Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida


Tédio terreno

Mulher toca uma das máscaras usadas pela troupe de dançarinos. Ao lado, o seu dançario e dono, revela-se ensonado.

Danças com deuses

Dançarinos mascarados gatha actuam durante uma cerimónia kayta puja de admissão de jovens rapazes à casta e a linhagem familiar.

Tejit

Tejit, um dos irmãos honrados pela cerimónia kayta puja que acompanhámos em Bhaktapur.

Dançarinos gathas durante um período de repouso da sua actuação.

Mulheres preparam-se para dispor tabuleiros com oferendas de comida que alimentarão os dançarinos mascarados e outros participantes na cerimónia.

Algumas das máscaras usadas pela troupe que animava a cerimónia kayta puja.

Máscara descança ao lado do dançarino gatha que encarna a sua personagem divina. 

Dançarinos gatha, com os tabuleiros das suas refeições aos pé, contemplam uma mulher em traje tradicional que dá de beber aos participantes na cerimónia.

Mascarados gatha convivem com participantes na cerimónia, estes com os tradicionais barretes nepaleses dakha topi

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.

Terminada a quase hora de viagem com partida de Katmandu, descemos, por fim, do velho autocarro. Um pouco por todo o Nepal, as praças Durbar marcam o centro histórico de cada povoação. O passo seguinte seria sempre encontrarmos a de Bhaktapur mas, metemo-nos por ruelas e vielas e, por sorte, perdemos o seu sentido. Cinco minutos de desorientação depois, chega-nos música exótica aos ouvidos. Em modo de pura descoberta, perseguimos o inesperado estímulo até que nos deparamos com uma celebração esotérica a ter lugar num largo da povoação. Uma trupe de dançarinos gathas, masculinos como é suposto e de todas as idades, faz rodopiar trajes gastos mas ainda garridos, consoante uma coreografia partilhada. Cada um deles, faz também girar a máscara que usa ao som de flautas nepalesas de bambu basuri, de um violino, de um pequeno tambor tradicional madal e de uma espécie de acordéon de colo, segundo o ritmo adicional marcado por címbalos de cobre. Instalada, à margem, sobre dois degraus na base de uma loja, a banda contrasta com o grupo de dançarinos. Estes, agitam-se como demónios possessos, já os músicos, tocam imobilizados nas suas posições de orquestra remediada e nos trajes do dia-a-dia. Junta-se-lhes um cantor de pouco mais de meia-idade, determinado a estabelecer com a sua voz, uma ponte entre os dois mundos.

Os mascarados prolongam a exibição no centro da praceta e das atenções das dezenas de convivas presentes. Até que o transe comunal deixa de os assistir. Entregam-se, então, a um suado repouso terreno, lado a lado com as máscaras que usavam, coroados pelos turbantes altos e encardidos que antes lhes sustentavam as cabeçonas divinas.

Enquanto isso, as mulheres presentes, preparam tabuleiros com oferendas de refeições sortidas de arroz, legumes e carne, acompanhadas por chyang (um vinho leitoso de arroz), por frutas, bolachas, pastéis e outros doces. Mesmo se os saris e faixas lustrosas pouco as ajudam, as senhoras dispõem os tabuleiros numa fileira e servem os dançarinos que recuperam as energias recém-despendidas.

O repasto dura o que dura. No seguimento, um dos gathas recoloca a enorme máscara vermelha que lhe pertence sobre ombro, algures na fronteira entre o sagrado e o profano que o povo Newar e os nepaleses seus descendentes se habituaram a ajustar. Do seu lado mais exposto, o divino; no encoberto, o humano. Dividido por ambos, passa a abençoar os participantes com mãos-cheias de arroz cozido, augúrio de prosperidade e consequente felicidade.

O ritual exuberante com que nos tínhamos deparado era, ele próprio, um sintoma dessa prosperidade. Por mais que se esforcem, nem todas as famílias newari ou nepalesas se podem dar ao luxo de contratar uma trupe de dançarinos e os músicos necessários, de trajar vestes sedosas ou assegurar oferendas satisfatórias. Como noutras partes, os rituais mais faustosos de fé são para quem os Deuses já prendaram com fortuna. O Nepal não foge a regra.

Anichados entre a vastidão budista do Tibete e do reino do Butão e a do subcontinente indiano em grande parte hinduísta, os Newar e os seus descendentes nepaleses são uma coisa e a outra. Na teoria, 85% assumem-se hindus. A maioria dos restantes, budistas. Na prática e no Vale de Katmandu, todavia, as duas religiões entrecruzaram-se de tal forma que separá-las se prova complicado. Os Newar não têm qualquer pejo em admiti-lo. Orgulham-se, aliás, de uma das suas mais populares piadas, que versa que, num contexto pessoal, qualquer Newar é 60% hindu e 60% budista.

