Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar


A Toy Train story
Toy Train passa abaixo do mosteiro budista Druk Thubten Sangag Choling, nos arredores de Darjeeling.
Aconchego
Trabalhadores dos DHR aquecem-se numa noite de Inverno fria e húmida, aos 2200 m de altitude de Darjeeling.
O outro tipo de Toy Train
Um Toy Train mais moderno prestes a deixar a estação de Siliguri Junction, puxado por uma locomotiva indiana mais moderna e a diesel.
Aos comandos
Maquinista na cabine de uma das várias locomotivas que servem o Darjeeling Himalayan Railway.
Trabalho nocturno
Funcionários dos DHR trabalham no pequeno estaleiro de locomotivas da estação de Darjeeling.
Batasia Loops
Toy Train deixa o Batasia Loop, uma estação pouco convencional a poucos km de distância de Darjeeling.
A. Sonar
T.T. Examiner (revisor) A. Sonar, junto à locomotiva 605.
Batasia selfies
Passageiros do Toy Train fotografavam-se no Loop de Batasia, a mais excêntrica das estações do DHR.
Vida a cores
Secção da estação de Siliguri Junction, ainda na base subtropical da cordilheira dos Himalaias.
A menina do sono
Jovem passageira bastante ensonada nos primeiros momentos matinais do percurso do Toy Train.
Equilíbrio ferroviário
Cena da estação de Siliguri Junction, próximo do ponto de partida do DHR.
Siliguri x 2
Reflexo na janela do Toy Train, ainda nos primeiros quilómetros planos do percurso.
Tempo de miltea
Revisor (T.T. Examiner) do Toy Train bebe Milk Tea num bar da estação de Ghum.
Choque frontal
Colisão de um carro com a locomotiva secular B-Class nº 788, prestes a entrar no estaleiro de Darjeeling.
Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.

O dia mal amanhecera. Siliguri já transborda e debate-se, sôfrega, no seu habitual modo frenético. Raney conduz-nos com paciência redobrada no meio de um exército de riquexós, riquexós-wala (os puxados por ciclistas), motas, motoretas, carros e camionetas, sem esquecer as sucessivas carroças rebocadas por vacas supostamente sagradas.

Saímos a horas. Os bilhetes tinham sido comprados no dia anterior e continuamos mais que a tempo. Ainda assim, o fluxo claustrofóbico e infernal que nos arrasta para o centro da cidade gera uma inquietação que só tende a aumentar.

Sem aviso, Raney desvia para esquerda e remove-nos do turbilhão. Umas centenas de metros depois, esbarramos com o largo da estação ferroviária local. Uma série de vendedores e carregadores oferecem-nos os seus préstimos, pelo menos até que o motorista e cicerone da região os faz debandar. Desde há já um bom tempo, as plataformas da estação permanecem interditas aos primeiros, como a toda a uma população oportunista que, sem intenção de viajar, lá concentrava uma miríade de negócios e actividades.

Encontramos, assim, uma ordem e paz civilizacional que já pensávamos não existir por aqueles lados. Raney certifica-se de que o comboio se confirma. Nós, voltamos a sair e entregamo-nos a uma compra acelerada de fruta, momos e outros petiscos que, como sempre acontece nestes casos, encontraríamos vezes sem conta percurso acima.

O Embarque na fria Siliguri Tropical

No regresso, em pleno Dezembro e Inverno do nordeste da Índia, uma névoa branca, alta e densa supra-iluminada pelo sol matinal envolve a Siliguri Junction Station. Só quando percorremos, para cá e para, lá os cais mais próximos do que nos calhara, percebemos as cores garridas habituais dos trajes dos passageiros e de certas secções da estação. Alguns dos indianos presentes são funcionários-moradores e já fazem dela parte. Sob o olhar indiferente de uma linha de jovens homens, três deles, acocorados à moda asiática, em equilíbrio sobre os carris de bitola estreita de 61 cm, escovam os dentes com vigor férreo. Ao mesmo tempo, acompanham os movimentos do duo estrangeiro, os únicos ocidentais na estação, entregues a uma hiperactividade fotográfica que, como acontece aos restantes nativos, lhes custa perceber.

