São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau


Muito que escolher

Trabalhadores seleccionam nozes de cacau na roça de Água Izé, no sul de São Tomé.

Roça na selva

Edifícios de uma das muitas roças "perdidas" na floresta tropical da ilha do Príncipe.

Um fruto versátil

Um exemplar já maduro de fruto de cacau, ainda bem longe do chocolate a que as suas nozes dão, mais tarde, origem.

Abrigos do tempo

As sanzalas da roça de Água Izé, uma das mais antigas e maiores de São Tomé, também ainda hoje uma das mais habitadas.

Claudio "Chocolate" Corallo

Claudio Corallo durante uma das suas apresentações do melhor cacau e chocolate de São Tomé e Príncipe.

Silhuetas da Roça

Trabalhadoras escolhem cacau na roça Agostinho Neto, no norte de São Tomé.

Cacau sortido

Profusão multicolor de frutos de cacau, na roça São João dos Angolares.

Product of São Tomé

Trabalhador transporta uma saca de cacau produzido e embalado na roça Água Izé, no sul de São Tomé.

Tropicalidade

Vista da roça do Terreiro Velho, com o Ilhéu do Boné do Joquéi, como a forma mais distante.

Puro Cacau

Uma mão cheia de cacau, há muito a maior exportaçao de São Tomé & Príncipe.

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

O senhor Armandinho conduz a pick up de serviço do patrão, o Secretário de Estado da Economia Silvino Palmer, pela estrada vermelha e sinuosa que sulca a selva luxuriante de Príncipe entre Santo António – a única cidade da ilha – e as profundezas do

mato para sul. Passada a roça de Porto Real e a aldeola também decadente de São Joaquim, apontamos para Terreiro Velho. A propriedade desperta antigas memórias na mente de Armando. Para nossa fortuna, o antigo avançado da selecção nacional santomense não se furta a partilhá-lhas. “Ora, então agora estamos a caminho do Terreiro Velho. Tem uma vista fabulosa, vão ver. Era de um senhor português chamado Jerónimo Carneiro. Sabem como é que a ganhou? À batota!” “À batota? Mas que tipo de batota?” perguntamos-lhe, intrigados pela simplicidade da descrição. ”Armandinho mostra-se surpreendido pela nossa ignorância: “Oh, que batota acham que foi ? Às cartas, claro! Não me peçam pormenores que eu não estava lá mas quase toda a gente da minha geração sabe disso.”

Mais tarde, à conversa com Silvino Palmer, no seu gabinete, este mostrou-se inclinado para que não tenha sido bem assim. E, no entanto, Armandinho tinha todas as razões para conhecer a estória, fosse ela ou não real. Armandinho habitava desde sempre na roça Sundy, também ela, em tempos, propriedade da família Jerónimo Carneiro. Os seus pais tinham chegado ao Príncipe numa das levas de emigração de Cabo Verde, vindos da ilha da Praia. “Quando? Isso já é mais difícil de dizer. Ora eu nasci em 1953.” Informa-nos, sem hesitação. “Tenho ideia que foi logo a seguir à guerra.”

A estrada conquista uma colina, abre para a clareira elevada e revela um portão. “Já cá estamos, diz-nos do lugar do pendura, Francisco Ambrósio, antigo estudante de Castelo Branco e aspirante a vedeta do futebol europeu a quem os planos saíram furados, agora professor de várias escolas do Príncipe. Um outro jovem encarregue de guardar roça abre-nos passagem e dá-nos permissão para a explorarmos.

Deixamos o questionário sobre Jerónimo Carneiro e a viatura e saímos à descoberta, guiados por Armando, Francisco e por Eduardo, amigo do segundo, que fizera todo o caminho, ao ar livre, sobre a caixa da pick up.

Reparamos nos carris miniatura do caminho de ferro antes usado para conduzir os carregamentos de cacau das plantações até aos secadores e admiramos o edifício principal da roça. “Olhem aqui!” sugere-nos Armando que conversa com o capataz da propriedade no limiar do terreno elevado. Avançamos até debaixo das grandes árvores que lhes concediam sobra. Dali, na sua companhia, desvendamos uma enseada em forma de coração, preenchida por um Golfo da Guiné cor de turquesa que se embala suavemente contra a tropicalidade da ilha. O mato, em particular, é tão denso e invasivo que se apoderara até de dois cabeços rochosos mais próximos e do ilhéu do Boné de Joquéi, longínquo.

Enquanto apreciávamos o cenário, Francisco e Eduardo tinham descido à plantação que se estendia encosta abaixo. Passado algum tempo, reapareceram e ofereceram-nos frutos de cacau já partidos ao meio, maduros e suculentos. Meio desidratados pelo calor do meio da manhã, devorámo-los em três tempos. Tivemos, assim, o primeiro gosto da matéria-prima mais rentável e notória de São Tomé e Príncipe: dois maravilhosos cacaus, belos e amarelos.

