Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro


1º Apuro Matrimonial

Noiva entra com enorme dificuldade no carro que a transportará e ao noivo para fora do templo Meiji.

Preciosa luz

Fotografo mede a luz na face de uma noiva.

Noivos e costureira

Costureira dá os derradeiros arranjos no vestido da noiva.

Foto de grupo

Noivos, família e convidados numa foto pomposa de grupo.

Noiva entre braços

Costureiras ajustam o quimono da noiva.

Cortejo Religioso

Procissão xintoísta durante um de vários casamentos tradicionais do dia.

Ostentação

Convidadas seguram malas e bolsas da moda.

Quimono & Everio

Convidada de quimono filma parte dum casamento com uma câmara de vídeo japonesa.

Pluritratamento

Noiva recebe os últimos retoques para a sessão fotográfica.

Na Sombra de Shinto

Noivos são conduzidos ao longo de um átrio vasto do Templo Meiji sob uma sombrinha shintoista.

Noiva em apuros

Noiva é metida na limousine com grande dificuldade.

Procissão xintoista

Sacerdotes xintoistas lideram a cerimónia religiosa.

Disparo

Fotógrafos disparam uma máquina e um flash em sincronia.

Com os Parentes Próximos

Noivos e família posam para a fotografia, vestidos com máxima elegância.

Últimos Retoques

Costureira retoca o vestido de casamento de uma das noivas do dia.

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

O parque Yoyogi surge como uma verdadeira floresta no centro da vastidão só aparentemente caótica de betão pré-fabricado e néon em que se tornou Tóquio. São mais de 700.000m2 preenchidos com 120.000 árvores de 365 espécies distintas doadas por japoneses de todas as partes aquando da construção do Menji Jingu, de 1915 a 1926.

O imperador homónimo tinha completado a mais produtiva reforma político-cultural de que havia registo, incluindo a passagem da corte de Quioto para Edo (a Tóquio de então). Após a morte do líder, o parlamento japonês (Dieta) aprovou a celebração da sua vida e obra, na forma de um santuário de cipreste e cobre no coração do jardim em que o Imperador e a Imperatriz Shöken costumavam passear.

Por essa altura, as vistas e as companhias pouco tinham que ver com as de hoje. Quem interrompe a viagem circular na linha Yamanote e sai pela primeira vez na estação de Harajuku, surpreende-se com o óbvio predomínio juvenil explicado pela confluência próxima dos bairros mais sofisticados e requintados da capital, Shibuya, Omotesando e o próprio Harajuku. Também percebe que os adeptos do cosplay bem como outros adolescentes à margem da sociedade rígida da capital, têm, naquele lugar, uma espécie de ponto de encontro privilegiado.

Logo ao lado, mas ao abrigo da vegetação, há um tori gigantesco. Deste portal xintoísta para diante, tem início uma avenida ampla de gravilha que liga a Tóquio maquinal da actualidade à urbe clássica que a precedeu até à grande destruição ditada pelo encerrar da 2a Guerra Mundial. Percorremo-la lado a lado com um destes clãs alternativos que destoam dos restantes transeuntes devido aos visuais excêntricos.

Chegamos ao que parecem as traseiras de uma ala do templo Meiji. Ali, ainda sobre gravilha, encontramos uma espécie de flanco fotográfico de um casamento tradicional.

Três costureiras acertam diferentes abas do vestido branco da noiva.  Em seguida, calçam-lhe os sapatos diminutos de estilo secular. Composta a secção baixa do traje, dedicam-se, então, ao toucado wataboshi que protege o topete da peruca que uma outra profissional retoca com mestria. Por vezes é usado o tsunokakushi, um modelo desenhado para esconder o topete e conter os sinais de egoísmo e egocentrismo da noiva. Simboliza, assim, a sua resolução em tornar-se numa esposa gentil e obediente. 

