Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika


Wilkommen in Africa

Casario excêntrico de Lüderitz com torres de duas igrejas em destaque sobre a orla do Deserto do Namibe.

Esquadrão Negro

Mergulhões voam contra o vento sobre o padrão de Bartolomeu Dias.

A Berg Street

Mulher desde por um passeio da Berg Street, o antigo núcleo urbano da cidade.

Por aqui passou Bartolomeu Dias

Réplica do padrão de Bartolomeu Dias sobre um promontório no limite da Baía de Lüderitz.

Goerke Haus

A casa Goerke com a sua estranha arquitectura de influência da Bavária, destacada junto à Montanha de Diamante.

Um bravo Atlântico

Onda rebenta contra o limiar rochoso do Atlântico selvagem e gélido ao largo da Baía de Lüderitz.

Bjs. Auto

Mãe e filha, moradoras da cidade, com traços que exibem a mixagem genética consolidada durante o período colonial de Lüderitz.

Uma Refeição pernalta

Flamingos alimentam-se junto a um barco encalhado nas imediações da cidade.

Novas Cores da velha Lüderitz

O antigo edifício da escola de Lüderitz ainda dividido em Lesehalle (salão de leitura) e Turnhalle (salão de exercícios).

O acolhedor Namibe

Casario novo e humilde nos arredores do centro histórico da cidade, ocupado por empregados da unidade de processamento de peixe da Pescanova e noutros negócios.

Esquadrão Negro II

Mergulhões vencem o vendaval acima da névoa densa provocada pela diferênça de temperatura entre o Atlântico gélido e o deserto do Namibe quente.

Mais perto de Deus

A igreja de Felsekirche no seu retivo sobre Lüderitz.

Namibe junto ao mar

Farol e casario nas imediações da Angra Pequena.

SSSSs

Meandros de um rio que desagoa entre a Angra Pequena e Lüderitz.

Padrão do Descobrimento

Réplica do padrão deixado por Diogo Cão na Angra Pequena, hoje, às portas de Lüderitz.

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.

A aproximação a Angra Pequena confirma o fenómeno meteorológico que gerou o Namibe. Para o interior, resistia, indisputado, o calor seco e abrasivo a que nos tinha já habituado o deserto. Quanto mais nos aproximávamos da enseada bravia em frente a Lüderitz, mais o ar refrescava e nos chegava com uma estimulante fragrância de iodo marinho. Por alguns quilómetros extra, serpenteamos na estrada de terra e sal prensado. Contornamos o longo braço de mar a sul da cidade para logo voltarmos a apontar a norte, à península exposta ao Atlântico já definida como destino final. Passamos o farol listado de branco e vermelho e aguçado que o anunciava. Daí em diante, o vento ganha um poder avassalador. Projecta ondas desenfreadas contra as rochas e empurra vagas de névoa costa abaixo, por vezes tão densa que nos leva por completo a visão do litoral agreste. Mesmo difuso naquele manto branco intermitente, vislumbramos um padrão destacado no cimo de um promontório rochoso. Não restavam dúvidas. Em 1486, Diogo Cão chegou a zona actual de Cape Cross. Passado um ano, a serviço de D. João II e ao comando de duas caravelas de cinquenta tonéis e de uma naveta de apoio, Bartolomeu Dias ultrapassou, ali mesmo, o limite de Diogo Cão. Prosseguiu, depois, a navegação em busca do limite meridional de África.

Contornamos uma escada de madeira destruída por marés inclementes e ascendemos pelas rochas. Do cimo, abanados pelas rajadas furibundas, admiramos o poderio das ondas que moldavam os recortes rochosos e faziam oscilar a floresta de algas que para lá haviam sido arrastadas. Defrontavam-se as vagas, a névoa e o vento quando, saído do nada, um esquadrão de mergulhões nos sobrevoa a grande velocidade, a seguir a esse, um outro e logo mais, tão juntos quanto o vendaval lhes permitia. Aquela estranha migração que sarapintava de negro o céu esbranquiçado prolonga-se por uns bons vinte minutos, o tempo que nos mantém absortos, de olhos nos ares. Sem nada que nos apresse, espreitamos outros recantos de uma enseada contígua. Um deles revela-nos, do lado de lá da grande baía, o casario de Lüderitz, empoleirado no litoral ressequido tão comum por toda a Namíbia. Um templo amarelo destaca-se acima dos telhados vermelhos dos restantes edifícios, não tanto do solo arenoso. Tratava-se da igreja icónica, evangélica e luterana de Felsenkirche.

Os colonos alemães que a ergueram não perderam tempo em busca de inspiração. Uma vez que a colina (mais tarde apodada de Montanha de Diamante) em que lançaram as fundações era rochosa, baptizaram-na de Igreja das Rochas. O nome, como tantas outras influências germânicas, está para durar. E, no entanto, o domínio teutónico destas paragens esteve para nunca se verificar. Quando, por fim, se concretizou, resultou de uma caricata conjuntura colonial.

