Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana


Pela sombra

Visitante percorre um trilho do jardim das Wynwood Walls, de igual forma decorado por murais sugestivos.

Culpado ?

Casal de visitantes de Miami prestes a passar por um Andrew Warhol(a) criminoso da autoria da canadiana Elisabetta Fantone.

Mulher mistério

Pormenor da decoração interior do "Wynwood Restaurant and Bar" da autoria de Shepard Fairey

Bem-vindo a:

O pórtico identificatido das Wynwood Walls sonhadas por Tony Goldman.

The Mr.

Grafiti de um personagem da grande cidade da Florida numa parede de Wynwood.

Entre os dedos

Visitante das Wynwood Walls faz-se fotografar como parte da obra de um dos artistas convidados por Tony Goldman para dar vida às Wynwood Walls.

Um rosto de Vhils

Um vulto empresta algum contraste à obra que Vhils mantem nas Wynwood Walls.

Face arco-íris

Rapaz espera e parece silenciar outra das obras de artistas eleitos por Tony Goldman.

Nos nossos tempos...

Dois visitantes seniores descansam e conversam debaixo de uma decoração de velhas ventoínhas.

Um certo desagrado

Outra visitante que, pela fotografia, se integra na obra soturna e surreal de Logan Hicks.

Passeio Solitário

Transeunte percorre um enorme mural de uma rua normal de Wynwood, externa às Wynwood Walls, portanto.

Negrura vs Walls

Nem a noite leva as cores fortes das obras das Wynwood Walls.

A velha Wynwood

Taxi passa por um dos edifícios mais antigos do bairro agora hipervalorizado de Miami

Arte em spray

Davel, um artista-grafiter nativo de Wynwood que assistiu à boa parte da transformação do bairro.

Lar Expo

Recanto de um grande atelier de decoração integrante das Wynwood Walls

Pausa sagrada

Empregados do Wynwood Restaurant and Bar entre a sua grande esplanada e uma parede repleta de posters. 

4 Estilo afro

Grupo de amigas conversa apoiadas no grande mural de Shepard Fairey.

Na viragem para o século XXI, o bairro de Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.

Por fim, conseguimos estacionar num parque em altura que abandonamos à pressa estimulados pelo regresso ao afago estival. Em pleno Inverno do Hemisfério Norte, um sol suave mas generoso continuava a prendar a Florida.

As ruas de Edgewater em redor, esquadrinhadas à boa moda anglo-saxónica, exibem uma fascinante atmosfera recreativa-laboral, percorridas por executivos confortáveis em uniformes de calção-camisa a cruzarem-se com ciclistas, skaters e muitos clientes de ginásios próximos que identificamos pelas lycras, t-shirts respiráveis e ténis, tudo das melhores marcas e de última geração. Da sua classe média para cima, há muito que não falta dinheiro a Miami. Os Bentleys, Mustangs, BMW Z3, Porsches Cayennes e afins que por ali circulam indiciam que essa prosperidade está para durar.

É daquele reduto à beira do Mar das Caraíbas e a norte da Baixa de Miami que apontamos a Wynwood, a Oeste. Com os anos, Wynwood subdividiu-se. Conta com um Art District que ocupa vários eixos e com um Fashion District concentrado ao longo da West 5th Avenue.

De 1950 em diante, Wynwood foi conhecido como “El Barrio” ou “Little San Juan”. Era apenas um de tantos núcleos habitacionais gerado por imigrantes com a mesma origem geográfica e étnica que compunham Miami. Como “El Barrio”, coexistiam “Little Haiti”, “Little Havana”, “Little Jamaica”, “Little Brazil” e até “Little Moscow”, entre outros.

A nova cena porto-riquenha do “Little San Juan” antecedeu a hoje bem mais famosa “Little Havana” em quase dez anos. Após o término da 2ª Guerra Mundial, os antigos residentes anglo-saxónicos da classe média trabalhadora debandaram para bairros dos arredores onde podiam viver com melhores condições. Os porto-riquenhos ocuparam o seu espaço mas não beneficiaram nem dos anteriores empregos em fábricas nem das vantagens colaterais. Ainda assim, aos poucos, lá proliferaram restaurantes, mercados, lojas e outros negócios dos próprios moradores.

Com o tempo, o bairro diversificou-se. Acolheu negros de distintas origens, cubanos, haitianos, colombianos, dominicanos. No fim dos anos 70, já não era “Little San Juan”. Nem harmonioso nem próspero. Tinha regredido para um Wynwood multiétnico de classe baixa. Metade dos seus quase 20.000 habitantes mantinham-se desempregados. O tráfico de droga alastrou-se como uma epidemia. A insegurança e o crime minaram o bem-estar, como acontece ainda nas zonas mais desfavorecidas de Miami.

