Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar


Enseada do Éden

Banhista explora o litoral translúcido do oceano Índico, ao largo de Anse Lazio.

Cocos-do-mar juvenis

Cocos-do-mar juvenis. Na plenitude do seu crescimento, podem atingir o triplo do tamanho.

Índico de mar e granito

Duas crianças perdidas na vastidão de granito e água turquesa da praia de Anse Lazio.

Os cocos "afrodisíacos"

Exemplares de cocos-do-mar expostos na reserva natural Vallée de Mai, onde as palmeiras que os geram continuam a crescer.

Vallée de Mai

Grupo de visitantes explora a reserva natural de Vallée de Mai, ainda repleta de palmeiras de cocos-do-mar, no coração de Praslin.

Fiel de passagem

Transeunte passa em frente à igreja protestante de Sainte-Anne.

Uma reunião fúnebre

Grupo de senhoras no interior da igreja de Sainte Anne, por ocasião da morte de uma amiga.

Anse Georgette

Banhistas divertem-se noutra das praias perfeitas de Praslin, a de Anse Georgette.

À esquina

Habitantes de Sainte Anne descansam encostados à fachada de uma loja da povoação.

À porta de Deus

Homem na fachada frontal da igreja de madeira de Sainte Anne.

Água doce e velho granito

Água de um rio que desagua na praia de Anse Lazio.

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.

Mal nos apareceu à frente, percebemos que a noite de Dave fora mais longa que o aconselhado e que se levantara contrariado e a esforço. O rapaz era de Mahé, a ilha-mãe das Seichelles. Tinha-se mudado para Praslin fazia já alguns anos alegadamente porque a vida era mais tranquila. A justificação pouco condizia com a sua condução de rali, que não tardou, tivemos que refrear. Em vez de acatarmos o que nos sugeria e atravessarmos de imediato o parque nacional e o interior luxuriante da ilha para a costa norte, convencêmo-lo a contornar toda a sul e a recortada, a leste, sem grandes pressas.

Queríamos, com aquele itinerário bem mais amplo, ficar com uma ideia abrangente do que podíamos esperar de Praslin. Depressa percebemos que tínhamos aterrado noutro dos paraísos perdidos pouco abaixo do equador, na vastidão do grande oceano Índico.

Quase sempre entre um mar cor de esmeralda e uma floresta tropical densa, percorremos a baía Grande Anse e chegamos à confluência com a vizinha Anse Citron. Entre os dois areais, a estrada bifurca. Segue para o troço que Dave antes sugerira. A outra ramificação transforma-se numa via litorânea de sopé de encosta, também sinuosa e ondulante, a partir de então tão estreita, que em certos trechos impede a passagem de dois veículos em simultâneo e ameaça seguir mar ou selva adentro.

As enseadas apelativas repetiam-se uma atrás da outra banhadas por águas circunscritas por uma barreira de recife ao largo. Sucederam-se uma série de outras “anses” (enseadas) sugestivas. A St. Sauveur, a Takamaka, esta baptizada de acordo com a colónia destas árvores quase rastejantes que lhe emprestam muito mais verde e sombra que apenas os meros coqueiros. Seguiram-se a Anse Cimitière e a Bois de Rose, logo a Consolation e a Marie-Louise, todas elas praias privilegiadas. Até que atingimos a zona urbanizada da Baie Sante Anne e, passado o porto e a povoação contígua, cortamos para norte. Não tardámos a dar com Anse Volbert. É este o principal núcleo habitacional e balnear da ilha, virado para longos areais também eles afagados por um mar quase imóvel, semi-represado por barreiras de recife algo mais distantes da costa que as do sul.

Com a volta de Praslin já a passar de meio, estávamos convencidos da sua beleza preservada. Ao mesmo tempo, sabíamos que havia melhor. Ansiosos por nos voltarmos a banhar numa das praias deslumbrantes das Seichelles e do Índico, convencemos Dave a prosseguir para o extremo noroeste da ilha. Vinte minutos numa estrada de terra batida depois, estávamos de frente para um mar tranquilo, festivamente translúcido e de diferentes tons de azul, ciano, turquesa e um quase lápis lazúli. Nas imediações da costa frondosa, a maré mantinha-se cheia, salpicada por uma colónia de calhaus graníticos de um rosado polido. Perante tal vista, sob o sol abrasador das quase onze da manhã, disparámos para a areia coralífera, trepámos a dois ou três rochedos volumosos e, dali, fizemos algumas fotos. Pouco depois, enfiámo-nos na água e celebrámos o momento com natações e flutuações deliciosas.

