San Pedro de Atacama, Chile

O Oásis dos Gringos


La Casona

Empregado de um restaurante observa a acção numa das ruas típicas de San Pedro.

Passeio Acrobata

Residentes atravessam a Plaza de Armas num modo ciclista original.

Pose orgulhosa

Cavaleiro posa pouco antes de partir para uma cavalgada em redor de San Pedro.

Rua de adobe

Moradores e visitantes cruzam-se numa das várias ruas de adobe do pueblo.

Oriana Soza

Nativa ao balcão de uma mercearia afastada das ruas principais da povoação.

Calle Tocopilla

Indicação de números de domicílios sobre uma moldura de adobe não pintado.

La botica

Farmacêutico à porta da farmácia de San Pedro, também ela instalada numa casa típica.

Atacama a pedais

Viajante-ciclista aproxima-se de San Pedro de Atacama.

La Estaka

Angariador de clientes à porta do restaurante La Estaka.

Botas de pele e Esporas

Detalhe do traje de montada usado por um cavaleiro em San Pedro.

Diálogo equestre

Cavalos convivem no estábulo do hotel Explora.

Passeio a cavalo

Cavaleiro prepara-se para uma volta pelo deserto em redor da povoação.

Função dupla

Avô toma conta de uma neta e, ao mesmo tempo, da sua loja de recuerdos.

Descanso apertado

Viajantes repousam num café improvisado entre arcadas estreitas da Plaza de Armas.

Tagarelice Al Paso

Residentes conversam numa das esplanada sempre solarengas junto à Plaza de Armas.

Estilo atacamenho

Um nativo de San Pedro, protegido do sol do meio da tarde com um chapéu de palha.

Paz do Deserto

Morador repousa numa rua iluminada e preservada do pueblo.

Noite dourada

Átrio do hotel Explora (um antigo estábulo) iluminado ao lusco-fusco.

Torre branca

A torre branca da igreja secular de San Pedro, destacada na Plaza de Armas.

Los Correos

Caixa de correio antiga, integrada na perfeição no cenário histórico da povoação.

Os conquistadores espanhóis tinham partido e o comboio desviou as caravanas de gado e nitrato. San Pedro recuperava a paz mas uma horda de forasteiros à descoberta da América do Sul invadiu o pueblo.

Percorremos mais uma ruela apertada de adobe quando nos confrontamos com uma procissão proveniente de um outro beco escuro. Progride a passo curto, atrasado pelo peso dos andores que transportam Cristos e Virgens Marias de p

orte impressionante, se tida em conta a dimensão do lugarejo.

Liderado por uma combinação improvável de beatas locais escondidas atrás de véus negros e estrangeiros curiosos que caminham de calções e sandálias, o co

rtejo é animado por cânticos estridentes, interpretados por centenas de devotos iluminados por tochas.

Considerando a velocidade a que se move, promete demorar toda a madrugada a percorrer San Pedro e a chegar à igreja homónima. Para os estrangeiros, is

so pouco importa. Mal a Calle Caracoles fica desimpedida,  à falta de crença, entregam-se à cena e, depois, à cerveza Austral e ao Pisco Sour, as bebidas rainhas do Chile, perfeitas para alegrar a narrativa das suas estórias de viagem – as exactas e as exageradas – e a noite em geral.

Finda a cerimónia, a animação depressa contagia também a calle Gustavo Le Paige, que homenageia um missionário jesuíta de origem belga que se radicou em San Pedro, em 1955, e, como tantos outros forasteiros, se apaixonou pela vida simples da povoação e pelo seu passado atacamenho. Este padre tornou-se, aliás, num dos responsáveis pela preservação da fé e da manifestação religiosa a que tínhamos acabado de assistir.

O oásis que o acolheu foi inicialmente ocupado, há cerca de 11.000 anos, pelos Atacamas, o primeiro povo a fixar-se nas zonas irrigadas por rios ou aquíferos da puna e das quebradas do deserto. Conquistada a área aos Incas – que dela se haviam entretanto apoderado – os colonos espanhóis ergueram então San Pedro que, em 1540, seria visitada pelo conquistador de serviço na região, Pedro de Valdivia. A povoação viveu numa paz próspera enquanto paragem obrigatória das caravanas de gado e de nitrato que ligavam as oficinas nas terras altas dos andes e nas planícies do Atacama à costa do Pacífico.

