Ilha de Moçambique

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique


Ao fim da tarde

Pescadores a bordo dos seus dhows ao largo da costa norte da Cidade de Pedra.

Na meia-sombra

Miúdos brincam em frente à fachada da igreja da Misericórdia.

Fé em fila

Crentes prostrados no interior da mesquita da rua da Solidariedade, a maior da Ilha de Moçambique. 

Dados lançados

Amigos jogam um jogo de tabuleiro decorado com os logotipos de Benfica, Barcelona, Sporting e a imagem de Cristiano Ronaldo.

Islão gizado

Fiel muçulmano reza em frente a um quadro com directivas religiosas e comportamentais.

Tempo de navegação

Pescadores em pequenas canoas de pesca em frente à fortaleza de São Sebastião.

Acima da história

Transeuntes em redor da estátua de Vasco da Gama, em frente ao Museu Marítimo da ilha.

Uma boa compra

Mulheres exibem um polvo acabado de comprar a pescadores, nas imediações do Fortim de Santo António.

Só porque sim

Adolescentes beijam-se junto a uma ambulância estacionada em frente à mesquita da rua da Solidariedade.

Um avenida em pastel

Transeuntes na avenida Amilcar Cabral, uma das principais artérias da Cidade de Pedra.

Passo a passo

Mulheres muçulmanas passam em frente ao velho hospital da Ilha de Moçambique, em tempos, o mais antigo da África Austral.

Embarque-Desembarque

Donos de dhows tratam das suas embarcações enquanto a maré desce.

M Siro

Moradora da Ilha de Moçambique retoca a sua máscara mussiro antes danificada pelo suor, inevitável nestas latitudes tropicais.

Entre coqueiros

Morador fala ao telemóvel, instalado em frente à igreja do Fortim de Santo António.

À sombra do tempo

Casal conversa protegido do sol forte e com vista para a fortaleza de São Sebastião.

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.

Ao nosso lado, durante as mais de três horas de aperto no chapa vindo de Nampula, uma jovem mãe moçambicana com óbvia genética indiana conversa com a pequena filha e atura-lhe as birras. Fala-lhe sempre de forma altiva, bem audível aos restantes passageiro

s e com um delicioso sotaque pós-colonial que nos é mais perceptível que o de muitos portugas.

Quando chegamos ao fim dos 4km da ponte estreita que liga o continente à Ilha de Moçambique e da viagem extensa e desgastante a partir da Gorongosa, essa passageira exuberante explica ao motorista onde fica o Terraço das Quitandas. O anfitrião Sr. António dá-nos as boas-vindas. Tomamos duches recompensadores e dormimos até mais não. Voltamos a vê-lo no primeiro pequeno-almoço com a sua companhia, um repasto revigorante em que conversamos sobretudo da epopeia rodoviária por que tínhamos passado. Moçambicano de origem portuguesa, de bem antes da guerra colonial e da independência, António fala-nos das suas experiências de vida em Lichinga, a capital da província do Niassa e das viagens que mais o marcaram a ele. Conversamos até que o magnetismo da ilha de Moçambique nos atrai sem apelo e nos remete para as suas ruas seculares.

Seduz-nos o imaginário do grande forte, o maior da África sub-saarian, construído entre 1558 e 1620, com pedras que chegaram à ilha enquanto balastros de embarcações portuguesas. Já munidos de um pequeno mapa, damos com ele nuns poucos minutos. Adílio e Hélio, dois putos da ilha aspirantes a guias, metem conversa com modos brandos. Seguem-nos a tagarelarem entre si e com vizinhos que encontravam pelo caminho. Usam o dialecto macua. Connosco, um curioso português juvenil. Acabam por nos oferecer inúmeras informações importantes e uma companhia afável que se prolongaria até ao anoitecer. Nos dias seguintes, substitui-os Omar, um vendedor ambulante de chamussas dos seus 14 ou 15 anos.

Contemplamos a fortaleza de São Sebastião pela primeira vez da ponta de um pequeno areal branco, cercado pela orla cristalina do oceano Índico. Por essa altura, três pescadores lançam canoas à água. Não tardam a contornar a aresta mais anfíbia da fortaleza e a desaparecer por detrás.

Deixamos aquele recanto balnear. Passamos em frente a uma tal de loja de moda “Uso Africano. Ali diante, um grupo de amigos joga num tabuleiro decorado com símbolos do Benfica, Barcelona, Sporting e uma pintura icónica de CR7, em cada canto do quadrado. Hélio e Adílio sabem que o forte está fora da sua área de influência e ficam a acompanhar o passatempo. Em vez deles, guia-nos um vendedor de moedas antigas feito com o guarda do monumento para nos acompanhar sem ter que pagar a entrada.

