Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa


Glamour vs Fé

Casal indiano posa diante da Igreja da Divina Providência durante uma produção fotográfica casamenteira

Solitude

Visitante dá entrada na nave da Sé Catedral, uma igreja monumental, das maiores da Ásia.

Cristianismo tropical

A Sé Catedral, para lá da avenida ampla ladeada por palmeiras-imperiais que a separa da Basílica do Bom Jesus

Intercâmbio de fés

Comitiva de visitantes muçulmanos prepara-se para visitar a Basílica do Bom Jesus.

A Goa ainda portuguesa

Telhados tradicionais portugueses do bairro das Fontaínhas com a capela de São Sebastião em destaque.

Uma janela para Portugal

Sr. Fernando refresca o tronco nu à porta meio-fechado da sua casa a meia-encosta do bairro das Fontaínhas.

Cores hindus

Amigas hindus descem a escadaria da Igreja da Nª Srª da Imaculada Conceição, o templo cristão mais emblemático de Pangim.

Casario "português" de Pangim visto do átrio da Igreja da Nª Srª da Imaculada Conceição.

Casal faz as suas últimas fotos do dia na escadaria da Igreja da Nª Srª da Imaculada Conceição.

acção

Visitantes da Igreja goesa do Bom Jesus fotografam uma estátua de Cristo colocada junto ao altar.

À falta de selfie

Visitantes da Igreja goesa do Bom Jesus fotografam uma estátua de Cristo colocada junto ao altar.

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.

Turistas em catadupa, casinos, venda livre de álcool, subsídios regionais e estatais e outras benesses dotam Goa de fundos e investimentos a condizer. Tínhamos visitado à província uma primeira e única vez faziam 17 anos. Mal podíamos crer na revol

ução que por lá agora encontrávamos. Desde que deixámos o aeroporto de Dabolim, as obras e respectivos estaleiros não paravam de se repetir numa mescla de betão, aço e maquinaria que remexera sucessivos quilómetros de solo açafrão, a mesma terra seca e ocre que guardávamos num profícuo imaginário histórico-colonial. Retocámo-lo de acordo com a inesperada desilusão. Dias depois, já conformados, inaugurámos o compromisso de redescoberta com que lá tínhamos voltado.

“Eles começaram a chegar por volta de 2002. Daí em diante não pararam de aumentar” conta-nos Raj, o proprietário do apartamento de Calangute que alugámos, a referir-se aos inúmeros charters que desde então aterram em Goa e assim prolongam uma já longa invasão russa. Inúmeros estabelecimentos assumiram nomes, menus e a sua comunicação em cirílico. Nas ruas, taxistas e vendedores de tudo um pouco abordam-nos em russo convictos da nossa procedência da nação dos czares. O equívoco satura-nos. Deixa-nos ansiosos de comprovarmos que ainda por ali temos raízes ou, vá lá que seja, alguma razão de ser.

O apartamento antes pertencente a um tal de R.S. Coutinho que o decorou com imagens e mensagens cristãs, veio com uma scooter. A motoreta não nos salvou da modernidade rebuscada e poeirenta em que Goa se tinha metido. Permitiu que nos evadíssemos da inesperada salada indiana-russa.

No fim de uma das manhãs que por lá passámos, saímos disparados para a Velha Goa, onde a história portuguesa da província havia começado. Cruzamos uma ponte em construção sobre o rio Mandovi, onde uma brigada de trânsito preparada para alvejar turistas, nos desvia duzentas rupias. Do lado de lá do rio, somos obrigados a seguir por uma via rápida também ela em obras. Duvidávamos cada vez mais do antigo encanto de Goa mas, quando deixamos a tal estrada e passamos para o reduto tropical e ribeirinho da antiga capital da Índia Portuguesa, tudo muda de figura.

O calor tórrido e húmido, próprio dos meses de Abril e Maio em que se choca a Monção, faz-nos suar a bem suar. Quase que cozemos ao longo da alameda de palmeiras-imperiais que nos separa – e à casa de Deus – do domínio da vizinha Sé Catedral, nem mais nem menos que a maior igreja das Ásias. O momento em que passamos para o interior sombrio e fresco da basílica, chega, assim, com muito de misericordioso.

