Navala, Fiji

O urbanismo tribal de fiji


Aldeia luxuriante

As cabanas de Navala sobre um vale verdejante.

Êxtase juvenil

Crianças de Navala animadas pela presença de visitantes.

Beringelas em promoção

Vendedora de indo-fijiana num mercado de Ba.

Palhotas alinhadas

Cabanas de Navala dispostas numa encosta suave.

Irmãos açucarados

Atish, Radhika e Joythisma Chand, três irmãos indo-fijianos junto a um canavial à beira da estrada que conduz a Navala.

A caminho do litoral

Habitantes das terras altas a caminho do litoral.

Nausori

Cenário das terras altas de Nausori.

Protocolo

Chefe de Navala conduz o acolhimento e uma cerimónia de Kava.

Entre Palmeiras

Casas em estilo tradicional "bure" contra encostas verdejantes das cordilheira de Nausori.

Vaca-cebu

Vaca de bossa junto a uma plantação de cana-de-açúcar.

Corrida sobre relvado

Crianças da aldeia precipitam-se em direcção a visitantes.

Mar de verde

Cenário entre as primeiras encostas das Nausori Highlands e o litoral norte de Viti Levu.

Navala Boy

Jovem de Navala com traços inequivocamente fijianos, entre as (bures) casas tradicionais da aldeia.

Bures entre coqueiros

Casas típicas de Navala instaladas entre a vegetação tropical que envolve e dota Navala.

Prados pré-Nausori

Visual dos campos verdejantes que se estendem da costa norte de Fiji às primeiras encostas das terras altas de Nausori.

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.

Tínhamos resistido às chuvas fortes e aos trechos atolados de lama da vertente oriental da ilha. Prosseguíamos na sinuosa Kings Road, num nordeste e norte ainda húmido e luxuriante mas já bem mais solarengo e acolhedor. Poucos visitantes para ali se dirigem e os

nativos entusiasmam-se com a passagem efémera dos exploradores inesperados. Admiramo-nos com a atenção suplementar que nos prestam nestes confins de Viti Levu, em comparação com o tratamento algo indiferente concedido pela população da costa contrária. Mais ainda com o simplificar gradual dos nomes curiosos e rítmicos das povoações que havíamos deixado para trás: Rakiraki, Lomolomo, Kulukulu, Sanasana, Malolo, Malololailai, Namuamua, Tabutautau e outras igualmente musicais mas não tão fáceis de pronunciar, casos de Nabukelevu, Korovisilou e Tilivalevu.

Cruzamos Tavua e o litoral da península de Vatia Point conduz-nos a um lugar que conseguimos finalmente dizer de um só fôlego e sem balbuciarmos como recém-nascidos. É Ba.

São poucas as razões para nos demorarmos nesta cidade despretensiosa instalada junto à foz de um rio homónimo. Apuramos que os residentes são loucos por futebol e que a equipa local ganha os campeonatos nacionais com frequência. Ao mesmo tempo, Ba tem a melhor pista de corridas de cavalos de Fiji e rejubila com as provas equestres. Nenhuma das competições iria ter lugar por aqueles dias. Como tal, abastecemo-nos de fruta no mercado partilhado por nativos melanésios e indo-fijianos, damos entrada num hostel humilde e fazemos planos para o dia seguinte. A estrada para Navala partia dali mas, pior que muitos caminhos de cabras, nunca lá poderíamos chegar no FIAT Tipo frágil que tínhamos alugado num pequeno rent-a-car familiar de Nadi.

Despertamos numa madrugada resplandecente. Trincamos espetadas de abacaxi refrescantes quando o guia que nos há-de levar à aldeia nos surpreende de dentro de um mini-bus todo-o-terreno: “Vão connosco a Navala, não é? Entrem e instalem-se! Daqui seguimos já para lá.”

O cicerone volta a apresentar-se como Kali e aos passageiros já a bordo, dois casais australianos que tentam acrescentar alguma emoção às suas férias balneares. Depois, o veículo abandona a planura em que assenta Ba. Trepa lentamente para o domínio elevado da cordilheira de Nausori pelos tais caminhos rudes que nos tinham desencorajado.

