Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul


Acima de tudo

Visitantes de Graaf-Reinet sobre um penhasco de dolomitos com vista para o vasto Valley of Desolation.

Luzes do Karoo urbano

Casario de Graaf-Reinet encaixado num vale menos inóspito do semi-deserto de Karoo.

Numa manhã calma

Transeuntes atravessam a Church Street, rua da cidade que parte da enorme Igreja Holandesa Reformada.

Karoo

Cenário do Great Karoo, a poucos quilómetros de Graaf-Reinet.

Fé em pleno Karoo II

A Igreja Holandesa Reformada com a sua enorme torre frontal.

Asas sem uso

Avestruzes no PN Camdeboo, um parque prolífico em vida selvagem às portas de Graaf-Reinet.

(Muito) Velhas falésias

Escarpas criadas por uma erosão pré-histórica no limiar do Valley of Desolation.

Moda académica de Graaf-Reinet

Aluno de uma escola local, a caminho das aulas.

Fé em pleno Karoo

A Igreja Holandesa Reformada destacada acima do casario baixo de Graaf-Reinet.

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história. 

Demoramos apenas uma hora e meia a descer de Malealea, nas terras altas do Lesoto. Às 7h30, cruzamos à fronteira sul-africana de Makhaleng Bridge e a apanhamos a estrada R56 para sudoeste. Por essa altura, o condutor e guia do camião-autocarro Albertrham “Tenk” Engel já se sentia a regressar à Elim em que nascera e vivera a maior parte da sua vida, nas imediações do Cabo Agulhas. Com a progressão simplificada pelas rectas longas e planas do Grande Karoo, pisava forte no acelerador. À medida que a tarde se anunciava, o bafo sufocante do semi-deserto, fazia-nos esquecer o frio enregelante do Lesoto. Não tardamos a entrar nos domínios do Great Escarpment onde o Planalto Central do Sul de África mergulha na direcção dos oceanos meridionais. É entre as suas falésias e mesetas imponentes que damos entrada no destino do dia: Graaf-Reinet.

“Tenk” faz o camião desdobrar-se pelas intersecções da grelha geométrica da cidade, até o imobilizar no estacionamento do hotel. “Muito bem rapazes e raparigas, quem disse que não queria fazer mais nada pode instalar-se, descansar ou dedicar-se ao que bem lhe apetecer. Os que disseram que ainda queriam sair, aguardem um pouco, o guia de cá está quase aí.

Não tardamos a apurar que somos os únicos nesta categoria. Minutos depois, David McNaughton aparece em trajes beije-caqui de explorador e leva-nos a bordo da sua carrinha. Em tempo semelhante, sentimos por ele enorme empatia. David trabalhou na Força Aérea Sul-Africana antes de criar a sua empresa de tours em Graaf-Reinet. Apaixonado por história, tinha aprendido a fundo a da África do Sul, mas não só. Falamos de Fernão Magalhães, de Bartolomeu Dias e, claro está, de Vasco da Gama. Aproveitamos para com ele esclarecer questões nas nossa mentes parcialmente nebulosas quanto à passagem dos navegadores portugueses pelas costas da sua nação: o porquê de nunca lá se terem fixado, apenas mais a norte, em terras do Moçambique de hoje.

Mas, não tardamos, a dar com a entrada do Parque Nacional Camdeboo. A explicação entusiasta do cicerone é interrompida pelo avistamento quase imediato de avestruzes, zebras, macacos, cabras-de-leque e de espécimes distintos da fauna residente. Vínhamos de outros safaris na África do Sul. Entusiasmados pela proximidade de um tal de Valley of Desolation, os animais retiveram-nos apenas alguns momentos.

Do fundo da savana, subimos a uma das mesetas que a recortam. No cimo, admiramos a vastidão da pradaria pejada de animais. David mostra-nos um outro ponto de observação na orla de uma falésia. Dali, desvendamos uma barreira de colunas de doleritos com 120 metros de altura, alaranjados pelos últimos raios do ocaso, o mesmo que se repete nos mais de 100 milhões de anos de acção vulcânica e de erosão que produziram tais esculturas.

Dessas colunas para diante, o Grande Karoo estende-se a perder de vista, com um visual ainda mais ermo e inóspito que a secção porque tínhamos chegado do Lesoto. E, entre a elevação em que estávamos e outra oposta, dispunha-se o casario quase todo térreo de Graaf-Reinet, instalado num desfiladeiro com perfil de oásis.

O crepúsculo dá lugar à noite. Quando regressamos à cidade, Graaf-Reinet estava já entregue à sua paz. Durante muito tempo, esse foi um raro privilégio.