As fotografias dos noivos e dos seus familiares podem ser feitas antes ou depois da cerimónia. Em qualquer dos casos, são vistas como uma expressão do futuro do casal e a sessão que as produz é considerada a etapa central do casamento. De acordo, o convencional fotógrafo de casamentos a que estamos habituados, não faz, ali sentido. 

O processo dura muito mais que o cerimonial xintoísta que se segue.  É levado a cabo em série o que significa que os mesmos trabalhadores tratam de noivos atrás de noivos.

A equipa responsável pelas imagens é composta de vários elementos trajados com tanta ou mais elegância que os convidados. Tem ao seu dispor um equipamento – em grande parte de médio-formato – milionário que opera de forma quase científica.

Um dos responsáveis usa um fotómetro e a própria mão recém-liberta dos punhos brancos imaculados para obter a medição criteriosa da luz na face da noiva. Logo após, esta é sentada e recomposta numa cadeira ao lado do noivo. Então, membros do pequeno batalhão engravatado, seguram num reflector, levantam um flash que dispara por simpatia, ao mesmo tempo que a dispendiosíssima câmara principal. Dezenas de familiares e convidados aproveitam o esforço por detrás dos profissionais, com as suas pequenas câmaras e telefones. Como se não bastasse, há ainda um colega fotógrafo independente que se move e capta imagens à margem do enquadramento trabalhado até à exaustão, se necessário com recurso a pá e vassoura, para remover da recordação toda e qualquer mácula.

Tal como acontece entre os costureiros e maquilhadoras, o  perfeccionismo é imperioso. Que Deus proteja aqueles servidores do templo – as equipas são residentes – da desonra de falharem na tarefa de projectarem a vida de qualquer casal compatriota ou de desiludirem as famílias que investiram mundos e fundos na excelência da cerimónia.

No Japão, um casamento para 50 a 100 convidados pode custar de 20 a 80 mil euros, dos quais, no caso de incluírem cerimónia xintoísta, uma verba entre os 700 e os 1000 euros vão para o santuário anfitrião.

Em 2011, a média despendida por casamento foi de quase 26.500 euros (à cotação actual do iene), 411 por convidado. Por sua vez, o retorno médio total obtido dos convidados cifrou-se em 17.300 euros. É esperado apenas dinheiro e, alguns noivos determinam, inclusive, uma quantia fixa que ajude a cobrir os custos sempre elevados.

O aluguer do fato do noivo fica-se pelos 500 euros. Já o dos 5 quimonos e vestidos usados pela noiva pode facilmente ultrapassar os 8 mil euros.  

Assim que termina a sessão com os protagonistas, têm lugar as fotografias de grupo. Primeiro, com os familiares directos em redor dos noivos, estes ainda e sempre sobre um tapete cinzento espesso e redondo. Depois, dispostos em destaque, mas na companhia dos convidados mais íntimos, em cadeiras organizadas por vários níveis e de forma quase piramidal. Apesar de restrita, a comitiva é numerosa. Um assistente do fotografo usa uma miniatura de pandeireta para conseguir a atenção de todos. 

Só este grupo assiste à cerimónia religiosa. Por norma, dezenas de outros convidados comparecem apenas na festa que se segue.

Já no templo, os convidados dos noivos começam por ser conduzidos a salas distintas e instruídos sobre a sua participação. Depois aguardam a entrada do cortejo que um sacerdote xintoísta conduz através do pátio exterior, seguido por duas mikos (jovens religiosas) e pelos noivos que um outro auxiliar protege dos elementos com um chapéu de sol vermelho.

Após a entrada desta procissão, todos os presentes se inclinam de forma reverente face ao altar. O padre entoa um pequeno discurso e brande um haraigushi (um ramo de uma árvore sagrada com tiras de tecido ou papel atadas). Por fim, canta uma evocação a diversos deuses e declara os noivos casados.

Chega a fase espirituosa da cerimónia. Uma das mikos traz saqué aos nubentes e serve-o em pequenos copos. O noivo bebe primeiro em três golos, a noiva faz o mesmo. A bebida é ainda servida aos pais de ambos e partilhada entre todos. A última das consagrações surge sob o grito partilhado de Omedeto gozimasu (parabéns).

