Passo da Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra


Benção Solar

Mergulhão destacado contra o sol poente, na convergência do do rio Vermelho com o rio Miranda.

O grande Pescanal

Pescador tenta a sua sorte a partir de um molhe do Passo do Lontra, uma fazenda-hotel às margens do rio Miranda.

Vista primata

Macaco-bugio espreita os visitantes humanos do cimo de uma árvore.

A todo o vapor

Chalana com pescadores a bordo percorre o rio Miranda.

Uma criatura única

Maria dos Jacarés, junto ao seu estabelecimento e à placa que sinaliza a presença dos jacarés que "adoptou".

De olho na objectiva

Jacaré camuflado sob a vegetação anfíbia numa lagoa na extensão do rio Miranda.

Em pose

Garça equilibrada e destacada sobre ramos de um árvore do Pantanal.

De regresso

Lancha percorre um trecho verdejante do rio Miranda, diante do Passo do Lontra.

Convívio fluvial

Família de capivaras à entrada do rio Vermelho.

Uns passos no Passo

Trabalhador da fazenda Passo do Lontra percorre um dos seus muitos passadiços.

Cuidados "maternais"

Maria dos Jacarés exibe o seu à vontade com um dos seus "mininos" répteis.

Tempo de secagem

Mergulhão areja as penas ao sol, à beira do rio Miranda.

Caravana capivara

Grupo de capivaras cruza uma das lagoas da fazena do Passo do Lontra.

Por fim

Uma das lontras que avistamos no rio Vermelho e, na sequência, ao longo do rio Miranda.

Tucano examina as suas possibilidades junto à margem do rio Miranda.

O grande Tuiuiú, a maior ave voadora do Pantanal e, se for contado o tamanho na vertical em vez da envergadura das asas, das Américas.

Chalana contorna um meandro arenoso e viçoso do rio Miranda.

O longo passadiço "ferroviário" do Passo do Lontra que agora conduz do parque de estacionamento às imediações dos edifícios principais.

Lusco-fusco envolve o coração operacional da fazenda Passo do Lontra.

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.

A viagem desde Campo Grande contava já com três horas e meia, incluídas duas paragens em estações de serviço peculiares no meio do nada. Tínhamos saído da grande cidade ainda cedo, mesmo assim, rendidos ao facto de que não escapar&iacu

te;amos à fornaça em que se transformavam aquelas paragens interiores, já quase bolivianas do Brasil, quando o sol disparava para o seu zénite tropical.

Faltavam menos de 20km para o destino final. O motorista Sr. Carlos anuncia-nos um inesperado motivo de interesse. “Olhem, a gente tá a aproximar-se aí da Maria dos Jacarés que passa lá na Globo Rural, vocês querem parar?“ A referência soa-nos tão enigmática quanto aliciante. Mesmo derreados e conscientes da meteorologia dantesca no exterior, aceitamos o repto. Carlos detém o carro diante de um negócio-domicílio pespegado à beira da estrada, na iminência de uma ponte sobre um dos incontáveis meandros do rio Corixo Mutum. Sai por sua conta, em jeito de emissário. Regressa com boas notícias. “Ela não estava a contar mas uma vez que vocês são jornalistas, diz que tá tudo joia. Vamos lá falar com ela!”.

Entramos no boteco erguido com umas meras tábuas, telheiro de chapa e envolto de uma rede verde e fina que o mantinha arejado e protegido das melgas e mosquitos por ali tão abundantes.

No interior, um homem cinquentão com feições de índio, dormita sobre uma mesa. Uma senhora de idade condizente surge das traseiras do estabelecimento e apresenta-se. “Boa tarde, Maria dos Jacarés, sejam bem-vindos. Vocês querem conhecer meus mininos, né ?”

