Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha


Radical 24h por dia

Saltadora de bungy jumping balança pendurada de uma plataforma, enquanto a noite cai sobre Queenstown.

Regresso à base

Encarregados de uma empresa de actividades radicais puxam uma saltadora de bungy jumping de volta para a plataforma de saltos.

A todo o vapor

TSS Earnslaw sulca as águas gélidas do lago Wakatipu.

Exposição em Navegação

Passageiros do TSS Earnslaw inspeccionam uma exposição de fotografia histórica sobre a embarcação num dos decks.

Cumes dourados

Montanhas dos Alpes do Sul em redor de Queenstown, cenário de várias passagens da saga "Senhor dos Anéis".

Lento degelo

Montanhas geladas e lagoa numa encosta dos Alpes do Sul.

Em doca no Wakatipu

O TSS Earnslaw prestes a zarpar de uma doca de Queenstown.

Sobre as montanhas

Um voo elevado de paragliding sobre as montanhas em redor do lago Wakatipu.

Kelvin Heights

Vivendas num istmo do lago Wakatipu.

Do outro lado do Wakatipu

TSS Earnslaw ancorado junto à estância de Walter Peak Farm.

Montanhas à beira-lago

O lago Wakatipu e encostas verdejantes dos Alpes do Sul.

The Lady of the Lake

O vapor TSS Earnslaw - também conhecido por Lady of the Lake" navega nas águas azuladas do lago Wakatipu.

Exercício matinal

Visitantes de Queenstown preparam-se para andar de caiaque no lago Wakatipu.

Middle Green Earth

Vale verdejantes nas imediações de Queenstown.

Navegação de cabotagem

Passageiros do TSS Earnslaw seguem na proa do navio a caminho da estação ovelheira TSS Earnslaw.

Do Lago aos Picos Nevados

Cenário majestoso dos Alpes do Sul em redor de Queenstown.

Cumes cinéfilos

Picos nevados como os que o realizador Peter Jackson usou para ilustrar a "Middle Earth" da saga "Senhor dos Anéis".

Água de Degelo

Lago formado pela acumulação de água libertada pelo degelo nos Alpes do Sul.

Varanda Náutica

Passageiros do vapor TSS Earnslaw espreitam para terra do convés da embarcação.

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Antes de dar início à descolagem, Peter, o piloto destacado, avisa com um sotaque kiwi cerrado: «Não vos vou perguntar o que querem sobrevoar. Vão ver que é tudo especial.»

De facto, mal o pequeno Cessna ganha altitude, começa a desvendar-se o vale verdejante em redor de Queenstown e, com ele, a  vastidão azulada do lago Wakatipu. Aos poucos, os picos gelados dos Remarkables definem-se contra o céu. Do interior, em direcção ao Pacífico, sucedem-se mais e mais montanhas e lagos em que o sol, demasiado ténue para degelar a neve dos picos, reforça os tons dourados.

Surge, por fim, o Mar da Tasmânia. Invade o espaço até então absoluto da cordilheira, em braços profundos dos quais se projectam penhascos verticais, uns cobertos de vegetação rasa, outros demasiado polidos para acolher qualquer forma visível de vida. Quedas de água gentis que se adiam por centenas de metros precipitam-se do topo das ravinas até se dissiparem nas rajadas de vento ou se afundarem no mar.

Estamos no sudoeste da ilha do sul da Nova Zelândia. Durante quase uma hora, este voo arrojado de avioneta revelou-nos as paisagens únicas em redor de Queenstown.

Não foram só os cenários imponentes que tornaram esta cidade famosa. Até à moda do radical pegar, a maior emoção proporcionada pela pequena colónia tinha sido a sentida por dois tosquiadores de ovelhas quando, em 1862, encontraram ouro nas margens do rio Shotover e provocaram um forte influxo de prospectores profissionais.

Um ano depois, o ajuntamento tinha-se tornado numa vila mineira com uma população de vários milhares. Algures por essa altura, o governo da Nova Zelândia vistoriou-a e proclamou-a “fit for a Queen”. Dessa forma oficial, deu o mote para o seu nome definitivo.

Nos dias que correm, mais que pronta para acolher qualquer realeza, Queenstown transformou-se num domínio indisputado da adrenalina teenager.

O bungy jumping ali nasceu em termos comerciais, desenvolvido nos anos 80 por um kiwi irrequieto de  nome Alan John Hackett.  AJ cresceu em Auckland, a capital da ilha do norte, onde frequentou a Westlake Boys High School, que deixou aos 16 anos para se dedicar ao snowboard, ao esqui e tantas outras actividades radicais que o iam atraindo. Inspirado na cerimónia Naghol da ilha de Pentecostes, em Vanuatu e nos saltos praticados na década de 1970 pelo Oxford University Dangerous Sports Club, AJ desenvolveu uma espécie de super-elástico. Demonstrou-o com impacto apenas mediático, quando se lançou do interior da torre Eiffel, em 1987, sem qualquer aviso ou autorização, para logo ser detido pela polícia, de blazer e calças camufladas.

