Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo


Recta Final

Disputa dos últimos metros de um circuito desenhado sobre o gelo do lago Inari.

Caixa de Partida

Jóquei alinha-se com a sua rena encaixotada para a partida eminente de mais uma corrida.

À força

Dois donos agarram uma rena para lhe apertarem um arreio.

Galope Furioso

Jóqueis e renas arrancam após o tiro de partida.

Raposinho

Dono de renas vestido com peles de raposa.

A reboque

Proprietários e tratadores puxam as suas renas para as meterem nas boxes de partida.

Últimos preparativos

Jóqueis fazem os últimos preparativos antes da chegada das renas.

Corrida Disputada

Competidores lado a lado no interior da pista delimitada por hastes secas.

Mulher do Extremo-norte

Mulher sami, junto às renas competidoras, vestida para o frio da Lapónia finlandesa.

Renas transviadas

Renas libertadas devido à queda dos jockeys correm pela superfície gelada do lago Inari.

Trono motorizado

O grande vencedor da prova em cima da sua mota de neve.

Corrida Solitária

Participante termina prova de contra-relógio.

Conforto Boreal

Criança agasalhada para a temperatura baixa, num trenó tradicional.

Momento da verdade

Jockeys aguardam pelas suas renas, trazidas pelos proprietários e ajudantes.

Equilíbrio frágil

Jockeys e as renas que os puxam levantam um rasto de gelo, durante uma de várias corridas.

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

“Como é possível conduzires a uma velocidade destas numa estrada completamente gelada? Estes pneus com espigões foram uma invenção mesmo especial não foram, Timo, mas e se aparece alguma rena?”

“Já percebi que vão com medo aí atrás. Pronto OK, vou mais devagar mas não se preocupem que esta é uma área protegida”. Não percebemos de imediato a que se refere o dono do hotel Korpikartano mas aproximamo-nos de uma misturadora de cimento que roda sem parar e faz girar bandeiras vermelhas a ela presas. O anfitrião passa a explicar. “A estrada não está em obras. Há uns tempos, alguém se lembrou de criar aquela geringonça e percebeu que dava um óptimo dispositivo anti-renas. Elas ouvem o ruído das pedras lá dentro e fogem de imediato para o interior da floresta. São animais muito particulares, as renas. Mas já ficam a saber mais sobre elas. Estamos quase lá!”

Tínhamos deixado Menesjarvi havia meia-hora e já seguíamos ao longo do maior lago da Lapónia, o de Inari, em cujas margens se situa a mais importante povoação Sami. Passamos a igreja em forma de A, o novo parlamento e todo o pequeno centro da pequena cidade. Timo corta para o reduto da Inari Village e, mal deixamos para trás as suas cabanas vermelhas, damos com um parque de estacionamento improvisado.

“Bom, é aqui que vos deixo”, informa-nos. “O recinto fica mais para a frente. Divirtam-se!”.

Avançamos entre as centenas de veículos distribuídos sobre a superfície gelada do lago que se estende por 80 por 50 km, com cerca de 3.300 km de costa e abriga 3000 ilhas, algumas delas sagradas para os indígenas.

Ainda é cedo. O céu azul contrasta com o branco predominante e o sol dá o seu melhor mas, em pleno Inverno árctico, a temperatura ronda os -19º. Tendo em conta os registos dos dias anteriores e a ausência total de nuvens, não esperamos que o dia aqueça por aí além.

De acordo com a meteorologia, a pequena feira de bancas e rulotes que se instalou no recinto vende um pouco de tudo para o frio: enormes gorros de pele de animais ou lã, fatos coloridos,  meias, camuflados e armadilhas de caça, comida gorda e hiper-calórica ou o simples café preto a ferver.

Exploramos as bancas com uma curiosidade mediterrânica entre uma multidão crescente de finlandeses do norte, em grande parte sami, alguns nos seus trajes folclóricos, outros com roupas convencionais mas todos com peles, olhos e cabelos muito claros e bochechas ruborescidas. 

Atrás desta feira, encontramos a zona das renas. Agrupam-se, ali, dezenas de espécimes numerados, presos a uma floresta de postes que contornam assustados pela passagem dos humanos e inquietos com o seu destino.

