Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte


O Apogeu da América do Norte

Vista aérea do cume mais elevado do monte McKinley ou Denali, a montanha suprema da América do Norte com 6194 metros de altitude.

Verde efémero

Taiga verdejante do PN Denali, durante o curto Verão do interior norte do Alasca.

Um Vale Glacial

Fluxo de gelo de um dos muitos glaciares que fluem nos desfiladeiros da cordilheira do Alasca de que faz parte o monte Denali.

Águas bravas

Dois barcos de rafting enfrentam rápidos do rio Nenana, nas imediações do Parque Denali.

Granito na névoa

Nevoeiro envolve falésias íngremes no sopé gélido do monte Denali.

Moose Crossing

Sinal de trânsito avisa para a travessia de alces em todo o Parque Nacional Denali.

Gelo nas profundezas

Outro glaciar, este bem escondido num desfiladeiro entre montanhas íngremes.

Pasto de Berma

Alces pastam na beira da estrada do parque Denali, pouco ou nada incomodados com a circulação de veículos.

Boleia Ferroviária

Marco C. Pereira dependurado de uma carruagem inactiva do Alaska Railroad.

Estrada de Gelo

Longo glaciar com estranhas linhas paralelas e contínuas.

Destino: Savage River

Autocarro de serviço do Parque Nacional Denali, pintado de verde para quebrar o menos possível a homogeneidade natural do lugar.

Perspectiva privilegiada

Passageiros de um voo panorâmico fotografam o monte Denali num dia de óptima visibilidade.

O Apogeu da América do Norte II

Perspectiva distinta do Monte Denali, bem destacado da restante cordilheira do Alasca.

Fim de dia sem Fim

Lento ocaso sobre a tundra alasquense, durante o Verão curto das latitudes boreais.

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Após vários dias de exploração dos domínios majestosos de Prince William Sound, deixamos Valdez e damos início a um longo trajecto pseudo-nocturno para norte, ao longo da Richardson Highway, a primeira das grandes estradas alasquenses. Sucessivos congelamentos e degelos e a descontinuidade do permafrost por debaixo tornaram-na mais ondulada do que seria desejável. De acordo, seguimos a velocidade moderada, num ritmo também apropriado para apreciarmos as formas altivas das montanhas Chugach e a tundra setentrional. Mas não só. O vagar permite-nos evitar as raposas, doninhas, esquilos, porcos-espinhos, alces e até um glutão que, ao longo dos quase seiscentos quilómetros cruzam – ou no caso do alce atarantado, ocupam – o asfalto.

Chegamos a Fairbanks já a meio da madrugada mas nunca percebemos uma alvorada digna desse nome. O sol limitou-se a restabelecer-se do seu curto cochicho sobre o horizonte e a devolver àquelas paragens boreais a luminosidade intensa e plena que lhes devia até ao fim do curto Verão.

Confirmamos a fama da segunda cidade do Alasca. Isolada nos confins de um quase nada árctico, Fairbanks desenvolveu a sua própria vida à margem e nunca se preocupou em atrair visitantes. Como seria de esperar, a maior parte não se apaixona por ela à primeira vista. Nem sequer na seguinte. Compreendemo-los. A cidade pareceu-nos tão improvisada e atarefada como desgastada pelo clima austero.

De qualquer maneira, são os grandes cenários que mais se destacam no 49º estado norte-americano e, a algumas horas adicionais para sul, aguardava-nos o ponto alto do itinerário, aquele que tinha justificado o longo caminho desde Valdez. Ponto alto, bem que o podemos dizer. Destacado da vastidão sub-árctica, o parque Denali foi estabelecido em redor da maior elevação da América do Norte, uma montanha pré-histórica com 6.196 metros, cercada por outros picos menos imponentes. No fim do século XIX, um prospector de ouro baptizou-o de McKinley, como apoio político a um candidato presidencial homónimo dos E.U.A. nascido no Ohio e viria a ser assassinado durante o seu segundo mandato por Leon Czolgosz, um anarquista de ascendência polaca. 

