Guwahati, India

A Cidade Prolífica que Venera o Desejo e a Fertilidade


Paz & Amor

Pomba e escultura feminias, ambas tingidas de vermilhão, em Kamakhya.

Preces escarlates

Devota ora perante uma conjunto de figuras monolíticas e vermelhas de deuses hindus.

Kamakhya a 2

Casal deixa uma estátua escarlate de Ganesh a que acabou de oferendar algumas moedas.

Uma forma de ser

O templo peculiar de Kamakhya que combina uma cúpula hemisférica com uma estrutura cruciforme.

Cidade em expansão

O casario de Guwahati, a sul do rio Bramaputra. Guwahati é uma das cidades que mais cresce no mundo. 

Espera atrás das grades

Jovens crentes hindus atrás do gradeamento que contem os visitantes do interior sagrado do templo de Kamakhya.

Banho bendito

Rapazes banham-se na metade da Piscina da Piscina da Divina Bendição, onde os crentes de devem purificar antes de entrar no edifício principal do templo de Kamakhya.

Moda asceta

Sadhu exibe a sua exuberância ascética numa zona retirada do templo.

Colegas de volante

Condutores de riquexó, à saída do templo de Kamakhya

Preces na névoa

Crentes hindus oram envoltos em névoa de incenso.

Moda asceta II

Saddhu produzido a rigor.

Nos passos de um amo

Cabrito segue um sacerdote ao longo de uma fachada esculpida de Kamakhya.

Espera atrás das grades II

Grupo garrido de devotos hindus aguarda a sua vez de seguir para o interior do templo Kamakhya.

Luz Divina

Mulher deixa um recanto de Kamakhya, sob um foco natural e providencial de luz.

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.

Brahmaputra. É especial o rio que flui no vale de Assam, após serpentear pelo planalto do Tibete, por alguns dos desfiladeiros mais impressionantes dos Himalaias chineses e da província indiana de Arunachal Pradesh. As chuvas persistentes das monções e o degelo das terras altas pausaram faz três meses. O seu caudal desfila vagaroso e barrento, paralelo à longa marginal da cidade. “Este é o único rio masculino da Índia, repetem, orgulhosos, os guias residentes. Filho de Brahma, criador do Universo, e da mulher do sábio Shantanu, criança que assumiu a forma de água.”

Ao contemplarmos o cenário quase só natural a norte, limitado ao rio e a uma linha de montanhas comedidas, cedemos ao pensamento de que Brahma se apressou a meter folga. E, no entanto, basta invertermos a direcção para constatarmos que, em Guwahati, os seus serviços se sucedem como nunca. De momento, os habitantes ficam-se pelo milhão, número, na megapopulosa Índia, inexpressivo. Mas não é a demografia actual que impressiona, por estes lados, é a sua evolução. A este ritmo de migração e de aumento populacional estima-se que já em 2025 ascenderão a três milhões os moradores da cidade. O casario salpicado de vegetação tropical e o tráfico infernal de Guwahati expandem-se de acordo.

Durante vários dias, vivemos a grande urbe de Assam a partir da sua artéria aorta, esclerosada de todos os negócios imagináveis, de hotéis de luxo a bancas que servem chás masala ao copinho sem parar e assim espevitam as inúmeras almas hindus (85%), muçulmanas (13%), jainistas e cristãs (ambas menos de 1%) que a disputam, entorpecidas pela rotina e – por altura da nossa visita – pela ocasional névoa invernosa. Faz sentido que esta GS Road promovida a estrada, se revele a mais disputada. Como as suas iniciais indiciam, atravessa boa parte de Guwahati e prossegue para Shillong, a capital de Meghalaya, o estado indiano vizinho e cristão por excelência que precede o Bangladesh e a Baía de Bengala. Da aurora, à noite bem escura, percorrem as suas duas vias separadas por um gradeamento motoretas, riquexós motorizados, carros e autocarros, ciclistas, pedestres, carroças e até algumas vacas sagradas e outro gado tresmalhado. Às horas de ponta, a artéria congestiona com gravidade só vista. A maior parte dos condutores vitimados é, no entanto, hindu. A sua forma devota e paciente de acatar tal mundano destino evita que sucumbam a ataques de nervos ou de fúria. Em vez, mantêm-se atentos ao tráfego e conquistam cada centímetro de estrada com uma fascinante sofreguidão cortês.