Soa um apito distante, menos potente e de um tom distinto dos que, até então nos chegavam aos ouvidos. O trio de acocorados sabe de cor e salteado o que assinala. Sem pressas, desdobram-se na vertical – um deles ainda se espreguiça – e passam para o refúgio imediato do cimento por diante.

O DHR – Darjeeling Himalayan Railway –  faz-se ao cais pouco depois da hora habitual. A sua locomotiva indiana a diesel traz apenas duas carruagens, cada qual com 20 lugares. Em Siliguri, à parte de nós, entra apenas um casal indiano com uma filha seriamente ensonada.

Três ou quatro minutos depois, a composição retoma a marcha. Progride, demasiadas vezes aos repelões, entre uma estrada paralela e uma longa sequência oposta de lares, negócios e baldios mal-amanhados. As gentes dessa banda urbanizada mas marginal da cidade saúdam os passageiros com entusiasmo surpreendente se tivermos em conta que o Toy Train há que tempos ali passa duas vezes ao dia.

Mais solavanco menos, solavanco, volvidos 10km, chegamos a Sukna, a estação que se segue. O edifício rosado que nos recebe marca o término do domínio plano e urbanizado de Siliguri, disposto na falda subtropical dos Himalaias que, em bolsas protegidas como o Mahananda Wildlife Sanctuary, é habitat natural de tigres-de-bengala e de elefantes.

Pelos Himalaias Acima

Ali, o caminho-de-ferro corta para norte e faz-se à fundura florestada da cordilheira. Até 1879, um serviço de charretes denominadas tongas na Índia de então complementava a linha ferroviária que ligava Calcutá a Siliguri. Daí em diante, foi levada a cabo a construção do acrescento que conduzia a Darjeeling, já então uma das principais zonas produtoras de chá da Joia da Coroa e importante a condizer.

Os engenheiros validaram que o itinerário seguisse a velha Cart Road mas alguns dos seus declives provaram-se demasiado exigentes para as locomotivas. Obrigaram a várias das soluções físico-mecânicas a que também o Toy Train em que seguíamos se foi sujeitando a caminho do destino final. Nesta zona de enormes contrastes cénicos e climáticos, algumas dessas soluções não resistiram às piores intempéries.

Em Sukna, dava-se o primeiro Loop com que os engenheiros procuraram atenuar a inclinação. Mas, a mesma inclinação que condiciona a subida do comboio acelera as águas que descem das terras altas dos Himalaias. Durante as monções do subcontinente, de Maio a Outubro, formam-se verdadeiras enxurradas que provocam derrocadas. Uma dessas inundações de 1991, destruiu o Loop de Sukna, substituído por um trecho mais longo. Antes ainda, em 1942, uma outra arruinou em definitivo aquele que era o segundo Loop, o de Rongtong. O Loop menos elevado do percurso é agora o de Chunbhatti, por onde não tardamos a serpentear. E, pouco depois, damos nova volta de carrossel já no Loop 4, denominado de Agony Point, tão apertada é a sua curva.

Por essa altura, A. Sonar, o T.T. Examiner (revisor) a bordo já picou os bilhetes aos vinte passageiros e tem pouco mais que fazer que tagarelar com uma senhora que usa a lenta composição DHR para se deslocar entre as terras altas e as baixas daquelas paragens. Mal tem uma oportunidade, Sonar encurta a conversa. Senta-se num banco retirado no fundo da carruagem e, consciente do quanto ainda faltava para a próxima estação, puxa a pala do seu chapéu para cima dos olhos e deixa-se passar pelas brasas. Como o faz, há já algum tempo, a menina indiana à nossa frente, na companhia de um cãozito de peluche rosa-branco, para incómodo dos atenciosos pais que se esmeram para a manter confortável.