Então, o noivo lê os votos maritais, a miko lê a data do casamento e o nome dos noivos. Já como marido e mulher, estes levam a cabo uma oferta de tamagushi (pequenos ramos da tal árvore sagrada) aos espíritos da Natureza. Todos os presentes se curvam duas vezes, batem as palmas e voltam a curvar-se.

Cada vez mais casais trocam anéis. Até há algum tempo, só uma pequena percentagem de nipónicos o fazia. Até que, na década de 60, a poderosa diamantífera De Beers lançou uma ofensiva de marketing no país e seduziu as mulheres nipónicas com imagens televisivas e de imprensa que promoviam os diamantes como símbolo da sexualidade e da ostentação Ocidental.

A cerimónia a que assistimos termina e o mesmo cortejo que entrou no templo, faz o caminho inverso. Reparamos que todas as mulheres seguram as suas pequenas malinhas e bolsas condizentes com as vestes, invariavelmente, das mais conceituadas marcas ocidentais.

O cortejo encerra-se na extremidade do templo e o parque de estacionamento não está longe. Os convidados acedem aos seus carros, o noivo, para a limusine que aguarda os recém-casados. Mas a noiva não se consegue mexer debaixo de tanto tecido, muito menos assumir uma posição que não seja a vertical, ou entrar num carro.

O esposo, a partir de dentro, e uma familiar, do exterior, ajudam a sentá-la no seu lugar, um exercício que obriga inclusive à abertura do tejadilho. Conseguido o aflitivo encaixe, o motorista transporta o casal para a festa a ter lugar numa qualquer sala de hotel da cidade.

Na ala fotográfica do santuário, as equipas assignadas tratam de mais um casal. Um outro é conduzido à entrada do templo por novo séquito xintoísta.

Estamos num dia favorável do calendário nipónico supersticioso rokuyo. Os casórios do santuário Meiji parecem não ter fim.

Quioto, Japão

Um Japão Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.

Old Jaffa, Israel

Onde Assenta a Cidade que Nunca Pára

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.

Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.

Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.

Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Aurora fria II
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Tribal
Cerimónias e Festividades

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Madeira Excêntrica
Cidades

Sitka, Alasca

Memórias de Uma América que Já foi Russa

134 anos após o início da colonização, o czar Alexandre II teve que vender parte do actual 49º estado dos EUA. Em Sitka, encontramos heranças desses colonos e dos nativos que os combateram.

Ilha menor
Comida

Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.

Budas
Cultura

Nara, Japão

Budismo Hiperbólico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.

Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Viajar é conhecer
Em Viagem
Volta ao Mundo - Parte 1

Viajar Traz Sabedoria. Saiba como dar a Volta ao Mundo.

A Terra gira sobre si própria todos os dias. Nesta série de artigos, encontra esclarecimentos e conselhos indispensáveis a quem faz questão de a circundar pelo menos uma vez na vida.
Pequeno navegador
Étnico

Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2a Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Horseshoe Bend
História

Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.

Doca gelada
Ilhas

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Frígida pequenez
Inverno Branco

Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor” mas Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Fajazinha (Ocaso)
Natureza
Flores, Açores

Os Confins Inverosímeis de Portugal (e da Europa)

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Contemplação
Parques Naturais

El Chalten, Argentina

Um Apelo de Granito

Duas montanhas de pedra geraram uma disputa fronteiriça entre a Argentina e o Chile.Mas estes países não são os únicos pretendentes.Há muito que os cerros Fitz Roy e Torre atraem alpinistas obstinados

Rumo ao vale
Património Mundial Unesco

Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.

Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Promessa?
Praia
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
No sopé do grande Aratat
Religião

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Travessia ao ocaso
Sociedade

Lago Taungthaman, Myanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein carece de cuidados especiais.

O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Hipo-comunidade
Vida Selvagem

PN Chobe, Botswana

Um Rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.

Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.