La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical


Brigada incrédula

Visitantes de La Digue dentro de água a capturarem o incrível cenário dos rochedos de Anse Source d'Argent.

Sombra de azul

Mulher fotografa as águas turquesa da costa norte da ilha.

Grande Anse

Onda rola na areia coralífera da costa leste de La Digue, a mais batida pelo oceano Índico.

Bye !!

Thomas e Yencel regressam a La Passe depois de capturarem polvos e chocos nas águas baixas de Anse Gaulettes.

Verde cyano

Enseada tropical em frente ao vilarejo de Patatran.

Repouso tropical

Amigas descontraem à beira-mar de Anse Source d'Argent.

Pesca fácil

Thomas e Yencel exibem as suas capturas do dia.

Coração de pedra

Rochedos isolados na selva encharcada do nordeste de La Digue.

Num equilíbrio geológico

Calhaus de granito destacam-se da praia idílica de Petite Anse.

Doce vislumbre

Cores deslumbrantes de outra das enseadas da costa oriental de La Digue.

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Até há algum tempo, não era autorizada a propriedade de carros na pequena ilha. Hoje, ainda são raros. Daniel, aguardava-nos num mas de golfe, o tipo de veículo mais popular de La Digue, lado a lado com a bicicleta. Dá-nos as boas vindas à saída da doca em que atraca o ferry vindo de Praslin e convida-nos a subir a bordo. Connosco instalados, inaugura a curta viagem de travessia da costa oeste à oriental. Avançamos por um caminho de blocos de cimento que a vegetação envolve e torna sombria. Daniel conhece todos os não forasteiros com que se cruza, também eles ao volante de golf carts, de bicicletas ou a pé e cumprimenta-os de forma alternada. Saúda alguns com um simples “Allo”, a outros dá um “bozoo”, o crioulo local para “bonjour”. Outros ainda, vê-os com tanta regularidade que lhe dedica apenas um esboço de aceno. Cinco minutos volvidos, chegamos à entrada viçosa da Grande Anse. Vencida uma persistente hesitação, combinamos a hora em que nos apanharia de volta e metemo-nos no trilho curto que, entre coqueiros, conduzia ao areal. Uma placa assinala o seu término e o início do verdadeiro litoral. O aviso que difunde alarma o mais que pode, a branco e vermelho e em cinco dialectos distintos, a começar pelo seichelense: “Atansyon: Kouran tré danzere”. Ainda assim, o que mais nos capta a atenção é a beleza da enorme praia que se estende tanto para norte como para sul, o areal alvo, o mar cristalino banhado em gradientes de azul que se encaixa na perfeição da baía. E as pequenas penínsulas cobertas penhascos que lhe encerram a longitude, desde o mar já sem pé até à orla verdejante da selva equatorial, a que os nativos chamam de “pointes”.

Fazia uma semana que estávamos nas Seichelles. Depois das ilhas irmãs Mahé e de Praslin, aquele tipo de formações rochosas não eram propriamente novidade. Tinham, no entanto, uma harmonia de formas e linhas inédita que, condomínio com alguns coqueiros intrépidos e com vegetação arbustiva, tornavam singulares.

A Grande Anse foi só a primeira das praias desertas, selvagens e sedutoras que exploramos naquela manhã de sol radioso. A norte desta, escondia-se a Petite Anse. Para lá desta menor, ficava a Anse Coco. Findos os areais de cada uma, o acesso à próxima seguia trilhos que se metiam por pequenos pantanais e trepavam ao cimo de novas “pointes” tanto pela floresta tropical como por entre os rochedos afiados que dela se destacam. Fosse em que trecho fosse, a humidade mantinha-se opressiva e, por mais água que bebêssemos, destilava-nos aos poucos.

Tão desenfreada crescia a selva que nem sempre a conquista do cimo destas “pointes” nos garantia vistas desafogadas das baías abaixo. Por mais que uma vez, para as conseguirmos tivemos que concretizar acrobacias sobre os rochedos afiados, por vezes, em equilíbrios realmente precários.

Quando, por fim, atingíamos pontos livres de rochas ou de copas de coqueiros, os panoramas das “anses” arredondadas, com as suas colónias de calhaus graníticos, o mar azulão e a selva verde- garrido deixavam-nos boquiabertos. Descemos ao areal da Anse Cocos encharcados em suor. Uma placa similar à da Grande Anse sinalizava mais correntes marinhas traiçoeiras mas, cozinhados como estávamos pela clorofila quente daquelas latitudes, não tínhamos como resistir. Escolhemos um recanto sem aparentes abnormalidades no vaivém do mar e banhámo-nos como aquela pequena ilha das Seichelles merecia: em absoluto êxtase. Apressado pelo atraso vergonhoso que já tínhamos face ao combinado com Daniel, completamos o regresso à Grande Anse num quinto do tempo. Quando lá chegamos, já tinha voltado à povoação de La Digue. Recuperamos energias num bar crioulo de praia em convívio com os donos e com uma estrangeira cinquentona amalucada que nos parecia ali regressar após alguns anos e que, para espanto do trio, os tratava como se fossem íntimos.