Atingimos o parque pela George Parks Highway que liga as cidades bem distantes e emblemáticas de Anchorage e Fairbanks, como tal, uma das vias mais importantes do Alasca. Mal desviamos para a Park Road, começamos a depreender a razão porque os fotógrafos profissionais se referem aos animais de Denali como vida animal aproximável. A caça é, há muito, proibida e, por isso, a fauna foge menos das pessoas e dos veículos. Nuns poucos quilómetros, passamos por uma família de alces e por raposas que se passeiam mesmo à beira da estrada. Há quem tenha a sorte ou o infortúnio – dependendo da perspectiva e da ocasião – de se cruzar com ursos grizzlies, com caribus e com lobos nos muitos trilhos pedestres e de BTT do parque. 

Avançamos até ao Wonder Lake mas o dia não está particularmente favorável à contemplação do Monte Denali que, em dias limpos, ali costuma prendar os visitantes com fabulosas imagens simétricas: a real e a do seu reflexo nas águas imóveis do lago. Entretanto, para compensar, confirma-se a possibilidade de participarmos num voo panorâmico acima do cume e em seu redor. Conscientes de que a mais de 6000 metros de altitude a meteorologia deveria ser outra, animámo-nos e esperámos pelo melhor.

Dormimos num acampamento de nome Greezly nas imediações do rio Nenana mas, apesar do nome do lugar, nenhum dos grandes ursos alasquenses nos atormentou o sono. Despertámos para uma manhã gloriosa. Às oito, já estacionávamos no aeródromo local, ansiosos pela partida.

“Está bastante ventoso. O avião vai chocalhar um bocado. Além disso, vamos voar a altitude que requer oxigénio” avisa-nos o piloto com a descontracção de quem conduz aquelas excursões aéreas há que séculos. “Mas isso são pormenores. O que interessa é que vão ter o privilégio de admirar das melhores vistas das Américas, sem qualquer disputa!” acrescenta. 

Descolamos para o céu azulão. Num ápice, voamos sobre a grande taiga verdejante de Denali. Vemos rios e lagos que o reflexo do sol torna prateados. Para diante, a vegetação verde torna-se seca por acção da maior altitude e do frio. Entram os primeiros braços de gelo e, logo, os brancos frígidos avassaladores dos grandes campos de gelo da cordilheira do Alasca. Continuamos a ganhar altitude sobre desfiladeiros profundos em que deslizam longos glaciares, alguns com meandros caprichosos ou bifurcações graciosas. Vemos enormes pilares de granito esculpidos pela erosão e subsumidos na névoa. 

A determinada altura, entre solavancos e pequenos saltos, deparamo-nos com uma montanha. Temos, aliás, a sensação que com ela vamos colidir. “Ora, aqui está ele!” comunica o piloto americano gabarola aos passageiros com indisfarçável entusiasmo: “Monte McKinley ou Denali, como preferirem. Já muita gente morreu por este sacana. Se depender de mim, nós não vamos fazer parte das estatísticas, não se preocupem!. Vamos dar-lhe três voltinhas e depois regressamos pelo lado oposto ao que viemos, OK?” 

A montanha surge bem destacada acima de nuvens baixas, coroada por um topo branco de gelo permanente, ou dourado do granito mais polido a que o gelo ainda não se conseguiu fixar. O seu assento, escuro, é amplo como o de poucas outras montanhas. Com 5.500 m, a subida da base ao pico é considerada a maior de qualquer montanha situada inteiramente sobre o nível do mar. 

A partir da viragem para o século XX, o pioneirismo da sua conquista despertou a cobiça de um sem número de montanhistas. A primeira ascensão confirmada deu-se em 1910 por um grupo de quatro moradores da região que ficaram conhecidos pela Expedição Sourdough (fermento). Apesar da absoluta falta de experiência no alpinismo, passaram cerca de três meses na montanha. O seu dia de subida ao cume terá durado dezoito horas e sido impressionante. Apenas munidos de um saco de dónutes cada, um termos com chocolate quente e uma vara de abeto de quatro metros, dois deles atingiram o pico norte, o menos elevado dos dois cimos. Ergueram o pau próximo do topo.

A primeira ascensão ao pico mais elevado – a conquista oficial da montanha – deu-se três anos mais tarde por Walter Harper, um nativo alasquense. Robert Tatum, o seu parceiro, também chegou ao cume principal. Este grupo confirmou o testemunho de abeto deixado pela expedição Sourdough, em 1910.

