Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana


Frescura da manhã

Moradora no extremo de uma das ruelas de madeira de Nzulezu, após um banho revigorante.

A caminho de Nzulezu

Embarcação aproxima-se do trecho com vegetação mais densa do canal de vai de Beyin até ao Lago Amansuri e a Nzulezu.

Duo curiosidade

Duas crianças inspeccionam os forasteiros, nas imediações da escola da aldeia.

Miss Jeito

Moradoras numa das várias sessões solidárias de cabeleireiro que pudemos apreciar na povoação.

Lares anfíbios

Vegetação anfíbia envolve o casario palafítico de Nzulezu, em plena época das chuvas do Gana.

Passadiço-Passerelle

Mãe e filho percorrem o passiço principal de Nzulezu, entre outras habitantes.

Brincadeiras lacustres

Menina brinca sozinha dentro de um barco ancorado no lago.

Castigo matinal

Jovens moradores tratam da higiene das vestes, de modo bem tradicional.

Expedição juvenil

Duas crianças divertem-se a manobrar um barco tradicional, numa atmosfera bem cinzenta e pesada própria da época das chuvas.

Castigo matinal II

Outra perspectiva do mesmo jovem entregue à lavagem da roupa do lar, já com um grande tecido africano a secar ao ar livre.

Um "gang" escolar

Alunos da escola local durante um intervalo nas aulas.

Citrus Ganeses

Vendedora de laranjas em plena venda.

A caminho de Nzulezu II

Moradores prestes a chegarem a casa, vindos de Beyin e a passarem num trecho do lago envolto de palmeiras-rafia.

Conversa a duas

Alunas da escola de Nzulezu confraternizam de caderno aberto.

Tempo para tudo

Mãe e filha no interior da sua casa lacustre.

A caminho de Nzulezu (versão escola)

Jovem remador prestes a chegar à escola, já de uniforme castanho e amarelo.

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.

Temos a praia pela frente. Só que o litoral de areia amarelada, farta, que se estendia por várias dezenas de metros do coqueiral denso até onde as vagas se aventuravam e que nos havia ali atraído estava reduzido a uma pobre amostra, entrecortada por faixas divisórias de pedras negras. Busua não era mais o que já fora. Sem razões para lá nos alongarmos, prosseguimos até à povoação piscatória vizinha de Beyin, uma aglomeração sortida de casas dispostas entre a beira-mar e a estrada ribeirinha em que terminaria a secção rodoviária da viagem.

Blay Erzoah Ackah David, o anfitrião e guia, identifica-nos à chegada. Dá-nos umas boas-vindas tímidas à sua terra. Em seguida, prepara-nos para a jornada fluvial que nos esperava. Leva-nos a um canal estreito ali próximo onde subimos a bordo de um barco de madeira. Começamos de imediato a percorrer o canal, primeiro ao longo de uma vastidão de capim ensopado, entretanto, enfiados num palmeiral denso, bem mais sombrio, dotado de uma espécie de dique de bambu, instalado de forma a que os nativos pudessem delimitar a circulação dos peixes. Essa secção lúgubre e apertada pela vegetação dura o que dura. Sem que o esperássemos, a luz regressa. O canal reabre para uma lagoa verde-escura que reflete as folhas pendentes das palmeiras-ráfia e um viveiro compartimentado em diversos corredores de estacas. Quase de imediato, passa para uma vastidão aquática de águas tremelicantes, do mesmo cinzento do céu carregado. Por essa altura, já estávamos em pleno no lago. Pagaiada após pagaiada, internamo-nos no grande paul de Amansuri, um ecossistema de pântano, manguezal, planícies alagadas e litoral arenoso do extremo sudoeste do Gana, com a  Costa do Marfim, a meros 40km.

Durante algum tempo, vemos apenas as margens verdejantes, algumas aves pernaltas e uma ou duas canoas que sulcavam a distância. Assim é, até que, quase cinquenta minutos após o embarque, vislumbramos um trio de habitações de madeira alinhadas contra as palmeiras da margem. Aproximamo-nos. Contornamo-las. Percebemos que essas três ocultavam muitas mais, lacustres, quase todas coloridas, ligadas por passadiços geométricos de tábuas envelhecidas.

“Espero que tenham gostado da viagem! Sejam bem-vindos a Nzulezu.” atira Blay Erzoah ocupado com a atracagem e o desembarque.

