Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells


Mural Espacial

Mural com motivos extraterrestres pintado na estação de serviço de Wycliffe Wells.

ET's

Criaturas extraterrestres representadas à entrada da povoação.

Trópico Capricórnio

Marco do trópico de Capricórnio à beira da longa Stuart Highway, em pleno Território do Norte australiano.

Devil's Marbles

O equilíbrio improvável dos Devil's Marbles, que alguns crentes na faceta exotérica de Wycliffe Wells acreditam serem obra extraterrestre.

Aborígene

Mulher aborígene nas redondezas de Wycliffe Wells.

Contacto

Viajante nipónica fotografa as figuras extraterrestres de Wycliffe Wells.

Estrada para lado nenhum

Estrada secundária que ramifica da Stuart Highway tingida de vermelho pela poeira sempre presente do Outback australiano.

Stuart Highway

Depósito de água em Tennant Creek, à beira da Stuart Highway.

Curiosidade por terráqueos

Figurinhas extraterrestres curiosas espreitam os terrestres em abastecimento.

Outback inundável

Aviso possibilidade de inundação súbita nas imediações dos Devils' Marbles.

Outback Servo

Estacão de serviço de um outro mundo junto ao famoso pub Daly Waters.

ET's humanas

Duas condutoras regressam a Wycliffe Wells à boleia para comprarem combustível depois de por lá terem passado com o seu carro na reserva.

Família ET

Figuras de criaturas extraterrestres colocadas junto à estação de serviço de Wycliff.

Marble rachado

Um dos devils's marbles partido ao meio forças que se podem ou não crer naturais

Uma Atmosfera Convidativa

Céu polvilhado de nuvens acolhedoras nas imediações dos Devils Marbles

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliff Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.

A altura da vegetação aumenta à medida que a latitude decresce. Ao mesmo tempo, as nuvens brancas que salpicam o céu azulão assumem formas particulares e anunciam a experiência mais esotérica da longa Stuart Highway. Situada a quatrocentos quil&oacu

te;metros para norte de Alice Springs, a povoação seguinte não passa de um ponto ínfimo perdido na vastidão do mapa australiano mas, fazendo fé em vários testemunhos, parece ter conquistado um lugar de destaque no Universo.

Luzes no firmamento, discos rotativos com cúpulas azuis e seres prateados deles teletransportados para a superfície, ali, vermelha da Terra, tudo parece ser comum em Wycliffe Wells.

Lew Farkas, gerente da estação de serviço e do parque de caravanas local durante vinte e cinco anos, não só decorou as suas instalações com estátuas e motivos de outros mundos como assegura “ … eu próprio já tive uma meia dúzia de avistamentos, só este ano”. E, para que não fiquem quaisquer dúvidas, remata: “o dono anterior avisou-me logo quando me passou isto … com ele, e com vários aborígenes de cá, é exactamente a mesma coisa”.

As posições mantêm-se extremadas. Os analistas mais incrédulos afiançam que tudo se deve, na verdade, ao alto consumo de álcool do Território do Norte e à necessidade que os locais têm de acrescentar emoções àquelas que são consideradas as vidas mais monótonas do país. Do lado oposto e sem complexos, os residentes rejubilam com as frequentes visitas de ovnilogistas conceituados, participam em convenções e descrevem experiências aos media especializados internacionais.

A Tom, o guia que conhecemos em Alice Springs faz confusão, acima de tudo, o tamanho do restaurante. “Eu começo a pensar que eles ali alimentam os extraterrestres às escondidas, é a única explicação que me ocorre.” “Para que raio têm uma sala de refeições tão grande e com tantas mesas e cadeiras se nunca lá estão mais de cinco ou seis pessoas ?…”

Dez quilómetros para diante, duas viajantes inglesas aparecem paradas à beira da estrada. Apesar de terem acabado de passar mais uma estação de serviço, o seu pequeno Twingo imobilizou-se por falta de combustível. Quando voltam, à boleia, a Wycliffe Wells, um amigo de Lew Farkas, não resiste a comentar: “Estão a ver!?” Aqui, nunca é preciso ir muito longe para ver extraterrestres.”

Os alegados avistamentos de OVNI’s são comuns na zona desde os dias já distantes da 2a Guerra Mundial quando Wycliffe Wells acolheu uma horta e mercado de vegetais que servia a longa Rota do Gado. Nessa altura, os empregados para ali recrutados mantiveram registos num livro sobre os objectos não identificados que encontravam. Esse livro foi mantido durante vários anos sobre o balcão principal do estabelecimento para que todos os clientes e visitantes pudessem examinar. E acabou por ser roubado o que não favoreceu a credibilidade das suas narrativas.

Contamo-nos entre os mais cépticos. Custa-nos acreditar que seres hiper-dotados de outros planetas viajassem até à Terra para investigarem as actividades dos humanos e escolhessem como amostra a vida insignificante em redor de uma pequena estação de serviço e café perdidos no meio do outback australiano. Parece-nos que mais facilmente os atraíssem as grandes cidades do mundo onde a civilização terráquea é mais exuberante e sintomática que em qualquer outra parte.

