Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália


Fila muito pouco indiana

Família regressa a casa após um passeio diversificado pela zona ribeirinha de Hobart.

Arte encaixotada

Artista de rua aguarda a sua vez de actuar no mercado de Salamanca Square.

Mercado de Salamanca Square

É sábado de manhã e um multidão examina as tendas do mercado mais famoso de Hobart.

Momento Kodak

Prédios clássicos contra outros mais modernos, em Elisabeth Street, uma rua pedestre de Hobart.

Basta ter cabeça

Manequins com chapéus numa tenda do mercado de Salamanca Square.

Bancada improvisada

Homem empoleirado segura uma criança.

Vista abrigada

Infra-estrutura do miradouro do Monte Wellington (1.210m) de onde se avista o casario de Hobart.

Reflexo regulável

Vendedora de chapéus do mercado de Salamanca Square segura o espelho a uma compradora.

A Salvo do Mar da Tasmânia

Embarcações ancoradas numa doca de Hobart.

Escócia na Oceania

Pormenor dos kilts usados por um grupo de gaiteiros a actuar sábado de manhã, no mercado de Salamanca Square.

Mako Sea Food

Veleiros atracados junto a uma de várias marisqueiras do porto de Hobart.

Hobart, a capital de estado mais a sul da grande ilha foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.

Sammy não tem ar de quem usufrua muito do ar livre e do sol mas celebra, de forma cautelosa, o já longo período de bonança na meteorologia da sua ilha. “Tem estado fabuloso, mas não pensem que isto é sempre assim, afiança-nos a adolescente, debaixo dos óculinhos redondos, enquanto partilhamos um fish & chips oleoso. “A Antárctida é já ali em baixo e, mesmo de Dezembro a Fevereiro, temos períodos de chuva e vento que nos levam ao desespero”.

A esplanada em que convivemos ocupa parte de uma das docas do porto de Hobart e prenda-nos com a vista de centenas de veleiros e outras embarcações amaradas nos seus abrigos. Apesar da tranquilidade marítima vigente, a conversa sobre o tempo e a visão de tanto mastro, popa e proa trazem à baila a célebre regata Sidney-Hobart e Sammy acaba por nos falar das suas piores agruras.

A prova realiza-se, todos os anos, a 26 de Dezembro, no feriado anglófono de Boxing Day. Como o nome indica, a sua rota de quase 630 milhas náuticas (quase 1200 km) tem início em Sidney, prossegue para sul, ao longo do Mar da Tasmânia, continua pela costa da ilha e termina na sua capital. A competição é conhecida pela dureza e pela quantidade de desistências e acidentes.

Na edição de 1998, por exemplo, as embarcações participantes encontraram uma tempestade a roçar o estatuto de furacão. Os ventos passaram os 70 nós e geraram vagas imensas. Ao mesmo tempo, apesar de estarmos a meio do Verão austral, nevava em partes do sul da grande ilha. Dos 115 veleiros que zarparam do continente australiano, apenas 44 conseguiram atravessar o Estreito de Bass e chegar a Hobart, cinco barcos afundaram e morreram seis tripulantes. Este foi só o pior dos casos.  

Da Descoberta ao Degredo

Também Abel Tasman, o primeiro europeu a avistar a Tasmânia, em 1642, se terá deparado com condições adversas. E fúrias idênticas daqueles mares meridionais terão agravado o sofrimento dos milhares de condenados que, a partir de 1803, foram degredados, de início, para Risdon Cove –  a segunda colónia britânica na Austrália – mais tarde, para outras partes da Tasmânia. Em poucos anos, Hobart substituiu Risdon Cove e destacou-se das demais povoações pioneiras. Tornou-se na segunda cidade mais antiga do país (a seguir a Sydney) e na capital de estado australiana situada mais a sul. 

O seu casario surge comprimido entre as encostas íngremes do monte Wellington (1210 m) e o estuário amplo do rio Derwent em que se prolongam as estruturas marítimas do Battery Point – o coração histórico da cidade – e da Constitution Dock. Enquanto caminhamos por estas zonas ribeirinhas organizadas em função dos armazéns georgianos construídos para suportar o comércio que entretanto se desenvolveu,  descobrimos a arquitectura herdada desses velhos tempos em que, até à anunciada extinção, os aborígenes se viram obrigados a ceder a terra que detinham. Também descobrimos um mercado fiel à atmosfera ali vivida nas primeiras décadas da era colonial. 

É sábado de manhã e animam-se mais uma vez as ruas e o jardim de Salamanca Place. Apesar de semanal, o evento leva Hobart ao rubro e atrai gente de toda a Tasmânia. Centenas de bancas sucedem-se num espaço rectangular em que os compradores e visitantes se aconchegam e vão percorrendo vezes sem conta. Umas exibem produtos naturais e caseiros como as frutas mais vistosas da ilha e os doces e compotas a que deram origem. Outras promovem artesanato, o típico e o criativo, pensado e executado nas casas dos artistas locais. Outras ainda sugerem peças de roupa e de decoração excêntricas ou propõem jogos de perícia eventualmente viciados.