No virar do século XVIII para o XIX, o interior da África do Sul, além de repleto de animais selvagens, era habitado por tribos belicosas, como se provavam há muito os San, hoje também conhecidos por Bushmen. Ainda assim, holandeses intrépidos acabaram por se aventurar nos limites indómitos da Colónia do Cabo. A Companhia Holandesa das Índias Orientais geria a colónia com mão de ferro e, demasiadas vezes, contra os interesses dos seus súbditos.

Insatisfeitos pela permanente repressão, sucessivos grupos de agricultores bóeres nómadas, os voortrekkers, deixaram o litoral em busca de maior autonomia. Nem assim a Companhia Holandesa das Índias Orientais os largou. Os seus líderes tinham o objectivo de expandir o comércio da colónia para o interior onde esses pioneiros se refugiavam. Assim, em 1786, fundaram Graaf-Reinet, baptizada em homenagem ao governador de então da Colónia do Cabo, Cornellis Jacob van de Graaf e da sua esposa, Reinet. Ainda e sempre fartos das castrações da Companhia Holandesa das Índias Orientais, os voortrekkers da região expulsaram o seu administrador, proclamaram Graaf-Reinet independente e pediram a protecção directa do governo holandês. Ficaram, então, na expectativa do que viria da Colónia do Cabo. A esperada reacção nunca chegou a acontecer já que, entretanto, os rivais coloniais britânicos dela se apoderaram.

Como havia acontecido com a Companhia Holandesa das Índias Orientais, os voortrekkers rejeitaram os Britânicos. Aqueles que persistiam na Colónia do Cabo, inauguraram uma nova vaga épica de migrações que ficou conhecida por Great Trek e a que se deve a actual presença Bóer em recantos improváveis da África do Sul.

Após feroz resistência, os Britânicos colocaram termo à pioneira República Independente de Graff-Reinet. Capturaram os seus líderes e condenaram-nos à morte ou a longas penas de prisão na Cidade do Cabo. Já no século XX, durante a Segunda Guerra Bóer, os Britânicos fizeram de Graaf-Reinet o centro das suas operações. Voltaram a lá condenar e executar dezenas de Bóers.

Passado este período conturbado, mesmo a evoluir devagar devagarinho, Graaf-Reinet veio a revelar-se providencial para o desenvolvimento da área circundante. Do final do século XVIII até à chegada do caminho-de-ferro que a ligou ao litoral de Port Elisabeth, teve a fama e o proveito de polo comercial movimentado.

Em 1865, contava com sessenta e quatro outspans, locais onde os criadores de gado e vaqueiros podiam repousar e refrescar os seus animais, bem como remover outros das carroças em que seguiam. Dezenas de pousadas floresceram nas imediações destes outspans e recém-chegados aptos nos mais diversos misteres aumentaram a população. A meio do século XIX, Graaf-Reinet era a povoação mais importante a leste da Colónia do Cabo e a norte de Port Elisabeth.

Pouco depois de desembarcar na Cidade do Cabo, em 1841, o explorador escocês Dr. David Livingstone prosseguiu numa caravana de carros-de-bois rumo a Kuruman, no norte da África do Sul. Pelo caminho, passou por Graaf-Reinet. Ali conheceu o reverendo Andrew Murray e a sua esposa, como ele, fervorosos cristãos. Por certo entusiasmado pela empatia religiosa do encontro, descreveu Graaf-Reinet como “A Cidade Mais Bonita de toda a África”.

Na actualidade, com menos de 60.000 habitantes, Graaf-Reinet não surge nem nas primeiras setenta maiores cidades sul-africanas. Mantém-se relevante devido à presença arrojada em pleno Karoo, pela sua produção agrícola e  criação pecuária: de ovelhas merino, de cabras angorá e de mohair, de avestruzes e de outras espécies e derivados. Mesmo diminuta, Graaf-Reinet orgulha-se sobremaneira da sua história. Brada aos ventos a incrível concentração de monumentos nacionais que abriga.

Na manhã seguinte, é Domingo. Dedicamo-lo ao centro secular da cidade, vazio de gente e tranquilo como nunca supusemos possível na África do Sul. Um sócio de David dá-nos boleia até a um miradouro próximo, situado numa elevação oposta à da tarde anterior. Dali, contemplamos a Igreja Reformada Holandesa, destacada bem acima da vegetação frondosa que dissimula o casario, na sua maior parte branco.

Descemos do morro apontados à igreja.  Espreitamos o interior e ascendemos ao coro. Um grupo de cinco crentes, quatro cantores e uma pianista, ensaiam os cânticos que irão entoar, daí a umas horas, na missa.