Continuamos a ouvi-la nas traseiras ribeirinhas de onde tinha aparecido. Um quase monólogo que, à medida que se desenrolava, se tornava surreal como, aliás, tudo em redor. Ocorre a Maria, ou melhor a Eurides Fátima de Barros – o seu verdadeiro nome – que teremos eventualmente influência política. A esperança de podermos melhorar a sua vida fá-la desabafar. “As coisas não tão nada fáceis por aqui, mesmo aparecendo lá no Globo Rural e nas outras TVs e tudo isso, o senador que prometeu que ia legalizar o meu negócio não fez nada ainda. Agora falam por aí que vão me expulsar. Já chegou o outro cara lá de baixo que quis ficar com meu sítio à força…vocês me ajudem, tá? Eu só quero continuar por aqui. Tratar dos meus mininos!” 

A menção dos infantes repetia-se, persistente. Ainda ninguém nos havia esclarecido a que se referia ao certo a senhora mas o seu título não deixava margem para dúvidas. Chegados à beira plana e relvada do Corixo Mutum, Maria apresenta-nos, por fim, as suas crianças.

“Gordo, vem cá! Bruto, Filipão, Ronaldinho, Dunga, Pelezão! Venham à mamãe!” Dª Maria avança em direcção ao rio. Faz soar um berrante, uma corneta de chifre usada no Brasil pelos vaqueiros. Durante um curto hiato, nada acontece. De repente, um grande jacaré negro emerge do rio. Caminha vagaroso na nossa direcção. Maria bate duas pedras uma na outra e faz chocalhar um ramo de árvore. Vários jacarés seguem o pioneiro. Instalam-se sobre o relvado, na expectativa, na companhia de um bando de urubus que tinham detectado a acção dos céus  e pressentiam um banquete. Maria dirige palavras ternurentas a alguns dos seus répteis preferidos. Prenda-os com pedaços de carne. Mais ao Gordo que aos restantes, quase todos com nomes de jogadores ou treinadores de futebol brasileiros.

Então, escolhe um espécime mais destacado, para nos demonstrar o seu à vontade entre a bicharada. Pega-lhe numa pata e levanta-a. Deita-se sobre ele, tudo acompanhado com sussurros e demonstrações de afecto afins. “Tadinhos dos meus mininos. Teve uma altura que o pessoal vinha aqui e matava eles. Aí eu decidi me instalar e tomar conta. Agora todo o mundo pode gostar e ver eles. Vocês me ajudam também a protege-los, né?”

O à vontade da anfitriã e a noção de que eram jacarés e não crocodilos do Nilo tinham-nos tornado incautos. Quando demos por ela, estávamos a passear entre os bichos e debruçar-nos para melhor os fotografarmos e filmarmos. Este texto é a prova de que sobrevivemos para contar.

Maria disse adeus aos jacarés. Nós seguimo-la de volta ao boteco e despedimo-nos com desejos de que os políticos de Campo Grande lhe concedessem a melhor sorte. Enfiamo-nos no carro, cruzamos o Corixo Mutum  e completamos os 17km que nos faltavam.

Abastecidos por torrentes intensas e por alguns dos lençóis freáticos maiores à face do Planeta, vários rios serpenteiam por estes lados, em distintos sentidos, entre ilhas mais ou menos grandes de Terra que, mal se instala a época das chuvas, diminuem a olhos vistos. Ao longo dos tempos, a dinâmica de seca e inunda da meteorologia tem-se mantido regular e controlável pelas comunidades que teimam em colonizar o imenso Pantanal.

Abundam as fazendas boiadeiras, umas com propriedades a perder de vista, outras comedidas, mais comparáveis a chácaras (pequenas quintas). A espaços, as margens dos rios e das estradas principais acolhem também comunidades na sua origem piscatórias. Lá se instalam os negócios que servem as fazendas, os criadores de gado, os pescadores e as gentes que com estes levam para diante as suas vidas. A Passo do Lontra a que entretanto chegamos é uma de tantas.