Desde a passagem de Diogo Cão e de Bartolomeu Dias que a presença dos europeus no deserto do Namibe se limitava à passagem ou assentamento limitado e célere de navegadores e mercadores. Esta realidade perdurou até 1800. No início do século XIX, sociedades missionárias alemãs e inglesas estabeleceram-se e ergueram igrejas. Ao mesmo tempo, comerciantes e agricultores instalaram-se e fundaram entrepostos. Alguns, ingleses, concentraram-se em redor da actual Walvis Bay. Histórica na Europa e já antes projectada para outras partes da Terra, a rivalidade entre a Alemanha e a Grã-Bretanha estendeu-se àquele fim-do-mundo inóspito.

Em 1882, Adolf Lüderitz, um mercador de Bremen requereu ao chanceler alemão protecção para uma estação comercial que planeava construir no Sudoeste de África. Otto von Bismarck fora toda a sua vida contra a expansão colonial do Império Germânico. Considerava que conquistar, manter e defender as colónias teria um custo superior ao do lucro por elas trazido, ao que se acresceria o risco de o prejuízo sabotar o poderio que a Alemanha mantinha na Europa. Contra a sua opinião, estavam milhões de alemães que observavam nações europeias rivais aumentar os seus impérios e, em muitos casos, obter proveitos das colónias. Estavam ainda mercadores e aventureiros com sonhos e projectos em diversas partes do mundo, como o de Lüderitz. Este, foi contemplado com a sorte de Bismarck necessitar de ser reeleito e de, como tal, se ter visto obrigado a agradar aos defensores da expansão colonial. Mal obteve o apoio do chanceler, Lüderitz instruiu Heinrich Vogelsand – um seu empregado – a adquirir terra em Angra Pequena a um chefe de etnia Nama. Pôde, assim, erguer uma povoação a que Lüderitz deu o próprio nome.

Em 1884, determinado a evitar a intrusão britânica, Lüderitz conseguiu que a área fosse decretada protectorado do Império Germânico. Uns meses depois, a bandeira alemã foi erguida. De uma forma precipitada e arrogante, os britânicos convenceram-se de que os rivais tinham ficado apenas com uns restos impróprios para consumo do território africano e anuíram.

Mesmo contra os princípios e a vontade genuína do chanceler Bismarck, Lüderitz – o homem e a povoação – forçaram a criação da colónia do Sudoeste Africano Germânico. Daí em diante e até 1915, a colónia expandiu-se, sobretudo para norte e para o interior inóspito. Igualou, em dimensão, o Império Germânico na Europa. Depois, suplantou-o em mais de uma metade. Até 1915, a população ficou-se pelas 2600 almas aventureiras. Lüderitz – a cidade – concentrou uma boa parte, em redor de actividades como a caça à baleia e de focas, a pesca e o comércio de guano produzido em quantidades industriais pela mesma espécie de aves que nos havia sobrevoado – e alvejado – junto ao padrão de Bartolomeu Dias, e por tantas outras.

Regressamos ao centro da povoação pelo mesmo caminho que, no entanto, nos parece outro. A maré tinha recuado centenas de metros. Deixara para trás uma vastidão arenosa antes coberta pelo Atlântico invasivo, um leito sinuoso e sedimentado em que um riacho salobro continuava a fluir para o mar. Junto ao seu limiar, aquém de um barco encalhado, um bando de flamingos sorvia a água. Não havia sinal das hienas-castanhas endémicas daquelas partes do Namibe, pelo que se alimentavam sem preocupações.

Paramos na orla da cidade para atestar o carro. O dono da gasolineira aparece de dentro de uma cabine e mete conversa. Percebemos de imediato que era de origem germânica, sem qualquer mixagem étnica, dos poucos que resistiram ao tempo e às vicissitudes da história. “Ah, são portugueses?” Admira-se, ao mesmo tempo que censura a ineficiência dos seus empregados nativos. “Têm vários cá na cidade, informa-nos como que a torcer o nariz e parece-nos que a conter um certo chauvinismo. Agora até são menos. Houve uma altura em que estavam por toda a parte.” Não tardaríamos a encontrá-los.

A tarde chegava ao fim. O sol que se punha a oeste do Atlântico requentava o sortido de cores dos inúmeros edifícios baixos da cidade. Aproveitamos esse estímulo adicional e percorremos as ruas quase desertas atentos à arquitectura art nouveau germânica, que a descoberta de diamantes no deserto em redor, em 1909, permitiu dotar de caprichos e fantasias de outra forma difíceis de pagar. Não foram, todavia, só as pedras preciosas mineradas a contribuir. Desde 1903, que o Império Germânico combatia a resistência dos nativos à sua invasão. O conflito agravou-se. Degenerou nas Guerras Herero travadas contra esta tribo de criadores de gado que, como os vizinhos Nama, os Khoi e os Namaqua, noutras partes, controlavam aquela zona do Namibe.