Percebemos, entretanto, que, apesar do tamanho diminuto do Príncipe, com excepção para o capataz – que tinha no Terreiro Velho a sua segunda casa – fazia muito que os nossos cicerones ali não iam. Foi com um interesse partilhado mas muito pouca informação da sua parte que descemos a escadaria para a zona da escolha, da secagem e torrefacção, sob telheiros de chapa. Era Dia da Criança, uma espécie de feriado em Príncipe. Também se tratava ainda da primeira roça que visitávamos no arquipélago. Não nos inquietou por aí além a ausência de trabalhadores. Pelo contrário, o aroma achocolatado que irradiava dos depósitos ainda mornos saciou-nos os sentidos. Ao mesmo tempo, a certeza de que viríamos a ter inúmeras outras incursões cacaueiras sossegou-nos a curiosidade e o espírito criativo.

Uns dias depois, voamos para São Tomé. Como é suposto, na capital, visitamos a casa e fábrica de Claudio Corallo. O chocolateiro do momento recebeu-nos disposto a partilhar muita da sua sabedoria sobre o cacau e a arte de o transformar.

Apercebemo-nos então que, sem o sabermos, tínhamos feito o percurso ideal. Décadas após a vigência de Jerónimo Carneiro, o Terreiro Velho era agora pertença daquele expatriado italiano. E um domínio sagrado do cacau.

Como Cláudio explica aos seus sucessivos visitantes, até 1800, a produção cacaueira era exclusiva da América do Sul.  Após o virar do século, D. João VI apercebeu-se que Portugal ficaria sem o Brasil e garantiu que o cacau da Bahia – uma das maiores fontes de rendimento da Coroa – fosse transposto para São Tomé e Príncipe, a sua colónia mais tranquila e com clima mais compatível.

Em 1900, o arquipélago era o maior produtor de cacau do mundo. Contudo, em tempos mais recentes, os cacaueiros originais foram substituídos por outros, híbridos, mais produtivos mas, como concluiu Claudio Corallo, de qualidade inferior. Só a pequena e isolada ilha do Principe ficou a salvo.

Depois de ter vivido e produzido café no Zaire, Claudio Corallo viu-se forçado a deixar o cada vez mais instável Zaire de Mobutu Sese Seko. Em São Tomé e Príncipe, embarcou numa nova demanda pelo cacau e pelo chocolate perfeito. Na segunda das ilhas, Claudio começou por encontrar o Terreiro Velho e cacaueiros ideais para combater o maior problema de há muito do cacau e do chocolate: a amargura.

Durante a prova em que participamos na sua pequena fábrica à beira da avenida marginal de São Tomé, os primeiros momentos são dedicados a exemplificar como o cacau bem cultivado e processado – e, de acordo, o chocolate derivado – não são amargos, ao contrário do que se popularizou. A amargura é sempre produto de defeitos. Em seguida, Claudio dá-nos a provar e aos restantes participantes, nozes de cacau e chocolate com diferentes percentagens de cacau e de açúcar combinados com distintas espécies de café, passas, gengibre e outros. Fá-lo de forma tutorial para que as nossas vistas, gostos e olfactos perdessem o mínimo de informação. “Agora mordam tudo de uma vez só!” instrui-nos preocupado com que sentíssemos o sabor explosivo mas pouco durador de um determinado café arábica. Entre os vários sabores e aromas do cacau, do café e do chocolate, a experiência confirmou-se deliciosa. Sensibilizou-nos para como o verdadeiro chocolate é tudo menos aquilo que as marcas multinacionais colocam nas prateleiras das lojas e hipermercados e para o papel fulcral de São Tomé e Príncipe – a segunda nação mais diminuta de África a seguir às Seychelles – no mercado mundial do cacau.

Com esta matéria-prima a dar lucro crescente a partir do início do século XIX, mais proprietários e empresas portuguesas apostaram em novas roças cacaueiras em ambas as ilhas, invariavelmente com mão-de-obra assegurada por trabalhadores trazidos de Angola, mais tarde de Cabo Verde como cantou Cesária Évora em “Saudade” e até de Macau.

A produção de cacau do pequeno arquipélago revelou-se tal que frustrou as pretensões britânicas de liderar esse comércio e fez aumentar a pressão de Londres sobre aquilo que apelidava de trabalho escravo, ilegal por obedecer a contratos fictícios e não prever o direito de interrupção ou de regresso ao lugar de origem, apesar de, após a abolição da escravatura de 1876, ter passado a contemplar um pagamento.

