Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros


Mini-dinossauro
Uma iguana nas imediações do Templo do Vento de Tulum. A devastação provocada pelo meteorito de Chicxulub terá aniquilado todos os animais terrestres com mais de 25kg. Dos enormes dinoussauros predominantes, sobraram espécimes bem mais pequenos.
Portal para o submundo
Mais uma entrada ao mundo subterrâneo da Península de Iucatão, desta feita, no estado de Quintana Roo, nas imediações de Playa del Carmen.
Destino: Cuzamá
Meio de transporte semi-ferroviário que, ao longo da fazenda Chunkanan, conduz os visitantes e banhistas ao cenote de Cuzamá.
Despojos do tempo
Edifício da hacienda Chunkanan, em ruínas, não pelo impacto do meteorito mas pelo efeitos preversos da economia.
Vida. Boa vida.
Dois gringos celebram a vida humana que, segundo a teoria cada vez mais popular, a extinção dos dinossauros lhes permite desfrutar.
Cuesta Flaminga
Flamingos alimentam-se na lagoa salobra da Reserva Natural de El Corchito, uma área represada no limiar terrestre do impacto do meteorito.
Uma fractura verdejante
Abertura na camada predominante de rocha calcária que cobre a zona terrestre da Península de Iucatão afectada pelo impacto do meteorito.
Cenote
Sinal identifica o cenote de Cumaná, uma dolina escondida na fazenda semi-abandonada de Chunkanan, a sul da cidade de Mérida.
Parelha bi-color
Cavalos repousam sobre o solo pedregoso (de rocha calcária) gerado pela explosão apocaliptica provocada pelo meteorito de Chicxulub há 66 milhões de anos.
Banho subterrâneo
Banhistas divertem-se na lagoa de uma das inúmeras dolinas disseminadas pela península de Iucatão.
Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.

(Puerto) Progreso é, por excelência, a estância balnear dos merideños, sobretudo em Julho-Agosto, quando o calor e a humidade apertam nestas partes tropicais das Américas e tornam a atmosfera sufocante. Durante o estivo, os lares e negócios da marginal que dá para o Golfo do México enchem-se de hóspedes temporários. Alguns desses lares são pequenas casas pouco elegantes, mas pitorescas que parecem apertar-se umas às outras para usufruírem do vaivém suave do mar. Outras, mais afastadas do centro da povoação, são vivendas sofisticadas e desafogadas que os norte-americanos erguem para lá se refugiarem da frigidez invernal.

Em época alta do turismo caribenho, enormes cruzeiros atracam junto ao pontão da povoação, o mais comprido do México, com uns módicos 6.5 km. Então, os gringos desembarcam e passeiam-se pelo malecon, antes e depois de subirem a bordo das vans e autocarros e de saírem disparados rumo a Mérida, a Chichen Itza e outros lugares históricos e naturais da Península de Iucatão. Com frequência, apesar de a água se manter todo o ano meio lamacenta, deparam-se com a beira-mar inundada de banhistas e convivas da região, uma multidão entregue a uma celebração solarenga, exótica e anfíbia da vida e do seu tempo livre.

Este é o quadro que pintamos da Progreso viva e caliente. A que encontramos numa manhã de Novembro quase a virar para Dezembro revela-se bem distinta.

Depois de três dias de frente fria, o céu volta ao azulão bem mais comum nestas partes. O sol brilha, mas com poder comedido. Quando passamos para o lado de lá da frente de casas, o malecon está entregue aos Nortes, os ventos prevalentes e furiosos que sopram golfo abaixo, oriundos dos confins boreais da América. Também está deserto. O facto de não vermos vivalma incita-nos a debandar e a explorarmos outros recantos do cimo da península.

Durante toda a manhã, percorremos um domínio igualmente desolado do Iucatão. Roçamos uma circunferência da Terra em tempos de tal forma esventrada que a sua destruição deu origem a uma espécie de Inverno Global e à consequente extinção das espécies de maior porte, com destaque para os dinossauros (não voadores) que há muito dominavam o planeta.

A teoria do impacto de um meteorito com 15km de diâmetro, há cerca de 65 milhões de anos, ganhou aceitação entre os cientistas como a explicação mais premente para o súbito desaparecimento destes répteis pré-históricos.

Em 1978, Glen Penfield, um geofísico que pesquisava petróleo para a companhia mexicana PEMEX detetou uma cratera com cerca de 300km de diâmetro. Foi-lhe dado o nome de Chicxulub, uma povoação alguns quilómetros para sul de Progreso, de que nos aproximamos após admirarmos os bandos de flamingos nas águas salobras da Reserva Ecológica El Corchito e, para leste, na Laguna Rosada. A reserva antecede o porto de Chicxulub, uma espécie de extensão marinha do pueblo homónimo do interior, por sua vez, vizinho de Dzibilchaltún, um sítio arqueológico maia menor que aproveitamos para também espreitar.

