Tóquio, Japão

O Imperador sem Império


Torre Fushimi Yagura

Uma das torres do palácio Imperial japonês que recuperou o castelo de Edo.

Excitação

Súbditos nipónicos acenam ao imperador prestes a entrar no palácio imperial.

Pinheiros

Floresta urbana de pinheiros antecede uma área de quase-arranha-céus de Tóquio.

Trânsito interrompido

Polícia barra o trânsito durante a entrada do Imperador no palácio imperial.

Fotos em uniforme

Jovens estudantes fotografam o palácio imperial.

Ciclo-Segurança

Segurança do palácio imperial numa bicicleta clássica.

O Imperador

Imperador Akihito acena aos súbditos de dentro da limousine imperial.

A postos

Guarda Imperial em sentido junto ao seu abrigo.

Excursão juvenil

Fila de alunos de um colégio move-se em direcção da torre Fushimi Yagura do palácio imperial.

Foto de grupo

Grupo de alunos é fotografado com o palácio imperial em fundo.

Fotógrafos

Fotógrafos a postos junto a um plano com a Torre Fushimi Yagura do palácio imperial em fundo.

Hospedeiras em conferência

Hospedeiras de comboios shinkansen discutem planos de trabalho em frente ao palácio imperial.

Torre Fushimi Yagura (+ próximo)

Plano aproximado da Torre Fushimi Yagura, parte do palácio imperial de Tóquio.

De saída

O imperador japonês percorre a área em redor do palácio imperial a bordo de uma limusine e seguido por uma longa escolta.

Um Outono Imperial

Folhas outonais dão mais cor às muralhas sólidas do palácio do imperador, antigo castelo de Edo (a povoação antecessora de Tóquio).

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.

O palácio imperial impõe-se à cidade como uma das mais marcantes viagens ao passado de Tóquio. Quando emergimos da sofisticação tecnológica da estação de metro de Otemashi examinamos a realidade em redor e deslumbramo-nos. Para trás, salta à vista um núcleo pouco uniforme mas harmonioso de edifícios de escritórios modernos, dois ou três deles quase arranha-céus, outros, mais baixos. Ao nível do solo e quase até à base destes prédios, estende-se uma floresta urbana de pinheiros verdejantes que mais parecem ter sido aparados por uma equipa de Eduardos Mãos de Tesoura.

Entre os pinheiros e o palácio, alonga-se uma vasta área coberta de brita cinzenta só interrompida pelo asfalto mais escuro que dá acesso ao palácio. Detectamos o muro do antigo castelo de Edo e um estranho alinhamento de pessoas que lhe virou as costas e parece esperar algo. Ocorre-nos atravessar o asfalto que nos separa delas para verificarmos afinal que se passava mas, não vamos longe.

Um polícia grita em nipónico e gesticula para voltarmos para trás. Fiéis ao objectivo inicial, submetemo-nos a uma volta bem maior. Quando chegamos ao outro lado, a ansiedade tomou conta do grupo que resiste ao frio, de máquinas fotográficas em riste.

Ouvem-se sirenes ao longe. Surgem polícias-batedores em motorizadas volumosas, seguidos por um cortejo composto por sete viaturas negras e uma última, também policial. A pequena multidão entra em frenesim, mais ainda as mulheres que trocam exclamações histéricas, acenam e batem palmas tão comovidas como fora de si. Abre-se a janela traseira de um dos carros, destacado pela configuração de limusine clássica e por uma bandeira vermelha que esvoaça sobre o meio do capô. Um homem de fato, ar cândido e cabelo grisalho revela-se do interior, acena de volta aos admiradores e leva-os a um óbvio êxtase. O cortejo não pára mas abranda. Em três tempos, desaparece para o interior do jardim do palácio. A multidão rejubila. Dezenas de súbditos nipónicos acabavam de ver o seu imperador. Como se não bastasse, o imperador tinha-os saudado.

No que nos dizia respeito, sem sabermos muito bem como, tínhamos acabado de ver o imperador do Japão. O imperador do Japão tinha-nos saudado.

À partida, a probabilidade deste encontro era semelhante à de se achar um outro imperador ainda no activo à face da Terra: zero.