Essa substância química viria, mais tarde, a ser exportada para todo o mundo, incluindo Portugal. O famoso fertilizante Nitrato do Chile provou-se essencial ao bom desempenho das culturas. Enquanto se disseminou pelo subsolo nacional, a sua imagem de marca do cavaleiro negro invadiu a superfície em posters e sacas do produto. Resistem, aliás, um pouco por todo o país, vários outdoors da marca, pintados em painéis de azulejo, ao estilo clássico da pasta medicinal Couto. 

San Pedro declinou durante algum tempo devido à introdução do caminho de ferro através dos Andes mas ganhou nova vida quando se transformou num destino de férias predilecto dos chilenos e começou a atrair visitantes estrangeiros, ambos rendidos à sua maravilhosa arquitectura colonial e à atmosfera tranquila e acolhedora.

Como nos explica o guia de Santiago, Maurício Aguero: “… o deserto de Atacama tornou-se irresistível aos habitantes aventureiros da capital chilena e, por volta de 1970, apoderou-se da povoação uma horda internacional de viajantes que havia já desbravado várias paragens das proximidades – Salta e Jujuy na Argentina; o Salar de Uyuni na Bolívia, Cusco no Peru e tantos outros – e procurava novos fascínios”.

Passados alguns anos, eram já vários os bares, restaurantes e guest-houses por eles abertos em casas e outros edifícios típicos. O turismo chegou para ficar e dominar. Depois das caravanas de burros e cavalos, a aldeia tornou-se, então, numa paragem obrigatória nas rotas de mochileiros à descoberta da América do Sul Andina, quase sempre provenientes do sul do Chile, de Salta e Jujuy na Argentina, do sul do Peru e do Salar de Uyuni, na Bolívia. Em época alta, os locais são novecentos e poucos mas os forasteiros contam-se aos milhares. Esta invasão subsidia e perturba, desde há muito, a forma de vida secular dos atacamenhos.

Durante o dia, a situação ainda é comportável. A maior parte dos gringos ausenta-se de San Pedro que adopta o ritmo arrastado dos seus habitantes. Mulheres falam à porta da farmácia local, miúdos brincam descalços sobre a lama em redor das acequias, idosos pedalam vagarosamente em direcção aos seus huertos, logo à saída da povoação. Tudo se passa sem pressas ou confusões.

Com o pôr-do-sol os estrangeiros regressam e aglomeram-se  a sul da Plaza de Armas, na principal calle de entretenimento de San Pedro, a Caracoles.

Ali, e nalgumas parelas e perpendiculares, os bares, restaurantes e lojas de recuerdos fazem um pouco de tudo para atrair mais clientes: criam decorações garridas, instalam lareiras interiores e palcos em que acolhem músicos chilenos e, quando calha, de outras partes do Mundo. Também aumentam o volume do som o máximo que podem e mantêm angariadores exuberantes em permanência a desviar transeuntes esfomeados ou sedentos para os seus estabelecimentos.

O espectro dos turistas é agora bem mais amplo do que há algumas décadas atrás. A evolução acentuada da economia chilena dotou a região de melhores acessos e condições. De repente, San Pedro e o Deserto do Atacama deixaram de ser território exclusivo dos indígenas e dos mochileiros, habituados a sofrer para descobrir. Chegaram também os hotéis de luxo, como o Explora e o Larache e os seus clientes endinheirados. Aos viajantes sub-35 juntaram-se outros com mais idade, dinheiro e caprichos de conforto e requinte a condizer.

Apesar da invasão de forasteiros, em termos arquitectónicos, este pueblo situado a 2436 metros acima do nível do mar mantém o aspecto rústico original gerado pelos colonos hispânicos. As casas, térreas e dispostas num padrão geométrico, preservam o adobe em que foram erguidas, umas vezes cru, outras caiado e outras ainda caiado mas “enfeitado” por riscas castanhas produzidas pelo escorrer da água dos telhados de lama num qualquer dia tão especial em que choveu. A contrastar com os tons terra, as suas molduras de portas e janelas são quase sempre garridas e, dependendo do tipo de proprietários, os interiores vão de espartanos à decoração lounge. 

