Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés


Portal para uma ilha sagrada

Iluminação faz reflectir e destacar o torii (pórtico xintoísta) do santuário de Itsukushima da quase noite nipónica.

Alienação de Fé

Fiel arrebatada à saída da passadeira de brasas durante o ritual Hiwatarishiki levado a cabo no templo Daishoin.

Num cume rapado

Visitantes no cimo pedregoso da ilha de Miyajima: o monte Misen, com 500 metros de altura.

De arco e leque

Actores de uma peça de noh, uma forma de drama musical clássico que perdura, no Japão, desde o século XIV.

A entrada de Miyajima

Apanhadora de marisco e visitantes de Miyajima caminham nas imediações do torii que antecede o santuário de Itsukushima.

Fauna e flora

Veado numa das escadarias que ligam o litoral ao cimo do monte Misen, a maior elevação de Miyajima.

Recolectoras do Mar de Seto

Apanhadoras de bivalves com cestos e baldes repletos após algumas horas de trabalho no lodo em frente ao santuário de Itsukushima.

Fé que neutraliza a dor

Monges caminham em fila sobre brasas durante o ritual Hiwatarishiki realizado no templo Daishoin de Miyajima.

Num Mar Espiritual

Barqueiros conduzem passageiros num passeio em redor do pórtico do santuário de Itsukushima.

Entre Budas

Visitante do templo de Daoshin perdida entre rakans, pequenas estátuas de Buda.

Caridade budista

Monges auxiliam uma fiel a atravessar um tapete de brasas durante o ritual budista Hiwatarishiki da seita Shingon.

Sorrisos nipónicos

Grupo de amigas desportivas debaixo de uma amendoeira em flor no cimo do monte Misen.

Pórtico Magnético

Visitantes aproveitam a maré vazia e passeiam-se aquém do torii do santuário Itsukushima.

Drama musical nipónico

Protagonista de uma peça noh em acto numa ala do santuário xintoísta de Itsukushima.

Auto-Pedicure budista

Monges lavam os pés sujos pelas brasas que pisaram durante o ritual Hiwatarishiki que lideraram no templo Daishoin.

Praia-Mar

Santuário Itsukushima sobre água com a maré do mar interior de Seto completamente cheia e o torii  "flutuante" introdutório isolado à distância. 

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Nem todos os comboios japoneses são supersónicos e a viagem suburbana que nos trazia de Kure, através de Hiroxima até à doca de Miyajimaguchi demorava o seu tempo. Mesmo tendo acordado às 8h30, já só apanhámos o ferry do meio-dia, com

pouco tempo para procurar o recinto religioso em que se realizaria o ritual Hiwatarishiki, levado a cabo por uma seita budista de nome Shingon. Apressados, contornamos as várias esquinas  do templo Itsukushima e apontamos para uma das ladeiras que nos conduziriam encosta acima. Pouco depois, tão ofegantes como curiosos com o que nos esperava, demos entrada no templo Daishoin, já repleto de monges, fiéis e visitantes de Miyajima, estes últimos, dispostos em redor do pátio em que se moviam os atarefados cenobitas.

Em trajes amarelos e brancos, de cabeças rapadas enfeitadas por fitas de tecido, estes começam por dar uma volta a fazer soar grandes búzios, acompanhados de pratos. Segue-se a purificação do altar e do público, momento em que somos temperados com sal. Logo após, os monges correm agarrados a uma grande corda, em redor de uma fogueira que queima ramos verdes de cedros em que deitam pequenas ripas de madeira com orações. A fogueira não tarda a consumir-se e deixa um legado de brasas incandescentes que é igualmente purificado com sal, sempre sob o som grave dos búzios. O único dos sacerdotes com vestes púrpuras, lidera uma espécie de pacificação divina das brasas que realiza na direcção de todos os pontos cardeais. Por fim, os outros monges envolvem-nas das tais folhas verdes e deixam apenas um trilho central aberto. Passam uma espécie de estandarte ao seu líder que, com um grito estóico, inaugura a fase sacrificial da cerimónia e atravessa as brasas com passadas profundas.