Daniel aparece com um ar tranquilo mas conformado. Mais uma vez à sua boleia retornamos ao centrinho quase urbano da ilha. Já em La Passe, mudamos do carrinho de golfe para duas bicicletas sem mudanças, tão perras quanto seria possível, eventualmente as piores da ilha. Mesmo em modo de queixume, pedalamos costa norte acima.

Logo na primeira rampa, constatamos porque vários outros ciclistas-turistas conduziam as suas bicicletas apeados. É a pé que chegamos à beira do cemitério local, um conglomerado de campas e cruzes brancas coloridas por flores que se sucediam sobre a relva até ao domínio mais elevado da floresta. Os primeiros colonos franceses de La Digue desembarcaram na ilha acompanhados de escravos africanos, a partir de 1769. Muitos regressaram a França mas os nomes de vários outros podem ser encontrados nas lápides mais antigas que tínhamos por diante, como nos apelidos dos actuais habitantes, descendentes dos colonos que ficaram, dos escravos entretanto libertados e de emigrantes asiáticos que a estes se juntaram.

Descemos do cemitério de novo para a beira-mar da Anse Severe. Detemo-nos a examinar aquela praia semi-escondida à sombra de um exército poderoso de árvores takamaka com ramos que invadiam o areal. Por baixo de uma destas árvores, encontramos uma vendedora de sumos instalada atrás de uma banca coberta de frutas tropicais coloridas que havia decorado com flores de hibisco cor-de-rosa. Perguntamos quanto custava cada sumo. Alda, a senhora, responde-nos dez euros como se não fosse nada. Explicamos-lhe que não podemos gastar vinte euros assim do nada em dois sumos. A senhora reconhece que o preço é exagerado e recorre a uma panóplia de explicações: “sabem é que a banca não é minha, é do meu filho e foi o preço que ele e a mulher decidiram. Ao contrário do que a maior parte das pessoas pensam, a fruta aqui em La Digue, é cara, vem de Mahé já a preços bem altos.” Entretanto apresentámo-nos mutuamente. Alda comenta o que mais nos intrigava: “não é assim tão fácil nós plantarmos fruta por cá. Os terrenos são muito caros por todas as Seichelles. Cada um de nós tem espaços mínimos em redor das casas. O que conseguimos plantar é para a família consumir.” Ficamos meia-hora à fala com a senhora que nos desabafa metade dos problemas da sua vida. Sensibilizada pela companhia, oferece-nos os sumos que bebemos, entregues a mais conversa. Findas as bebidas, retomamos as bicicletas e a estradinha sinuosa de cimento. Pedalamos esforçados mas reidratados quando atingimos o meandro apertado do extremo norte da ilha e passamos da Anse Severe para a Anse Patates. Por altura do vilarejo de Patatran, o litoral de La Digue, ali bem mais suave do que o virado ao grande Índico da costa leste, volta a aprimorar-se. Veste-se de uma fabulosa palete de azuis e cianos marinhos prolongada céu acima. Novelos brancos verticais atravessam o firmamento e acima e ocultam o horizonte longínquo. No plano abaixo do varandim de que apreciávamos este fabuloso panorama tropical, o branco reflector estava na areia que as vagas de enfeite não conseguiam molhar. Coqueiros sedentos de frescura inclinam-se sobre o mar e deixam as suas silhuetas no areal, mais uma vez delimitado por “pointes” elegantes de granito.

Enquanto contornamos a costa do norte para oeste, o litoral de La Digue pouco deriva deste cenário imaculado.

