Nara, Japão

Budismo Hiperbólico


Budas

Visitantes admiram a enorme estátua do buda Buda Vairocana, com 15 metros de altura e 500 toneladas.

Grande Salão de Buda

O maior edifício antigo de madeira do mundo, Daibutsuden, no centro do templo Todai-ji.

Hesitação

Visitante detém-se sob um portal de acesso ao templo.

Ritual de Fumo

Casal coloca um pau de incenso à entrada do Grande Salão de Buda.

Multidão de Nara

Visitantes percorrem a alameda que conduz ao templo Todai-ji.

Curandeiro Divino

Fiéis afagam partes do corpo de Binzuru Sonja, deus japonês da cura e da boa visão.

Condução Amplificada

Guia munido de um megafone conduz um grupo de visitantes asiático.

Guardião Budista

Estátua de um guardião nio, um dos protectores do buda Daibutsu.

Passagem Apertada

Aluna de colégio japonês atravessa o buraco num pilar do Grande Salão, um ritual incontornável do templo Todai-ji.

Curiosidade e indiferença

Homem japonês inspecciona a estátua de um guardião nio, ao lado de um veado letárgico.

Todai-ji Outonal

O Grande Salão Daibutsuden do lado de lá do lago do templo Todai-ji.

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.

Dessi, uma anfitriã javanesa que se procurava adaptar à alma tradicionalista e fechada de Nara tinha-nos falado maravilhas do santuário Todai-ji, O Grande Templo do Leste. Apesar de sensacionalista, a sua descrição só nos aumentou a curiosidade e fez-nos apressar a descoberta do monumento.

Percorremos todo o vasto Nara Park. Passados os vários portais de acesso ao recinto, deparamo-nos com o enorme templo principal Daibutsuden (Grande Salão de Buda) que não desilude. Elegante e imponente, sobressaem nele as típicas linhas arquitecturais budistas, culminadas por um telhado duplo que se projecta lateralmente do corpo base como uma espécie de capelo asiático. No centro do grande salão, protegida por dois guardiões nio ameaçadores, destaca-se a estátua colossal e também recordista (15 metros de altura, 500 toneladas) de bronze do Buda Vairocana – no Japão, Daibutsu – a saudar os visitantes e crentes que, após se purificarem à entrada com o fumo do incenso admiram, agora, a sua magnificência.

A imensidão de madeira do edifício renova-se em espaços distintos. Em cada um deles, o budismo reclama distintas provas de fé. Uma delas revela-se um verdadeiro desafio contorcionista.

Forma-se uma fila em frente a um dos pilares que sustentam o Daibutsuden. Famílias inteiras e excursões escolares de jovens japoneses fotografam-se a passar para lá e para cá, através de um buraco apertado na sua base que se crê ter a mesma largura que as narinas de Daibutsu.

É suposto esta passagem conceder a libertação espiritual de quem a consegue, mas, quando chega a vez de alguns pretendentes do norte da Europa e da América do Norte, o desafio torna-se sério. Em vez de libertados, alguns têm que ser socorridos de um aflitivo sufoco.

Fazendo fé na mitologia budista, eventuais mazelas resultantes do aperto podem sempre ser resolvidas por Binzuru Sonja, deus japonês da cura e da boa visão. À saída do Daibutsuden, vemos vários fiéis idosos em simultâneo a tocar e a esfregam as mãos em diferentes partes da estátua desta divindade por forma a tentarem ultrapassar problemas de saúde que têm em zonas equivalentes dos corpos. Com a mobilidade que a longevidade nipónica lhes concede, os pacientes apressam-se a seguir os seus guias, sempre bem identificados por bandeiras coloridas.

Malgrado a secular inimizade sino-nipónica, cada vez mais destas comitivas turísticas são também chinesas e os seus participantes deliciam-se com a exuberante cultura japonesa. Alguns deles, só descobrem in loco que foi a sua nação han que a inspirou.

Com menos de 400.000 habitantes, Nara revela-se, hoje, uma cidade insignificante para os padrões japoneses. Mas, de 710 a 784 d.C.., foi promovida a capital revolucionária. Por essa altura, a sociedade japonesa era predominantemente rural, assente em aldeias primitivas e constituída por comunidades que adoravam os kamis (espíritos) das forças naturais e dos seus antepassados. 

Mas a influência política e cultural da poderosa China fazia-se sentir como nunca. E, quando os imperadores ditaram a construção de Heijo-Kyo (antecessora de Nara), segundo a grelha e o modelo confucionista de Chang’an (a Xi’an actual), uma cidade de palácios, sedas, riqueza e opulência generalizada alteraram para sempre a paisagem local, até então formada por florestas e campos agrícolas.