Seguem-no vários outros monges já ao ritmo de tambores, instrumentos de sopro e outros que animam mantras entoados de forma cada vez mais hipnótica. Não tardam a juntar-se ao cortejo fiéis de todas as idades que vencem a dor perdidos na névoa branca produzida pelo lento consumo da vegetação morta. Passam mães com crianças ao colo, idosas a que os religiosos dão as mãos para evitar que caiam e crentes de tal maneira arrebatadas pela experiência que, à saída da passadeira incandescente, mais parecem terem pressentido o Nirvana.

Por fim, a longa fila de seguidores esgota-se. Então, os monges extinguem as brasas, põem fim ao evento e recolhem aos seus aposentos, em redor do pátio. Ficamos ali por perto a examinar de que artefactos se tinha composto o ritual. Sem que o esperássemos, ainda espreitamos a sua lavagem minuciosa de pés, com recurso a baldes com água ensaboada e a toalhas brancas.

Abandonamos o templo Daishoin encosta abaixo em direcção ao litoral de Miyajima quando um casal que falava um inglês o mais básico possível nos convida para uma cerimónia de chá. Aceitamos e seguimos juntos para uma das esplanadas elegantes instaladas a meio da vertente. Os anfitriões esforçam-se por nos relembrar a importância do ritual do chá para a cultura nipónica e tentamos apreciá-lo e segui-lo a preceito. De qualquer maneira, as largas horas sem comer e a caminhada intensa desde que o ferry havia atracado em Miyajima há muito nos estavam a fazer penar. Foi, assim, como uma bênção grená de feijão e trigo mourisco que vimos aterrar à nossa frente dois pastéis manjus, ainda para mais dos nossos favoritos que durante os vários dias de exploração do Japão já os tínhamos experimentado de todas as formas e feitios.

Doumo Arigatou gozaimasu, thank you, thank you”. Agradecemos a experiência e o repasto de uma forma bilingue e o mais educada possível com sucessivas quase-vénias. Cumprida a atenção, descemos a escadaria e diversos trilhos na direcção do litoral. Voltamos a contornar o templo de Itsukushima que constatamos ter sido abandonado ao lodo marinho e aos limos pelo baixar da maré. Aproveitamos a duração cíclica do fenómeno para investigarmos o templo e a ilha a partir do leito do mar interior de Seto.

Para lá chegar, passamos pelas suas ruelas comerciais ladeadas de pequenos restaurantes especializados em ostras e outros mariscos abundantes em redor. Também em pastelarias e confeitarias de petiscos vendidos a preços híper-inflacionados.

Esbarramos com uma sessão casamenteira de dois noivos que ali se fazem fotografar em trajes tradicionais a bordo de um velho riquexó puxado por força humana. Pelo caminho, a fome volta a assolar-nos. Compramos biscoitos. Enquanto percorremos a marginal que conduz à frente de Itsukushima, quatro ou cinco dos veados que vagueiam por Miyajima cheiram o pitéu e perseguem-nos de forma tão tresloucada que nos obrigam a correr à sua frente, apesar de termos mochilas pesadas às costas.

Descemos umas escadarias para o areal e ficamos, por fim, a salvo. Mais uma centena de metros a pé e vemo-nos diante do grande torii “flutuante” do templo, uma das principais imagens de marca do Japão.

Este pórtico cor-de-laranja excêntrico foi dedicado às três filhas do deus xintoísta dos mares e das tempestades, irmão da deusa do Sol.

Desde há muito que Miyajima foi considerada sagrada. Por esse motivo, a populaça simplesmente não podia lá assentar pé. Para que os peregrinos pudessem aproximar-se e atracar no seu santuário – algo que deveriam, fazer através do torii – Itsukushima foi erguido como um pontão sobre a água, como se flutuasse e estivesse separado do resto da ilha.

A preservação da pureza espiritual de Miyajima foi levada a tais extremos que, desde 1878, foram evitados, por todos os meios, nascimentos ou mortes nas suas imediações. Até hoje, é suposto as mulheres grávidas se retirarem para o continente quando o dia do parto se aproxima. Passa-se o mesmo com as pessoas com doenças terminais ou idosos que estão visivelmente no término das suas vidas. Os funerais são proibidos na ilha. Entretanto, o acesso da população a alguns recursos da ilha foi aliviado.