No que diz respeito a El Corchito e à Laguna Rosada, percebemos, no mapa, que são apenas dois domínios da vasta área represada aquém da franja de costa quase insular que encerra o Iucatão. Tal fraqueza – ou falha geológica – revela-se apenas mais ampla e exposta que as que salpicam a península, incluindo os seus incontáveis cenotes, (dolinas profundas) e os rios subterrâneos que os abastecem e ligam. Este panorama de queijo-suíço é, afinal, a consequência geológica do fenómeno sideral que vitimou os dinossauros.

Estudos recentes levados a cabo no leito pouco profundo do Golfo do México permitiram concluir que o meteorito terá caído num dos lugares menos favoráveis à face da Terra. Se o impacto se tivesse dado algumas horas antes ou depois, o mais provável seria o meteorito ter atingido uma zona profunda de oceano Atlântico ou Pacífico e essa profundidade ter amortizado o impacto. À hora e no lugar em que se deu, o meteorito precipitou-se sobre um mar superficial, coberto de uma espécie de gesso mineral. A colisão foi devastadora. Abriu uma cratera na crosta terrestre com 100km de extensão e 30km de profundidade. Mais tarde, essa cratera abateu e aumentou para mais do dobro.

Hoje, a sua secção marinha (a quase totalidade) está coberta por seiscentos metros de sedimentos. A terrestre, por sua vez, ficou debaixo de uma camada de pedra calcária, como já vimos, salpicada de dolinas e fenómenos erosivos afins.

A explosão gerada pelo impacto do meteorito teve uma potência equivalente a dez biliões de bombas atómicas “Little Boy”, aquela que o B-52 “Enola Gay” largou sobre Hiroxima. Gerou tremores de terra e maremotos que varreram boa parte do planeta. Libertou enormes quantidades de rocha e enxofre vaporizados, bem como uma fuligem que combinava ainda partículas de outras substâncias.

Joanna Morgan, uma professora e cientista britânica que participou nas mais recentes investigações, afirma que terão sido projetadas 325 giga toneladas de enxofre, uma estimativa que afiança  conservadora.

Fosse qual fosse a quantidade, uma nuvem apocalíptica obscureceu a atmosfera. Barrou de tal maneira os raios solares que a temperatura desceu entre 8 e 17ºC e várias zonas sofreram secas catastróficas. No hemisfério norte, a mudança climática verificou-se de forma mais acentuada e duradoura que no sul. Isto, numa era em que o clima à face da Terra já esfriava havia algum tempo devido a uma intensificação da atividade vulcânica.

É crível que a pluviosidade tivesse arrastado de volta para o mar parte dessas partículas vaporizadas. Kunio Kahio, um reputado cientista japonês defende, todavia, que uma porção substancial ficou a circular na alta atmosfera.

Se voltarmos à faceta probabilística do impacto, veremos que, ao longo dos milénios, vários outros meteoritos de dimensões semelhantes se precipitaram sobre outras zonas da Terra: Chesaoeake Bay, nos E.U.A., Baviera, entre outras. Mas só uma superfície terrestre rara e excecional – carregada de hidrocarbonetos – como aquela em redor de Chicxulub, poderia originar uma alteração atmosférica e uma extinção em massa como a que se verificou.

Na Terra sufocada e frígida que o meteorito legou, a vegetação de porte significativo depressa sucumbiu. Sem alimento, possivelmente enregelados, seguiram-se os dinossauros e muitas outras espécies, crê-se que 75% de todos os animais ou pelo menos, todos os terrestres com mais de 25kg, se bem que, na sua maioria, os dinossauros-ave sobreviveram.

Na ressaca desta teoria, distintos cientistas descobriram áreas com dezenas de milhares de fragmentos de fósseis acumulados numa camada de sedimento com apenas dez centímetros. Ora, esta concentração de espécimes vitimados e enterrados no mesmo lugar só seria possível se causada por um evento fulminante e arrasador como o que causou a cratera de Chicxulub.

Esse evento aniquilou para sempre os dinossauros. Ao mesmo tempo, baralhou os dados da vida na Terra. De tal maneira que, à medida que a atmosfera se normalizou, a evolução das espécies recebeu um incremento que a levou à incrível diversidade há algum tempo verificada, e ao surgimento, à proliferação e a supremacia da espécie humana.

Também ali, à beira da cratera, nos legados geológicos do impacto, como nos que marcam o progresso antropológico do Homem, homens e mulheres nativos e forasteiros vivem e celebram a vida que, a crer nas teorias cada vez mais aceites, o meteorito catástrofe lhes terá concedido.