Subimos para um passadiço imediato. Percorremo-lo até outro perpendicular. Blay Erzoah toma-o, apontado ao extremo oposto da povoação. Nós, cedemos à curiosidade. Tresmalhamo-nos por outros caminhos e inauguramos uma exploração tão irresistível como, depressa nos inteiramos, tabu. “O chefe da aldeia está à nossa espera!” informa o guia. “Primeiro que tudo, temos que o saudar.”

Blay Erzoah conduz-nos a um edifício comunal simples. No interior, o líder da comunidade saúda-nos com novas boas-vindas. Faz-nos sentar e inaugura uma apresentação aturada de Nzulezu, a aldeia palafítica em que vivia há muito a sua comunidade de quase seiscentas pessoas. Descreve-nos uma crença há muito popularizada naquelas partes do distrito de Jomoro: “ainda acreditamos que os nossos antepassados chegaram há cerca de 500 anos de Walata (parte da actual Mauritânia), uma das primeiras cidades das províncias do Sudão Ocidental, que integrava o antigo império do Gana. Foi fundada por foragidos de uma guerra tribal que assolava esse território e que buscavam um lugar em se que pudessem instalar. Acreditamos que foram guiados por um caracol. O caracol é o totem da nossa comunidade e temos um santuário em sua honra.”

É aqui que a maior parte dos interlocutores estrangeiros do chefe se engasgam de incredulidade perante o imaginário da multidão em fuga a seguir uma das criaturas mais lentas à face da Terra. Nós, não fugimos à regra. Ao contrário de tantos outros que  exasperaram o patriarca, optamos por não questionar a narrativa.

Até há pouco, três igrejas disputavam a fé tradicionalista dos aldeãos: uma católica, uma metodista e uma pentecostal. O edifício desta última foi, todavia, arrastado por umas das últimas cheias. De forma subtil e como é sua função, a Cristandade levada até eles durante e após o período colonial desafia a crença tanto na inusitada divindade de Nzulezu como no estatuto sagrado do Amansuri. De acordo com a tradição, se uma mulher estiver menstruada, não pode cruzar o lago. E, ainda hoje, as gentes da aldeia receiam partir para outras partes, cientes da profecia de que uma excessiva debandada dará origem a uma catástrofe que aniquilará a população remanescente. Ao mesmo tempo os nativos, acreditam que o Amansuri os protege de qualquer má intenção, que quem quer que o tente cruzar com más intenções não sobreviverá à travessia.

A dissertação do chefe arrasta-se, só ligeiramente mais rápida que qualquer gastrópode. Passa por vários outros tópicos. Tem o fim precipitado pelo alarido gerado pelos alunos endiabrados da escola ao lado, que se veem no intervalo das aulas e enchem o labirinto de tábuas e cana-de-bambu de tropelias e do castanho e amarelo-vivo dos seus uniformes.

Como é de esperar nestas situações, ainda mais de crianças e adolescentes ganeses, a sua trupe irrequieta desafia-nos os propósitos fotográficos com traquinices, poses e movimentos guerreiros desajeitados.

Verdade seja dita que os habitantes de Nzulezu em geral não são propriamente afáveis para com os forasteiros. Por norma, quem vem de fora, chega conduzido por guias de Beyin ou de outras paragens e são raros os visitantes que se hospedam na povoação. De acordo, desagrada aos nativos que a aldeia lucre quase só com os ingressos de 20 Cedis (aquém de 4€), bem menos que as pequenas “agências” instaladas na costa.

Agradecemos ao chefe que fica à conversa com Blay Erzoah. Em vez de nos deixarmos intimidar, informamo-los que vamos dar uma volta e regressamos ao modo investigativo.

Como é apanágio do Gana e da África Ocidental, ao longo dos 600 metros do passadiço principal, mas não só, as mulheres ajudam-se mutuamente a embelezar os cabelos, instaladas às portas das pequenas casas, onde a luz do dia as ajuda a manusear os pentes e outros utensílios que dão forma aos penteados da moda. Algumas das “clientes” amamentam os filhos recém-nascidos em simultâneo. Assim mantêm sossegada parte da criançada a seu cargo e permitem que as cabeleireiras de serviço lhes tratem das fartas cabeleiras. Uma, em particular, transforma o cabelo caju de uma vizinha em trancinhas. E fá-lo com uma bebé adormecida enfiada numa canga amarela às costas.

Numa ruela mais próxima da beira-lago, um casal trata de lavar roupa em alguidares cheios de sabão. E de a estender. Parte das vestes num longo estendal garrido de que se destaca uma colcha com os padrões garridos deste confins ainda tão tribais de África. Outra parte, simplesmente esticada sobre o soalho estriado da povoação.