O barão de armas da Coroa Portuguesa insinua-se-nos no topo do velho portal que atravessamos. À medida que percorremos os adarves amplos, rendêmo-nos à reminiscência dos feitos lusos de outros tempos.  

Vasco da Gama chegou à ilha em 1498, quando almejava completar o caminho marítimo para a Índia das especiarias. Após meses de navegação ao longo da costa selvagem de África, surpreendeu-se ao constatar o quão civilizado era o lugar, diz-se que um importante polo comercial e espécie de estaleiro naval então povoado por habitantes suaílis e negros, governado por um emir vassalo do sultão da vizinha Zanzibar. O emir respondia a Ali Mussa bin Bique, com variações deste nome ao longo dos tempos: Musa ibn Bique, Ali Musa Biki, Ali Mussa bin Bique e outros. Fosse qual fosse a sua graça, os portugueses não tardaram a regressar e a removê-lo do seu posto.

Até 1507, estabeleceram um porto e uma espécie de base naval abençoada pela Capela de Nossa Senhora de Baluarte, há muito considerada o edifício colonial decano do Hemisfério Sul. Mais para a frente no século XVI, a “Cidade de Pedra” dos novos colonos tornou-se a capital do território português da África Oriental. O forte que contornávamos protegeu de ataques dos rivais holandeses uma intensa actividade missionária e o comércio de escravos, de especiarias e de ouro. Daí em diante, as infraestruturas não pararam de aumentar e enriqueceram a colónia. Incluíram aquele que foi considerado por muitos anos o maior hospital da África Sub-Sahariana.

Com o tempo, a Ilha de Moçambique dividiu-se entre uma área nuclear que concentrou os edifícios históricos imponentes: a tal Cidade de Pedra e, outra adjacente, residencial, repleta de casas de pescadores térreas e humildes: Makuti.

Ao regressarmos do forte pela Av. dos Continuadores, internamo-nos na Cidade de Pedra, pela frente do Palácio e capela de São Paulo, agora coloridos com um vermelho predominante de frisos brancos que, apesar de gastos pelo sol tropical e pela maresia, contrastam com o céu azulão. Erguido em 1610 enquanto colégio jesuíta, o palácio acolheu, mais tarde, o governador. Hoje, é o Museu Marítimo. A condizer, uma estátua soberba a Vasco da Gama em frente da sua fachada principal perscruta a Baía de Mossuril. Tal como aconteceria no tempo do navegador, dhows coloridos estão ancorados no litoral manso abaixo.

O Palácio de São Paulo dá para uma outra praça delimitada por casarões coloniais impressionantes (de que o Terraço das Quitandas é um dos mais impressionantes exemplos) e por outra igreja, a da Misericórdia. Este templo de esquina, em particular, abriga um crucifixo esculpido ao estilo da arte maconde. Continua a acolher missas e a fé dos habitantes cristãos, uma minoria nesta ilha há muito do Islão.

Cortamos para a avenida Amílcar Cabral. Caminhamos arrastados por uma maré de estudantes de uniforme azul e branco que, de regresso da escola, conversam com estrilho. Uma parte deles segue à sombra das arcadas da rua. Outros, preferem o meio da via que é limitada pelo casario em redor, por velhas mansões que se sucedem com distintos tons de pastel.

Na rua paralela e marginal dos Combatentes, a casa em que viveu Luís de Camões preserva um reboco similar. Por restaurar, degrada-se a olhos vistos.

Camões habitou na Ilha de Moçambique entre 1567 e 1569. Vinha de Goa e instalou-se por algum tempo na expectativa que o amigo Diogo do Couto o lá encontrasse e ajudasse a reunir dinheiro para a passagem para Lisboa. Na ilha, terá ultimado “Os Lusíadas” antes de mandar editar a obra na capital do Império. É ainda possível que Bárbara “aquela cativa que me tem cativo” fosse uma escrava negra que lá conheceu, muito provavelmente moçambicana e de que teve que se despedir com profundo desgosto.

Deixamos a casa do poeta entregue à erosão. Prosseguimos Rua dos Combatentes abaixo rumo ao sudoeste da ilha. Ao longo desta outra via marginal, o Índico ciano encontra o seu limite num velho muro colonial. A apenas uns metros, o muro dá lugar à enseada e à praia gentil que servem de recreio ao bairro makutiano do Areal. Pescadores negoceiam peixes, polvos e chocos com algumas jovens donas de casa. Duas delas, embrulhadas em hijabs e capulanas exuberantes ficam com os moluscos, exibem-nos o triunfo do regateio e apontam aos seus afazeres vespertinos.