De Progreso, ziguezagueamos pelo território do Iucatão, primeiro pelo do estado mexicano homónimo, logo, pelo resto da península. À imagem de milhares de visitantes de outras partes longínquas do planeta atingido, deslumbramo-nos com as cidades que os Maias disseminaram neste que, após uma incrível epopeia migratória, se tornou o seu recanto na Terra.

Depois de Dzibilchaltún, exploramos o complexo cerimonial Chichen Itza e outros lugares, como a cidade amarela Izamal em que os vestígios e a herança maia e colonial hispânica convivem plaza a plaza, calle a calle.

Como é também de bom senso, descomprimimos de algum stresse turístico em vários dos SPAs aquáticos naturais que abundam nestas partes. À falta de condições balneares no litoral do Golfo do México, aventuramo-nos pelas profundezas do Rio Secreto (um rio subterrâneo) e banhamo-nos nas praias caribenhas perfeitas de Quintana Roo, o mais recente dos estados da Península; também na de Tulum que é coroada por um dos raros conjuntos arquitetónicos maias erguidos quase sobre o Mar das Caraíbas. Noutro périplo iucateca, regressamos ao interior de Mérida, à descoberta de uma fazenda enequera secular, em tempos produtora de catos usados para fibra de vestuário e outros usos.

A Hacienda Chunkanan vem do tempo do presidente mexicano Porfírio Dias que, segundo nos narra o guia residente, a ofereceu, em 1937, a camponeses da zona para que dela retirassem o seu ganha-pão. Assim sucedeu até que, em 2002, num contexto em que a matéria-prima se tinha já desvalorizado, um tal de furação Isidoro a arrasou. Desde então, a recuperação das infraestruturas e da produção continua a ser adiada. À falta de melhor, os camponeses aproveitam o que sobreviveu ao ciclone e o que lhes deixou o meteorito de Chicxulub.

“Instalem-se à vontade, vamos ter dez minutos de viagem.” instrui-nos Jesus Pech Arjona, o condutor da carruagem que apanhamos. Confrontados com o crescente interesse dos forasteiros nas fazendas históricas e nas dolinas mais impressionantes do Iucatão, os trabalhadores nativos deram uso ao sistema ferroviário básico da propriedade. De acordo, um cavalo pachorrento reboca-nos e à pequena carruagem, ao longo de um corredor limpo da vegetação tropical. Dez minutos depois, desembarcamos. “Estão a ver aquele sinal ao pé das escadas? A entrada é por ali!“

Avançamos e espreitamos a abertura em que estavam metidas as escadas. Lá em baixo, levemente iluminado pela luz do sol a pique, exibia-se o cenote de Cuzamá, uma dolina profunda e ampla, dotada de uma piscina de água esmeralda translúcida. Vestimos os trajes de banho, descemos a escadaria e juntamo-nos a quatro ou cinco outros banhistas que já desfrutavam da lagoa inusitada. Chapinhamos, nadamos, investigamos o estranho fundo da gruta inundada. E ficamos minutos a fio a boiar, a pensar apenas na ironia de o mesmo meteorito furioso que aniquilou os dinossauros, nos ter validado a nós e ao delicioso capricho geológico em que nos sentíamos renovar.

Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadore espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.

Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.

Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.

Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.

Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Apocalipse teimou em não chegar. Na Mesoamérica, os maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.

Wall like an Egyptian
Arquitectura & Design

Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.

Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Voo marinho
Cerimónias e Festividades

Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.

Derradeiro casario austral
Cidades

Ushuaia, Argentina

A Última das Cidades

A capital da Terra do Fogo marca o limiar austral da civilização. Dali partem inúmeras incursões ao continente gelado. Nenhuma destas aventuras de toca e foge se compara à da vida na cidade final.

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

As forças ocupantes
Cultura

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Em Viagem
Chefchouen a Merzouga, Marrocos

Marrocos de Cima a Baixo

Das ruelas anis de Chefchaouen às primeiras dunas do Saara revelam-se, em Marrocos, os contrastes bem marcados das primeiras terras africanas, como sempre encarou a Ibéria este vasto reino magrebino.
Telhados cinza
Étnico

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Visitantes
História
Masada, Israel

O Último Baluarte Judaico

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Masada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Cap 110
Ilhas

Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Via caribenha
Natureza

Overseas Highway, E.U.A. 

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Anéis de Fogo
Parques Naturais

PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a dois mil metros no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.

Património Mundial Unesco
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Caribe profundo
Praia

Islas del Maiz, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.

Ferry Nek Luong
Religião

Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso

Colosso Ferroviário
Sobre carris

Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.

Aos repelões
Sociedade

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana

Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.

Trio das alturas
Vida Selvagem

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.