Damos a volta ao torii e chegamos ao limiar arenoso que dá para um lodaçal coberto de limos verdes. Ali, uma brigada de anciãos cada qual com o seu chapéu escava com afinco em busca de ostras. Pouco depois, encontramo-los de baldes cheios a caminho dos restaurantes da povoação que se habituaram a fornecer.

A maré não tarda a encher. Devolve o estatuto de “flutuante” ao pórtico e o trabalho vespertino aos barqueiros com chapéus cónicos que assim pode, contar com centenas de passageiros ansiosos por contornarem e fotografarem o monumento e o santuário a bordo de um dos seus barcos gondolados.

A noite cai. Ficamos a admirar como a iluminação destaca o torii contra a silhueta da montanha oposta e o céu em lusco-fusco acima. Escurece de vez e o pórtico ganha um reflexo marinho fidedigno. Metemo-nos no ferry de volta ao continente com o plano de regressar a Miyajima na manhã seguinte para dar sequência à sua exploração.

Às dez da manhã, estamos a desembarcar uma vez mais. Sem qualquer desvio, apontamos para o Monte Misen, o ponto mais elevado da ilha, com 500 metros de altitude. Ladeira após ladeira, degrau após degrau, conquistamos o seu cume rapado e pejado de grandes rochedos de granito. De início, quebra-lhe a aspereza cromática apenas uma amendoeira bem florida. Mas, logo, junta-se-nos uma excursão escolar e o cimo enche-se de jovens nipónicos coloridos e faladores.

Subimos a um dos rochedos e contemplamos as encostas, o canal e os ilhéus do Mar de Seto subsumidas na névoa.

No regresso ao litoral-base, voltamos a passar pelo reduto do templo Daisho-in e descemos a sua escadaria mais encantadora, ladeada e abençoada por quinhentas estátuas rakan discípulas de Buda.

À chegada ao santuário de Itsukushima, a maré está mais cheia que nunca e parece fazer navegar o edifício com mais de quinhentos anos.

Numa das suas alas, um protagonista escondido atrás de máscara antiga de madeira de cipreste e num shozoku – robe largueirão de seda – leva a cabo um acto de uma actuação de noh, uma forma de drama musical clássico nipónico que perdura, no Japão, desde o século XIV.

A ascensão e descida ao Monte Misen tinham-nos deixado derreados. Foi, assim, num estranho misto de fascínio e sedação que nos deixámos ficar durante mais de uma hora a acompanhar as flautas e percussões exóticas e as vozes cavernosas e que as acompanhavam. Em breve, a peça terminaria. A maré voltou a descer mais ou menos em simultâneo com o cair da noite. Miyajima permaneceu fiel à sua rígida espiritualidade.

Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem lá desembarca, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante. Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem lá desembarca, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante. 

Guwahati, India

A Cidade Prolífica que Venera o Desejo e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Nara, Japão

Budismo Hiperbólico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.

Takayama, Japão

Entre o Passado Nipónico e a Modernidade Japonesa

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.

Quioto, Japão

Um Japão Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.

Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e estas acompanhantes de luxo estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão

Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir de Koya San, pode ser ainda mais fácil.

Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Radical 24h por dia
Aventura

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades

São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré mas, Siga a Marinha.

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.

Caminho para o deserto
Cidades

Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.

Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Cultura
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Mural Espacial
Em Viagem

Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliff Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.

Pesca no Paraíso
Étnico

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Coreografia pré-matrimonial
História

Old Jaffa, Israel

Onde Assenta a Cidade que Nunca Pára

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.

Praia Islandesa
Ilhas

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Luzes VIP
Natureza

Ilha Moyo, Indonésia

Uma Ilha Só Para Alguns

Poucas pessoas conhecem ou tiveram o privilégio de explorar a reserva natural de Moyo. Uma delas foi a princesa Diana que, em 1993, nela se refugiou da opressão mediática que a viria a vitimar.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Casinhas de outros tempos
Parques Naturais
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.
Património Mundial Unesco

Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.

Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Praia soleada
Praia

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Em louvor do vulcão
Religião

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Aos repelões
Sociedade

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana

Longsheng, China

A aldeia chinesa dos maiores cabelos do mundo. Nutridos a arroz, claro

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de uma aldeia renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os seus cabelos anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm que faz da aldeia recordista. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e o cereal. 

Refeição destemida
Vida Selvagem

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.