Antes de regressarmos à companhia de Dave, ainda espreitámos duas ou três outras pequenas enseadas, cada vez mais sumidas na vegetação densa, de que se destacavam os coqueiros estendidos na horizontal sobre o oceano. Hoje, só se encontram em Anse Lazio e ao longo do litoral de Praslin coqueiros dos convencionais. Nem sempre assim foi.

Em plena era dos descobrimentos, os povos asiáticos e, entretanto, os marinheiros e aventureiros europeus que com eles estabeleceram contacto, nunca tinham visto palmeiras que gerassem cocos da dimensão de alguns que encontravam no mar e praias do Índico, que chegavam a ter 60 cm de diâmetro e até 42kg. Diz-se que certos marinheiros malaios os terão visto “cair para cima” do leito do mar.

Disseminou-se, então, a crença de que eram produzidos por árvores que cresciam nas profundezas do oceano. Nos seus “Colóquios”, Garcia de Orta foi mais longe. Afiançou que nasciam de palmeiras que haviam sido submergidas por uma grande inundação quando o arquipélago das Maldivas se separou da Ásia.

O povo malaio acreditava que essas árvores davam abrigo a Garuda, uma espécie de ave gigante que capturava elefantes e tigres. A Garuda é, ainda hoje, o nome da companhia aérea nacional da Indonésia. Sacerdotes africanos também acreditavam que, por vezes, as árvores dos cocos-do-mar se erguiam acima do oceano, que as vagas que geravam impediam as embarcações de prosseguir e que os marinheiros impotentes eram devorados pela Garuda. Mas não se ficou por aí a riqueza dos imaginários criados em redor dos cocos-do-mar.

As grandes nozes que eram encontradas no oceano e nas praias já tinham perdido a sua casca (só assim flutuam) e pareciam quadris de mulheres. Estas ancas e rabos flutuantes foram sendo recolhidos em navios e vendidos por fortunas na Arábia, na Europa e noutras paragens.

Nas Maldivas, era suposto qualquer coco-do-mar encontrado ser entregue ao rei. Guardá-los acarretava a pena de morte.

Em 1602, o almirante holandês Wolfert Hermanssen recebeu um coco-do-mar do Sultão de Bantam (actual Indonésia), por ter ajudado a defender a capital do sultanato homónimo dos portugueses. Sabe-se ainda que Rudolf II, um imperador do Sacro Império Romano-Germânico o tentou, em vão, adquirir por 4000 florins de ouro.

Também se cria, como o descreveu João de Barros – um dos primeiros historiadores portugueses – que as nozes tinham outros poderes extraordinários. Serviriam de antídoto para peçonhas, venenos e enfermidades. Provavelmente devido à acção inibidora da Inquisição, Garcia de Orta nunca se atreveu a mencionar o seu badalado e alegado poder afrodisíaco. Como, pelas mesmas razões, nunca o fez Camões nos Lusíadas em que o Canto X versa:

 

“Nas Ilhas de Maldiva nace a pranta

No profundo das agoas soberana

Cujo pomo contra o veneno urgente

He tido por Antidoto excelente”

Camões retrata esse poder na Lírica, a sua obra que mais aborda o tema do amor e da paixão. Aí, recorre a abundantes artifícios léxicos por forma a evitar dissabores vindos do Inquisidor Geral (Cardeal D. Henrique) e dos censores da Inquisição.

Tínhamos a sensação de que também Dave nos censuraria se ficássemos muito mais tempo em Anse Lazio. Assim sendo, voltámos à carrinha apontados para Anse Volbert, onde fizemos umas compras casuais numa mercearia de donos hindus, escura, abafada e a tresandar a especiarias.