Esta duplicidade justifica, por exemplo, que os dez rituais karma konkyu sucessivos do seu ciclo de vida possam ser levados a cabo tanto por sacerdotes hindus como por budistas, prevendo-se, claro está, determinadas diferenças de filosofia e de culto.

Numa ordem cronológica, o primeiro dos principais rituais, o Machabu Beakegu, é realizado aos onze dias de vida. Abençoa e saúda os recém-nascidos. O segundo, janko samskara celebra a primeira comida sólida (por norma, arroz) ingerida pelos recém-nascidos. Tem lugar aos cinco meses para os bebés e aos sete meses para as bebés. Gera uma festa que dura, no mínimo, um dia inteiro, alimentada por sucessivas intervenções de uma sacerdotisa e da família, com uma visita ao templo de Ganesh mais próximo pelo meio.

Naquela visita cirúrgica a Bhaktapur, tínhamos esbarrado com uma cerimónia Bartaman, também conhecida por Kayta Puja, o ritual da passagem definitiva dos rapazes à esfera social da sua casta, realizada entre os quatro e os treze anos de idade. Na origem e, se respeitados todos os preceitos religiosos, esta cerimónia representa o afastamento dos rapazes da vida familiar dependente e um regresso transformado. Segundos esses antigos preceitos, os rebentos da família deviam rapar o cabelo e compenetrar-se na componente religiosa das suas existências, deixando as famílias para um período de ascetismo ou para se tornarem monges num mosteiro. A tradição já não é tão austera mas continua a caber a um tio maternal a tarefa simbólica de atrair os rapazes de volta à família com uma oferta generosa de dinheiro.

A Kayta Puja a que assistimos fora realizada em honra de dois irmãos, Tejit e Sushant, de cinco e nove anos. Nenhum se havia retirado para a floresta ou entrado num mosteiro. Ainda assim, as famílias do lado do pai e da mãe levavam o ritual dos miúdos com seriedade e empenho. Eram ambos os herdeiros dos seus nomes. Não que um ou o outro disso tivessem já consciência mas, mais tarde, no mais doloroso dos ciclos de vida, serão eles os responsáveis por acender as piras fúnebres dos antepassados.

Rituais complementares seguem a existência terrena dos Newar. No caso das mulheres, o Barah é o equivalente feminino do Kayta Puja. Celebra o início da menstruação. Na correcta sequência, após o Kayta Puja e o Barah, há-de chegar a cerimónia Swayamvar que louva o momento sagrado do casamento. Muitos anos depois, virá a Bura Janko, festejo religioso que consagra a transformação das pessoas – estejam sós ou ainda casadas – de meros humanos em idosos divinos. Como seria de esperar, a morte é sofrida. Não conta com a presença dos mascarados e das suas danças.

De comemoração estável, o ritual a que assistimos evolui para procissão. Os mascarados recolocam as máscaras e dançam rua abaixo. Seguem-nos os músicos e, logo, a comitiva de familiares e convivas a que nos juntamos. A parada desloca-se apenas duas centenas de metros, pelo prolongamento da ruela delimitada por velhos prédios de tijolinho gasto. Volta a deter-se num largo mais abaixo. Ali, o espectáculo é retomado ainda e sempre com os gathas no centro das atenções.

No Vale de Katmandu, contrastam e rivalizam há muito dois tipos primordiais das danças a que assistíamos, a Nava Durga nativa de Bhaktapur e a Devi Pyakhas associada aos cultos de Ashta (manifestações da deusa hindu Devi Lakshmi da Prosperidade) de outra povoação, Panauti. O primeiro tornou-se famoso pelas suas actuações, em tempos, indomadas e selvagens: imbuídos da encarnação demoníaca dos deuses, os dançarinos chegavam a matar galinhas, cabras e outros animais e a sugar-lhes o sangue, algo que impressionou deveras e para sempre as gerações de espectadores. Já representadas pelos Devi Pyakhas, as divindades revelam-se bem mais tranquilas e ordeiras. Claro está que, nos últimos tempos, confrontados pela crescente escassez de requisições pelas famílias, até as troupes Nava Durga moderaram os seus comportamentos e ajustaram-nos aos ambientes em que actuam. 

A troupe Nava Durga de Bhaktapur é uma das quatro que percorrem o Vale de Katmandu de Outubro a Junho, mês que marca o início das chuvas trazidas pela monção do Subcontinente, o fim da plantação do arroz e a celebração Gathamuga em que os nativos expulsam os demónios das suas casas e terras.

Neste período, as trupes Nava Durga invadem e aterrorizam as comunidades que visitam. Todas estão activas desde o remoto século XIII. Nos dias que correm, compõem-na elementos da casta de Gathu. São jardineiros habituados a fazer as suas próprias máscaras com recurso a barro, a papel e a juta, ao contrário de outros dançarinos que preferem associar-se a famílias da casta Citrakar de pintores para que estes lhas criem de acordo com imagens padrão de livros semi-sagrados.

