Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana


Frescura da manhã

Moradora no extremo de uma das ruelas de madeira de Nzulezu, após um banho revigorante.

A caminho de Nzulezu

Embarcação aproxima-se do trecho com vegetação mais densa do canal de vai de Beyin até ao Lago Amansuri e a Nzulezu.

Duo curiosidade

Duas crianças inspeccionam os forasteiros, nas imediações da escola da aldeia.

Miss Jeito

Moradoras numa das várias sessões solidárias de cabeleireiro que pudemos apreciar na povoação.

Lares anfíbios

Vegetação anfíbia envolve o casario palafítico de Nzulezu, em plena época das chuvas do Gana.

Passadiço-Passerelle

Mãe e filho percorrem o passiço principal de Nzulezu, entre outras habitantes.

Brincadeiras lacustres

Menina brinca sozinha dentro de um barco ancorado no lago.

Castigo matinal

Jovens moradores tratam da higiene das vestes, de modo bem tradicional.

Expedição juvenil

Duas crianças divertem-se a manobrar um barco tradicional, numa atmosfera bem cinzenta e pesada própria da época das chuvas.

Castigo matinal II

Outra perspectiva do mesmo jovem entregue à lavagem da roupa do lar, já com um grande tecido africano a secar ao ar livre.

Um "gang" escolar

Alunos da escola local durante um intervalo nas aulas.

Citrus Ganeses

Vendedora de laranjas em plena venda.

A caminho de Nzulezu II

Moradores prestes a chegarem a casa, vindos de Beyin e a passarem num trecho do lago envolto de palmeiras-rafia.

Conversa a duas

Alunas da escola de Nzulezu confraternizam de caderno aberto.

Tempo para tudo

Mãe e filha no interior da sua casa lacustre.

A caminho de Nzulezu (versão escola)

Jovem remador prestes a chegar à escola, já de uniforme castanho e amarelo.

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.

Temos a praia pela frente. Só que o litoral de areia amarelada, farta, que se estendia por várias dezenas de metros do coqueiral denso até onde as vagas se aventuravam e que nos havia ali atraído estava reduzido a uma pobre amostra, entrecortada por faixas divisórias de pedras negras. Busua não era mais o que já fora. Sem razões para lá nos alongarmos, prosseguimos até à povoação piscatória vizinha de Beyin, uma aglomeração sortida de casas dispostas entre a beira-mar e a estrada ribeirinha em que terminaria a secção rodoviária da viagem.

Blay Erzoah Ackah David, o anfitrião e guia, identifica-nos à chegada. Dá-nos umas boas-vindas tímidas à sua terra. Em seguida, prepara-nos para a jornada fluvial que nos esperava. Leva-nos a um canal estreito ali próximo onde subimos a bordo de um barco de madeira. Começamos de imediato a percorrer o canal, primeiro ao longo de uma vastidão de capim ensopado, entretanto, enfiados num palmeiral denso, bem mais sombrio, dotado de uma espécie de dique de bambu, instalado de forma a que os nativos pudessem delimitar a circulação dos peixes. Essa secção lúgubre e apertada pela vegetação dura o que dura. Sem que o esperássemos, a luz regressa. O canal reabre para uma lagoa verde-escura que reflete as folhas pendentes das palmeiras-ráfia e um viveiro compartimentado em diversos corredores de estacas. Quase de imediato, passa para uma vastidão aquática de águas tremelicantes, do mesmo cinzento do céu carregado. Por essa altura, já estávamos em pleno no lago. Pagaiada após pagaiada, internamo-nos no grande paul de Amansuri, um ecossistema de pântano, manguezal, planícies alagadas e litoral arenoso do extremo sudoeste do Gana, com a  Costa do Marfim, a meros 40km.

Durante algum tempo, vemos apenas as margens verdejantes, algumas aves pernaltas e uma ou duas canoas que sulcavam a distância. Assim é, até que, quase cinquenta minutos após o embarque, vislumbramos um trio de habitações de madeira alinhadas contra as palmeiras da margem. Aproximamo-nos. Contornamo-las. Percebemos que essas três ocultavam muitas mais, lacustres, quase todas coloridas, ligadas por passadiços geométricos de tábuas envelhecidas.

“Espero que tenham gostado da viagem! Sejam bem-vindos a Nzulezu.” atira Blay Erzoah ocupado com a atracagem e o desembarque.

Subimos para um passadiço imediato. Percorremo-lo até outro perpendicular. Blay Erzoah toma-o, apontado ao extremo oposto da povoação. Nós, cedemos à curiosidade. Tresmalhamo-nos por outros caminhos e inauguramos uma exploração tão irresistível como, depressa nos inteiramos, tabu. “O chefe da aldeia está à nossa espera!” informa o guia. “Primeiro que tudo, temos que o saudar.”