Graaf-Reinet orgulha-se também de que a sua enorme igreja é a única da África do Sul – provavelmente do mundo – equipada com uma cozinha e uma chaminé. Fosse ou não assim, os nossos olfactos diziam-nos que, àquela hora, não deveriam ainda ter uso.

Voltamos ao exterior e ao dia solarengo mas fresco. Caminhamos Church Street abaixo com desvios estratégicos a ruas paralelas e perpendiculares, atentos à arquitectura peculiar dos edifícios históricos que a delimitavam, com óbvia génese na dos Países-Baixos dessa época, retocada para se adaptar ao clima e ambiente do Karoo: a do Hester Rupert Art Museum apenas umas centenas de metros da igreja. A do Drostdy Hotel e da Old Parsonage, hoje, Reinet House Museum. Na sua génese, a primeira foi a sede do magistrado da cidade, logo, a sede do poder judicial. Já a Old Parsonage, abrigava os membros do clero mas, ao longo dos anos, acolheu vários outros hóspedes.

Para onde quer que viremos, a nomenclatura das ruas é, ou inglesa ou afrikaans, a língua falada pela maior parte dos moradores brancos da cidade e da província de Cabo Oriental. Num caso ou no outro, menos que 10% do total de negros ou mestiço, com sangue khoiSan (90%). Os khoisan são um curioso grupo étnico formado pela fusão dos antigos grupos rivais San e Khoi Khoi, estes últimos que os colonos holandeses tratavam por Hottentots, numa referência onomatopeica aos cliques orais da sua linguagem. Curiosamente, o longo predomínio bóer ditou que, em Graaf Reinet, mais de três quartos da população negra ou mestiça fale agora afrikaans em vez de inglês ou de línguas-mãe africanas como o Xhosa ou dialectos KhoiSan.

À imagem do que acontece noutras partes da África do Sul, passo atrás de passo, também a imaculada Graaf-Reinet nos parecia cada vez mais um privilégio histórico criado e preservado pela minoria branca, neste caso Bóer.

Reparamos como abundavam as casas seculares vazias, disponíveis para alugueres de curtos períodos aos compatriotas endinheirados vindos de outras paragens. Por contraste, boa parte dos habitantes negros ou mestiços moravam em lares remediados nos arredores. Pareciam-nos desenquadrados da grelha urbana arejada, verdejante e requintada no âmago da cidade.

À chegada, “Tenk”, também ele mestiço, que se dizia descendente dos pioneiros voortrekkers, alertou-nos para o facto de estarmos na África do Sul e termos que estar bem atentos durante a nossa exploração da cidade, tal como o fez à chegada a Durban, a Port Elisabeth, a Cape Town e noutros lugares. Mesmo de máquinas fotográficas ao pescoço, não experimentamos qualquer problema. O crime persiste, todavia, em Graaf-Reinet, cometido quase sempre pela maioria negra-mestiça que sobrevive à margem da prosperidade Bóer ou anglófona, como acontecia há séculos quando os seus antepassados se viram forçados a roubar o gado aos colonos europeus trespassantes. Faz há muito parte do seu passado, um passado único e prolífico feito de determinação, conflito e imposição. 

Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Table Mountain sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.

Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.

Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Gentlemen Club & Steakhouse
Arquitectura & Design

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Doca gelada
Aventura

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

A galope
Cerimónias e Festividades

Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.

Sonhos e Cocktails
Cidades

Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Freemont Street.

Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Sombra de sucesso
Cultura

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Eternal Spring Shrine
Em Viagem

Garganta de Taroko, Taiwan

Nas Profundezas de Taiwan

Em 1956, taiwaneses cépticos duvidavam que os 20km iniciais da Central Cross-Island Hwy fossem possíveis. O desfiladeiro de mármore que a desafiou é, hoje, o cenário natural mais notável da Formosa.

Entusiasmo Vermelho
Étnico

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Sombra Missioneira
História

Misiones, Argentina

Missões Impossíveis

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus

Viagem no Tempo
Ilhas

Samoa Ocidental

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para Oeste da Linha Internacional de Data.

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Vale de Kalalau
Natureza

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Meandros do Matukituki
Parques Naturais

Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas. 

Nacionalismo Colorido
Património Mundial Unesco

Cartagena de Índias, Colômbia

Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".

Gang de 4
Personagens

Tombstone, E.U.A.

A Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.

Conversa ao pôr-do-sol
Praia

White Beach, Filipinas

A Praia Asiática de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.

Religião
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Sphynx
Sociedade

Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.

O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Trio das alturas
Vida Selvagem

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.