Já algemado, AJ foi interpelado por um repórter gaulês que lhe perguntou se achava que ia ter problemas com as autoridade francesas. Tranquilo e sorridente, respondeu: “Não me parece. Acho que eles são pessoas muito razoáveis. Tenho a certeza que vão ver isto como uma inspiração para o povo de França e do Mundo”. 

Não podia estar mais certo. Daí em diante, a prática seria repetida vezes sem conta, de alturas sempre assustadoras e, por vezes, adornada por artifícios que garantiram uma permanente inovação, como saltos sobre monociclos, piruetas introdutórias, entre outros. Ao contrário dos cordões de que foi feito, hoje, o império de AJ Hackett só se expande e opera saltos de Bungy um pouco por todo o Mundo.

Para os aficionados mais conhecedores, no entanto, os mergulhos a partir da ponte histórica de Karawau (43 metros de altura) e diurnos e nocturnos da plataforma panorâmica The Ledge (47 metros) continuam a ter significados – e preços – muito especiais, em específico para as almas aventureiras com mais de 65 anos, que dali podem saltar de graça.

Quando passamos pelas margens elevadas do rio Karawau, o leito abaixo flui a grande velocidade e arrasta botes de rafting manobrados por tripulações em êxtase. Mais à frente, adolescentes em série lançam-se da famosa ponte suspensa que atravessa a garganta homónima, de braços abertos sobre as águas frígidas e azuladas. São seguidores da adaptação do velho culto melanésio que AJ e o parceiro Henry van Asch  ali testaram, pela primeira vez, em 1988. 

Mesmo depois de experimentadas todas as variedades de bungy, Queenstown reserva um manancial inesgotável de outras actividades extremas, motivo pelo qual os seus youth hostels e pousadas estão quase sempre repletos e, em época alta, se juntam aos meros 9.000 habitantes da cidade vários milhares de visitantes e trabalhadores sazonais.

Enquanto as energias e a disposição não se esgotam, além do bungy jumping e do rafting, Queenstown alicia-os com o seu jetboating, o river-surfing e o white-water sledging, o canyoning, o flying, o gliding, o skydiving e o mountain biking. 

Assim que o Inverno e a neve tomam conta da região, ainda há o esqui e o snowboard que preservam também em Queenstown e na vizinha Wanaka as suas capitais neozelandesas e, isto, para mencionar apenas os desportos mais populares e convencionais.

Já tínhamos tido a nossa dose de experiências radicais na costa leste da Austrália e, nem o facto de apreciarmos tantas alheias neste confins interiores da ilha kiwi do sul nos demoveu de darmos finalmente algum descanso aos corpos desgastados.

Assim, em vez de ascendermos a pé, metemo-nos numa das cabines da Skyline Gondola e chegamos num ápice ao cimo da colina que acolheu o parque e complexo radical do The Luge, uma espécie de kartódromo de montanha adaptado para trenós.

Àquela hora, o circuito estava já encerrado. Não demoramos a achar um miradouro que nos revelou o casario de Queenstown, e os cenários imponentes em volta. Aos poucos, o crepúsculo instala-se e faz sobressair a iluminação quente da cidade contra a água azul escura do lago Wakatipu e as montanhas mais próximas dos Alpes do Sul. Reinava uma paz que há muito não sentíamos por aqueles lados e aproveitámos para disfrutar. Por pouco tempo.

Sem que tivéssemos ainda detectado a sua presença, uma adolescente lança-se subitamente da plataforma iluminada e cercada de pinheiros a que os nativos chamaram The Ledge. Ouvimos o grito estridente que a jovem não evitou e o eco produzido pelo anfiteatro em redor. Só a voltámos a ver, semi-anestesiada pelo pânico, quando a içaram de volta.

Foi o último salto de bungy-jumping do dia. Por algumas horas, Queenstown recuperou energias. Na manhã seguinte, bem cedo, haveria de regressar à sua rotina destemida.

Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.

Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas. 

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Península de Banks, Nova Zelândia

Divinal Estilhaço de Terra

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.

Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.

Pentecostes, Vanuatu

Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Nova Zelândia

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.

Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.

Cocquete
Arquitectura & Design

Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos thirties. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.

Aventura
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia: Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Natal de todas as cores
Cidades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Ilha menor
Comida

Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.

Cultura
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Budismo majestoso
Em Viagem
Circuito Anapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca das Anapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Conversa entre fotocópias
Étnico

Inari, Finlândia

A Assembleia Babel da Nação Sami

A nação sami é afectada pela ingerência das leis de 4 países, pelas suas fronteiras e pela multiplicidade de sub-etnias e dialectos. Mesmo assim, no parlamento de Inari, lá se vai conseguindo governar

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
História
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Pesca no Paraíso
Ilhas

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Convés multifuncional
Natureza

Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.

Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

O Apogeu da América do Norte
Parques Naturais

Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Doces crocantes
Património Mundial Unesco

São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Perigo de praia
Praia

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Ferry Nek Luong
Religião

Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso

Em manobras
Sobre carris

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Modelos de rua
Sociedade

Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana

Longsheng, China

A aldeia chinesa dos maiores cabelos do mundo. Nutridos a arroz, claro

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de uma aldeia renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os seus cabelos anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm que faz da aldeia recordista. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e o cereal. 

Vida Selvagem

Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.