A Porokuninkuusajot (Kings Cup) é a grande final, a prova do ano. Apesar da categoria superior do evento, dão-nos acesso permanente ao recinto dos animais, como a outros estrangeiros curiosos que os perscrutam com falsos olhares veterinários e tentam perceber os cuidados e procedimentos ministrados pelos jóqueis, donos e tratadores. 

Entretanto, a multidão dá origem a uma assistência respeitadora alinhada ao longo de uma corda baixa. Do lado oposto, ficam todos os intervenientes na competição. As renas são animais caprichosos e medrosos. Para que  o seu desempenho não possa ser prejudicado pelo público, não há quase ninguém para lá da projecção das linhas de partida e de chegada da longa pista, marcada em forma de U com simples paus espetados na neve.

A acção está prestes a começar. Os  jóqueis aquecem os músculos e tendões, assumem as suas posições nas boxes da estrutura de partida e ficam a aguardar os animais com que constituem equipa. São rapazes e raparigas, por lei, com mais de 15 anos e 60km (incluindo equipamento), por norma, os mais esguios, leves e aptos para aquele ofício das suas comunidades. Vemo-los, lado a lado, a contemplarem-se com rivalidade disfarçada ou a conversarem através da viseira aberta dos capacetes sofisticados.

Enquanto isso, os donos ou tratadores puxam as renas do estábulo e, com a colaboração dos jóqueis, tentam metê-las nos compartimentos respectivos, tarefa que dá origem a quedas e confusões hilariantes.

Encaixado sobre os pequenos currais vermelhos, apenas com o tronco a aparecer do seu topo, um juiz altivo e solitário supervisiona a regularidade dos acontecimentos a coberto de um enorme gorro peludo cinzento que só lhe deixa a descoberto parte da face e os óculos volumosos. Os competidores estão finalmente preparados. O juiz fiscaliza-os uma última vez e abre as portinholas que retêm as renas.

Estas, disparam como loucas para a pista e rebocam os jóqueis num equilíbrio frágil sobre esquis. Os participantes levantam uma nuvem de neve e somem-se em três tempos na distância. Desprovidos de binóculos, como o público, em geral, ficamos sem perceber o que se passa, até que os competidores mais rápidos vencem a parte curva do percurso e surgem a disputar a recta final. Entusiasma-se parte da multidão perante a iminência da vitória dos que apoiam. Os restantes, conformam-se com os maus desempenhos ou lamentam a sorte que não sorriu aos seus. Todos conhecem a humilhação das piores derrotas. Mesmo a rebocar os jóqueis, as renas atingem os 60 a 80 km/h. Correm muitas vezes encostadas umas às outras ou em trajectórias menos favoráveis. Causam a queda dos jóqueis menos preparados e fogem para a imensidão do lago Inarijarvi obrigando recuperadores sobre motas de neve a complexas perseguições para os trazerem de volta aos donos. Dependendo da distância para a linha de chegada e da sua disposição, os jóqueis podem regressar a pé ou à boleia. Cabe-lhes ainda a árdua missão de disfarçar a sua desilusão perante o público, a família e os rivais. Mas, dos fracos não reza a história. Concentremo-nos nos vencedores. Foi algo que, entretidos com os aspectos secundários mais fascinantes do evento, nem sempre conseguimos, demasiadas vezes perdidos da lógica do grande cronómetro instalado junto à linha de chegada e da classificação.

Tem lugar uma derradeira prova e o suspense aumenta. Quando termina, família, amigos e outros elementos da assistência cercam um homem de fato escuro e gorro branco e felicitam-no de forma efusiva com passou-bens e abraços prolongados. O vencedor é Länsman Anni. A sua rena Annintähti guiada pelo jóquei Uula Petteri Somby tinha percorrido 1 km em 1:17, 34 e os 2 km em 2:29,22.  Os resultados estavam algo distantes do recorde mundial de 1:13 segundos para os 1000 metros mas a conquista da Kings Cup vale mais que qualquer recorde e a época tinha terminado em glória para a cooperativa de Kaldoaivi, com vários participantes nos primeiros dez lugares.