Blay Erzoah conduz-nos a um edifício comunal simples. No interior, o líder da comunidade saúda-nos com novas boas-vindas. Faz-nos sentar e inaugura uma apresentação aturada de Nzulezu, a aldeia palafítica em que vivia há muito a sua comunidade de quase seiscentas pessoas. Descreve-nos uma crença há muito popularizada naquelas partes do distrito de Jomoro: “ainda acreditamos que os nossos antepassados chegaram há cerca de 500 anos de Walata (parte da actual Mauritânia), uma das primeiras cidades das províncias do Sudão Ocidental, que integrava o antigo império do Gana. Foi fundada por foragidos de uma guerra tribal que assolava esse território e que buscavam um lugar em se que pudessem instalar. Acreditamos que foram guiados por um caracol. O caracol é o totem da nossa comunidade e temos um santuário em sua honra.”

É aqui que a maior parte dos interlocutores estrangeiros do chefe se engasgam de incredulidade perante o imaginário da multidão em fuga a seguir uma das criaturas mais lentas à face da Terra. Nós, não fugimos à regra. Ao contrário de tantos outros que  exasperaram o patriarca, optamos por não questionar a narrativa.

Até há pouco, três igrejas disputavam a fé tradicionalista dos aldeãos: uma católica, uma metodista e uma pentecostal. O edifício desta última foi, todavia, arrastado por umas das últimas cheias. De forma subtil e como é sua função, a Cristandade levada até eles durante e após o período colonial desafia a crença tanto na inusitada divindade de Nzulezu como no estatuto sagrado do Amansuri. De acordo com a tradição, se uma mulher estiver menstruada, não pode cruzar o lago. E, ainda hoje, as gentes da aldeia receiam partir para outras partes, cientes da profecia de que uma excessiva debandada dará origem a uma catástrofe que aniquilará a população remanescente. Ao mesmo tempo os nativos, acreditam que o Amansuri os protege de qualquer má intenção, que quem quer que o tente cruzar com más intenções não sobreviverá à travessia.

A dissertação do chefe arrasta-se, só ligeiramente mais rápida que qualquer gastrópode. Passa por vários outros tópicos. Tem o fim precipitado pelo alarido gerado pelos alunos endiabrados da escola ao lado, que se veem no intervalo das aulas e enchem o labirinto de tábuas e cana-de-bambu de tropelias e do castanho e amarelo-vivo dos seus uniformes.

Como é de esperar nestas situações, ainda mais de crianças e adolescentes ganeses, a sua trupe irrequieta desafia-nos os propósitos fotográficos com traquinices, poses e movimentos guerreiros desajeitados.

Verdade seja dita que os habitantes de Nzulezu em geral não são propriamente afáveis para com os forasteiros. Por norma, quem vem de fora, chega conduzido por guias de Beyin ou de outras paragens e são raros os visitantes que se hospedam na povoação. De acordo, desagrada aos nativos que a aldeia lucre quase só com os ingressos de 20 Cedis (aquém de 4€), bem menos que as pequenas “agências” instaladas na costa.

Agradecemos ao chefe que fica à conversa com Blay Erzoah. Em vez de nos deixarmos intimidar, informamo-los que vamos dar uma volta e regressamos ao modo investigativo.

Como é apanágio do Gana e da África Ocidental, ao longo dos 600 metros do passadiço principal, mas não só, as mulheres ajudam-se mutuamente a embelezar os cabelos, instaladas às portas das pequenas casas, onde a luz do dia as ajuda a manusear os pentes e outros utensílios que dão forma aos penteados da moda. Algumas das “clientes” amamentam os filhos recém-nascidos em simultâneo. Assim mantêm sossegada parte da criançada a seu cargo e permitem que as cabeleireiras de serviço lhes tratem das fartas cabeleiras. Uma, em particular, transforma o cabelo caju de uma vizinha em trancinhas. E fá-lo com uma bebé adormecida enfiada numa canga amarela às costas.

Numa ruela mais próxima da beira-lago, um casal trata de lavar roupa em alguidares cheios de sabão. E de a estender. Parte das vestes num longo estendal garrido de que se destaca uma colcha com os padrões garridos deste confins ainda tão tribais de África. Outra parte, simplesmente esticada sobre o soalho estriado da povoação.