Os miúdos do bairro aproveitam essa curta interacção e cercam-nos. “Akunha! akunha!” (Brancos! Brancos!) gritam determinados a reclamar a atenção fotográfica do seu contentamento. Negociamos o resto da caminhada com a paciência possível até às imediações do Fortim de Santo António e da colónia de coqueiros frondosos e hirtos que o acompanham.

Nas imediações, um grupo de mulheres descasca feijão em amena cavaqueira. Uma delas, mais velha, resguarda-se do sol com uma exuberante máscara mussiro, o ecrã solar natural destas paragens, feito à base de uma substância vegetal há séculos usada pelas “muthiana orera”, as meninas bonitas da região de Nampula. Orgulhosa, a senhora dá-nos autorização para a fotografarmos mas é alertada pelas outras que uma parte da máscara se havia dissipado.

“Venham comigo” incita-nos. “Vamos já tratar disto!” Seguimo-la pelo meio do casario de pedra, barro e cana do Bairro do Areal. Acompanham-nos dezenas de vizinhos entusiasmados pela inesperada expedição. Chegados a sua casa, ela entra. Regressa pouco depois com um estojo de beleza casual, senta-se e reconstitui a máscara o melhor que sabe. Nós, apreciamos e registamos aquela fascinante arte facial. Até que a senhora nos exibe o trabalho perfeito, lhe agradecemos e voltamos todos ao ponto de partida.

A algumas centenas de metros, com a extremidade sul da ilha na iminência, damos com a longa ponte que a une ao continente. Uma funcionária de uniforme controla a cancela que determina a passagem do tráfego para lá ou para cá. Nos intervalos, conversa à sombra da sua cabine.

Invertemos caminho, agora pela rua da Solidariedade que percorre a orla oeste do casario de Makuti. Passamos à porta da sede local da RENAMO, por um porto de pescadores de alto-mar entregues à faina e, logo, da maior mesquita da ilha, verde e branca, como sugerem os preceitos muçulmanos. O chamamento do muezzin local não tarda a apelar a nova comunhão dos homens muçulmanos com Alá.

Algures por ali, a Rua da Solidariedade converte-se em rua dos Trabalhadores. No mercado de peixe, como é usual, fornecedores e vendedoras alimentam discussões dramáticas e ruidosas que divertem os transeuntes mais espirituosos. Escutamo-las quase até à entrada do Jardim da Memória, onde, ao invés, o tema abordado só pode ser levado a sério.

Desde o fim do século XVI ao virar do século XX e, em boa parte desse tempo, à revelia da Coroa Portuguesa, a Ilha de Moçambique manteve-se um entreposto esclavagista que processou o tráfico de nativos do leste de África sobretudo para as Ilhas do Índico ao largo de Moçambique ou para norte (Maurícia, Reunião, Madagáscar, Seychelles) mas também para o Brasil. O tráfico já era levado a cabo por negreiros árabes radicados em Zanzibar que operavam no norte de Moçambique. Ali, com a conivência de chefes muçulmanos macuas e de outras etnias, capturavam grandes contingentes de indígenas em redor do lago Niassa e desciam o litoral para os vender. Quando os portugueses se apoderaram da ilha, forçaram a sua participação nesse tráfico mantendo-os lá captivos e enviando-os de lá para os seus destinos finais. Ora, situado mesmo à beira do Índico, o Jardim da Memória foi erguido para recuperar a realidade atroz dessa era colonial. Quando o visitamos, cruzamos a história desde os tempos de Ali Musa Bique rumo à independência da Moçambique. A ilha, desvendámo-la até não podermos mais.

Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Table Mountain sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.

Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.

Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.

Príncipe, São Tomé e Príncipe

O Nobre Retiro de Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.

PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.

Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.

Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilômetros de Nampula, fruta tropical é coisa que não falta.

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Elmina, Gana 

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Pleno Dog Mushing
Aventura

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.

Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Febre vegetal
Cidades

Little India, Singapura

Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.

Ilha menor
Comida

Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.

Cultura
Espectáculos

A Terra em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Em manobras
Em Viagem

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

Étnico
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Insólito Balnear
História

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Desembarque Tardio
Ilhas

Arquipélago Bacuit, Filipinas

A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Correria equina
Natureza
Castro Laboreiro, Portugal  

No Cimo Raiano-Serrano de Portugal

Chegamos à eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Filhos da Mãe-Arménia
Outono

Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.

Pose mais à mão
Parques Naturais

Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.

Sombra vs Luz
Património Mundial Unesco

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Pesca no Paraíso
Praia

Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Em Ouvéa, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.

Cansaço religioso
Religião

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

À pendura
Sobre carris

São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.

Cabana de Brando
Sociedade

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.