Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa


Rota de mar

Lancha percorre o litoral verde-azul do PN Abel Tasman, no norte da Ilha do Sul da Nova Zelândia.

Lagoas Pacíficas

Retalhos de beira-mar, na maré vazia. PN Abel Tasman

Vale fértil

Um vale verdejante da região de Nelson, a sul do PN Abel Tasman.

De alerta

Ovelha inspecciona os forasteiros que invadem os seus domínios ervados.

Céu vegetal

Grande feto arbóreo num trilho do PN Abel Tasman

A última curva

Meandro do ribeiro Wharakiri, na eminência da praia homónima e do limiar setentrional da Ilha do Sul da Nova Zelândia.

A caminho do mar

Caiaquers num riacho pouco profundo do PN Abel Tasman.

Mais monte que vale

Ovelhas, palma-dracena e um floco de nuvem coroam um outeiro íngreme na eminência da praia de Wharakiri.

Lagoa dos deuses

Te Waikoropupu: nascentes e lagoa que os maori consideram há muito sagrados.

Vida a 2

A vida animal asada e privilegiada das nascentes e lagoa de Te Waikoropupu, nas imediações de Takaka.

Um verde ovino

Prados "rolantes" salpicados de ovelhas e palmas-dracenas, aquém da praia de Wharakiri, e do limiar norte da Ilha do Sul.

Areal d'ouro

Praia da Golden Bay, nas imediações do PN Abel Tasman e da enseada em que o navegador holandês homónimo ancorou pela primeira vez na Nova Zelândia.

Um prado inclinado

Rebanho disperso em socalcos de pasto "roubados" à floresta endémica.

Uma ponte com vista

Caminhantes cruzam uma ponte suspensa do PN Abel Tasman.

Do cimo ao mar

Vertentes cobertas de prado, antecedem uma floresta rasteira e a Baía de Tasman, no nordeste da Ilha do Sul.

Reino vegetal

Rebanho de ovelhas partilha uma encosta ervada de Wharakiri com uma palma-dracena (cabbage tree).

Reduto ervado tomado à floresta de árvores manuka indígena destas partes da Ilha do Sul.

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.