Um Caminho de Ferro agora Cruzado com Estrada

O Toy Train, esse, não tem descanso. Ziguezagueia pelas vertentes, por vezes, acima de lares e pequenos estabelecimentos que se impingiram à montanha e de que nos sentimos intrusos. Duas irmãs que lavam os cabelos com água quente em baldes e alguidares, envergonham-se com a inesperada atenção dos passageiros. Este é só um de tantos outros exemplos.

Aqui e ali, o comboio alinha-se com a estrada de asfalto que, em tempos, lhe furtou a verdadeira razão de ser. E cruza-a. Em cada uma destas intersecções, o maquinista saúda os guardas das pseudo-passagens de nível. Mesmo assim, estica-se para fora da locomotiva e certifica-se de que nenhum condutor incauto esbarra na composição. O que acontece com frequência. Nós que seguimos boa parte do tempo com as cabeças ao vento, às tantas, já conhecemos de cor e salteado a sua face e o repetitivo ritual.

A 44km de Darjeeling, o comboio faz o seu ziguezague número seis. Seis quilómetros mais tarde, detemo-nos em Mahanadi onde um camião carregado de utensílios plásticos garridos fica entalado entre a composição e uma carrinha estacionada. Sete quilómetros adicionais, damos entrada em Kurseong, a primeira grande povoação entre Siliguri e Darjeeling, com direito a prédios de vários andares que desafiam as encostas e que, do alto da sua deselegância e aparente precaridade estrutural, parecem ridicularizar a velha estação que até serve de quartel-general dos Darjeeling Himalayan Railways.

Ghum: A estação ferroviária mais elevada da Índia

Em Ghum (2258m), a paragem é a valer. Os derradeiros raios de sol incidem em secções da sala de espera. São de tal forma inúteis em termos térmicos, que os moradores que ali passam os ignoram, fazem caretas e os tentam barrar quando a sua luz inoportuna lhes ofusca a visão.

Arrefece sem apelo. Os passageiros ressentem-se e atacam a banca de milk tea residente. A. Sanar conhece os cantos à casa. Em vez, senta-se à mesa de um café em que nenhum de nós reparara. Lá beberica o seu chá em paz, até que com ele damos e o “obrigamos” a uma curta sessão fotográfica.

Sem que nenhum dos passageiros esperassem, um outro Toy Train surge do sentido contrário, movido por uma velha locomotiva a vapor. Aquela composição irmã assegurava o trajecto vespertino entre Darjeeling e Ghum. Ao contrário da nossa, quase só trazia ocidentais já instalados em Darjeeling, curiosos e irrequietos como há muito não encontrávamos no Nordeste Indiano ainda avesso ao turismo por onde andávamos.

O maquinista imobiliza a locomotiva 605 mesmo em frente ao centro da estação e deixa-a entregue a dois ou três auxiliares que, para gáudio dos estrangeiros enregelados, examinam e manipulam a sua fornalha. Num ápice, forma-se um grupo competitivo de aprendizes-fotógrafos determinados em registar a incandescência o mais próximo possível. À boa maneira indiana, os seus arriscados abusos são levados com uma leniência que extravasa qualquer lógica comportamental, seja ela budista ou hindu.

Darjeeling: A Derradeira Estação

Completamos os últimos 7km da linha, de início pela ruela principal de Ghum em que rasamos de tal forma as mercearias, frutarias e outros dos sucessivos negócios que os proprietários e clientes são obrigados a se refugiarem nos interiores. Bastar-nos-ia, aliás, esticarmos um braço para nos abastecermos de romãs, de sapatos, de bastões de críquete ou de tantas outras mercadorias à mão de semear.