Surgiu como um simples rancho “de pouso” usado pelos boiadeiros que cruzavam a região, a 110km para noroeste da cidade de Miranda e quase a mesma distância de Corumbá, na iminência do limiar leste boliviano. Quando as maravilhas do Pantanal começaram a correr mundo, as suas gentes empreendedoras adaptaram-se às oportunidades trazidas pelos turistas forasteiros.

Instalada em 1979 por João e Marilene Venturini, a fazenda Passo do Lontra foi uma das que mais cedo se dedicou a receber e entreter os adeptos brasileiros e estrangeiros da pesca e os ecoturistas que lá começaram a afluir.

É como parte do segundo grupo que damos entrada na sua propriedade, em época alta da pesca, não tanto do ecoturismo. As temperaturas máximas teimavam em passar os 40º. Nem todos os viajantes estavam dispostos a suportar tal provação.

O sr. Carlos imobiliza o carro no parque de estacionamento, de frente para um passadiço de madeira dotado de carris de tal forma longos que mal lhes conseguimos perceber o término. O passadiço conduz-nos às imediações do rio Miranda. Ramifica para outro paralelo ao rio que nos leva aos edifícios palafíticos principais da fazenda.

Refugiamo-nos da sauna que se fazia sentir na frescura ventilada da sala de refeições. Logo ao lado das portadas de saloon, um pitoresco posto de pinga embelezado por girassóis, dá as boas-vindas aos recém-chegados. “Enjoy the Pantanal” versa o rótulo da garrafa, entre sete copinhos encaixados numa base de madeira maciça. Atiramo-nos às várias delícias do buffet pantaneiro. Recuperamos assim forças para o fim de tarde de descoberta que tínhamos pela frente. Satisfeitos e recuperados, bebemos um pouco da cachaça com esperança que a leve anestesia aliviasse o calor insano.

Podíamos – provavelmente devíamos – ter dormido uma sesta. Em vez, começámos de imediato a investigar o que nos reservavam os dez hectares da Passo do Lontra, sempre pela rede de passadiços elevados que a serviam, alguns suspensos sobre o terreno ensopado e verdejante.

Em plena época seca, inúmeros animais procuravam água mais fresca e corrente. Concentravam-se junto às margens do Miranda e em redor da fazenda. Passamos por caravanas de capivaras em travessia de uma das lagoas locais e por jacarés camuflados na vegetação anfíbia. Damos com mergulhões que enchem os papos de grandes peixes e com tantas outras aves: carcarás destemidos que não se afastam sequer à nossa passagem. Passamos por tucanos, araras azuis e vermelhas socializáveis, por tachãs e aracuãs, estas últimas os estridentes e infalíveis despertadores do Pantanal. Mesmo esquivos como são, detectamos e encaramos macacos bugios, todos intrigados pela curiosidade fotográfica que, sem aparente explicação, por eles manifestávamos.

Por volta das quatro e meia da tarde, damos por findo este périplo zoológico inicial. Encontramo-nos com Jeferson no embarcadouro da fazenda. Lá inauguramos a primeira de duas fascinantes incursões fluviais: aquela, vespertina. Uma outra, com início sobre a aurora do dia seguinte.

Em ambas, o Miranda e as suas margens exibiram-nos a realidade fluvial, semi-humanizada daquele não tão remoto Pantanal.

Duas ou três grandes chalanas desajeitadas percorriam o rio para cá e para lá. Proporcionavam aos clientes a bordo, uma dinâmica total de pesca que só não rivalizava com o desafogo e o conforto das fazendas. Pequenas lanchas surgiam imobilizadas de forma quase sagrada em recantos estratégicos do rio. Partilhavam-nas mais pescadores, invariavelmente determinados a fisgarem o maior número de pintados, pacus, dourados, cacharas, jaús, barbados e, claro está, as piranhas que o Pantanal lhes concedesse.

Serpenteamos no Miranda até ao lugar a que a ele se entregava um afluente, o Vermelho. Constatamos como o marcava a agonia de uma chácara que se havia instalado na ponta do V criado pela confluência e a que o poder da torrente inflacionada pelas chuvas havia erodido as margens, já quase a provocar o colapso dos edifícios de madeira.