Passamos por uma jovem mulher que instalara uma venda de laranjas de casca verde. Com os corpos uma vez mais desidratados pelo calor tropical e pelo sal e picante do inevitável fufu – a papa de mandioca que os ganenses acompanham de peixe, carne e muito piriri – encaramos a sua banca com alívio. Compramos-lhes alguns dos citrinos. Ela, serve-nos alguns na hora, pouco incomodada com o enredo fotográfico em que, sem esperar, se vê metida. As laranjas revelam-se bem mais suculentas do que poderíamos supor. E o sumo estimula-nos tanto como o sorriso rasgado com que a vendedora reage à nossa satisfação.

Em certas casas e pequenos negócios, ao invés, pouco ou nada há que fazer. Mulheres descansam ou preguiçam espojadas no chão com as crianças indolentes ao alcance. Outras, conversam sentadas na extremidade de passadiços, com os pés pendurados sobre o lago.

Uma ínfima porção dos lares está dotada de antenas parabólicas o que não garante necessariamente a companhia da televisão. Fazer chegar a electricidade a estas paragens molhadas e marginais não consta na lista de afazeres das autoridades ganesas. Uma vez que o gerador da aldeia – ou outro qualquer privado – funciona a gasolina e o combustível tem um preço proibitivo, ver televisão, numa TV particular, é um luxo raro. Como o é a frescura frigorífica da cerveja no bar local, felizmente menosprezada face ao vinho de palma local (diz-se que um dos melhores do Gana) e ao akpeteshi, uma espécie de gin que os nativos há muito aprimoram.

A alimentação e subsistência de Nzulezu dependem sobretudo da pesca e dos vegetais e tubérculos plantados em pequenos hortos em redor. Desde a hora em que atracámos, vários dos homens pescavam no lago em canoas tradicionais cavadas de troncos únicos.

A configuração da aldeia, como a pesca, depende da estação do ano. Estávamos ainda na época das chuvas e a água envolvia na totalidade o castro de palafitas, sustentava grandes colónias de plantas anfíbias que salpicavam de um verde intenso o caudal de outra forma escuro. De Novembro a Março, todavia, as chuvas rareiam. A sequia anual faz o caudal diminuir. Expõe a floresta de estacas da aldeia e concede uso temporário de terrenos que, por aquela altura, não conseguíamos sequer conceber. “Estão a ver aquela secção ali cheia de nenúfares ao lado da escola?” certifica-se Blay Erzoah. “Acreditem ou não, ali é o campo de futebol. Os miúdos da escola jogam lá todos os dias. Agora, só se fosse polo aquático.” É outra das razões porque os vemos um pouco por todo o lado, entregues às aventuras mais aventureiras que se lembram de inventar.

Em plena monção, Blay Erzoah constata que as nuvens escuras desciam e prometiam o habitual dilúvio de fim da tarde. De acordo, precipitamos o reembarque e a navegação canal abaixo,  de volta a Beyin e às imediações do grande Atlântico.

Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.

Acra, Gana

A Cidade que Nasceu no Berço da Costa do Ouro

Do desembarque dos navegadores portugueses à independência em 1957, sucederam-se as potências que dominaram a região do Golfo da Guiné. Após o século XIX, Acra, a actual capital do Gana, instalou-se em redor de três fortes coloniais erguidos pela Grã-Bretanha, Holanda e Dinamarca. Nesse tempo, cresceu de mero subúrbio até uma das megalópoles mais pujantes de África.

Elmina, Gana 

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.

Ilhabela, Brasil

A Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das 10 melhores praias do Brasil.

Navala, Fiji

O urbanismo tribal de fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.

Sem corrimão
Arquitectura & Design

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Aterragem sobre o gelo
Aventura

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.

Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
Minhocas
Cidades

Tbilissi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Smoke sauna
Cultura

Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. Mas o imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Mini-dinossauro
Em Viagem
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Entusiasmo Vermelho
Étnico

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
T4 à moda do Namibe
História

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.

Litoral Gentil
Ilhas

Ilhabela, Brasil

Depois do Horror, a Beleza

90% de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ihabela.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Colosso Ferroviário
Natureza

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Filhos da Mãe-Arménia
Património Mundial Unesco

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Espantoso
Praia

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Resistência
Religião

Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus radicais pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Trólei Azul
Sociedade

Oslo, Noruega

Uma Capital Sobrecapitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilômetros de Nampula, fruta tropical é coisa que não falta.
Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.