A casa imperial nipónica mantém-se como a monarquia hereditária mais antiga do mundo a exercer em continuidade. A sua origem é tão ancestral que cai num vazio de rigor, apesar de constar num livro de história japonesa do século VIII que foi fundada em 660. a.C.

No largo período decorrido, o poder do imperador japonês alternou entre um quase total simbolismo e uma verdadeira regência imperial. Mas, na maior parte do tempo – apesar de nominalmente apontados pelo imperador – os verdadeiros líderes japoneses foram os shoguns, senhores feudais que disputaram o território nipónico até à entrada em cena da Restauração Meiji, que promoveu o imperador à personificação de todo o poder do reino. Os exploradores portugueses, pioneiros europeus na chegada ao Japão, compararam-no ao Papa: com grande autoridade simbólica mas soberania limitada.

Após estender-se pela Ásia e Pacífico do final do século XIX até 1945, o Império do Sol capitulou em pouco mais que um ano perante os exércitos aliados. Foi reconduzido ao seu arquipélago ponto de partida e dissolvido, em 1947, durante a ocupação dos E.U.A. que estiveram na base da criação da nova constituição nipónica.

Hirohito foi poupado pelos norte-americanos a condenações por crimes de guerra e preservado no poder com o estatuto de “símbolo do estado e da unidade do povo”. Morreu, em 1989. Akihito ocupou então aquele que é conhecido pelo trono crisântemo. Este último imperador é venerado da forma que tínhamos acabado de assistir – e de outras bem mais zelosas ou até fanáticas – como descendente directo de Amaterasu, deusa xintoísta do Sol e do Universo, de acordo, a mais alta autoridade terrena desta religião.

Durante onze séculos, os imperadores japoneses residiram em Quioto. A partir do meio do século XIV, a residência oficial – Kokyo – foi mudada para o castelo de Edo, no coração de Tóquio. O seu edifício principal continuava à nossa frente, abrigado sobre muralhas interiores, para diante da ponte Nijubashi, no cimo de uma colina e entre árvores frondosas.

Vemos dezenas de alunos nipónicos vestidos de negro avançarem em fila ao longo da gravilha. Chegados à ponte, formam com este cenário como fundo e um fotografo, à boa maneira japonesa munido de tripé, regista a imagem dos jovens súbditos para a posteridade.

A estação central de Tóquio não está longe. Partem dela a toda a hora comboios-bala shinkansen destinados às principais cidades do país e equipados com uma hospedeira para cada carruagem. Entretanto, um grupo destas trabalhadoras nos seus uniformes elegantes aflui ao lugar com o mesmo propósito dos estudantes.

No início do século XXI, estas e outras japonesas quase foram prendadas com uma revolução na sempre tradicionalista relação de género nipónica.

Por essa altura, o Príncipe Akishino (segundo filho de Akihito)  mantinha-se o único elemento masculino nascido no seio da família imperial desde 1965.

Com a sucessão em risco, a Casa Imperial decidiu formar um conselho para ponderar a hipótese de uma mulher poder suceder ao Imperador. Mas, em 2006, Akishino e a princesa Kiko geraram um príncipe, Hisahito. Pouco depois, o conselho manteve que a sucessão deveria continuar a fazer-se no masculino. Acontece que Naruhito – o primogénito e provável sucessor do imperador actual – só tem uma filha. O que decidirão os japoneses quando a sucessão voltar a estar em perigo?

Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Tongatapu, Tonga

O Último Trono da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Fogo-de-artifício branco
Aventura

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Dragão Humano
Cerimónias e Festividades

São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Moon Festival californiano.

Radical 24h por dia
Cidades

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Correria equina
Cultura
Castro Laboreiro, Portugal  

No Cimo Raiano-Serrano de Portugal

Chegamos à eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Em manobras
Em Viagem

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Olhar de galã
Étnico

Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Rampa
História

Badaling, China

Uma Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da maior estrutura criada pelo homem, recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.

Em louvor do vulcão
Ilhas

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Convés multifuncional
Natureza

Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Mini-snorkeling
Parques Naturais

Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso a “A Praia”

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.

De visita
Património Mundial Unesco

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Conversa ao pôr-do-sol
Praia

White Beach, Filipinas

A Praia Asiática de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.

Portal para uma ilha sagrada
Religião

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Sociedade
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Um
Vida Quotidiana

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Vida Selvagem

Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.