Também Guwahati tem onde chegar. A cidade é o motor do desenvolvimento do Nordeste Indiano, um conjunto de estados quase enclaves da Índia, encerrados entre o Bangladesh a oeste, o reino do Butão a norte e o Myanmar a leste. Conscientes do relativo desfavorecimento geográfico face ao vasto “triângulo” indiano, as suas autoridades envidam todos e mais alguns esforços compensatórios. Uns dias antes de lá aterrarmos, passavam na TV partidas de Portugal no Campeonato de Futebol de Sub-17. Só in loco nos apercebemos que Guwahati as havia acolhido. Não tinham ainda sido removidos os cartazes e painéis promocionais desse evento, já vários outros conviventes anunciavam torneios internacionais de badminton. Culturistas de todo o mundo exibiam o físico inchado em competições disputadas, realizadores, os seus filmes num festival de cinema, agentes e operadores de viagem concentravam-se numa feira de turismo, isto para mencionar apenas algumas das realizações promocionais de 2017.

Uma força comprometida de empresários e funcionários locais agradece o emprego e os rendimentos gerados por tamanho dinamismo. O jovem Panku Baruah e uma colega são só dois deles. A organização do evento em que participamos incumbira as suas empresas de assistir os convidados internacionais. Durante três ou quatro dias, acompanham-nos, determinados a nos resolver toda e qualquer dificuldade. À despedida, Panku revela-nos e a outros jornalistas um segredo. “Vou-vos contar uma coisa. Eu e a Leena estamos noivos. Vamos casar entretanto.” Alguns dos participantes mostram-se surpreendidos e felicitam-no. Para outros, em boa parte femininos, não parecia haver novidade no comunicado. “Bem me parecia que era ternura a mais para só trabalharem juntos” sibilam línguas intriguistas do sul europeu. Panku mostrava-se rejubilante. Segundo a ordem indiana e assamesa das coisas, o matrimónio realizar-se-ia com mais ou menos pompa, por certo tão garrido quanto festivo. O casal haveria de gerar rebentos e de contribuir, assim, para o crescimento imparável de Guwahati. Tudo sob os auspícios mais ou menos tântricos de Kamakhya, cujo reverenciado santuário, à imagem de incontáveis famílias e parceiros, voltariam a visitar.

Algo macabra como acontece tantas vezes no âmbito do hinduísmo, a origem mitológica do tempo condiz com a realidade cómico – às vezes trágica – de muitas famílias indianas.

Segundo narra a lenda, Sati a esposa de Shiva, desiludiu o seu pai e deus-rei Daksha com uma má escolha de marido. Quando Daksha levou a cabo uma tal de cerimónia Yajna de devoção, não convidou nem Shiva nem Sati. Furiosa, Sati atirou-se ao fogo da cerimónia do pai, consciente de que isto tornaria a cerimónia impura. Shiva viu-se atordoado pela dor e raiva da perda da mulher. Colocou Sati sobre um ombro e deu início à sua dança cómica da destruição. Prometeu não se deter enquanto o corpo não tivesse apodrecido. Receosos da sua própria aniquilação, outros deuses rogaram a Vishnu que acalmasse Shiva. Vishnu enviou um dos seus chacras em forma de disco para destruir o cadáver de Sati. Caíram 52 (segundo outras interpretações 108) pedaços do seu corpo em diferentes partes do Subcontinente, Tibete, Bangladesh, Nepal e Paquistão. A vagina aterrou na colina de Nimachal, que viria a ser adorada pelos hindus em geral, em especial pelos crentes e praticantes do shakti, a veneração tântrica do poder espiritual feminino.

O riquexó que lá nos conduzia ainda só tinha chegado a meio da elevação mas já depreendíamos a peculiaridade do lugar. Uma ruela pejada de lojas de artefactos religiosos, percorrida por crentes vestidos com os seus melhores trajes tradicionais, conduzia a um pórtico cuidado por guardas que, claro está, nos obrigam a remover os sapatos. É, assim, descalços que inauguramos a visita ao templo de Kamakhya, bem mais demorada e deslumbrante do que alguma vez pudéssemos esperar.

Kamakhya é o principal de um complexo de dez templos individuais dedicados ao mesmo número de Grandes Sabedorias (Mahavidyas) do hinduísmo. Surge encaixado numa plataforma ladeada por uma bancada em jeito de ghat, se tivermos em conta a ausência de rio. Foi renovado e alterado por várias vezes entre os séculos VIII e XVIII, de tal maneira que tem hoje um formato peculiar, com uma espécie de campânula hemisférica dourada assente numa base cruciforme.

Começamos por subir a um extremo da bancada e por dali apreciarmos o edifício e uma “assistência” de fiéis que lá repousavam e meditavam numa curiosa partilha do espaço com cabras, cães e pombos. Desse cimo, apreciamos o movimento de tantos outros para cá e para lá do edifício. Constatamos que o complexo é refrescado por uma Piscina da Divina Bendição, um tanque que acolhia uma colónia de grandes tartarugas, esse sim, cercado por ghats e dividido em dois. Uma sua metade era dedicada à limpeza do complexo. Na outra, os fiéis purificam-se antes de prosseguirem para o interior do templo.