As máscaras usadas nas actuações tanto Nava Durga como Devi Pyakhas podem representar deuses masculinos ou femininos ou ainda com perfis divinos de animais, caso do elefante endeusado Ganesh; ou outros considerados meros “veículos” das divindades como o são o pavão e o leão ou, por fim,… animais apenas e só animais: macacos, cães, veados, porcos, elefantes. Podem ainda encarnar demónios, maus espíritos e personagens humanas como sacerdotes, palhaços, mercadores e caçadores. Cada entidade tem correspondência a uma cor. O branco é usado para as personagens mais puras. O preto nas demoníacas. O vermelho e o negro representam poder e força. São sinónimo de comportamentos intempestivos, enquanto o verde se associa a nobreza de carácter. Mas o código cromático vai mais longe. Tal como o constatamos, cada divindade tem o seu tom predominante. Brahmayani é amarelo. Vaishnavi (outra shakti de Vishnu), verde. Kaumari, deusa hindu da guerra é vermelha ou castanha. Ganesh é branco e por aí fora.

Entretanto, os dançarinos mascarados que seguímos voltam a interromper as suas danças. Focam-se em nos cobrar e aos estrangeiros que se haviam aglomerado doações o mais generosas possível. Como já vimos, os dançarinos divinos Newar pertencem a castas de baixo estatuto e parcos rendimentos. Numa altura em que a tradição das danças mascaradas se prova cada vez mais difícil de preservar, a sua preocupação financeira tem, nos forasteiros endinheirados, um fundamento à altura. Só que, na ressaca do grande sismo de Abril de 2015 que devastou boa parte do Vale de Katmandu, o governo impôs aos turistas preços exorbitantes de entrada nas suas praças históricas. Já tínhamos contribuído, numa base diária, com o pagamento exorbitante desses bilhetes. Sem surpresa e de forma algo injusta, não estávamos tão inclinados como seria suposto a recompensarmos aquela expressão Newar de arte para que – convém não esquecermos – ninguém nos tinha convidado. Contribuímos. Mas a quantia deixou os dançarinos gatha a resmungar e, a nós, a recearmos as retaliações dos deuses e espíritos que encarnavam.

O Vale de Katmandu já não é remoto como em tempos. A modernidade toma-o dia após dia e aniquila a razão de ser secular das trupes. Um estudo constatou que em 2013, a troupe Nava Durga só visitou seis lugares, ao contrário de dezenas deles em décadas anteriores. Como se não bastasse, nesse ano, em Panauti, um dançarino que encarnava um palhaço partiu uma perna devido a uma desordem no público. Dai em diante, as trupes passaram a exigir mundos e fundos para voltarem a actuar nessa povoação o que, por sua vez, desmobilizou a vontade popular de lá renovarem a tradição. Por tudo isto e por tantos outros caprichos do destino, o futuro das danças mascaradas newari continua à mercê dos deuses.

Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper Pisang, Nepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Anapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.

Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.

Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.

Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.

São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Moon Festival californiano.

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Lenha à Pressa
Arquitectura & Design

Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.

Lenha
Aventura

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Emma
Cidades

Melbourne, Austrália

Austrália “Asienada”

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.

Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Mar-de-Parra
Cultura

Mendoza, Argentina

A Eno-Província Argentina

Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, Mendoza está no centro da maior região vinícola da América Latina.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

As Cores da Ilha Elefante
Em Viagem

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

MAL(E)divas
Étnico

Malé

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, a capital das Maldivas pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano genuíno que nenhuma brochura turística poderia revelar.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Wall like an Egyptian
História

Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.

Luzes VIP
Ilhas

Ilha Moyo, Indonésia

Uma Ilha Só Para Alguns

Poucas pessoas conhecem ou tiveram o privilégio de explorar a reserva natural de Moyo. Uma delas foi a princesa Diana que, em 1993, nela se refugiou da opressão mediática que a viria a vitimar.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Cowboys basotho
Natureza

Malealea, Lesoto

O Reino Africano dos Céus

O Lesoto é o único estado independente situado na íntegra acima dos mil metros. Também é um dos países no fundo do ranking mundial de desenvolvimento humano. O seu povo altivo resiste à modernidade e a todas as adversidades no cimo da Terra grandioso mas inóspito que lhe calhou.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Dunas no meio do mar
Parques Naturais

Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.

Pedra vs Planta
Património Mundial Unesco

Grande Zimbabwe

Grande Zimbabwe, Mistério sem Fim

Entre os séculos XI e XIV, povos Bantu ergueram aquela que se tornou a maior cidade medieval da África sub-saariana. De 1500 em diante, à passagem dos primeiros exploradores portugueses chegados de Moçambique, a cidade estava já em declínio. As suas ruínas que inspiraram o nome da actual nação zimbabweana encerram inúmeras questões por responder.

Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Cap 110
Praia

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.

Solovestsky Outonal
Religião

Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag cruel. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Parada e Pompa
Sociedade

São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré mas, Siga a Marinha.

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Perigo de praia
Vida Selvagem

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.