Em pouco tempo, vemo-nos cercados de plantações de cana-de-açúcar e Kali desbobina dados que filtramos o mais possível: que Fiji tem uma complexa divisão administrativa composta por 14 províncias cada qual com distritos, estes, com cidades e aldeias que agrupam clãs, sub-clãs e, por fim, famílias. Que apesar de fortemente multicultural, os vários grupos étnicos e religiosos da nação aprenderam a respeitar-se e os conflitos são pouco frequentes. Ao passarmos por uma velha destilaria, uma informação humorística relacionada apanha os passageiros desprevenidos e desperta risos pouco contidos: “como podem ver, o açúcar foi durante muito tempo a grande exportação e a riqueza de Fiji mas, com o advento do turismo, vocês, meus amigos, tornaram-se muito mais doces que o açúcar.“

Continuamos a subir por um trilho largo de terra-batida que esventra vastidões de cana a perder de vista. Do topo de uma das primeiras encostas das montanhas de Nausori abre-se finalmente uma panorâmica e paramos para admirar a vastidão retalhada dos campos cultivados entre o sopé e o Pacífico do Sul longínquo.

Na proximidade encontramos três jovens irmãos indo-fijianos que se preparavam para regressar a casa depois uma manhã de safra numa plantação vizinha. Na conversa com Atish, Radhika e Joythisma confirmamos o que, entretanto, já tínhamos percebido. Que a maior parte destes habitantes deslocados pelos colonos britânicos que os contrataram séculos antes e trouxeram sem retorno do sub-continente por necessitarem de mão-de-obra qualificada tinham perdido a noção da verdadeira origem étnica.

A imagem com que ficamos dos três, alinhados contra plantas de cana-doce com quase o dobro da sua altura espelha na perfeição a forma como Fiji e Viti Levu, em particular, se impuseram abruptamente ao destino dos seus ancestrais e continuavam a submeter os descendentes a uma espécie de degredo herdado.

Algumas curvas, contracurvas e solavancos adicionais e entramos num dos primeiros vales da cordilheira, ainda mais verdejante que os cenários para trás. Ao longe, encaixadas entre lombas de vertente graciosas, vislumbramos um grande núcleo de palhotas distribuídas entre coqueiros com uma geometria apurada.

Kali anuncia: “ali está ela, a famosa Navala. Mais uns cinco minutos e atravessamos um rio que deve estar cheio de miúdos a brincar, a aldeia começa exactamente na outra margem.”

Quando cruzamos a ponte, os miúdos do rio apressam-se a abandoná-lo e seguem o mini-bus até que este se imobiliza. Cercam-nos e dão as boas-vindas com sorrisos e perguntas sem fim no inglês que só há pouco tinham começado a dominar. Kali resgata-nos do seu cerco e conduz-nos à bure do chefe e à principal obrigação protocolar da aldeia. O interior daquela cabana superior é amplo mas lúgubre e desconfortável. Kali faz-nos sentar sobre a esteira que cobre o chão e aguarda que o ancião e a sua família se posicionem na outra metade da circunferência. Sentimos um ambiente pesado no ar e o guia não tarda a percebê-lo. Explica-nos que tinha morrido uma pessoa muito querida e que a aldeia estava de luto, razão porque não poderíamos andar à vontade entre as casas como num dia normal e teríamos que ser comedidos com as fotografias.

Depois, apresenta-nos como os forasteiros que somos e dá início a uma longa troca de frases em que o termo “naka” – o diminutivo da palavra fijiana para obrigado “vinaka” – é repetido vezes sem conta. Quando o diálogo se encerra, o chefe coloca uma grande tanoa (recipiente esculpido de madeira) à sua frente e espreme raízes de kava (uma planta da região) confeccionando a bebida homónima que há muito inebria os homens da Melanésia  e de Fiji. Quando o caldo fica pronto é passada uma malga a cada um dos visitantes. Dois dos australianos recusam-se a bebê-la e desiludem Kali e os anfitriões que, apesar de tudo, já passaram várias vezes pela desfeita.

Nós e os outros dois aussies fazemo-nos fortes e afligimo-nos com o estranho sabor a terra mentolada da mistela mas logo agradecemos com os nossos próprios “nakas” e a batemos as palmas duas vezes, segundo nos havia instruído o guia.

Bebemos apenas o suficiente para respeitarmos a cerimónia e não ficamos com grande vontade de repetir. É a salvo de uma embriaguez tropical indesejada que deixamos o chefe entregue à família de luto. Saímos para o ar puro mas húmido do exterior satisfeitos por podermos explorar um pouco mais da povoação.

