígenes tinha diminuído drasticamente. Os poucos que resistiram foram empregues em plantações de café entretanto introduzidas. Mais recentemente, o governo australiano devolveu aos descendentes as terras que eram das suas famílias. Alguns exploram-nas. Vários fazem comércio de artesanato nos mercados da estação terminal. Mas muitos, nunca mais recuperaram dos reveses sofridos. Para estes, a derradeira ironia será ver nos dias que correm, a pintura de Budaadji, a serpente mitológica que criou todos os rios e riachos do seu mundo selvagem a viajar na locomotiva do Kuranda Scenic Railway.

Nos anos 60 e 70, Kuranda acolheu centenas de australianos em busca de uma vida retirada e mais existencial, uma nova comunidade hippie que se deliciou com aquele porto de abrigo improvável.

Rosie Madden escreve algumas linhas orgulhosas e esotéricas, num mini-fórum sobre a povoação: “fui uma das primeiras chamadas hippies de Kuranda. Vivi numa casa numa árvore que eu e uns mates construímos. O nosso capataz Kevin levou-me de Brissy (Brisbane) para lá de avioneta e fomos recebidos por residentes amigos numa Combi. Jesus conheceu-nos, depois teve uma briga com Deus, duas pessoas que me deixaram sem palavras. Isto foi nos anos 70. Desde então, dei dois filhos à família Rusch: Rastah e Reuben. Mas eu estava lá quando os mercados abriram pela primeira vez. Até existia um panfleto turístico que dizia “Venha a Kuranda, o centro hippie do Norte de Queensland!” Esses dias foram assim, agora é como é. Mas fico muito contente por ter contribuído para a prosperidade actual da vila”.

“Agora é como é” refere-se ao forte influxo de visitantes ozzies e estrangeiros e a total comercialização da vila que, das 9 da manhã até que o último comboio parte, factura em contra-relógio.

Lá encontramos resquícios modernizados da era mais espiritual do lugar, inúmeras pinturas psicadélicas e negócios peculiares. Seduzem-nos leituras de aura, venda de iguarias exóticas como vinho de manga e as inevitáveis peças do folclore aborígene: didgeridoos e bomerangues para mencionar apenas os conhecidos.

Descemos uma pequena escadaria e entramos numa zona sombria do mercado que uma placa anuncia como Bizarre. À laia de guardiã alucinogénia, Lynda gere o seu estaminé de dentro de uma túnica largueirona de todas as cores e, com um pequeno rafeiro lambedor de faces ao colo, impinge peças de roupa e bugigangas de um outro mundo.

Voltamos a subir para o sol impiedoso. Nessa secção elevada, conhecemos Sada que mantém uma pequena tenda de artefactos que ele próprio esculpe. Uma curta conversa revela-nos que aquele aborígene de tronco nu assimilou bem mais da realidade exterior do que esperávamos: “São de Portugal? Bem, como eu adoro o vosso futebol. Mas, para nós, o Eusébio contínua a ser o grande ídolo, digo-vos já. Numa época em que nós, como a maior parte dos indígenas africanos lutávamos pelos nossos direitos, ele elevou-se e foi idolatrado pelos brancos. Isso foi muito importante!”.

Na proximidade, uma mulher com visual excêntrico segura ao colo o filho abonecado que veste apenas uma t-shirt com padrão de leopardo. Acabamos por dialogar e dá-nos provas do aprofundar da relação entre as partes alinhadas por Sada. Eu sou do norte de Queensland. O Kwame nasceu cá mas o pai é ganês. Parece um pequeno aborígenezito, não parece?

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.

Atherton Tablelands, Austrália

A Milhas do Natal (parte II)

A 25 Dezembro, exploramos o interior elevado, bucólico mas tropical do norte de Queensland. Ignoramos o paradeiro da maioria dos habitantes e estranhamos a absoluta ausência da quadra natalícia.

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital de estado mais a sul da grande ilha foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.

Alice Springs a Darwin, Austrália

A Caminho do Top End

Do Red Centre ao Top End tropical, a Stuart Hwy percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, a grande ilha muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul

Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliff Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.

Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24s de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.

Wilkommen in Africa
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Pleno Dog Mushing
Aventura

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Lenha à Pressa
Cidades
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Budas
Cultura

Nara, Japão

Budismo Hiperbólico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Fuga de Seljalandsfoss
Em Viagem

Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d’água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.

Ilha menor
Étnico
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Sob um céu mais que dourado
História

Goiás Velho, Brasil

Uma Sequela Da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.

Bastião Ryukyu
Ilhas

Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Jingkieng Wahsurah
Natureza
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Aurora fria II
Parques Naturais
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Recanto histórico
Património Mundial Unesco

Tasmânia, Austrália

À Descoberta de Tassie

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito mais rude que aussie de ser e mantém-se envolta em mistério no seu recanto meridional dos antípodas.

De visita
Personagens

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Promessa?
Praia
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Via Crucis
Religião

Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

À sombra da árvore
Sociedade

PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana
Huang Luo, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Perigo de praia
Vida Selvagem

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.