Desde então, inúmeros recordes foram sendo batidos: a primeira mulher, o primeiro montanhista a escalá-lo duas vezes, as primeiras conquistas por novas rotas, a primeira conquista no Inverno (1967), a primeira subida a solo (1970), a primeira subida por uma equipa só de mulheres (1970), a primeira descida da vertente Cassin por Sylvain Saudan “Esquiador do Impossível” (1972), a primeira ascensão por uma matilha de cães esquimós (1979), nova tentativa de ascensão a solo pelo japonês Naomi Uemura, agora no Inverno (1984), falhada, um feito que seria conseguido quatro anos mais tarde. Ao longo deste tempo, e tal como nos tinha adiantado o piloto a bordo, mais de cem pessoas sacrificaram as suas vidas em honra do grande Denali.

A montanha é de tal forma ampla que cria a sua própria meteorologia completamente imprevisível. De um momento para o outro, a atmosfera estável pode degenerar em tempestades furiosas. Em Dezembro, de 2003, foram registados -59.7ºC. Num dia de temperatura semelhante e com um vento de quase 30 km/h, o Monte Denali produziu um recorde norte-americano absoluto de frio de – 83.4ºC.

Perante estes e outros números meteorológicos, topográficos e geográficos, entendemos  porque os nativos Athabascan e outros lutaram tanto tempo para que o tecto da América do Norte se passasse a chamar apenas Denali, exigindo a remoção do nome do presidente que nunca o visitou e pouco ou nada teve que ver com aquelas paragens alasquenses. Este capricho foi satisfeito pelo Presidente Baraka Obaka apesar da oposição do estado do Ohio e da irritação do Partido Republicano um dia antes da sua visita de 30 de Agosto de 2015 em procurou sensibilzar os americanos paras o drama das alterações climáticas. 

Também entendemos porque os nativos guardam tanto respeito pela montanha majestosa no cerne do seu vasto território. Aliás, quando aterramos são e salvos no aeródromo de Denali, esse mesmo respeito ainda nos aperta os corações.

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper Pisang, Nepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Anapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.

Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e a experiência que não se deve arriscar subir à pressa.

Sitka, Alasca

Memórias de Uma América que Já foi Russa

134 anos após o início da colonização, o czar Alexandre II teve que vender parte do actual 49º estado dos EUA. Em Sitka, encontramos heranças desses colonos e dos nativos que os combateram.

Juneau, Alasca

Na Capital Diminuta do Grande Norte

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta cidade ínfima que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

El Chalten, Argentina

Um Apelo de Granito

Duas montanhas de pedra geraram uma disputa fronteiriça entre a Argentina e o Chile.Mas estes países não são os únicos pretendentes.Há muito que os cerros Fitz Roy e Torre atraem alpinistas obstinados

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Aurora fria II
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades

Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.

Cidade dourada
Cidades

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
O projeccionista
Cultura

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Promo Polynesian Blue
Em Viagem
Viajar Não Custa

Compre Voos Antes de os Preços Descolarem

Conseguir um bilhete de avião a baixo preço tornou-se quase uma ciência. Fique a par dos princípios porque se rege o mercado das tarifas aéreas e evite o desconforto financeiro de comprar em má hora.
Étnico
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Caminho para o deserto
História

Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.

Praia soleada
Ilhas

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Pacífico celestial
Natureza

Mo'orea, Polinésia Francesa

A Irmã que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Mo’orea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Mo’orea é um privilégio a dobrar.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Anéis de Fogo
Parques Naturais

PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a dois mil metros no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.

Maias de agora
Património Mundial Unesco

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

Gang de 4
Personagens

Tombstone, E.U.A.

A Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.

Pedaço de Maldivas
Praia

Maldivas

De Atol em Atol

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.

No sopé do grande Aratat
Religião

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Parada e Pompa
Sociedade

São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré mas, Siga a Marinha.

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Devils Marbles
Vida Selvagem

Alice Springs a Darwin, Austrália

A Caminho do Top End

Do Red Centre ao Top End tropical, a Stuart Hwy percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, a grande ilha muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.