Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival


Pleno Dog Mushing

Greg Stoddard conduz um trenó puxado por cães.

Cães ansiosos

Cães líderes desejosos de começar a sua corrida.

Recanto

Trabalhadores mantêm protectores auriculares à mão para os fornecerem aos visitantes prestes a embarcarem nos helicópteros que servem o campo.

Camping de Godwin

Vista aérea do acampamento no glaciar de Godwin.

Recompensa merecida

Greg Stoddard afaga e recompensa um dos seus cães preferidos.

Linhas no gelo

Dois trenós puxados por cães percorrem trilhos sobre o glaciar de Godwin.

Em circuito

Equipa de cães puxa um trenó por um trilho no campo de gelo de Godwin.

Cães Eleitos

Greg Stoddard e Rhonda Pemberton escolhem os cães para a próxima equipa de puxadores.

Na expectativa

Huskies, malamutes e centenas de outros cães acompanham os movimentos dos tratadores.

Travessia arriscada

Sinal alerta os visitantes para a passagem eminente de trenós de dog mushing.

Tempo morto

Cães aguardam com inesperada paciência a sua vez de arrancar.

Uivo de Quase Lobo

Husky uiva a reclamar que seja escolhido para uma das equipas prestes a partir.

Heli vai-e-vem

Helicóptero prestes a aterrar sobre o campo de gelo de Godwin.

Potência canina

Greg Stoddard conduz uma equipa de cães ao longo do campo de gelo de Godwin, nas imediações de Seward.

Patriotismo Sobre a Neve

Bandeira dos E.U.A. ondula no acampamento do Alaska Icefield Expeditions, em pleno campo de gelo de Godwin.

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

A julgar apenas pelo som, podíamos ser levados a pensar que Juneau estava em guerra. Hidroaviões descolam uns atrás dos outros deslizando ao longo do Canal de Gastineau. E dezenas de helicópteros sobrevoam-no e às redondezas em missões relâmpago. Na origem, os causadores desta agitação são os gigantescos cruzeiros que atracam todos os dias nas docas da cidade, deixando-a à sombra, à medida que o Sol vai descendo por detrás.

Desembarcam de cada um dos navios verdadeiros exércitos de visitantes que se entregam às primeiras lojas de recordações que encontram. Mas, como quase todas as povoações do estado, Juneau é ínfima. Apanha desprevenido o típico yankee do Lower 48, habituado aos espaços sem fim e às metrópoles imponentes. Inspirados pela mais pura ignorância, aqueles ofendem vezes sem conta os locais, perguntando-lhes, em plena baixa da capital alasquense, “onde fica afinal Juneau?” ou o caminho para lá chegar. Quando elucidados, fartam-se do seu urbanismo minimal num par de horas e procuram compensar a desilusão com conquistas inesquecíveis na última fronteira dos E.U.A. São eles os clientes preferidos das empresas de voos panorâmicos. Turistas com a mania das grandezas e carteiras a condizer ou mera disposição para gastar.

Num dia solarengo, os seus escritórios e hangares não têm descanso. Fazem-se reservas e mais reservas, pesagens atrás de pesagens e dão-se briefings após briefings desde as primeiras horas da manhã até ao pôr-do-sol tardio. Os pilotos dos helicópteros, esses, repetem as mesmas rotas, locuções e piadas até à exaustão, satisfeitos pelo enriquecimento acelerado mas, ainda assim, ansiosos pelo fim da temporada. Não tanto como os seus sacrificados parceiros da montanha.

Até há algum tempo, os voos panorâmicos limitavam-se a desvendar os melhores cenários do Alasca. Mas a criatividade do marketing norte-americano não conhece limites. A partir do meio da década de oitenta, as empresas de voos panorâmicos banalizaram as aterragens em glaciares e nos campos de gelo que os alimentam. E, pouco depois, associaram-se aos principais criadores de cães e mushers do Grande Norte e enriqueceram as suas aventuras com baptismos “a despachar” de Dog Mushing, nesses mesmos lugares extremos.

Com o passar dos anos, este tornou-se num dos pacotes que mais lucros gera ou não custasse cada tour de hora e meia para cima de 500 dólares. Mas se a vida dos investidores no negócio se limita à gestão e recolha dos lucros, alguns dos participantes mais abaixo na hierarquia, sofrem a bom sofrer para garantir os seus dividendos.

Descolamos dos arredores de Juneau, para uma segunda experiência da “modalidade”. À medida que o helicóptero sobe, deixamos a planície aluvial da península de Mendenhall e ascendemos às alturas da Thunder Mountain. Contra o vento, o piloto vence uma derradeira vertente e desvenda-nos o lago Mendenhall e um vale amplo pintado de azul pelo glaciar homónimo. Prosseguimos, então, ao longo dos 19 km do rio de gelo até à vastidão branca elevada onde nasce. Aí, vislumbramos um enorme arraial branco semi-camuflado sobre a neve, em que ladram centenas de cães excitados pela aparição súbita da aeronave.