Contam-se mais de duzentas as bures de Navala, dispostas segundo critérios que os chefes estudam estipulam e fazem respeitar para proporcionar aos cerca  de 800 súbditos uma vida organizada e funcional.

Por volta de 1950, numa altura em que Fiji acolhia os primeiros hotéis e resorts de luxo, muito deles em cimento, a comunidade de Navala optou por rejeitar os materiais modernos – com excepção para a escola e, por razões de segurança, de algumas estruturas que albergam geradores.

Os jovens nativos foram encorajados a aprender a arte da construção secular das cabanas em que tinham crescido. Como resultado, passados 60 anos, Navala é, hoje, a última das grandes aldeias de Fiji erguida apenas com recurso a madeira, palhota e barro seco. As suas imagens surgem em guias, livros e postais e deslumbram praticamente todos os visitantes de Viti Levu. Felizmente para os nativos, a maioria frequenta Fiji apenas como retiro balnear. 

Até há alguns anos atrás, o acesso ao vale em que se situa era bem mais complicado e, mesmo que o quisessem, quase nenhum estrangeiro a podia descobrir. Os tempos mudaram. Navala teve que ceder, pelo menos em parte.

Hoje, voluntariamente ou à força – não conseguimos apurar – Navala tem uma página de Facebook preenchida em dialecto fijiano e, a data de criação deste texto, com 12 “gostos” conquistados. Acolhe os forasteiros que, como nós, vão chegando o melhor que pode sem descurar a protecção dos seus habitantes dos malefícios da intrusão.

Entretanto, os homens da aldeia reúnem-se debaixo de uma grande estrutura comunal e preparam um ritual fúnebre sagrado que nos obriga a partir. Quando a deixamos de regresso a Ba, os mais novos fazem o que a tenra idade os aconselha. Ignoram a perda do congénere e despedem-se da mesma forma com que nos tinham recebido, com correrias frenéticas atrás do mini-bus, acenos, caretas e a excitação de quem partilha a vida numa tribo que desde há muito protege as suas tradições e se sabe valorizar.

Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.

Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.

Casario

Lares Doces Lares

Poucas espécies são mais sociais e gregárias que a humana. Os habitantes da Terra tendem a emular as moradias de outros e a instalar-se junto a elas. Alguns desses núcleos revelam-se impressionantes.

Viti Levu, Fiji

Velhos Passatempos de Fiji: Canibalismo e Cabelo

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.

Viti Levu, Fiji

Uma Partilha Improvável

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.

Um
Arquitectura & Design

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Radical 24h por dia
Aventura

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

White Pass & Yukon Train
Cidades

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Dança dos cabelos
Cultura

Longsheng, China

A aldeia chinesa dos maiores cabelos do mundo. Nutridos a arroz, claro

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de uma aldeia renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os seus cabelos anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm que faz da aldeia recordista. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e o cereal. 

Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Mural Espacial
Em Viagem

Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliff Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.

Pequena súbdita
Étnico

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Manobras a cores
História

Seul, Coreia do Sul

Um Vislumbre da Coreia Medieval

O Palácio de Gyeongbokgung resiste protegido por guardiães em trajes sedosos. Em conjunto, formam um símbolo da identidade sul-coreana. Sem o esperarmos, acabamos por nos ver na era imperial destas paragens asiáticas. 

Torres Kanak
Ilhas

Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.

Aurora fria II
Inverno Branco
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

A derradeira luz
Natureza

Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Por Chame
Parques Naturais
Circuito Anapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Pedra vs Planta
Património Mundial Unesco

Grande Zimbabwe

Grande Zimbabwe, Mistério sem Fim

Entre os séculos XI e XIV, povos Bantu ergueram aquela que se tornou a maior cidade medieval da África sub-saariana. De 1500 em diante, à passagem dos primeiros exploradores portugueses chegados de Moçambique, a cidade estava já em declínio. As suas ruínas que inspiraram o nome da actual nação zimbabweana encerram inúmeras questões por responder.

Gang de 4
Personagens

Tombstone, E.U.A.

A Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.

Sol nascente nos olhos
Praia

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Glamour vs Fé
Religião

Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Orgulho
Sociedade

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.