Passamos por uma jovem mulher que instalara uma venda de laranjas de casca verde. Com os corpos uma vez mais desidratados pelo calor tropical e pelo sal e picante do inevitável fufu – a papa de mandioca que os ganenses acompanham de peixe, carne e muito piriri – encaramos a sua banca com alívio. Compramos-lhes alguns dos citrinos. Ela, serve-nos alguns na hora, pouco incomodada com o enredo fotográfico em que, sem esperar, se vê metida. As laranjas revelam-se bem mais suculentas do que poderíamos supor. E o sumo estimula-nos tanto como o sorriso rasgado com que a vendedora reage à nossa satisfação.

Em certas casas e pequenos negócios, ao invés, pouco ou nada há que fazer. Mulheres descansam ou preguiçam espojadas no chão com as crianças indolentes ao alcance. Outras, conversam sentadas na extremidade de passadiços, com os pés pendurados sobre o lago.

Uma ínfima porção dos lares está dotada de antenas parabólicas o que não garante necessariamente a companhia da televisão. Fazer chegar a electricidade a estas paragens molhadas e marginais não consta na lista de afazeres das autoridades ganesas. Uma vez que o gerador da aldeia – ou outro qualquer privado – funciona a gasolina e o combustível tem um preço proibitivo, ver televisão, numa TV particular, é um luxo raro. Como o é a frescura frigorífica da cerveja no bar local, felizmente menosprezada face ao vinho de palma local (diz-se que um dos melhores do Gana) e ao akpeteshi, uma espécie de gin que os nativos há muito aprimoram.

A alimentação e subsistência de Nzulezu dependem sobretudo da pesca e dos vegetais e tubérculos plantados em pequenos hortos em redor. Desde a hora em que atracámos, vários dos homens pescavam no lago em canoas tradicionais cavadas de troncos únicos.

A configuração da aldeia, como a pesca, depende da estação do ano. Estávamos ainda na época das chuvas e a água envolvia na totalidade o castro de palafitas, sustentava grandes colónias de plantas anfíbias que salpicavam de um verde intenso o caudal de outra forma escuro. De Novembro a Março, todavia, as chuvas rareiam. A sequia anual faz o caudal diminuir. Expõe a floresta de estacas da aldeia e concede uso temporário de terrenos que, por aquela altura, não conseguíamos sequer conceber. “Estão a ver aquela secção ali cheia de nenúfares ao lado da escola?” certifica-se Blay Erzoah. “Acreditem ou não, ali é o campo de futebol. Os miúdos da escola jogam lá todos os dias. Agora, só se fosse polo aquático.” É outra das razões porque os vemos um pouco por todo o lado, entregues às aventuras mais aventureiras que se lembram de inventar.

Em plena monção, Blay Erzoah constata que as nuvens escuras desciam e prometiam o habitual dilúvio de fim da tarde. De acordo, precipitamos o reembarque e a navegação canal abaixo,  de volta a Beyin e às imediações do grande Atlântico.

Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.

Acra, Gana

A Cidade que Nasceu no Berço da Costa do Ouro

Do desembarque dos navegadores portugueses à independência em 1957, sucederam-se as potências que dominaram a região do Golfo da Guiné. Após o século XIX, Acra, a actual capital do Gana, instalou-se em redor de três fortes coloniais erguidos pela Grã-Bretanha, Holanda e Dinamarca. Nesse tempo, cresceu de mero subúrbio até uma das megalópoles mais pujantes de África.

Elmina, Gana 

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.

Ilhabela, Brasil

A Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das 10 melhores praias do Brasil.

Navala, Fiji

O urbanismo tribal de fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.

Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
Gentlemen Club & Steakhouse
Cidades

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Comodidade até na Natureza
Comida

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Tatooine na Terra
Cultura

Sudeste da Tunísia

A Base Terráquea da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.

 

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Casal Gótico
Em Viagem

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Silhuetas Islâmicas
Étnico

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Manobras a cores
História

Seul, Coreia do Sul

Um Vislumbre da Coreia Medieval

O Palácio de Gyeongbokgung resiste protegido por guardiães em trajes sedosos. Em conjunto, formam um símbolo da identidade sul-coreana. Sem o esperarmos, acabamos por nos ver na era imperial destas paragens asiáticas. 

Torres Kanak
Ilhas

Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Pose mais à mão
Natureza

Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Lagoas fumarentas
Parques Naturais

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Um cenário imponente
Património Mundial Unesco

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Acima de tudo e de todos
Personagens

Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.

Caribe profundo
Praia

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Um matrimónio espacial
Religião

Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua. 

A todo o vapor
Sobre carris

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul

Torre Fushimi Yagura
Sociedade

Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilômetros de Nampula, fruta tropical é coisa que não falta.
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.