Somos recebidos por Ted Williams, o responsável pelo campo que nos conduz aos seus malamutes e huskies preferidos enquanto fala sobre a vida romântica mas árdua da equipa. Ted descreve os longos períodos de retiro na montanha. Ele e os restantes membros costumam descer a Juneau apenas uma vez por semana. E, entre esses dias, suportam um pouco de tudo, animados apenas pelo dinheiro que fazem e pelo convívio com os colegas e com os cães que vão treinando e tratando. As visitas dos clientes – que surgem frequentemente de calças de ganga e t-shirt – são tão constantes como efémeras e, quando as tempestades se instalam, os helicópteros deixam de aparecer e o isolamento pode durar semanas.

A maior parte destes mushers são apaixonados pela modalidade e competem com os seus melhores cães nas principais provas, incluindo as mundialmente famosas Iditarod Trail e Yukon Quest. 

Alguns dias antes de chegarmos a Juneau, conhecemos Greg Stoddard sobre o campo de gelo de Godwin, situado na proximidade de Seward, nas terras altas da Península Kenai. Apesar dos latires e uivos ensurdecedores, Greg explica-nos o funcionamento do acampamento mas depressa atalha caminho para esclarecimentos e estórias do verdadeiro mushing e, confessa, sem cerimónias, que a associação às empresas de voos panorâmicos e os meses passados na montanha lhes permitem dedicar-se, depois, a tempo inteiro aos treinos e à competição evitando antigos constrangimentos financeiros, os mesmos que muitos dos colegas mushers continuam a sofrer.

Decorridos alguns minutos, volta a interromper a conversa para atender a nova leva de turistas que acaba de sair do helicóptero. Leva a cabo mais um curto périplo pelo acampamento, agrupa uma equipa de cães ansiosos e, transmitidas aos passageiros as instruções básicas de condução dos trenós, um colega faz a equipa canina deslizar sobre um trilho fechado já bem escavado na neve, incentivada por dois líderes Siberian Huskies conflituosos.

Aproveitando uma curta pausa do passeio, uma “passageira” cinquentona de vestido esvoaçante às flores e chapéu de palha pede para mudar do trenó para o posto de musher e, em três tempos, confunde totalmente os cães com os seus comandos incoerentes. Até ao fim do percurso a dignidade do mushing pouco melhora.

Nenhum dos povos esquimós do Grande Norte Árctico alguma vez pensou que a sua forma de locomoção milenar pudesse ser tão infamemente profanada mas, enquanto os cruzeiros atracarem no Alasca e os turistas do sul desembarcarem dispostos a gastar, este estranho Dog Mushing de Verão terá que continuar.

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.

Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.

Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum. 

Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.

Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.

Sitka, Alasca

Memórias de Uma América que Já foi Russa

134 anos após o início da colonização, o czar Alexandre II teve que vender parte do actual 49º estado dos EUA. Em Sitka, encontramos heranças desses colonos e dos nativos que os combateram.

Juneau, Alasca

Na Capital Diminuta do Grande Norte

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta cidade ínfima que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Pela sombra
Arquitectura & Design

Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro de Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.

Radical 24h por dia
Aventura

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Verificação da correspondência
Cerimónias e Festividades

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Telhados cinza
Cidades

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Comodidade até na Natureza
Comida

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Cultura
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Verão Escarlate
Em Viagem

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

No coração amarelo de San Cristóbal
Étnico

San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Silhuetas Registão
História

Samarcanda, Usbequistão

Um Desvio na Rota da Seda

Em Samarcanda, o algodão é agora o bem mais transaccionado e os Ladas e Chevrolets substituíram os camelos. Hoje, em vez de caravanas, Marco Polo iria encontrar os piores condutores do Usbequistão.

Cap 110
Ilhas

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.

Recta Final
Inverno Branco

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Trio das alturas
Natureza

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Pose mais à mão
Parques Naturais

Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.

Rumo ao vale
Património Mundial Unesco

Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.

Riso no elevador
Personagens

Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A industria japonesa da noite é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, somos acolhidos por uma sua assalariada enigmática que opera algures entre a arte gueixa e a prostituição convencional.

Baie d'Oro
Praia

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Tédio terreno
Religião

Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Autoridade bubalina
Sociedade

Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem a maior manada bubalina e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Campo de géiseres
Vida Selvagem

El Tatio, Chile

Uma Ida a Banhos Andina

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4300 m de altitude. Os seus geiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes. Ditou o tempo que uma das mais concorridas celebrações dos Andes e do Deserto do Atacama passasse por lá partilharem uma piscina aquecida a 30º pelas profundezas da Terra.

Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.