Photography of people not allowed”, estabelece um dos vários avisos e proibições com que o templo brinda os visitantes. Depreendemos num ápice que os padres e fiéis conservadores procuravam exorcizar a heresia indiana das selfies. Não é que precisássemos de provas mas a visão de um grupo de jovens amigos a fotografar-se na companhia forçada de um Jesus de túnica branca, não lhes passou despercebida. E foi com um misto de devoção e de prazer que estes os despacharam para o claustro recolhido da igreja, sem direito a paragem diante do túmulo dourado e alegadamente milagroso de São Francisco de Xavier, o missionário lendário das Descobertas. Ao longo dos tempos, a Velha Goa, gerou respeito e admiração nos quatro cantos da Terra. Não seria agora, decorrido mais de meio-milénio da sua fundação, que uns catraios hindus dela zumbariam.

A povoação já era, aliás, imponente quando os portugueses a capturaram a um tal de sultão de Bijapur. Agrupava num reduto cercado de muralhas e fosso, o palácio do xá, mesquitas e outros edifícios. Intolerantes para com a arquirrival civilização muçulmana, a partir de 1510, Afonso de Albuquerque e os seus homens pouco mais lá pouparam que algumas fundações. Viriam a usá-las como bases dos muitos solares, palacetes, igrejas e catedrais (12 magnificentes em pouco mais que 1km2) que, sendo hoje difícil de imaginar a realidade de então, tornaram Goa uma das mais esplendorosas cidades do Oriente, fulcro da cristianização das Ásias, diz-se que lugar de sete distintos mercados a que afluíam mercadores da China, das Arábias de Zanzibar e de outras paragens da Índia.

Estas e outras virtudes – casos de, a determinada altura, a sua população já suplantar a de Lisboa e a de Londres e de quase todas as ordens religiosas lá estarem activas – granjeou-lhe o epiteto de Roma do Oriente. Goa passou, todavia, do zénite ao declínio, bem mais depressa que a Roma do Lácio.

Em tempos, a entrada na cidade fazia-se directamente do molhe do rio Mandovi para a Rua Direita, com passagem sob o Arco do Vice-Rei mandado erguer por Francisco da Gama, neto de Vasco da Gama que, em 1597, assumiu ele próprio o cargo. A Rua Direita dava acesso ao centro, num percurso delineado por lojas e pelas mansões palacianas dos seus moradores abastados. De início, o Mandovi foi a via que permitiu a conquista e o desenvolvimento de Goa. O rio veio a revelar-se também o seu verdugo.

Os charcos, pauis e outras águas ainda mais estagnadas após o término da época das chuvas tornaram-se um fulcro de malária e de cólera, epidemias que, entre 1543 e 1630, devastaram quase dois terços da população. Como se não bastasse, nesse período, o rio começou a assorear. As embarcações de maior porte deixaram de poder aportar no molhe da cidade.

Desesperado com a situação, em 1759, o Conde de Alvor, o Vice-Rei de então, decretou a mudança forçada para a actual Pangim, até então uma aldeia junto à foz em que o Mandovi se rende ao Mar da Arábia.

Como resultado das sucessivas tragédias, de mais de 200.000 habitantes, em 1775, subsistiam em Goa apenas 1500. A cidade foi entregue de vez ao tempo. Daí em diante, passou a ser conhecida pelo seu cognome geriátrico.

Pangim assumiu o estatuto de Nova Goa. Em 1843, já funcionava como sede administrativa da Índia Portuguesa. Lá ganhou expressão um dos mais ricos legados coloniais urbanos deixados pelos portugueses na Índia. Uma herança que, como a de Velha Goa, nos sentíamos impelidos a revisitar.