Assim retratou Miguel Sousa Tavares o tema no seu famosíssimo best seller de 2003, “Equador”, protagonizado pelo pinga-amor Luís Bernardo Valença. No romance, Luís Bernardo é nomeado governador de São Tomé e Príncipe pelo rei D. Carlos. Após um curto período de adaptação ao desterro equatorial, mais que sentir compaixão pelos trabalhadores injustiçados das roças, o governador perde-se de paixão pela mulher do cônsul que a Grã-Bretanha despachara da Índia com a missão de se inteirar do incumprimento dos colonos portugueses. Em simultâneo, ganha a desconfiança e a inimizade da comunidade de proprietários e administradores.

Após o virar do século XX, a produção de cacau diminui em São Tomé e Príncipe, vítima de algum esgotamento dos solos mas acima de tudo da falta de escala do arquipélago, da concorrência internacional e, a partir da independência de Portugal, da inabilidade dos governos santomenses de aproveitarem as infraestruturas – muitas delas exemplares – construídas pelos maiores proprietários, para prosseguirem com uma produção que até vinha a recuperar de 1945 a 1975.

As roças ficaram ao abandono, com os seus antigos trabalhadores a habitarem as sanzalas sem condições de assegurarem, por si só, a manutenção das mansões dos proprietários, dos edifícios de laboração ou dos hospitais com que algumas roças contavam.

O cacau de São Tomé e Príncipe diminuiu. Não desapareceu. Os tempos passaram mas, algumas comunidades vivem hoje nas roças com condições apenas um pouco melhores que aquelas em que os seus antepassados mais longínquos envelheceram. O espectro do desemprego é de tal forma preocupante na pequena nação que o facto de uma roça continuar a produzir e a exportar cacau é tido como uma dádiva, e isto, por mais fastidioso e mal remunerado que seja o trabalho. Foi isso que constatámos quando, a caminho do sul de São Tomé, passámos na de Água Izé, uma das mais antigas, maiores e mais habitadas do arquipélago. Ali, num dos vários armazéns próximos da entrada, damos com uma equipa de escolha em plena laboração. Sobretudo mulheres santomenses descendentes de cabo-verdianos ou angolanos, de peles brilhantes e sorrisos difíceis mas gentis a removerem as nozes defeituosas das grandes gamelas, enquanto dois ou três jovens alinham grandes sacas já cheias, identificadas com “Cacau Fino. Água Izé. Product of São Tomé & Principe”.

Uma catrefada de cachopos aparece do nada e inaugura o seu inevitável peditório de “doxi, doxi”, “lapiseirra, lápiseirra” com cada erre a parecerem quatro como dita o curioso sotaque santomense. Poderá ter sido ou não a pedinchice das crianças a inspirar os mais velhos mas, quando os miúdos finalmente se acalmam, uma das trabalhadoras inaugura um canto crioulo, em tom agudo. Em três tempos, as restantes mulheres acompanham-na num hino partilhado que nos soou a lamento, como se tivéssemos recuado nos séculos à era local da escravatura ou do que se lhe seguiu.

No tempo em que ficámos por São Tomé, investigámos a realidade de várias outras roças. Nas de Porto Alegre, Bombaím, Monte Café, Agostinho Neto, fossem em quais fossem, a decadência dos edifícios repetia-se como uma inevitabilidade do destino. Em quase todas, o cacau continuava a alimentar uma já secular história de prosperidade e sobrevivência.

Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.

Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.

Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.

Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Mendoza, Argentina

A Eno-Província Argentina

Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, Mendoza está no centro da maior região vinícola da América Latina.

Lenha à Pressa
Arquitectura & Design

Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.

Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Via Crucis
Cerimónias e Festividades

Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.

Glamour vs Fé
Cidades

Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.

Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Indígena Coroado
Cultura

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Épico Western
Em Viagem

Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos E.U.A. Hoje, na Navajo Nation, os navajos também vivem na pele dos velhos inimigos.

Torres Kanak
Étnico

Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Cidade dourada
História

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Baie d'Oro
Ilhas

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Enseada escondida
Natureza

Busuanga, Filipinas

Uma Armada Pouco Secreta

Na 2a Guerra Mundial, uma frota nipónica falhou em ocultar-se ao largo de Busuanga e foi afundada pelos aviões norte-americanos. Hoje, os seus destroços subaquáticos atraem milhares de mergulhadores.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Fuga de Seljalandsfoss
Parques Naturais

Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d’água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.

Sombra Missioneira
Património Mundial Unesco

Misiones, Argentina

Missões Impossíveis

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Pura Vida em risco
Praia

Montezuma, Costa Rica

Um Recanto Abnegado da Costa Rica

A partir dos anos 80, Montezuma acolheu uma comunidade cosmopolita de artistas, ecologistas, pós-hippies, de adeptos da natureza e do famoso deleite costariquenho. Os nativos chamam-lhe Montefuma.

As forças ocupantes
Religião

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Sociedade
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Campo de géiseres
Vida Selvagem

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.