Mesmo assim, há que considerar o número de avistamentos anunciados a partir de Wycliffe Wells. Um número de tal forma impressionante que os seguidores da ovnilogia avaliaram a povoação como o quinto maior hotspot do mundo e ali se encontram com regularidade para estudar e debater o fenómeno.

Em Março de 2011, era suposto o parque de caravanas da povoação receber a primeira conferência anual sobre óvnis, um encontro programado para durar três dias de Março, que incluiria observação do céu a partir de Devils Marbles e, à boa maneira ozzy, seria encerrado com um churrasco.

Além de organizar o evento, o incontornável Lew Farkas preparou-se para dissertar sobre as suas experiências bem como as de outros residentes, dos campistas, visitantes e viajantes. Entre os ilustres convidados, contavam-se Rex Gilroy, um dos ovnilogistas mais influentes da Austrália e o fundador da criptozoologia daquele país,  Kevin Robb que afiança ter avistado centenas de óvnis e ter recebido informação sobre como vivemos num mundo multidimensional. E ainda Peter Khoury, autor de “DNA PCR Hair Sample”, e testemunha de duas experiências de abdução por óvnis: uma primeira em 1988 que diz ter-lhe deixado uma marca na cabeça no lugar em que os extraterrestres lhe inseriram uma agulha e uma outra na perna direita de onde lhe retiraram uma amostra. Peter Khoury garante ter presenciado, em 1992, a uma outra abdução que envolveu duas mulheres extraterrestres, segundo as suas palavras, uma loura e outra asiática. Este foi o primeiro acontecimento deste tipo em que foram conseguidas evidências biológicas.

Todos os contactos e planos estavam feitos mas fenómenos mais próprios do nosso planeta em geral do que daquela região interior do Território do Norte, ditaram o cancelamento do evento. Uma enorme depressão tropical invadiu Wycliffe Wells sem misericórdia e inundou a área de tal maneira que a água no parque das caravanas passava a altura dos joelhos.

Lew Farkas não teve outro remédio senão devolver os 130 dólares australianos pagos pelo público para assistir aos 3 dias (50 AUD para um só dia) e esperar que as águas baixassem para pensar em recuperar a ansiada conferência.

Até à sua realização, pouco mais resta aos residentes de Wycliffe Wells que conformarem-se com a normalidade alienígena do lugar o que já não é nada pouco. Peças artesanais de papel e online que promovem a povoação começam por afirmar que a localidade é conhecida pela actividade regular dos óvnis. Mas, logo em seguida, o tom do marketing torna-se mais determinado. Garante-se que os avistamentos são tão comuns, que se um visitante ficar acordado toda a noite será considerado azarado se não tiver visto nada, em vez de sortudo por ter presenciado algum fenómeno.

Vínhamos de uma longa viagem que começara em Alice Springs e só terminaria quase 1500 km depois, em Darwin. Extenuados pelo calor atroz do outback e pela monotonia da condução, nunca chegámos a ficar despertos para lá das onze da noite e, como tal, não nos revemos em nenhum dos adjectivos. Mas nada nos garante que não fomos raptados por extraterrestres, levados para um qualquer planeta distante e trazidos de volta antes do nascer do dia.

Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua. 

Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital de estado mais a sul da grande ilha foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.

Alice Springs a Darwin, Austrália

A Caminho do Top End

Do Red Centre ao Top End tropical, a Stuart Hwy percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, a grande ilha muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Grande Ilha. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Sirocco
Arquitectura & Design

Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela estética e pelo modernismo inspirada pela vizinha Escandinávia.

Aventura
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Aos repelões
Cerimónias e Festividades

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

Pesca Preciosa
Cidades

Colónia del Sacramento, Uruguai

Um Vaivém Colonial

A fundação de Colónia del Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.

Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Creepy-Graffiti
Cultura

The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.

Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Deserto (Pouco) Branco
Em Viagem
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Étnico
Great Zimbabwe

Pequena Dança Bira, Grande Zimbabwe

A aldeia KwaNemamwa está situada junto ao lugar mais emblemático do Zimbabwé, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova nação. É ali que vários habitantes de etnia Karanga exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas de Great Zimbabwé.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Um cenário imponente
História

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Príncipe da Selva
Ilhas

Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.

Esqui
Inverno Branco

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Pura Nova Zelândia
Natureza

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

A Gran Sabana
Parques Naturais

Gran Sabana, Venezuela

Um Verdadeiro Parque Jurássico

Apenas a solitária estrada EN-10 se aventura pelo extremo sul selvagem da Venezuela. A partir dela, desvendamos cenários de outro mundo, como o da savana repleta de dinossauros da saga de Spielberg.

Ao fim da tarde
Património Mundial Unesco

Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Magníficos Dias Atlânticos
Praia

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.

Wall like an Egyptian
Religião

Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Sociedade
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Perigo de praia
Vida Selvagem

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.