No reboliço do aperto, deixamos Ghum apontados ao Loop de Batasia, a mais célebre e caprichosa das estações do Toy Train. Quando lá chegamos, é noite quase cerrada. E já bem escura no momento em que, 80km e 8h depois da partida de Siliguri, a composição se detém no poiso definitivo de Darjeeling, onde Raney nos aguardava.

Até podíamos ter chegado à estação final do Darjeeling Himalayan Railway, a 2200m de altitude. Mas não estávamos fartos do pitoresco Toy Train.

Raney pensava que nos iria conduzir de imediato ao hotel de Darjeeling. Ao invés, a combinação mística de névoa vaporizada e de fogo que havíamos detectado minutos antes, no pequeno estaleiro ferroviário oleoso do DHR, seduz-nos a bisbilhotar. Durante quase meia-hora, lá acompanhamos os movimentos dos funcionários que, ora se aquecem à conversa junto a uma fogueira vigorosa, ora cuidam de várias locomotivas britânicas vintage B-Class (a 792, a 788, a 795, a 805 “Iron Sherpa”), todas construídas entre 1889 e 1925 pela firma Sharp, Stewart & Company, mais tarde, pela North British Locomotive Company. Por fim, rendemo-nos ao cansaço e abrigamo-nos no Darjeeling Tourist Lodge.

Nos dias que se seguem, exploramos a cidade, as suas plantações de chá e redondezas com o habitual afinco. Também aproveitámos o embalo que já trazíamos da viagem de Siliguri. Sempre que podemos, instruímos Raney a perseguir ou a adiantar-se aos vários DHRs.

Voltámos aos estaleiros onde, sem o esperarmos, assistimos à colisão suave mas surreal de um carro com a locomotiva 788. Retornamos ao Batasia Loop vezes sem conta e esperamos por uma das composições que ligava Darjeeling a Ghum para a vermos passar abaixo do mosteiro budista de Druk Thubten Sangag Choling. Nesses dias, inspirados nos 117 anos de história respeitável do Toy Train, também não brincámos em serviço.

Os autores agradecem o apoio na realização deste artigo às seguintes entidades:  Embaixada da Índia em Lisboa; Ministry of Tourism, Government of India; Department of Tourism, Government of West Bengal. DHR – Darjeeling Himalayan Railway

Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

A pequena-grande Senglea
Arquitectura & Design

Senglea, Malta

A Cidade com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Tempo de MassKara
Cerimónias e Festividades

Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.

Bom conselho Budista
Cidades

Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Casal Gótico
Cultura

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Lento fim do dia
Em Viagem

Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.

Do lado de cá do Atlântico
Étnico

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Enseada escondida
História

Busuanga, Filipinas

Uma Armada Pouco Secreta

Na 2a Guerra Mundial, uma frota nipónica falhou em ocultar-se ao largo de Busuanga e foi afundada pelos aviões norte-americanos. Hoje, os seus destroços subaquáticos atraem milhares de mergulhadores.

Aulas de surf
Ilhas

Waikiki, Havai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbour e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.

Solidariedade equina
Inverno Branco

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

O nome mítico desencoraja a maior parte dos viajantes de explorações invernais. Mas quem chega fora do curto aconchego estival, é recompensado com a visão dos cenários vulcânicos sob um manto branco.

Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Convívio masai
Natureza

Masai Mara, Quénia

Um Povo Entregue à Bicharada

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Lagoas fumarentas
Parques Naturais

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Picos florestados
Património Mundial Unesco

Huang Shan, China

A Montanha dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.

Gang de 4
Personagens

Tombstone, E.U.A.

A Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.

Pacífico celestial
Praia

Mo'orea, Polinésia Francesa

A Irmã que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Mo’orea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Mo’orea é um privilégio a dobrar.

No sopé do grande Aratat
Religião

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Torre Fushimi Yagura
Sociedade

Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.

Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilômetros de Nampula, fruta tropical é coisa que não falta.
Brincadeira ao ocaso
Vida Selvagem

PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.