Já as ruas, de terra batida, estão interligadas em redor da Plaza de Armas, onde se destacam os edifícios religiosos e políticos da cidade, solenemente representados pela igreja de San Pedro, a Casa Incaica (especialmente construída para a visita de Valdivia) e o Cabildo. As vias principais são a Caracoles – a comercial – e a Gustavo Le Paige. Esta passa em frente ao museu homónimo, assim baptizado em homenagem ao seu fundador, um missionário jesuíta de origem belga que se radicou em San Pedro, em 1955, e se apaixonou pela povoação e seu passado atacamenho. 

Nas traseiras da cidade, resistem ainda espécies de guetos rurais das comunidades indígenas – os ayulles – sob permanente ameaça especulativa. São hortas e pomares irrigados por canais em que, para surpresa geral, a água, de origem subterrânea ou produto do degelo longínquo dos Andes, flui a grande velocidade. Afinal, era suposto estarmos num deserto.

A população permanente ronda os 5000 habitantes. A quem percorre as callecitas ao fim da tarde, parece bem maior. Regressados das excursões ao deserto e à montanha, inúmeros exploradores atarefados cruzam-se e voltam a cruzar-se até terminar de organizar os seus programas para os dias seguintes. Acossados vezes sem conta por “vendedores” de restaurantes que lhes acenam com conversa fácil, menus baratos e promoções irresistíveis, com o cair da noite, escolhem finalmente onde vão assentar, não necessariamente sossegar.

Há muito que deixou de exercer o fascínio exótico puro por que se tornou famoso. Para sentir o modo de vida tradicional, há que filtrar os cenários, algo exequível durante a tarde quando as excursões levaram os estrangeiros para longe e o calor afasta das ruas os que ficaram a repousar.

Nessas ocasiões, encontramos, aqui e ali, pequenas mercearias genuínas e confusas que vendem um pouco de tudo, desde sacos de adubo e corta-unhas a guias de viagem usados. Entre as tiendas e bodegas pitorescas, sobressaem a farmácia e a padaria em que as mulheres atacama e aymara de tez escura e olhos rasgados comentam os boatos que correm sobre os vizinhos.

Desviamo-nos mais que o habitual do centro e acabamos a comprar empanadas na bodega y botilleria San Pedro. Oriana Soza está muito grávida mas ainda resiste ao balcão e recebe-nos com um misto de surpresa e simpatia. Atendido o pedido, passa-nos o embrulho quente e deseja-nos o típico sul-americano "Que les vaya bien". Estamos prestes a deixar a mercearia quando a nativa ganha coragem e acrescenta ”y, señores … hablen de la nuestra bodeguita a los otros gringos, por favor”.

Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz. 

Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.

Lenha à Pressa
Arquitectura & Design

Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Cerimónias e Festividades
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Cansaço em tons de verde
Cidades

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Tatooine na Terra
Cultura

Sudeste da Tunísia

A Base Terráquea da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.

 

Radical 24h por dia
Desporto

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Eternal Spring Shrine
Em Viagem

Garganta de Taroko, Taiwan

Nas Profundezas de Taiwan

Em 1956, taiwaneses cépticos duvidavam que os 20km iniciais da Central Cross-Island Hwy fossem possíveis. O desfiladeiro de mármore que a desafiou é, hoje, o cenário natural mais notável da Formosa.

Maias de agora
Étnico

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Uma Busca solitária
História

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Pesca no Paraíso
Ilhas

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Las Cuevas
Natureza

Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

A Gran Sabana
Parques Naturais

Gran Sabana, Venezuela

Um Verdadeiro Parque Jurássico

Apenas a solitária estrada EN-10 se aventura pelo extremo sul selvagem da Venezuela. A partir dela, desvendamos cenários de outro mundo, como o da savana repleta de dinossauros da saga de Spielberg.

Príncipe da Selva
Património Mundial Unesco

Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Hotel à moda Tayrona
Praia

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Portal para uma ilha sagrada
Religião

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Sociedade
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana

Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.

Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.