Da China chegaram também a escrita (que os japoneses continuam a usar enquanto alfabeto kanji) e várias correntes artísticas. O desenvolvimento cultural mais importante protagonizado por Nara foi, no entanto, o florescimento do Budismo, consolidado pela instalação de grandes mosteiros e das respectivas escolas de pensamento que se tinham distinguido o outro lado do Mar do Japão, durante a dinastia Tang. 

A prática da nova religião começou por se cingir à capital mas, sob a regência do Príncipe Shotoku, influenciou em definitivo o governo nipónico que se deixou fascinar em especial pelo Sutra da Luz Dourada, segundo o qual Buda era definido não só como um ser humano histórico mas como a Lei e a Verdade do Universo.

A adopção pelos governantes e pela aristocracia palaciana, em geral, concedeu ao budismo uma vitalidade inédita e os seus ensinamentos – adaptados à realidade e cruzados com a mitologia milenar xintoísta – depressa contagiaram as ilhas japonesas.

Nos dias que correm, o budismo continua a reger a sua espiritualidade e a cultura, em sintonia com os preceitos bem mais antigos do xintoísmo. Em Nara, como um pouco por todo o país, esta dicotomia exibe-se nas mais variadas formas, das requintadas e sublimes às mais caricatas.

Uma multidão longitudinal percorre a avenida secular que conduz ao exterior do santuário Todai-ji e ao coração do vasto Nara Park. O seu fluxo é perturbado apenas pela presença de esquadrões dos famosos veados da cidade (cervus nippon) que se mantêm de faro apurado e perscrutam os transeuntes para mendigarem ou lhes roubarem as iguarias que transportam, em especial, os biscoitos shika sembei, à venda em bancas distribuídas pelos jardins e concentradas à porta dos monumentos. De início divertidos com as más experiências alheias, não tardamos a ver-nos também aflitos e a termos que correr para nos livrarmos das suas perseguições implacáveis.

De acordo com a mitologia xintoísta registada no santuário Kazuga de Nara, o deus Takemikazuchi teria chegado montado num veado branco para proteger a recém-construída capital. Quando a lenda se popularizou, os animais passaram a ser considerados mensageiros sagrados dos deuses. Vários séculos depois, ainda vagueiam pelas ruas e parques, agora protegidos pela legislação da cidade.

Desesperados para nos livrarmos do assédio dos cervídeos, subimos ao ponto mais elevado da povoação, o monte Kaigahira-yama (822m). Dali, desvendamos um panorama impressionante sobre a cidade em geral e alguns dos edifícios imponentes que dela se projectam.

Também observamos como o inevitável desenvolvimento urbanístico tinha invadido o vale contíguo, se estendia em redor do centro histórico e a partir do eixo urbanístico que é a Sanjo-dori, a mais importante das suas avenidas comerciais. Essa era, todavia, a Nara contemporânea. Reservámo-la para os dias de Kansai que se seguiam.

Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Guwahati, India

A Cidade que Venera o Desejo e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.

Takayama, Japão

Entre o Passado Nipónico e a Modernidade Japonesa

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.

Quioto, Japão

Um Japão Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.

Magome-Tsumago, Japão

O Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o shogun Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é frequentemente invadido por uma turba ansiosa por evasão.

Lhasa, Tibete

O Mosteiro da Sagrada Discussão

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.

Bagan, Myanmar

A Planície das Compensações Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.

Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir de Koya San, pode ser ainda mais fácil.

Minhocas
Arquitectura & Design

Tbilissi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.

Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Aos repelões
Cerimónias e Festividades

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

Comunismo Imperial
Cidades

Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.

Comodidade até na Natureza
Comida

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Tribal
Cultura

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Via caribenha
Em Viagem
Overseas Highway, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Transbordo
Étnico

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Céu Divinal
História

Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo israelita. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.

Observatório Dourado
Ilhas

Monte Mauna Kea, Havai

Um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Esqui
Natureza

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

À boleia do mar
Parques Naturais
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
As forças ocupantes
Património Mundial Unesco

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Fila Vietnamita
Praia

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

1º Apuro Matrimonial
Religião

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

A todo o vapor
Sobre carris

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul

Viagem no Tempo
Sociedade

Samoa Ocidental

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para Oeste da Linha Internacional de Data.

Um
Vida Quotidiana

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Cabo da Cruz colónia focas, cabo cross focas
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.