Dos anos 70 até 1987, pouco aconteceu em Wynwood digno de registo salvo que uma grande fábrica de pão que lá resistia ninguém sabia bem porquê vagou o seu edifício. Por essa altura, uma facção de um tal de South Florida Art Center deixava Coconut Grove devido ao aumento das rendas. Alguns dos seus artistas formaram uma organização não lucrativa e compraram-no. Em 1987, inauguraram-no para os novos fins. Baptizado de Bakehouse, tinha quase 9.000 m2. Era o maior espaço de trabalho artístico da Flórida. Hoje, o Bakehouse Art Complex mantem-se operacional na mesma antiga fábrica que fermentou o incrível movimento criativo que se viria a formar.

De tanto andar, damos com o contraste absoluto dos anos 70 e 80 deprimidos do bairro. Em pleno Miami Design District, o Palm Court foi erguido com a leveza e subtileza de acrílico azulado que combina com o verde de cinquenta palmeiras de distintas espécies. A agência de comunicação do espaço comunica, orgulhosa, que entre elas “se incluem a Coccothrinax spinosa e a Heterospathe elata em redor de uma catedral geodésica icónica da autoria de um arquitecto e inventor de renome, Buckminster Fuller.”

Ofuscados por tanta pompa, uma coisa temos como certa: à parte das palmeiras de tronco fino e folhagem elegante, aquela plazza interior agrupava obras de arte, instalações e, claro está, algumas das lojas mais dispendiosas do Planeta. Deixamo-la apenas e só com memórias visuais e fotográficas.

Quando percorremos uma rua no exterior, dirigidos ao âmago de grafiti de Wynwood, temos a certeza praticamente absoluta que é o ex-futebolista italiano Gianluca Vialli quem está sentado a ler um catálogo no interior de um atelier de mobiliário. Prosseguimos com essa convicção.

Estúdio atrás de estúdio, antro hipster após antro hipster, chegamos ao pórtico das Wynwood Walls e ao ponto mais popular do bairro. Passado o estímulo inicial da Bakehouse, foram os sprays de artistas de rua ansiosos por exibir o seu talento que mais cor emprestaram ao bairro. Durante décadas, ilegal e até perseguida, a sua acção acabou sacralizada. As Wynwood Walls são o templo que milhares de seguidores da arte visitam, uns vindos das imediações, outros, como nós, do outro lado do oceano e do Mundo.

Miami parece reconhecer o papel determinante de um homem em particular na transformação de Wynwood da noite para o dia. Tony Goldman era um investidor imobiliário multimilionário que já tinha estado por detrás da recuperação do SoHo e da South Beach de Miami. Ora, no que dizia respeito a bairros, Goldman sempre teve o condão de ver ouro onde os outros só achavam lixo. Com Wynwood, a história repetiu-se. O investidor e dois dos seus filhos começaram a comprar partes do distrito de armazéns de Wynwood. Em vez de arrasarem as velhas estruturas, deram-lhes nova vida com recuperações sábias das propriedades e, em simultâneo, em arte que as valorizasse. Em 2009, abriram uma galeria ao ar livre que permitiu aos grafiters e outros artistas exibir as suas pinturas em murais. Fizeram coincidir a inauguração desta galeria, a Wynwood Walls, com a reputada Art Basel de Miami. Essa opção granjeou à nova galeria uma enorme projecção mediática.

Entusiasmado, Tony Goldman projectou muito mais para o seu bairro então predilecto de Miami. A seu ver, todo Wynwood devia ser promovido a uma exibição de arte urbana de rua. A realidade excedeu as expectativas até no plano imobiliário. De cemitério de armazéns e fábricas abandonadas, Wynwood tem, hoje, dos metros quadrados mais valiosos da Flórida.

Tudo começou, todavia, ao ar livre, nas Walls. Com o sol quase a deixar de incidir no seu pórtico nominativo, apressámo-nos a lá entrar.

Um caminho de lajes conduz-nos por um relvado de brilho sintético, entre os sucessivos murais garridos, imaginativos, quase sempre surreais que compõem a galeria. Antes de falecer em 2012, com 68 anos, o mentor das Walls agrupou nomes conceituados ou, pelo menos, promissores do panorama mundial da arte urbana: a japonesa Aiko, o chileno Inti, Avaf, P.H.A.S.E. 2, os brasileiros Gémeos, uma armada de nova-iorquinos, sobretudo de Brooklyn, e o português Alexandre Farto, mais conhecido como Vhils, mas tantos outros.

Entre as Walls, longe de intelectualóide, o ambiente é de diversão domingueira. Grupos de amigos, famílias e namorados começam por contemplar os grafitis e pinturas destes artistas de rua com alguma ponderação e debate intelectual. Essa abordagem dura o que dura. Num ápice, é substituída pelas incontáveis selfies ou fotos de grupo tiradas com as obras em fundo.