Almoçamos no Viva Pangim, um restaurante pitoresco com comida e atmosfera goesa. Linda de Sousa, a dona, confessa-nos que já não fala português e remete-nos para um cliente esguio e elegante, de calça e camisa, numa mesa ao lado. Olavo de Santa Rita Lobo faz-nos sentir sem cerimónias que, quase 60 anos depois, estava longe de digerir a indianização de Goa “então e porque é que ficaram lá em cima em Calangute? Aquilo, agora, é só gente maluca, indianos que não têm nada a ver connosco. Bêbados, drogados. Tornou-se até perigoso. Deviam ter ficado cá em Pangim!”

Advogado de profissão, Olavo trata de resolver um crescente número de pedidos de nacionalidade portuguesa que os goeses – mas não só – lhe confiam. “O pessoal de cá, com este governo, não tem empregos. Nem com este nem com os anteriores. Eles são cada vez mais contra a herança portuguesa. Não querem saber de nós.”

Terminamos a refeição e de ouvir o seu queixume. Despedimo-nos. Deixamo-nos perder nas ruelas coloridas e ainda tão lusas do bairro das Fontaínhas. Quase de imediato, uns estranhos guinchos despertam-nos a atenção. Seguimos-lhes o rasto e damos com o que nos pareceu um violinista louco a praticar de janela aberta. O músico traja uma camisa e calça brancas que pouco mais são que farrapos. Expõe boa parte da sua pele, como o cabelo forte e farto, demasiado branca para que nos restassem dúvidas. “Ainda fala português?” perguntamos-lhe. “Falo, então não falo! Claro que sim.” Ivo Furtado interrompe a guincharia do violino, chama-nos e concentra o olhar nas nossas máquinas fotográficas. Mostra-nos algumas suas velhas fotos emolduradas e informa-nos que as tirou com uma boa Hasselblad. Perguntamos-lhe se o podemos fotografar a tocar violino o que o deixa meio aflito. “A mim não! Eu gostava de fotografar mas nunca gostei de me ver em fotos.” Continuamos a falar da sua vida em Pangim. A determinada altura abordamos o tema da integração de Goa na Índia. Ivo corrige-nos como que em brasa: “Independência, não! … invasão. O que foi feito aqui pela Índia foi apenas e só uma invasão.” e disfarça a sua quase cólera com um silêncio estratégico. Temos o tempo contado pelo que nos vemos forçados a desperdir-nos.

 “Estas escadas vão dar ao Altinho, certo?” Ivo confirma-nos a direcção. A meio da subida, damos de caras com o sr. Fernando, a arejar o tronco nu sobre a porta meio aberta da sua pequena casa de telha e perfil luso. Em nova conversa, confirmarmos que nenhum dos três nativos com que nos havíamos cruzado tinham alguma vez posto o pé em Portugal continental. Ainda assim, sentimos em todos eles, um desfasamento da Índia actual e um saudosismo da Goa portuguesa para o qual os anos que lhes restavam não auguravam qualquer solução.

Num ápice, chegamos à altura da colina que abrigava mais uma série de edifícios coloniais imponentes, incluindo o tribunal da cidade e o Palácio do Bispo. Recomeçamos a descer. Damos com o Consulado Português, com bastantes indianos no exterior à espera de resolver os seus pedidos de nacionalidade, à imagem do que nos descrevera Olavo.

Atingimos a base do monumento mais emblemático da cidade, a Igreja da Nª Srª da Imaculada Conceição. O sol quase poente ilumina-a e à sua estátua da Virgem destacada bem à frente da fachada, a contemplar o Jardim Municipal. Esplendorosa como se revelava, a igreja inspirava a adoração de uma dezena de veraneantes hindus irrequietos, com os smartphones sempre em riste, entretidos com repetidas poses sensuais. Longe de ser o caso da igreja vedeta de Pangim, demasiados edifícios históricos da cidade sucumbem à falta de proprietários e de cuidado das autoridades estatais que veem como prioridades a autoestrada que atravessará Goa de alto a baixo e a modernização da província em geral.