Em nova passagem pela Baie Sante Anne detemo-nos e examinamos a povoação e a sua vida. Entrámos numa pequena igreja protestante piramidal e de madeira vermelha gasta. No interior, damos com várias senhoras nativas, descendentes dos escravos africanos trazidos pelos franceses para as Seichelles, no século XVIII. Encontramo-las em amena cavaqueira sentadas nos bancos corridos. A extremidade de todos os bancos junto ao corredor está decorada com laços de cetim brancos e cor-de-rosa pelo que nos convencemos que está prestes a ter lugar um baptizado. Metemos conversa com as senhoras que se dispõem a corrigir. “Não, não é um baptizado. Antes fosse. É um funeral de uma nossa amiga. Os laços? Nós temos a tradição de as usar nos funerais. A cor deles depende do que motivou a morte. Estes que veem correspondem a doença cancerígena.”  

A surpresa deixa-nos sem palavras mas lá nos recompomos, pedimos desculpa pelo equívoco e retiramo-nos com a melhor expressão anglófona de pesar de que nos lembrámos.

Deixada para trás a igreja, percorremos uns poucos quilómetros e embrenhámo-nos no coração florestado da ilha. Pouco depois, entrámos na área de acolhimento da reserva natural e Património Mundial da UNESCO Vallée de Mai.

O Vallée de Mai preserva uma floresta de palmeiras que chegou a cobrir grande parte de Praslin e de outras ilhas das Seichelles. Aliás, em tempos do supercontinente Gondwana cobriu outras vastas áreas da Terra. Praslin é, à imagem das Seichelles em geral, considerada um micro-continente, já que não tem origem vulcânica ou coralina como quase todas as restantes ilhas do Índico, mas sim granítica.

Conseguirmos resgatar Dave à sua conversa de engate com uma moça nativa da recepção, percorremos os trilhos sombrios e húmidos do parque, fascinados pela beleza frondosa da vegetação, em particular, das Loidocea Maldivicas, as palmeiras endémicas que produzem os cocos-do-mar. Também nos encantaram, como aos marinheiros da era das descobertas, os espécimes secos que a administração do parque mantem expostos nos trilhos.

Agora que pensamos no assunto, a corte feita pelo jovem Dave teve o seu quê de relação com um mito não menos cómico a que Charles George Gordon, um general britânico, chegou em 1881. Tinham passado trezentos e setenta e oito anos de quando Vasco da Gama se tornou o primeiro europeu a avistar e a navegar ao largo do arquipélago actual das Seichelles – no regresso da Índia – e o apelidou de Almirante em sua própria honra. Decorreram sessenta e nove anos após a Grã-Bretanha o ter conquistado à França.

Segundo a teoria a que chegou através de uma análise cabalística do Livro de Genésis, o Vallée de Mai seria o Jardim do Éden e as suas palmeiras eram a árvore da sabedoria. Representavam tanto o Bem como o Mal enquanto, devido às imaginadas propriedades afrodisíacas, o coco-do-mar corresponderia ao fruto proibido. Gordon chegou mesmo a assinalar a localização exacta do Paraíso no mapa da ilha como Vale do Coco-do-Mar.

Esta sua postulação exótica foi contestada por um outro escritor, H. Watley Estridge que confrontou Gordon com a ínfima probabilidade de Eva ter conseguido morder um coco-do-mar através da sua casca de dez centímetros de espessura. Gordon nunca respondeu.

Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias diversificaram-se, tal como os povos que o disputaram.

Malé

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, a capital das Maldivas pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano genuíno que nenhuma brochura turística poderia revelar.

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Pleno Dog Mushing
Aventura

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

Dia no ksar
Cerimónias e Festividades

Tataouine, Tunísia

Os Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. A Tunísia presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.

Natal de todas as cores
Cidades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Comodidade até na Natureza
Comida

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Cavalgada em tons de Dourado
Cultura

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

De volta ao porto
Em Viagem

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Transbordo
Étnico

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Promessa?
História
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Em louvor do vulcão
Ilhas

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Glaciar Meares
Natureza

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Meandros do Matukituki
Parques Naturais

Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas. 

As Cores da Ilha Elefante
Património Mundial Unesco

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Gang de 4
Personagens

Tombstone, E.U.A.

A Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.

Cap 110
Praia

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.

Cansaço religioso
Religião

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Cabana de Brando
Sociedade

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Devils Marbles
Vida Selvagem

Alice Springs a Darwin, Austrália

A Caminho do Top End

Do Red Centre ao Top End tropical, a Stuart Hwy percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, a grande ilha muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.

Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.