E, no entanto, em plena época seca, a superficialidade das águas ocre do Vermelho barram-nos de o subir mais que umas centenas de metros. Em jeito de compensação, revelam-nos o ninho hiperbólico ocupado por um casal de tuiuiús, ou jabirus, as enormes cegonhas do Pantanal e mais altas das aves voadoras das Américas, suplantadas apenas, em amplitude de asas, pelos condores andinos.

Quando nos aprontamos para deixar o Vermelho, vislumbramos ainda uma família de lontras em plena missão de caça. Acompanhamo-las na sua passagem para o Miranda e no longo trajecto periférico, em parte, anfíbio, que lá empreenderam até quase ao Passo do Lontra.

Na segunda saída para o Miranda, vimos o sol nascer. A começar, tímido, a vencer um manto de névoa celestial escura, para, logo, exibir num laranja-rosado radiante, a sua grande esfera do contentamento terrestre. De quando em quando, vimo-lo ser rasgado pelos voos de mais aves atarefadas: garças, mais carcarás, gigantescos tuiuiús, os Tupolevs pantaneiros.

Esse sol envergonhado não tardou a sair da casca. Às dez da manhã já desalmava uma vez mais o encharcado Pantanal.

A determinada altura das suas vidas, a primeira geração dos Venturinis – João e Marilene – tinha deixado a Passo do Lontra ao filho Sandro para se instalarem noutra sua fazenda, situada a 20km para norte. Fizesse o calor que fizesse, estava na hora de também para lá nos mudarmos.

 

Como Ir:

A TAP http://www.flytap.pt voa todos os dias, directamente de Lisboa para várias cidades brasileiras. As mais convenientes para chegar a Campo Grande e ao Passo do Lontra, no Pantanal do Mato Grosso do Sul, São Paulo e Brasília. Destas cidades, poderá completar a viagem com uma companhia aérea brasileira.

Os autores agradecem à TAP e à FUNDTUR Mato Grosso do Sul o apoio concedido na criação desta reportagem.

 

Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.

Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.

Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.

Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Lençois da Bahia, Brasil

Uma Liberdade Pantanosa

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.

Ilhabela, Brasil

Depois do Horror, a Beleza

90% de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ihabela.

Ilhabela, Brasil

A Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das 10 melhores praias do Brasil.

Goiás Velho, Brasil

Uma Sequela Da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Barragem Itaipu, Brasil

A Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.

Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem a maior manada bubalina e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.

Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por um padre português, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.

Filhos da Mãe-Arménia
Arquitectura & Design

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

Nippo-Selfie
Cidades

Takayama, Japão

Entre o Passado Nipónico e a Modernidade Japonesa

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.

Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Santuário sobre a floresta II
Cultura

Quioto, Japão

Um Japão Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.

Bola de volta
Desporto

Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o AFL Rules football só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.

Las Cuevas
Em Viagem

Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada

Capacete capilar
Étnico

Viti Levu, Fiji

Velhos Passatempos de Fiji: Canibalismo e Cabelo

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Normatior
História

PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.

Passagem
Ilhas

Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Brincadeira ao ocaso
Natureza

PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Solidão andina
Parques Naturais

Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução desde 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida chegou à sua estação terminal. Foi levada a cabo nas montanhas andinas por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.

Vale de socalcos
Património Mundial Unesco

Batad, Filipinas

Os Socalcos que Sustentam as Filipinas

Há mais de 2000 anos, inspirado pelo seu deus do arroz, o povo Ifugao esquartejou as encostas de Luzon. O cereal que os indígenas ali cultivam ainda nutre parte significativa do país.

Acima de tudo e de todos
Personagens

Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.

Pesca no Paraíso
Praia

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Estante Sagrada
Religião

Tsfat, Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.

A todo o vapor
Sobre carris

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul

Cabana de Brando
Sociedade

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Curiosidade ursa
Vida Selvagem

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.