Já a pedalar na Anse Gaulettes, detemo-nos a espreitar a actividade de dois nativos que vasculhavam o mar, com a água pelos joelhos. Gesticulamos-lhes a nossa curiosidade. Respondem-nos para esperarmos um pouco. Passam apenas um minuto deitados na água. Quando se levantam, exibem-nos o resultado da sua demanda: um polvo e um choco acabados de capturar. Satisfeitos com o prémio quase instantâneo, caminham para fora de água. Mesmo antes de saírem, um deles ainda nos consegue surpreender: “Esperem lá! Pensavam que já tinha acabado. Ainda há mais.” Mergulha as mãos na água e retira-as já a segurar uma pequena tartaruga. “Se querem fotografar, sejam rápidos! Elas entram em stresse se as segurarmos fora de água muito tempo. OK, vou larga-la!” avisa-nos Thomas com a anuência de Yencel a partilharem risadas fáceis e solarengas enquanto se debatiam com as tentativas de mordedura da tartaruga e com as vagas que, mesmo comedidas, os desequilibravam. Deixamo-los a arrumarem os moluscos e seguimos a pedalar à frente. Pouco nos adiantamos quando deixamos cair uma garrafa de água e temos que encostar à berma. Enquanto nos recompomos, o duo passa por nós com grande espalhafato. Thomas segue sobre uma bicicleta cor-de-rosa de criança que parece ter saído de uma qualquer promoção da Barbie. Os dois acenam-nos “adeuses”, com enormes sorrisos e “byes” estridentes abaixo de uma nuvem com visual de mascote e extraviada a baixa altura. Thomas gritou-a a exibir os seus grandes dentes, perfeitos, ainda mais brancos pelo contraste com a pele negra. De tão cómica e surreal, a cena lembra-nos parte de um daqueles históricos anúncios de TV do rum Malibu rodados nas Caraíbas.

Continuamos costa leste abaixo até atingirmos à “pointe” da Anse Caiman que nos separava da Anse Cocos em que havíamos terminado a caminhada matinal. Aí, voltamos uma vez mais ao ponto de partida de La Passe, comprarmos víveres numa mercearia quase a fechar e apontamos à fazenda e fábrica de copra agora histórica de Union.

Em tempos, esta propriedade concentrava a principal produção de La Digue, os cocos. Hoje, é um parque temático informal. Abriga o maior e um dos mais antigos rochedos de granito da ilha, com 700 milhões de anos, quarenta metros de altura e diz-se que uma área de 4000 m2 e, na sua base, uma colónia malcheirosa, libidinosa e barulhenta de tartarugas gigantes de Aldabra.

Espreitamo-las e também ao velho cemitério local. Prosseguimos fazenda fora e chegamos à mais notória das praias de La Digue: Anse Source d’Argent. Damos entrada no seu ainda mais excêntrico reduto de granito pelo meio de alguns dos rochedos que tanto a caracterizam. Já do lado de lá, encontramos a maré vazia como seria perfeito que estivesse. Entramos mar adentro com cuidado, entre corais e bancos de algas submersos. E quando nos afastamos o suficiente da beira-mar, percebemos a sumptuosidade do cenário à frente, composto por sucessivos rochedos estriados e listados, alguns empoleirados em cima de outros, os mais baixos coroados por copas de coqueiros e cercados da floresta viçosa e pujante. Durante todo o tempo que admiramos e fotografamos a paisagem, uma família de peixes-morcegos-redondos nada-nos em redor das pernas, a verificarem o que poderiam aproveitar da turbulência que provocávamos no leito do mar. O ocaso anunciava-se e o ferry para Praslin zarpava daí a uma hora. Sem estadia marcada em La Digue, corremos para o areal, apanhámos as bicicletas ainda presas a coqueiros e pedalámos à velocidade que aquelas pasteleiras permitiam em direcção à doca de La Passe. Apanhámos o ferry sem sobressaltos e ainda com luz suficiente para um último olhar sobre algumas das incríveis obras de arte graníticas de La Digue.

 

Malé

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, a capital das Maldivas pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano genuíno que nenhuma brochura turística poderia revelar.

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    

Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.

Sirocco
Arquitectura & Design

Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela estética e pelo modernismo inspirada pela vizinha Escandinávia.

Aterragem sobre o gelo
Aventura

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.

Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia: Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
T4 à moda do Namibe
Cidades

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Conversa entre fotocópias
Cultura

Inari, Finlândia

A Assembleia Babel da Nação Sami

A nação sami é afectada pela ingerência das leis de 4 países, pelas suas fronteiras e pela multiplicidade de sub-etnias e dialectos. Mesmo assim, no parlamento de Inari, lá se vai conseguindo governar

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Em manobras
Em Viagem

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

A ver a vida passar
Étnico

Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Glamour vs Fé
História

Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.

Solovestsky Outonal
Ilhas

Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag cruel. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.

Aurora fria II
Inverno Branco
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Convívio masai
Natureza

Masai Mara, Quénia

Um Povo Entregue à Bicharada

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Água grande
Parques Naturais

Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

Recompensa Kukenam
Património Mundial Unesco

Monte Roraima, Venezuela

Uma Ilha no Tempo

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Punta Cahuita
Praia

Cahuita, Costa Rica

Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral costariquenho tão afro quanto caribenho. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.

Resistência
Religião

Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus radicais pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Mini-snorkeling
Sociedade

Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso a “A Praia”

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.

Um
Vida Quotidiana

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.

Perigo de praia
Vida Selvagem

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.