Abrigada dos ventos e frentes frias pelas montanhas que se projectam do cimo da Ilha do Sul, a região de Nelson goza de mais horas de sol que qualquer outra parte da Nova Zelândia. E é quase só sol que temos quando exploramos as ruelas de Nelson e enquanto viajamos pela estrada 60, apontados a Takaka e, logo, ao limite setentrional pontiagudo de Te Wai Pounamu (Águas Esmeralda), assim preferem os maori tratar a metade de baixo da nação kiwi. Uns meros quilómetros fora da área suburbana, os cenários já se revelam tão bucólicos como seria de esperar. Sucedem-se vales amplos, forrados de um pasto verde quase fluorescente e delimitados por vertentes florestadas repletas de sulcos. Quando a via se acerca à Tasman Bay, revela outros desses sulcos, invertidos, que se desenrolam até ao oceano tranquilo. Duas horas depois, chegamos a Puponga. Para oriente, estende-se o Farewell Spit, uma língua de areia que encerra a Golden Bay e, por sinal, a Ilha neozelandesa do Sul. Deixamos a 60 para a Wharariki Road. Passamos a serpentear na direcção contrária e rumo a norte, entre outeiros ora cobertos por uma floresta baixa de árvores manuka ora, em que esse mato denso foi sacrificado à erva que também ali alimenta o exército ovino da Nova Zelândia. Seguimos o caudal acastanhado do ribeiro Wharariki por meandros e ferraduras caprichosas. De um lado e do outro, os rebanhos pastam equilibrados em encostas retalhadas por vedações de que, a espaços, despontam mini-bosques de palmas-dracenas e algumas destas cabbage trees solitárias. Nesse tempo, a Wharariki Road tinha-se alinhado com a costa setentrional. Um café e um parque de estacionamento anunciam o desvio para a praia homónima. Continuamos a pé guiados pelo riacho até que o trilho abre para um reduto de dunas alvas e nos revela uma praia a perder de vista. Subimos as dunas. Num ápice, a brisa que antes fluía ligeira entre os outeiros transforma-se num vendaval furibundo. Vemos a areia seca voar a grande velocidade e cobrir o areal compactado pela maré vazia de uma névoa granulada. O retiro do mar concedia acesso temporário a um tal de trio de ilhas Archway. Avançamos na sua direcção mas mal conseguimos controlar os passos. Sentimos a cara açoitada pela areia tresmalhada e por borrifos das vagas que se espraiavam, violentas, e torcidas para leste pelos tresloucados westerlies. Rendemo-nos à agressividade da atmosfera. Espreitamos apenas um ou dois recantos intrigantes entre os grandes rochedos Archway, após o que batemos em retirada para o abrigo bucólico em que ficara o carro. Perdida nuns antípodas solitários, a Nova Zelândia está desde sempre sujeita à rudez do oceano (ali pouco) Pacífico e dos agentes em geral. Quando a vislumbraram e começaram a explorar, os navegadores europeus passaram por sucessivas aflições. Como acontecera já no limiar austral de África, contornaram as penínsulas, os cabos, todas as adversidades até levarem os seus enseios descobridores e colonizadores a bom porto. Abel Tasman, o holandês que se adiantou face à concorrência, fê-lo exactamente nestas paragens por que andávamos. Tasman deixou Batavia (actual Jacarta) em 1642. Passou pela ilha Maurícia e descobriu a Tasmânia. Prosseguiu para Leste. Avistou o litoral da Ilha do Sul que terá acompanhado até se confrontar com os imponentes Alpes do Sul e voltado a “ascender” à latitude do Cabo de Farewell, para norte. Contornou-o e ao topo da Ilha do Sul. Já do lado oriental, achou o mar tranquilo da Golden Bay. Lá detectou uma série de fogueiras e fumos indicadores da presença de indígenas da tribo maori Ngati Tumatakokiri. Quando o sol voltou a raiar, Tasman enviou barcos de apoio em busca de uma ancoragem mais favorável e de um lugar para se abastecer de água. Reancorou numa enseada hoje chamada de Wainui Inlet, no extremo sul da Golden Bay. Nesse processo, os maori acompanharam os movimentos dos recém-chegados e procuraram apurar até que ponto representavam uma ameaça. Por fim, enviaram uma das suas canoas ao encontro dos forasteiros. No seu diário de bordo, Tasman narra o que então se passou: “um guerreiro soprou várias vezes um instrumento e nós mandámos os nossos marinheiros tocar-lhes música de volta”. Os maoris não estariam, todavia, dispostos ao duelo musical. Os sons que emitiam aos holandeses teriam o objectivo de os afugentar. Os indígenas acreditariam que aqueles seres brancos seriam patupaiarehe, fantasmas mitológicos que lhes levariam as mulheres e as crianças. Outras interpretações defendem que Tasman ancorou precisamente na enseada onde ficava a gruta de uma taniwha maori, um monstro réptil imaginário que a tribo temia que os brancos despertassem. Tendo em conta estas ansiedades, a resposta de Tasman e dos seus homens revelou-se inapropriada. Mais maoris se juntaram aos primeiros. Reforçados, desafiaram, por fim, os estrangeiros. Receoso de perder o controlo da situação, Tasman ordenou um disparo preventivo de canhão. O ribombar assustou e afugentou os maori para terra. No dia seguinte, os maoris regressaram em peso e  confrontaram os holandeses, provavelmente com um intenso haka. Tasman terá interpretado que se tratava de uma cerimónia de acolhimento. Após os maori regressarem a terra, ordenou aos marinheiros que aproximassem os navios da costa. Mas, antes que o fizessem, uma canoa maori forçou a colisão com um bote holandês. Um guerreiro nativo golpeou um dos tripulantes no pescoço com um longo chuço e mandou-o borda fora. Quatro outros marinheiros foram mortos, o corpo de um deles arrastado para dentro de uma das canoa waka. Os marinheiros ripostaram com tiros de mosquetes e outras armas. Por fim, convencido de que não era ali bem-vindo, Tasman ordenou a retirada. Desiludido, baptizou o lugar de Baía dos Assassinos e registou que “o encontro os devia ensinar a considerar os habitantes daquelas terras inimigos”. Tasman prosseguiu  rumo a oriente. Ancorou no actual arquipélago de Tonga. Os maori só viriam a avistar outros ocidentais mais de cem anos depois, entre 1769 e 1770, no caso, o incontornável capitão Cook e os seus homens, a bordo do HM Bark Endeavour. Ao contrário dos holandeses, os britânicos voltariam para ficar. Enquanto pioneiro, Tasman manteve a honra de diversos baptismos da zona: o Mar de Tasman. A Baía de Tasman, logo abaixo do Wainui Inlet em que teve lugar o confronto com os maori. Também o Parque Nacional Abel Tasman deslumbrante que, em breve, nos dedicámos a explorar. Regressamos à estrada 60 e a iminência da Golden Bay. Contornamos o amplo Ruataniwha Inlet, atravessamos o rio Aorere sempre por uma manta de retalhos aluviais e rurais de diversos tons de verde. Passamos por Parapara, por Onekaka e por Puramahoi. A sucessão de povoações com nomes maori comprova-nos o predomínio histórico do povo indígena e o respeito que, nos tempos mais recentes, as autoridades pós-coloniais da Nova Zelândia granjearam aos seus condóminos Chegamos a Takaka a tempo de nos instalarmos e darmos uma volta tão curta como a povoação, talvez um pouco maior que Coriscada, a aldeia do distrito da Guarda sua antípoda. Na manhã seguinte, pequeno-almoço despachado bem cedo, fazemo-nos ao PN Abel Tasman. Conduzimos até Kaiteriteri. Lá apanhamos um barco do parque que nos revela os caprichos da costa até à enseada recortada de Anchorage, sob o olhar desconfiado de inúmeros corvos-marinhos. Dali, em diante, tomamos o trilho que serpenteia por aquele domínio costeiro, atentos ao recolher e avançar do mar nos seus sucessivos contornos. O litoral do PN Abel Tasman tem as marés mais pronunciadas de toda a Nova Zelândia. Para que os caminhantes não acabem encurralados, é-lhes requerida uma atenção redobrada. Alguns dos areais são dourados como não pensávamos ser possível. Conferem todo o crédito ao baptismo da Golden Bay acima, a tal de que Tasman se viu forçado a bater em retirada. O mar que os afaga tem um tom verde-esmeralda que parece dourar ainda mais a areia. Para o interior, o sobe e desce do trilho revela incríveis colónias de fetos arbóreos, vários, com copas bem acima das nossas cabeças. Pontes suspensas atravessam desfiladeiros profundos, alguns deles caudais de braços de mar que a maré-cheia preenche num ápice. Aqui e ali, voltamos a descer da floresta para o nível do mar. Passamos por lagoas e piscinas naturais que nos seduzem a voltar a mergulhar. É o caso da Frenchman Bay, um braço de mar em forma de vírgula cercado por vegetação frondosa que alterna entre o branco do leito arenoso drenado e um verde-esmeralda suave que, aos poucos, a entrada de mais água adensa. Seis horas e 20 km depois, entramos na Awaroa Bay. Regressamos ao barco que nos traz de volta a Kaiteriteri e ao carro. Recuperamos energias. Com algum tempo de sobra, intrigados quanto ao que havia tornado as nascentes Te Waikoropupu tão famosas, viajamos até ao seu enigmático reino de água doce. Tal como acontecera ao longo do PN Abel Tasman, voltamos a ver-nos cercados de floresta densa. Chegados ao término de novo trilho, subimos a um varandim de madeira. A vista em redor volta a surpreender-nos. Oito fontes subterrâneas mantinham a transbordar uma enorme lagoa azulada delimitada pela própria base verde do arvoredo. O seu caudal era de tal maneira translúcido que, à laia de aquário, nos permitia apreciar os mais ínfimos pormenores rochosos, arenosos ou vegetais do leito. Medições de visibilidade levadas a cabo determinaram que chegava a 63 metros, atrás apenas de uma outra lagoa subglacial da Antárctida. Alguns patos selvagens lá nadavam e chapinhavam, queríamos acreditar que com prazer redobrado. Tal como acontece na gruta do Wainui Inlet em que Abel Tasman em má hora aportou, segundo creem os maoris, também este lago cristalino é frequentado por uma taniwha. Huriawa é, aliás, uma das três principais taniwhas de Aotearoa (o termo maori para a Nova Zelândia), uma mergulhadora das profundezas da Terra e do mar, que faz do seu modo de vida desbloquear canais das profundezas. Os nativos acreditam que é nas águas sagradas de Te Waikoropupu que repousa da sua actividade frenética. Com o dia prestes a encerrar-se, resolvemos inspirar-nos na mitologia. Sentamo-nos num dos varandins e ficamos a escutar o borbulhar abafado das nascentes, o piar da passarada e o silvar da brisa na vegetação. Abel Tasman desvendou estas paragens maori aos ocidentais há quase quatro séculos. Decorrido todo este tempo, Aotearoa acolhe e recompensa os forasteiros como nunca Tasman sonhou possível.

Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas. 

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Nova Zelândia

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.

Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.

Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos thirties. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.

Minhocas
Arquitectura & Design

Tbilissi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.

Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Auto-flagelação
Cerimónias e Festividades

Gasan, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé

Pesca Preciosa
Cidades

Colónia del Sacramento, Uruguai

Um Vaivém Colonial

A fundação de Colónia del Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.

Comodidade até na Natureza
Comida

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Acolhimento de Satoko
Cultura

Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Até há pouco, os estúdios nipónicos produziam 60% de todas as séries de animação. “Higurashi no Naku Koro ni” teve enorme sucesso. Em Ogimashi, damos com um grupo de kigurumis das suas personagens.

Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Lento fim do dia
Em Viagem

Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.

Natal de todas as cores
Étnico
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
História
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Desembarque Tardio
Ilhas

Arquipélago Bacuit, Filipinas

A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Caribe profundo
Natureza

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Correria equina
Parques Naturais
Castro Laboreiro, Portugal  

No Cimo Raiano-Serrano de Portugal

Chegamos à eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Pastéis nos ares
Património Mundial Unesco

Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Perigo: correntes
Praia

Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, muito pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da remota ilha francesa da Reunião está por conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.

Wall like an Egyptian
Religião

Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Sociedade
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilômetros de Nampula, fruta tropical é coisa que não falta.
Patrulha réptil
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.