Os crentes que por lá passavam autónomos, borrifavam a cabeça e as faces com alguma da água para logo se dedicarem a preces e oferendas a uma quadra de pequenas representações divinas monolíticas e escarlates. Outros, chegavam na companhia de sacerdotes do templo que os guiavam numa cerimónia bem mais elaborada.

Já um bando de miúdos usava o reservatório com sérios fins balneares, entregues a mergulhos acrobáticos e natações remediadas, para diversão do funcionário local, que os parecia invejar mas se via obrigado a expulsá-los de cada vez que novo grupo de fiéis chegava.

Da Piscina da Divina Purificação, a passagem ao recinto sagrado do templo era tudo menos imediata. No fim-de-semana em que estávamos, o número de pretendentes aumentava a olhos vistos. Encontramo-los, alinhados numa longa e sinuosa passagem gradeada, com aspecto de prisão momentânea, se bem que colorida por saris lustrosos e animada por um convívio respeitoso. Enfiados naquele estranho corredor, os crentes aproximam-se, aos poucos, da Garbhagriha, a zona mais sagrada do templo, uma pequena câmara escura acessível por uma escadaria íngreme de pedra. No interior, há uma laje em que se aninha uma depressão com 25 cm em forma de vulva. Lá são proibidas as fotos, mas é esta escultura avermelhada, humedecida em permanência por água de uma nascente subterrânea, que vemos os fiéis hindus e do Tantra tocarem, sentirem e idolatrarem como a deusa do desejo sexual e da criação Kamakhya.

Em Junho, em plena época húmida da monção do subcontinente, o templo homónimo recebe ainda um festival anual, o Ambubachi Mela, que celebra o ciclo anual de menstruação da deusa. Os crentes acreditam que, por esta altura, o poder criativo e de gestação da sua menstruação se torna transferível a todos os devotos, bem como ao rio Bramaputra que surge tingido de vermelho, mais pelo pigmento vermelhão lá colocado pelos escolares hindus que propriamente devido a sangue gerado pelo período da deusa, apesar de milhares de devotos preferirem acreditar na versão sobrenatural.

O próprio templo e a crença de que se rodeia é visto, por muitos fiéis mais esclarecidos, como milagroso. Em Kamakhya, a fé não surge centrada em redor do habitual panteão dos deuses hindus. Não existem sequer verdadeiras estátuas para idolatrar. Mais que isso. Um pouco por toda a Índia, a menstruação continua a ser vista como um tabu, algo desprezível que é suposto ser evitado nas conversas.

Pois, em Guwahati e na colina de Nimachal, assumiu um improvável estatuto divino. Mesmo que, como acontece com a maior parte dos templos indianos, muitas famílias continuem a proibir as adolescentes e mulheres de o visitarem durante os seus períodos de menstruação. Há muito que a espiritualidade indiana convive com estas suas contradições. Tão cedo não irá mudar.

 

Os autores agradecem o apoio na realização deste artigo às seguintes entidades:  Embaixada da Índia em Lisboa; Ministry of Tourism, Government of India; Assam Development Corporation

 

Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.

Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.

Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.

Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.

Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção himalaia da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos creem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.

Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Cria(ra)m Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes vegetais deslumbrantes às futuras gerações.

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.

Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.

Tsfat, Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.

Nara, Japão

Budismo Hiperbólico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.

Suzdal, Rússia

1000 Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.

Lhasa, Tibete

O Mosteiro da Sagrada Discussão

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.

Gasan, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé

Bagan, Myanmar

A Planície das Compensações Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.

Chiapas e Iucatão, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Virgem de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo israelita. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.

Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir de Koya San, pode ser ainda mais fácil.

Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e a experiência que não se deve arriscar subir à pressa.
Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Silhuetas Islâmicas
Cidades

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Danças
Cultura
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

A Toy Train story
Em Viagem
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Étnico
Nelson a Wharariki, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Um outro templo
História

Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.

Banco improvisado
Ilhas

Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Observatório Dourado
Natureza

Monte Mauna Kea, Havai

Um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Por Chame
Parques Naturais
Circuito Anapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
A fortaleza e a catedral
Património Mundial Unesco

Novgorod, Rússia

A Avó Viquingue da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.

Acima de tudo e de todos
Personagens

Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.

Mme Moline popinée
Praia

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Rumo ao vale
Religião

Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.

Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Cabana de Brando
Sociedade

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Glaciar Meares
Vida Selvagem

Prince William Sound, Alasca

Alasca Colossal

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do 49º estado. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.

Radical 24h por dia
Voos Panorâmicos

Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades extremas reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.