Bem menos policromática e excêntrica que as restantes, a obra de Vhils pode ser menos observada, mas parece merecer um interesse mais curioso de quem a confronta. Fiel à sua linha, em vez de apenas grafitar ou pintar – como acontece com boa parte dos autores das obras em redor – Vhils, pinta o seu mural. Depois, escava-o, branqueia-o com ácidos, perfura-o com pequenos martelos pneumáticos. Trabalha os pormenores com martelo, cinzeis e afins, de distintas dimensões. E tal como o próprio Vhils sintetiza no seu perfil da galeria: “valoriza pessoas comuns em ícones, muitas das suas imagens são baseadas em fotos de pessoas que tira de revistas, do trabalho de Sebastião Salgado, ou da sua própria camara.”

Outras obras, patentes nos murais, portas e jardins das Wynwood Walls, suscitam-nos distintas sensações. O mural panorâmico de Logan Hicks transporta-nos para uma frieza urbana digna de um Blade Runner contemporâneo, ou de uma qualquer misteriosa pré-alvorada de Brooklyn. As pretensas mentes das “crianças trabalhadoras” do chileno Inti, parecem penetrar nas de quem nelas fixa o olhar.

Até os próprios bares e restaurantes que servem as Walls – com destaque para o Wynwood Restaurant and Bar – são decorados por obras de uma inacreditável criatividade. O logotipo e as paredes interiores deste pouso sempre à pinha são da autoria de Shepard Fairey, eternizado pelo seu poster azul-avermelhado “Hope” que exibe a face de Barak Obama.

Deixamos o interior muralhado das Wynwood Walls, por uma espécie de túnel pintado de verde, dotado de uma composição de velhas ventoinhas de parede e de um longo banco de madeira. Nele, por baixo das ventoinhas, repousam e tagarelam dois velhotes de bonés que tanta modernice parece ter deixado extenuados.

Saímos para a NW 26th Street e cedemos, de imediato, prioridade a um grupo de skaters mais hip que o próprio bairro. Atravessamos a rua. Do lado de lá, esbarramos com um mural da multifacetada (actriz, pintora, modelo, autora) canadiana Elisabetta Fantone. Nele, Andy Warhol surge enquanto Andrew Warhola, um prisioneiro por crimes contra a arte. De uniforme laranja, Warhol vê-se obrigado a segurar uma placa da sua infracção que descreve isto mesmo. Divertimo-nos a fotografar aquela que era uma das mais atrevidas paredes do bairro. E a adicionarmo-nos à composição das formas o mais cómicas possível. Então, um grafiter que coloria a parede contígua, aproveita o pretexto e mete conversa. Apesar do ar de miúdo de bicicleta BMX, Davel já tinha os seus trinta e tal anos. Ficamos à fala uns bons vinte minutos. Foi mais que suficiente para percebermos o quanto tinha beneficiado do boom de Wynwood mas, ao mesmo tempo, para ele contribuído. “Vivo nesta zona desde pouco depois de que nasci. Antes, andar nestas mesmas ruas, à noite, era uma aventura. Agora, é um dos bairros mais caros de Miami. É incrível o poder que arte pode ter, não é? E, por falar nisso, que tal a minha obra? Gostam?” Afastamo-nos para a podermos interpretar e gabamos-lhe a excentricidade garrida da sua completamente louca abstração. Trocamos contactos. Prometemos ainda que espreitaríamos mais do seu talento online. O ocaso já obscurecia a arte de Wynwood e o dia em geral. Estava na hora de recorrermos ao acolhimento festivo dos bares no interior das Walls. 

 

ESTE ARTIGO FOI CRIADO COM O APOIO DA TAP – flytap.pt   

A TAP tem voos diários de Lisboa para Miami, com partida às 10:50 e chegada a Miami às 15:15

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.

Overseas Highway, E.U.A. 

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e estas acompanhantes de luxo estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão

Um
Arquitectura & Design

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Chegada à festa
Cerimónias e Festividades

Perth, Austrália

Em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.

MAL(E)divas
Cidades

Malé

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, a capital das Maldivas pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano genuíno que nenhuma brochura turística poderia revelar.

Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Entusiasmo Vermelho
Cultura

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Casal Gótico
Em Viagem

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Ilha menor
Étnico

Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Saint-Pierre
História
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Entre andorinhas
Ilhas

Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24s de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Frígida pequenez
Natureza

Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor” mas Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Uma Busca solitária
Parques Naturais

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Sem corrimão
Património Mundial Unesco

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Dunas no meio do mar
Praia

Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.

A Crucificação em Helsínquia
Religião

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Tsumago em hora de ponta
Sociedade

Magome-Tsumago, Japão

O Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o shogun Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é frequentemente invadido por uma turba ansiosa por evasão.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Devils Marbles
Vida Selvagem

Alice Springs a Darwin, Austrália

A Caminho do Top End

Do Red Centre ao Top End tropical, a Stuart Hwy percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, a grande ilha muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.