O ambiente é místico, com resquícios de uma época oitocentista que a  distância das grandes cidades australianas continua a validar. Impõem-se à multidão as paredes amareladas de arenito dos velhos armazéns, em tempos, no pólo da actividade baleeira e comercial de Hobart, hoje transformados em restaurantes e bares que concentram a vida nocturna da cidade. Há mais história no nome do lugar e do mercado que homenageia a longínqua vitória do Duque de Wellington na Batalha de Salamanca, travada, em 1812, junto à cidade castelhana. 

Um grupo de gaiteiros vestidos a rigor, toca com determinação no jardim. Logo ao lado, dezenas de buskers disputam o tempo e atenção dos transeuntes. Enquanto uns actuam, outros aguardam pela vez e ensaiam ou metem-se com quem passa para disfarçar a ansiedade. Surgem músicos e malabaristas, recitadores de poesia e contorcionistas. Os mais versáteis reúnem um pouco de cada arte e, quando as conciliam com humor, são vangloriados por plateias em êxtase.

Detemo-nos o tempo necessário de cada vez que um novo busker se anuncia e exibe à multidão. Com recurso a monociclos, diábolos, maças e até moto-serras, os talentosos artistas-pedintes vão divertindo os clientes da feira sem pressas. Em troca, estes, enchem-lhes os chapéus e as caixas de sapatos de dólares australianos.

A um deles – El Diabolero – sobra boa-disposição para brincar com quem se vai embora sem contribuir. “Vocês aí ao fundo que não têm trocos, não se preocupem. É só virem aqui ao terminal multibanco!”.

Há uma generosidade espontânea entre a população de Hobart e da Tasmânia em geral. E uma admiração incondicional pelas formas alternativas de vida.

Dos primeiros 262 europeus a habitar a colónia penal britânica, em 1863, 178 eram condenados. Para muitos, a aventura nos antípodas representou um prolongamento da violência, graças aos confrontos permanentes com a tribo aborígene semi-nómada Mouheneener.

Como noutras partes da Austrália, o poder de fogo dos colonos reforçado pela devastação biológica perpetrada pelas doenças que traziam do Velho Continente depressa desmobilizaram os indígenas. Além de cederem os seus territórios, entre 1829 e 1834, estes, foram deslocados para uma reserva na ilha de Flinders onde deveriam ser convertidos ao Cristianismo e aos modos civilizados.

Quase toda a população indígena morreu de doença e de desespero e, no fim do século XIX, já não existia nenhum nativo de sangue completamente aborígene na Tasmânia. Apesar de a sua cultura ter cedido quase por completo à europeia, os genes estão presentes em comunidades mistas geradas, desde 1798, quando alguns caçadores de focas formaram famílias com mulheres aborígenes e se estabeleceram em Flinders e noutras ilhas do grupo Furneaux. Trezentos e sessenta e oito anos depois de o navegador holandês Abel Tasman ter descoberto a ilha para o Ocidente, vários milhares dos 500.000 habitantes da Tasmânia são descendentes destas comunidades.

Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.

Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam. 

Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.

Tasmânia, Austrália

À Descoberta de Tassie

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito mais rude que aussie de ser e mantém-se envolta em mistério no seu recanto meridional dos antípodas.

Victoria, Austrália

No Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes de Melbourne, a estrada B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. E bastam alguns km para perceber porque foi baptizada The Great Ocean Road.

Alice Springs a Darwin, Austrália

A Caminho do Top End

Do Red Centre ao Top End tropical, a Stuart Hwy percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, a grande ilha muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.

Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

Perth, Austrália

Em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.

Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Grande Ilha. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.

Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliff Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.

Wilkommen in Africa
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Aventura
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Via Conflituosa
Cerimónias e Festividades

Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem o caminho de Cristo para a cruz, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.

Modelos de rua
Cidades

Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.

Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Maikos a fingir
Cultura

Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e estas acompanhantes de luxo estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Por Chame
Em Viagem
Circuito Anapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Étnico
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Embaixada
História

Nikko, Japão

O Derradeiro Cortejo do Grande Xógum

Em 1600, Ieyasu Tokugawa inaugurou um xogunato que uniu o Japão por 250 anos. Em sua homenagem, Nikko re-encena, todos os anos, a transladação medieval do general para o mausoléu faustoso de Toshogu.

Vai-e-vem fluvial
Ilhas

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Fajazinha (Ocaso)
Natureza
Flores, Açores

Os Confins Inverosímeis de Portugal (e da Europa)

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Recompensa Kukenam
Parques Naturais

Monte Roraima, Venezuela

Uma Ilha no Tempo

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.

Um cenário imponente
Património Mundial Unesco

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Caribe profundo
Praia

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Cansaço religioso
Religião

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Ijen-Inferno
Sociedade

Vulcão Ijen, Indonésia

Escravos do Enxofre

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.