Aos poucos, a multidão debanda. Destaca-se a figura de um proprietário de renas que veste uma combinação excêntrica de cabedal com pele felpuda de raposa, coroado por um gorro de que espreita a própria cabeça de um espécime juvenil daquele canídeo.

Fotografamos o homem e a raposa e ensaiamos um diálogo de ocasião mas, nestes confins setentrionais da Lapónia, só os mais jovens falam inglês e somos forçados a desistir.

Ainda assim, deixamos o nativo ainda mais orgulhoso do seu visual. Depois, continuamos a acompanhar o lento desarmar do evento até que o sol se some, o vento começa a soprar e a temperatura baixa de forma drástica. Não temos roupa nem calçado que nos aguente por muito mais tempo sobre aquele lago. Sem alternativas, seguimos os passos dos últimos resistentes em direcção à cabana salvadora e aconchegante da Inari Village. Na recepção, o dono e gerente recebe-nos admirado por voltarmos já quase de noite: ”Estou a ver que gostaram. É uma grande competição não é?” Por estes lados, toda a gente é louca pela Kings Cup e estão com muita sorte em aqui dormirem. Já vos tinha dito que temos todas as cabanas reservadas nos dias de corrida para os próximos 25 anos, certo? É só para ficarem com uma ideia mais concreta”.

Kemi, Finlândia

Não é Nenhum "Barco do Amor" mas Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o “Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Ilha Hailuoto, Finlândia

À pesca do verdadeiro peixe fresco

Abrigados de pressões sociais indesejadas, os ilhéus de Hailuoto sabem sustentar-se. Sob o mar gelado de Bótnia capturam ingredientes preciosos para os restaurantes de Oulu, na Finlândia continental.

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.

Inari, Finlândia

A Assembleia Babel da Nação Sami

A nação sami é afectada pela ingerência das leis de 4 países, pelas suas fronteiras e pela multiplicidade de sub-etnias e dialectos. Mesmo assim, no parlamento de Inari, lá se vai conseguindo governar

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Durante muito tempo discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera o orgulho e autonomia. A 6 de Fevereiro, esta etnia indígena comemora a sua nacionalidade.

Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. Mas o imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.

Herança colonial
Arquitectura & Design

Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e a experiência que não se deve arriscar subir à pressa.
Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Cidades
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Debate ao molho
Cultura

Lhasa, Tibete

O Mosteiro da Sagrada Discussão

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Surfspotting
Em Viagem

Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.

De partida
Étnico

Wala, Vanuatu

Cruzeiro à Vista, a Feira Assenta Arraiais

Em grande parte de Vanuatu, os dias de “bons selvagens” da população ficaram para trás. Em tempos incompreendido e negligenciado, o dinheiro ganhou valor. E quando os grandes navios com turistas chegam ao largo de Malekuka, os nativos concentram-se em Wala e em facturar.

Luminosidade caprichosa no Grand Canyon
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Enseada escondida
História

Busuanga, Filipinas

Uma Armada Pouco Secreta

Na 2a Guerra Mundial, uma frota nipónica falhou em ocultar-se ao largo de Busuanga e foi afundada pelos aviões norte-americanos. Hoje, os seus destroços subaquáticos atraem milhares de mergulhadores.

Vista de Selkirk
Ilhas

Ilha Robinson Crusoe, Chile

Na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Uma Busca solitária
Natureza

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Budismo majestoso
Parques Naturais
Circuito Anapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca das Anapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Memória cruel
Património Mundial Unesco

Hiroxima, Japão

Uma Cidade Rendida à Paz

Em 6-8-1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Mme Moline popinée
Praia

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Em louvor do vulcão
Religião

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Praia portuária
Sociedade

Sentosa, Singapura

O Recreio de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.

Dança dos cabelos
Vida Quotidiana

Longsheng, China

A aldeia chinesa dos maiores cabelos do mundo. Nutridos a arroz, claro

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de uma aldeia renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os seus cabelos anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm que faz da aldeia recordista. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e o cereal. 

Refeição destemida
Vida Selvagem

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.