Goa deixou de ser portuguesa quando nos dias 18 e 19 de Dezembro de 1961 – 14 anos depois da Índia ter terminado o longo período do Raj colonial britânico e declarado a sua independência – as Forças Armadas Indianas levaram a cabo uma operação aérea, marítima e terreste de nome Vijay (Victória). Como seria de esperar, o confronto ficou marcado pela esmagadora superioridade indiana que mobilizou 45.000 soldados, um pequeno porta-aviões e mais de quarenta caças e bombardeiros bem como quinze outras embarcações contra poucos mais de 4000 homens portugueses, uma fragata e três barcos de patrulha.

Na ressaca, a Índia matou trinta homens do lado colonial. Fez 4668 prisioneiros. Mas, mais que isso, terminou com 451 anos de domínio português sobre os territórios que mantinha no subcontinente: Goa, Damão e Diu.

Entre os indianos em geral, a operação foi considerada de libertação. Em Portugal, e para uma boa parte dos goeses como Olavo e Ivo, como uma agressão contra o território português e os seus cidadãos. Boa parte deles, partiram de Goa para Portugal ou outras paragens.

Em Pangim, quase só os habitantes dessa geração que ficaram – mas nem todos – continuam a falar português que deixou de ser ensinado nas escolas. É sabido que a Fundação Oriente prestava apoio a escolas secundárias que optaram por a ter como segundo dialecto, em vez do inglês. No entanto, o número de alunos tem-se provado insuficiente para abrir turmas.

Chegamos a Janeiro de 2018. O Primeiro-Ministro português António Costa visita Goa a convite do Primeiro-Ministro indiano Narendra Modi. O pai de António Costa, Orlando da Costa, era goês, bramane e católico, nascido em Lourenço Marques, em 1929, mas criado em Goa, no seio da família de Margão, até à adolescência, altura em que partiu para Lisboa, se viria a tornar escritor e a casar com a jornalista Maria Antónia Palla. 

Na Goa actual, não são só os encantadores edifícios seculares que se encontram em risco de colapso. À medida que os moradores mais idosos falecem, a língua portuguesa colapsa.  

Durante a sua visita, António Costa manifestou  orgulho por ser o primeiro primeiro-ministro europeu de origem indiana e o desejo de que a sua visita lançasse fundações para uma uma parceria robusta entre a Índia e Portugal, no século XXI. Resta ver se essa parceria se tornará real. E se salvará a deslumbrante cultura colonial luso-goesa.

 

Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.

Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.

Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.

Guwahati, India

A Cidade Prolífica que Venera o Desejo e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.

Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.

Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção himalaia da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos creem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.

Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Cria(ra)m Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes vegetais deslumbrantes às futuras gerações.

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Seydisfjordur
Arquitectura & Design

Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando a frota pesqueira de Seydisfjordur foi comprada por armadores de Reiquejavique, a povoação teve que se adaptar. Hoje captura discípulos de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

Aventura
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Bebé entre reis
Cerimónias e Festividades

Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.

Cidades
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

Maikos a fingir
Cultura

Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e estas acompanhantes de luxo estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Twelve Apostles
Em Viagem

Victoria, Austrália

No Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes de Melbourne, a estrada B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. E bastam alguns km para perceber porque foi baptizada The Great Ocean Road.

Étnico
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Bar sobre o grande estuário
História

Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam. 

Passerelle secular
Ilhas

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Salto fingido
Natureza

Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Ijen-Inferno
Parques Naturais

Vulcão Ijen, Indonésia

Escravos do Enxofre

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.

Património Mundial Unesco
Quedas d'água

Admiráveis Caudais Verticais

Dos quase 1000 metros de altura do Salto dançante de Angel à potência fulminante de Iguaçu ou Victoria após chuvas torrenciais, abatem-se sobre a Terra catadupas de todos os tipos.
Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Perigo de praia
Praia

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Cidade dourada
Religião

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Colosso Ferroviário
Sobre carris

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Trólei Azul
Sociedade

Oslo, Noruega

Uma Capital Sobrecapitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Acima de tudo
Vida Selvagem

Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história. 

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.