No auge do conflito, as tropas alemãs contavam com 20.000 combatentes. Em 1908, tinham já matado dezenas de milhares de nativos, em pleno conflito, ou em campos de concentração como o da Shark Island em frente à cidade, de onde os prisioneiros só saíam para trabalhar à força na construção de infraestruturas ou nos negócios que enriqueciam os colonos. Na Berg Street – o antigo coração diagonal da cidade – a linha de casas que ajudaram a erguer mais parece saída de um cenário cinematográfico.

Apreciamos a pitoresca Haus Grünewald com as suas janelas bávaras, algumas parte de um torreão embutido. Os frontões dos lares seguintes são recortados a condizer e exibem cores bem garridas: azul quase turquesa, amarelo, laranja e, mais à frente, o tom de salmão do Barrels, um bar-restaurante especializado em marisco e pratos também eles com influência germânica.

Surpreende-nos ou talvez não que várias das mansões apalaçadas mantenham telhados bem inclinados, como se alguma vez caísse neve por aqueles lados. É o caso da exuberante e emblemática casa Goerke, logo atrás da Felsenkirche, também da estação de comboios e do edifício Krabbenhöft & Lamp, este, à imagem das casas Kreplin e Troos, erguido por magnatas dos diamantes.

Ao caminharmos pelo centro reparamos no tom de pele dourado de vários transeuntes, nos seus olhos translúcidos cor de mel, verde-azeitona e até azuis, como os de um vendedor de modos suaves que, à entrada da gare local, quase nos convence a comprar-lhe peixe fumado.

Coincidência ou não, fazemos compras quando damos com o primeiro habitante de origem portuguesa de Lüderitz. Luís Figueira é dono da única grande mercearia aberta após o anoitecer, o “Portuguese Supermarket”. Apesar de falar inglês, as feições do homem ao balcão, algo rechonchudo e com a barba por fazer, dão-nos indicações promissoras da sua ascendência. “O senhor é que é o português aqui da loja?” perguntamos-lhe.

A questão e a suspeita de que estava perante gente com o seu sangue despertou-lhe um brilho nos olhos e um forte estímulo para nos contar de tudo um pouco. Fá-lo em inglês. A língua portuguesa, tinha-a perdido quase toda. “Pois os meus avós vieram da Madeira para cá na altura em que havia sempre trabalho na pesca e no processamento do peixe. Ainda tenho a minha mãe lá em Santana e vou à Madeira uma vez ao ano. Aqui em Lüderitz, casei com uma senhora de cor e cá estamos. Temos quatro filhos, todos com nomes portugueses. Vocês têm que passar lá pela nossa academia do bacalhau! É onde a malta de origem portuguesa convive…”

Quando os avós de Luís Figueira chegaram, Lüderitz fazia parte da África do Sul. Assim o ditou a continuação da história destas paragens. Em plena 1ª Guerra Mundial, a África do Sul ocupou todo o Sudoeste Africano Germânico e deportou muitos alemães. Com a mudança da prospecção mineira das redondezas para sul, essa deportação contribuiu para o declínio temporário da população. A África do Sul administrou Lüderitz e a antiga colónia germânica – primeiro sob mandato da Liga das Nações e da ONU, mais tarde à revelia da ONU – até 1990. Nesse ano, o movimento SWAPO (SouthWest African People Organization) forçou a independência da Namíbia, com uma estratégia de confrontação militar a partir do sul da Angola recém-libertada do jugo português.

Passou um século sem que o território actual da Namíbia estivesse sujeito a um domínio germânico efectivo. São mais de 30.000 os seus habitantes com ascendência alemã e a falarem alemão, audiência de uma estação de rádio em alemão, um serviço noticiário televisivo próprio e o jornal diário Allgemeine Zeitung fundado em 1916 e a resistir. Malgrado a génese inusitada do legado teutónico e os esforços das autoridades namibianas para o mitigarem, em Lüderitz como, mais a norte, em Swakopmund, esse zeitgeist está longe de passar.

Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o grande canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.

Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Table Mountain sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.

Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das suas etnias. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.

Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história. 

Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.

Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.

Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design

Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.

Doca gelada
Aventura

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Aos repelões
Cerimónias e Festividades

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

Verão Escarlate
Cidades

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Acolhimento de Satoko
Cultura

Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Até há pouco, os estúdios nipónicos produziam 60% de todas as séries de animação. “Higurashi no Naku Koro ni” teve enorme sucesso. Em Ogimashi, damos com um grupo de kigurumis das suas personagens.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Via caribenha
Em Viagem

Overseas Highway, E.U.A. 

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.

Telhados cinza
Étnico

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Celebração Nahuatl
História

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Puro Pacífico do Sul
Ilhas

Tongatapu, Tonga

O Último Trono da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Surfspotting
Natureza

Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Chapéu Lenticular
Parques Naturais

Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.

Sem corrimão
Património Mundial Unesco

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Tambores e tatoos
Praia

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Um matrimónio espacial
Religião

Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua. 

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Sphynx
Sociedade

Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana

Longsheng, China

A aldeia chinesa dos maiores cabelos do mundo. Nutridos a arroz, claro

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de uma aldeia renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os seus cabelos anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm que faz da aldeia recordista. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e o cereal. 

Refeição destemida
Vida Selvagem

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.